domingo, 16 de abril de 2006

Todo azul do mar

14 bis
A           D          F#m
Foi assim, como ver o mar
C#m7       D               A   
A primeira vez que os meus olhos 
         Bm             E7/4 E7
     se viram no seu olhar
           A        D           F#m    
Não tive a intenção de me apaixonar
C#m7       D        A     Bm             E7/4  E7
Mera distração e já era momento de se gostar
D     C#m7 A           D            A
Quando eu dei por mim nem tentei fugir
   Bm      C#/F    F#m  B7/4      B7    E7/4     E7
Do visgo que me prendeu dentro do seu olhar
D     C#m7  A        D          A
Quando eu mergulhei no azul do mar
   Bm   C#/F    F#m   B7/4  B7    E7/4    E7
Sabia que era amor e vinha prá ficar
        A        D            F#m
Daria prá pintar todo azul do céu
C#m7         D        A       Bm                   E7/4 E7
Dava prá encher o universo da vida que eu quis prá mim
D  C#m7 A        D            A
Tudo que eu fiz foi me confessar
  Bm      C#/F   F#m  B7/4   B7   E7/4    E7
Escravo do teu amor, livre para amar
D    C#m7 A          D             A
Quando eu mergulhei fundo nesse olhar
     Bm    C#/F  F#m     B7/4   B7    E7/4    E7
Fui dono do mar azul, de todo azul do mar
A           D          F#m   D
Foi assim, como ver o mar
           A        D          F#m D
Foi a primeira vez que eu vi o mar
A           D           F#m D
Onda azul, todo azul do mar
       A         D           F#m D
Daria prá beber todo azul do mar
               A        D          F#m   D
Foi quando eu mergulhei no azul do mar

Linda juventude

Linda juventude (1984) - Flávio Venturini e Márcio Borges - Intérprete: 14 bis
Intro: (Em G Em G Em G A9 B4 A9) 
       (Em G Em G Em G A9 B4) 
 
C           D     G     C          D      G 
Zabelê, zumbi, besouro, vespa fabricando mel 
C              D     Bm7     C    Am7        Bm7  Em 
Guardo teu tesouro, jóia marrom, raça como nossa cor 
C            D     G    C            D    G 
Nossa linda juventude, página de um livro bom 
C               D    Bm7    C   Am7         Bm7   C 
Canta que te quero cais e calor, claro como o sol raiou 
Am7           Bm7  C 
Claro como o sol raiou 
 
Intro 
 
C     G   D     Am7            Bm7 C         D 
Maravilha, juventude, pobre de mim, pobre de nós 
   Am7    Bm7         C     Am   G   Em  Am   G   Em    D4   D 
Via Láctea, brilha por nós, vi...das pe..que..nas da esqui...na 
 
Intro 
 
C           D     G       C             D    G 
Fado, sina, lei, tesouro, canta que te quero bem 
C               D   Bm7     C    Am7          Bm7     Em 
Brilha que te quero luz andaluz, massa como o nosso amor 
C            D     G     C           D     G 
Nossa linda juventude, página de um livro bom 
C             D  Bm7      C   Am7          Bm7    C 
Canta que quero cais e calor, claro como o sol raiou 
Am7          Bm7    Em 
Claro como o sol raiou 
 
Intro 
 
C     G   D     Am7           Bm7  C       D 
Maravilha, juventude, tudo de mim, tudo de nós 
    Am7   Bm7           C   Am   G   Em  Am  G   Em    D4   D  
Via Láctea, brilha por nós, vi...das bo..ni..tas da esqui...na. 
 
Zabelê, Zumbi, Besouro.... 
 
(Só para o fina) --> Em9 

Carrossel

14 bis
D7    G  D/F# C/E      Am  Em  D7
Você vai chegar  ao entar..de..cer
      C         Am           D7   C/E   D/F#
A brilhar nessa luz cor de outono
      G  D/F# C/E          Am  Em   D7
Você vai lembrar quanto eu fui sonhar
      C           Am           D7   C/E   D/F#
Um país todo em flor numa estrela
       G      C   D7
Tanto tempo eu sei
      G/B C/E          D7
Já se foi sem te alcançar
        C     Am          D/F# C/E  D7
Carrossel a girar em meu sonho
         G   C  D7
Vive em seu olhar
      Gm/Bb Cm       F7
Um jardim  feito canção
F/A   Bb     D7     Gm     C      D7/4
Florescendo no horizonte, claro ao sol
D7GD/F#C/EAm
EmCG/BGm/BbCm
F7F/ABbGmD7/4

Como dois animais

A letra de “Como Dois Animais” foi usada por Alceu Valença duas vezes. A primeira foi num frevo de Zé da Flauta, um dos músicos que atuou em seu grupo anos seguidos. Gravado pela cantora Teca Calazans, que estabeleceu sua carreira na França, o frevo não fez sucesso.

Tempos depois, os versos, que celebram a realização de um romance desigual por meio de uma alegoria — tendo como personagens uma onça-pintada e um cachorro vagabundo —, reapareceriam na forma desta toada, que Alceu lançou no elepê Cavalo de pau: “Uma moça bonita / de olhar agateado / deixou em pedaços o meu coração / uma onça pintada / e seu tiro certeiro / deixou os meus nervos / de aço no chão...”

Sua interpretação sensual, mais a introdução de contrabaixo de Jorge Degas e o arranjo de Jaques Morelenbaum (combinando saxofone e violoncelo num timbre peculiar) resultaram numa sonoridade bluesy, que aproxima a obra de Alceu ao pop, sem tirar-lhe as raízes pernambucanas. Este álbum, com apenas oito faixas, alcançou vendagem superior a meio milhão de cópias, consolidando em termos nacionais a carreira de Alceu Valença (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Como dois animais (1982) - Alceu Valença
E   Bm      E        D       E
Uma moça bonita de olhar agateado
  Bm         E     D      E   Bm  E  D
Deixou em pedaços meu coração
E    Bm     E           D       E
Uma onça pintada e seu tiro certeiro
 Bm             E        D       E  Bm   E   D
Deixou os meus nervos de aço no chão

E      C#m  G#m  C#m  G#m  C#m  G#m
Foi mistério e segredo e muito mais
      C#m  G#m  C#m G#m C#m  G#m
Foi divino brinquedo e muito mais
    E         D  A    E   Bm  E  D
Se amar como dois animais

E    Bm       E           D       E
Meu olhar vagabundo de cachorro vadio
  Bm        E             D       E  Bm   E   D
Olhava a pintada e ela estava no cio
E      Bm      E            D       E
Era um cão vagabundo e uma onça pintada
   Bm          E        D      E  Bm   E   D   E
Se amando na praça como os animais

Sete desejos

Alceu Valença
Intro.: (D D7+)
(D D7+ C Em Bb F G A D)

  D             D7+
Recomeçando das cinzas
   C               Em
Eu faço versos tão claros
   Bb          F
Projeto sete desejos
     G    A    D
Na fumaça do cigarro
            D7+
Eu penso na blusa branca
   C                  Em
De renda, que dei pra ela
   Bb            F
Na curva de suas ancas
G           A        (D   D7+)
Quando escanchada na sela
          D             D7+
Lembro um flamboyant vermelho
   C             Em
No desmantelo da tarde
  Bb             F
A mala azul, arrumada
G        A        D
Que projetava a viagem
     D7+         C
Recomeçando das cinzas
                    Em
Vou recompondo a paisagem
Bb                      F
Lembro um flamboyant vermelho
G        A       D    (D D7+)
No desmantelo da tarde
   D             D7+
E agora penso na réstia
  C            Em
Daquela luz amarela
Bb                F
Que escorria do telhado
       G      A     D
Pra dourar os olhos dela
      D7+       C
Recomeçando das cinzas
                   Em
Vou renascendo pra ela
   Bb             F
E agora penso na réstia
  G      A      D
Daquela luz amarela
   D                  D7+
E agora penso que a estrada
   C               Em
Da vida, tem ida e volta
   Bb              F
Ninguém foge do destino
     G        A       (D D7+)
Esse trem que nos transporta
   D                  D7+
E agora penso que a estrada
    C              Em
Da vida, tem ida e volta
   Bb              F
Ninguém foge do destino
     G        A       D
Esse trem que nos transporta

Anunciação

Anunciação (1983) - Alceu Valença

introd.: G Am C G

G                                     Am
Na bruma leve das paixões que vem de dentro
                          C              G
Tu vens chegando prá brincar no meu quintal
                                 Am
No teu cavalo peito nu cabelo ao vento
                         C           G
E o sol quarando nossas roupas no varal

    G7      Em
Tu vens tu vens
F       C               G
Eu já escuto os teus sinais

                                Am
A voz do anjo sussurou no meu ouvido
                     C               G
E eu não duvido já escuto os teus sinais
                              Am
Que tu virias numa manhã de domingo
                     C            G
Eu te anuncio nos sinos das catedrais


Linda flor

Além de ser uma bela composição, "Linda Flor" entra para a história da música popular brasileira como o primeiro samba-canção a fazer sucesso. Mas até conquistar a preferência do público, esta composição recebeu três versões de diferentes letristas: a primeira, de Cândido Costa, com o título de "Linda flor", lançada por Dulce de Almeida na comédia A Verdade do Meio Dia e gravada por Vicente Celestino; a segunda, de Freire Júnior, com o título de Meiga Flor, gravada por Francisco Alves; e a terceira e definitiva, de Luiz Peixoto, cantada por Araci Cortes na revista Miss Brasil e no disco, com o título de Iaiá, mas que se tornou conhecida como Ai, Ioiô.

Na realidade, essa terceira versão só existiu porque Araci rejeitou as anteriores. Como a canção estava no repertório de Miss Brasil, o libretista da peça, Luiz Peixoto, teve de criar às pressas os novos versos, que foram escritos no intervalo de um ensaio, em pleno palco do Teatro Recreio.

Bem feminina, Linda Flor tem entre suas intérpretes algumas deusas da canção brasileira como Isaura Garcia, Elizeth Cardoso, Ângela Maria, Dalva de Oliveira, Zezé Gonzaga e, naturalmente, Araci Cortes, que a popularizou. Como curiosidade, para os que acham que o termo "samba-canção" só surgiu em meados dos anos trinta, reproduzimos uma nota publicada no n° 16, de 30 de março de 1929, da revista Phonoarte: "Yayá (Linda Flor), o samba canção que todos conhecem e que, no último Carnaval, foi um dos seus mais ruidosos sucessos, acha-se impresso pela Casa Vieira Machado".

Linda flor (samba-canção, 1929) - Henrique Vogeler, Luiz Peixoto e Marques Porto

Disco 78 rpm / Título da música: Ai ioiô / Autoria: Vogeler, Henrique (Compositor) / Peixoto, Luiz (Compositor) / Porto, Marques (Compositor) / Cortes, Araci (Intérprete) / Orquestra (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1953 / Nº Álbum 13535 / Gênero musical: Samba canção


--------C--------- G7------ C
Ai Ioiô, eu nasci pra sofrer
--------G7------ A7-- A7/5+-------- Dm7 Bb7 Dm6
Fui oiá prá você / Meus oinho fechô
-----------------Bb7---- Dm Bb7 Dm6
E quando os oio eu abri
-----------Bb7----- G7
Quis gritá quis fugí
-----------------------C ---------Db0--------- Dm---- G7
Mas você não sei porque, você------ me chamou
--------C---------- G7----- C
Ai, Ioiô, tenha pena de mim
------------G7------ A7-------- A7/5+ -------Dm7 A7 Dm
Meu Senhor do Bon . . .fim pode inté se zangar
Ab--------------- C----- Bb7
Se Ele um dia sou . . .ber
-----------A7 -----D7 ---G7 ----C --Fm ---C
Que você é que é o Ioiô de Iaiá
------------------D7-------------- G
Chorei toda noi . . .te pensei
-----------B7----------------------- E7
Nos beijos de amor que eu te dei
------------------Am ----------D7----- G
Ioiô meu benzinho do meu cora . . .ção
--------E7 --------A7--------------- D7----- G
Me leva prá casa me deixa mais não
------------------D7----------- G
Chorei toda noi . . .te pensei
--------------------B7----------------- E7
Nos beijos de amor que eu te dei
-----------------Am ------------D7 ----------G
Ioiô meu benzi . . .nho / Do meu cora . . .ção
---------E7 ------A7 ------D7-------- G--- Cm--- G
Me leva prá casa me deixa mais não


Fonte: A Canção no Tempo - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Vol. 1 - Editora 34

Dorinha, meu amor

Depois de obter vários sucessos em tempo de marcha - todos com nomes femininos: "Zizinha", "Dondoca", "Lili" -, José Francisco de Freitas resolveu mudar de gênero, apresentando em ritmo de samba "Dorinha, Meu Amor", sua heroína para o carnaval de 29.

E tal como as antecessoras, "Dorinha" foi grande sucesso, com um detalhe a mais: ressuscitou vinte e oito anos depois, numa reedição da gravação original, entrando por algumas semanas na relação das mais tocadas nas rádios.

Além de usar o teatro de revista, Freitinhas tinha um método muito eficaz para divulgar suas composições: percorria o corso e as batalhas de confete da cidade, com uma bandinha executando as músicas e distribuindo as letras aos foliões.

Dorinha, meu amor (samba/carnaval, 1929) - José Francisco de Freitas (Freitinhas)

Disco 78 rpm / Título da música: Dorinha!... meu amor / Autoria: Freitas, José Francisco de (Compositor) / Mário Reis (Intérprete) / Orquestra Pan American (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Odeon, Outubro/1928-Dezembro/1928 / Nº Álbum 10299 / Gênero musical: Samba apaixonado


------C
Dorinha meu amor
---------------C/E---Ebº-- Dm
Porque me fazes cho...rar?

E sou um pecador
------------G7---------C
E sofro só por te amar
--------- E7
Não sei qual a razão
----------------- Am
Que eu sofro tanto assim
--------- E7-----------Am
Castigo sim, castigo sim
--------E7
Imploro a Deus
------------------ Am
Para vencer o teu amor
-----------E7------ Am
O teu amor, amor


------- E7
Dorinha juro que
------------Am
Só pensarei em ti
------- E7
Somente em ti
-----Am
Somente em ti
-------E7
Só tu que podes dar
-------- Am
Alívio a esta dor
-----------E7----------Am
Ao teu cantor, cantor


Fonte: A Canção no Tempo - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Vol. 1 - Editora 34

Amor de malandro

Amor de malandro (samba, 1929) - Ismael Silva, Francisco Alves e Freire Júnior

Disco 78 rpm / Título da música: Amor de malandro / Autoria: Alves, Francisco (Compositor) / Freire Junior (Compositor) / Alves, Francisco (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1929 / Nº Álbum 10424 - Gênero musical: Samba


F#m----- C#7
Vem, vem
--------------------------------F#m----- F#7
Que eu dou tudo a você
---Bm------------ A
Menos vaidade
--------------F#7---- Bm
Tenho vontade
---------------E7-------- A----C#7
Mas é que não pode ser

-------F#m ------------G#7
O amor é o do malandro
Oh! Meu bem
-------C#7---------------- F#m---- F#7
Melhor do que ele ninguém
-------------Bm
Se ele te bate
----------------------F#m
É porque gosta de ti
Pois bater-se em quem
------------G#7
Não se gosta
----C#7---- F#m
Eu nunca vi

Benito Di Paula

Benito di Paula nasceu em 28/11/1941, no município de Nova Friburgo, Estado do Rio de Janeiro, filho de uma família de treze irmãos. Herdou de seu pai a influência musical que o levaria a ser um dos nomes fortes do samba feito nos anos 70 e 80. É um dos pais do estilo conhecido como "sambão jóia".

Cantor e compositor, sua carreira começou no Rio de Janeiro, onde foi crooner de boates nos anos 60. Mais tarde mudou-se para Santos (SP), onde cantava e tocava piano em casas noturnas.

Radicado em São Paulo, lançou seu primeiro compacto e passou a promover em suas apresentações uma mistura de samba latinizado, estilo que acabou tornando-o conhecido.

Apesar desse modo diferente de fazer samba lançou o estilo "brega-chique". Ainda não era conhecido pelo público - razão pela qual seu primeiro trabalho em gravadora foi produzido com composições de autores consagrados, contando também com quatro músicas de autoria de Benito ("Eu Gosto Dela", "Preciso Encontrar Você", "Você Vai Ser Alguém" e "Longe De você", esta última em parceria com Carlos de Carvalho). Neste LP, gravado em 15 de fevereiro de 1971, havia sucessos como "Apesar de você", de Chico Buarque de Hollanda, e composições de Taiguara, Vinicius de Moraes, Tim Maia, Ivan Lins, Paulinho Nogueira, Roberto e Erasmo Carlos.

O segundo LP de Benito foi "Ela", também gravado pela Copacabana, mas foi só a partir de seu terceiro trabalho, "Um Novo Samba", gravado em 1973, é que Benito passou a realmente integrar a restrita galeria de grandes sucessos comerciais, com constantes aparições em programas de tevê e 150 mil cópias vendidas, tendo duas músicas deste disco sido gravado por intérpretes de outros países: sua obra maior "Retalhos de cetim", por Paul Mauriat, e "Violão não se empresta a ninguém", lançado pela global no Japão, com imenso sucesso.

Em 1975, no LP seguinte , Benito aparece nas paradas de sucesso com "Meu amigo Charlie Brown", feita em homenagem ao personagem de Schultz, que era uma de suas leituras prediletas.

Já em 1976, Benito di Paula é sucesso consagrado, apresentando-se na Boate Vivará, no Rio, onde faz um show produzido por Augusto Cesar Vanucci e com orquestrações por Radamés Gnatelli.

Em 1977, Benito lança um novo LP, novo sucesso de vendagem. O pedido inicial soma mais de 400.000 cópias e benito prepara uma excursão pela Europa, iniciando-se pela Itália.

Compôs diversas trilhas para novelas (Nino, o italianinho, Simplesmente Maria, etc.) e ganhou o prêmio "Chico Viola", promoção da TV Record com sua música "Faça de mim uma Ilha". Foi rotulado de comercial, cafona, brega etc., mas mesmo assim continua se apresentando com freqüência em shows por todo o país.

Algumas músicas



Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora e Publifolha, SP, 1998.