sábado, 13 de maio de 2006

Vai com jeito

Emilinha Borba
Em 1957, João de Barro reviveu seus melhores momentos como compositor carnavalesco com a marchinha "Vai com Jeito", uma das preferidas do ano. Bem ao estilo tradicional do gênero, "Vai com Jeito" aconselha às meninas, de forma levemente maliciosa, a se acautelarem contra determinados piqueniques em praias desertas: "Se alguém lhe convidar / pra tomar banho em Paquetá / pra piquenique na Barra da Tijuca / ou pra fazer um programa no Joá... / menina vai / com jeito vai / se não um dia a casa cai...". A citação do Joá e da Barra da Tijuca dá uma idéia de como ainda eram pouco freqüentadas essas praias na década de 1950.

Vai com jeito (marcha/carnaval, 1957) - João de Barro

Disco 78 rpm / Título da música: Vai com jeito / Autoria: João de Barro, 1907-2006 (Compositor) / Emilinha Borba (Intérprete) / Gnattali, Radamés (Acompanhante) / Ritmo (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Continental, 1956 / Nº Álbum 17372 / Lado B / Lançamento: 1957 / Gênero: Marcha /

D---------------- A7
Vai, com jeito vai
Senão um dia
-----------D
A casa cai (menina!)

Se alguém lhe convidar
Pra tomar banho em Paquetá
Pra piquenique na Barra da Tijuca
Ou pra fazer um programa no Joá

--------D---------------- A7
Menina vai, com jeito vai
Senão um dia
-----------D
A casa cai (menina!)

Se todos fossem iguais a você

Vinícius de Moraes
Em meados de 56, Vinícius de Moraes estava com a peça "Orfeu da Conceição" pronta, faltando somente conseguir um compositor para musicá-la e, se possível, orquestrá-la. Achava Vinicius que o nome ideal para a tarefa seria o de Vadico (Osvaldo Gogliano), parceiro de Noel Rosa que, convidado não aceitou.

Atendendo, então, a uma sugestão do crítico musical Lúcio Rangel, o poeta convidou Antônio Carlos Jobim, na época um jovem compositor e arranjador ainda pouco conhecido.

Começava assim a parceria Tom/Vinicius, uma das mais importantes da música brasileira, juntando o talento de um grande músico ao de um poeta consagrado e que deu como primeiro fruto "Se Todos Fossem Iguais a Você". Romântica, requintada, até com uma certa tendência para o monumental, "Se Todos Fossem Iguais a Você" é a melhor composição do repertório criado para a peça. Lançada por Roberto Paiva no final de 56 chegaria ao sucesso no ano seguinte, quando recebeu várias outras gravações.

Se todos fossem iguais a você (samba-canção, 1957) - Tom Jobim e Vinícius de Moraes - Intérprete: Maysa




Tom: D7+

D7M                           E/D
Vai tua vida, teu caminho é de paz e amor
D7M                       G7M
A tua vida é uma linda canção de amor
C#m5-/7       F#7     B6/7    B5+/7       Em7
Abre os teus braços e canta a última esperança
Gm7   F7M       F#m7  B5+/7   Am7    D7
A esperança divina de amar      em paz
G7M    F#m5-/7   B5+/7  Em7      Dm7   G7
Se todos fossem     iguais   a você
C7M      Bm7  E7  Am7
Que maravilha viver
C/D                 G7M
Uma canção pelo ar, uma mulher a cantar
C#m5-/7           F#7      Bm7             Am7
Uma cidade a cantar, a sorrir, a cantar, a pedir
D7        G7M     F#m5-/7  B5+/7
A beleza da amar como o sol,
Em7        Dm7   G7
como a flor, como a luz
C7M          Dm7   G7      C7M
Amar sem mentir,    nem sofrer
C#m5-/7    Cm7   G/B                 Gm/Bb
Existiria verdade, verdade que ninguém vê
Am7                  C/D              G7M
Se todos fossem no mundo iguais a você

Saudade da Bahia

"Saudade da Bahia" nasceu numa tarde calorenta do verão de 1947. "Eu estava sozinho num bar perto de minha casa no Leblon, o Bar Bíbi, chateado com a agitação da cidade, quando me ocorreu a ideia", recorda Dorival Caymmi (foto). "Era uma ideia tão melancólica - logo eu que sou otimista - que resolvi guardar a canção para mim, mostrando-a apenas a alguns amigos mais íntimos."

Daí se passaram dez anos até o dia em que Aloísio de Oliveira, um desses amigos, convenceu o compositor a gravar "Saudade da Bahia". Diretor artístico da Odeon na ocasião, Aloísio estava ansioso para faturar na esteira do sucesso de "Maracangalha" e, como Caymmi não tinha composições novas, sugeriu: "E por que não aquela que fala de saudades da Bahia?" Assim, programada às pressas, "Saudade da Bahia" foi gravada, batendo recordes de vendagem, o que lhe proporcionou um prêmio especial de uma cadeia de lojas de São Paulo.

Saudade da Bahia (samba, 1957) - Dorival Caymmi

Disco 78 rpm: Título da música: Saudade da Bahia / Autoria: Caymmi, Dorival, 1914-2008 (Compositor) / Caymmi, Dorival (Intérprete) / Peracchi, Leo (Acompanhante) / Orquestra (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 26/02/1957 / Nº Álbum 14198 / Lado A / Gênero: Samba /

C------------- Bm7/-5---- E7 -----Am7 ----Gm7 ----C7
Ai ai que saudade eu tenho da Bahia
F ---------------A7 -----------------Dm7 ------G7
Ai se eu escutasse o que mamãe dizia
-----F ------------------- B7---- Em7
“Bem não vá deixar a sua mãe aflita
------------A7----------------- Dm7
A gente faz o que o coração dita
---------------A9- --------------D7/9------ G7
Mas esse mundo é feito de maldade e ilusão”

C --------------Bm7/-5 ---E7 -----Am7 ----Gm7 ----C7
Ai se eu escutasse hoje eu não sofria
F -----------A7 -------------------Dm7 ------G7
Ai essa saudade dentro do meu peito
F ----------------------B7------ Em7
Ai se ter saudade e ter algum defeito
-------------A7 --------------Dm7
Eu pelo menos mereço o direito
-------------G7 --------------------C6/9 ------A9-
De ter alguém com que eu possa me confessar

-----Dm7 ------------G7 ---------------Em7
Ponha-se no meu lugar e veja como sofre
------------------A9- --------Dm7---------- G7
Um homem infeliz ----que teve que desabafar
--------------------C6/9 ---------------Em7 ------A9-
Dizendo a todo mundo o que ninguém diz
Dm7--------------- G7
Vejam que situação
-------------------Em7--------------- A9-
E vejam como sofre um pobre coração
Dm7------------------- G7
Pobre de quem acredita
---------------------C6/9
Na glória e no dinheiro para ser feliz



Fonte: A Canção no Tempo - Vol. 1 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Editora 34.

Se alguém telefonar




Se Alguém Telefonar (samba-canção, 1957) - Jair Amorim e Alcir Pires Vermelho - Intérprete: Lana Bittencourt

Se alguém / Alguém que eu sei
Pra mim telefonar / Não estou
Se alguém / A voz de alguém
Por mim mandar chamar / Não voltou

Essa noite não quero ninguém
Não escuto mentiras de amor
Das promessas que vão me fazer
A melhor sei de cor

Se alguém / Um certo alguém
De novo perguntar / Onde estou
Diga então / Que quem saiu
Recados não pediu / Nem deixou

Vá dizer se quiser que sumi
Devo andar a vagar por aí
Por favor, posso chorar
Atenda em meu lugar

Quero-te assim




Sylvia Telles
Quero-te Assim (samba-canção, 1957) - Tito Madi - Intérprete: Sylvia Telles

Quero todo teu olhar no meu
Quero todo teu amor pra mim
Quero ser todinho teu enfim
Fazer feliz e ser feliz
Quero estar contigo a dançar
Com tua mão acariciando a mim
O meu rosto encostadinho ao teu
Assim... assim... assim...

E depois se entre nos houver
A distancia a nos separar
Quero que teu pensamento vá
Me procurar... procurar...
Eu também estarei pensando em ti
Com o meu amor que Deus mandou enfim
Deixa-me abraçar-te agora, assim,
Assim, assim, assim.

Prece de amor



Dalva de Oliveira
Prece de Amor (samba-canção, 1957) - René Bittencourt - Interpretação: Dalva de Oliveira

Ave Maria, amém
Pai Nosso, que estás no céu
Conservai o meu amor
Não permiti, por favor
Entre nós dois, um adeus
Afastai os inimigos da minha vida com ela
Conservai os olhos dela, dentro dos olhos meus.


Se acaso
Não for esse o meu destino
Por vosso manto divino
Dai-me um viver sem ninguém, para ser infeliz
Prefiro sentir saudade
Seja feita a vossa vontade,
Amém !

Por causa de você



Dolores Duran
Por causa de você (samba-canção, 1957) - Tom Jobim e Dolores Duran - Interpretação: Dolores Duran
Tom: G7+
G7+                 Em7                 Am7
Ah, você está vendo só do jeito que eu fiquei
             D7/9
E que tudo ficou
  Am7              D7                      G7+
Uma tristeza tão grande nas coisas mais simples
 D/F#      E7
Que você tocou
   Am7         C#º        F#7       Bm7
A nossa casa querido já estava acostumada
             E7/9-
Aguardando você
               Am7              D7/9
As flores na janela sorriam, cantavam
               G7+  E7
Por causa de você
  Am7                 D7/9               G7+  E7
Olhe, meu bem, nunca mais nos deixe por favor
 Am7               D7                Dm7  E7
Somos a vida e o sonho, nós somos o amor
 C7+               C#º
Entre meu bem, por favor
                  Bm7                E7/9
Não deixe o mundo mau te levar outra vez
                 Am7
Me abrace simplesmente
                D7/9
Não fale, não lembre
               G7+
Não chore meu bem

Pisa na fulô




João do Vale
Pisa na Fulô (xote, 1957) - João do Vale, Ernesto Pires e S. Júnior
Tom: Em

        Am7    B7      Em7   
Pisa na fulô, pisa na fulô           BIS
        Am7            B7      Em7
Pisa na fulô, não maltrata meu amô
                   Am            Em7
Um dia desse fui dançá lá em Pedreira
            Am       B7            Em
Na rua da Golada e gostei da brincadeira
       Am  B7        Em
Zé Caxangá era o tocador
         C    B7      Em
Mas só tocava pisa na fulô
                Am            Em7
Sô Serafim cuchichava a Marvió
            Am              B7            Em
Sô capaz de jurá que eu nunca vi forró mió
      Am           B7      Em    
Inté vovó garrô na mão de vovô
              C      B7       Em
Vão'bora, meu veinho, pisa na fulô
Pisa na fulô, pisa na fulô...
                   Am            Em7
Eu vi menina qui nem tinha doze ano
            Am       B7            Em
Agarrá seu par, também sair dançando
       Am  B7  
Satisfeita e dizendo
    Em                C    B7      Em
Meu amô, ai como é gostoso pisa na fulô
Pisa na fulô, pisa na fulô...
             Am            Em7
De madrugada Zeca Caxangá
               Am       B7            Em
Disse ao dono da casa num precisa me pagá
        Am           B7        Em
Mas por favô, arranje outro tocadô
                C      B7       Em
Que eu também quero pisa na fulô