quarta-feira, 7 de junho de 2006

Dá-me tuas mãos

Dá-me tuas mãos (1962) - Erasmo Silva e Jorge de Castro - Interpretação de Rosana Toledo



------------------F7+---- Ab° ----------------------Gm ---------D7
Dá-me tuas mãos /--------- Os teus lábios eu quero beijar
---------------------------------Gm ----------------------Db7
Deixa que eu veja os meus olhos /------ Nos teus olhos
-------------------------F7+--- Dm----- Gm------ C7
Para que eu possa sonhar

------------F7+ --Ab° --------------Gm----------------- D7
Dá-me tuas mãos / -------Meu olhar te procura em vão
---------------------------Gm----- C7 -----------Gm----- C7------- F
Pois quanto mais te afastar /----------Mais padece o meu coração

----------------------------------A7 ----Dm -------------A7 ----------Dm----- G7
Quero que os teus olhos me olhem /----------- Como te olham os meus
---------------------Dm7------------ G7-- Dm7 ---------------G7------Gm--C7--F7+
Quero que eles sintam em meus olhos /----------Tudo que sinto nos teus

--------------------Ab° ---------------Gm -----------------D7
Dá-me tuas mãos / ---------Fica perto de mim por favor
-----------Gm--------------------- Gb------------------- F7+
Se tu fores embora outra vez amor / Eu morrerei de dor

Cordas de aço

Cartola
Cordas de aço - Cartola

Tom: C
  

 C7+     Eb°
Ah ! Estas cordas de aço
Dm7           G7
Este minúsculo braço
    C        Eb°  Dm7    G7
Do violão que os dedos meus acariciam
 Bm5-/7       E7   Am
Ah ! Este bojo perfeito
   Am7+
Que trago junto ao meu peito
    D7
Só você violão
              Dm7              G7
Compreende porque perdi toda alegria
 C     Eb°
E no entanto meu pinho
 Dm7         G7
Pode crer, eu adivinho
 C
Aquela mulher
  Eb°        Dm7      C7
Até hoje está nos esperando
 F        Fm
Solte o teu tom da madeira
C    Bb7   A7
Eu você e a companheira
   D7                (Fm)    C
À madrugada iremos pra casa cantando


Choro chorão

Martinho da Vila
Tom: G
  

Em  E7
Sim
         Am
Estou chorando
       D7            G
Neste choro bem chorado
       C7+           Am
Meu chorinho apaixonado
       Gb7      B7
Como é meu machucado coração      (bis)
Am                        B7
Se estou zangado eu não choro
   C             B7
Mimado sou chorozinho
       Gb7         B7
Emocionado sou chorão
         Am              Em
Você só chora / Se desprezada
        B7            Em
Depreciada / Na despedida
         Am   D7        G    C7
E eu só choro / Pela vitória
        Gbm7
Pela beleza
           B7            Em
E quando estou feliz da vida



Castigo

Roberto Luna
Situada na fronteira da canção tradicional com a bossa nova, a obra de Dolores Duran a credencia como uma das maiores letristas da música brasileira.

Um de seus primeiros sucessos, o samba “Castigo”, desenvolve de forma primorosa o tema do arrependimento, da culpa assumida ante a perda de um amor irrecuperável. É uma confissão sofrida, conformada, cantada em palavras simples — “eu tive orgulho / e tenho por castigo / a vida inteira / pra me arrepender...” —, o que dá encanto maior ao poema.

“Castigo” marcou a carreira de Roberto Luna, um bom intérprete desse tipo de música, que atuou principalmente na noite paulista.

Castigo (samba-canção, 1958) - Dolores Duran - Interpretação: Roberto Luna

Disco 78 rpm / Título da música: Castigo / Duran, Dolores (Compositora) / Luna, Roberto (Intérprete) / Simonetti, Henrique (Acompanhamento) / Orquestra RGE (Acompanhamento) / Imprenta [S.l.]: RGE, Dezembro/1958 / Nº Álbum 10132 / Lado A / Gênero musical: Samba-canção.

D         Em              A7                 F#m
A gente briga, diz tanta coisa que não quer dizer
         Bm                 Em
Briga pensando que não vai sofrer
             A7            D
Que não faz mal se tudo terminar
         Em           A7                F#m
Um belo dia a gente entende que ficou sozinha
        Bm                  Em
Vem a vontade de chorar baixinho
        A7               D
Vem o desejo triste de voltar
         Em               A7               F#m
Você se lembra, foi isso mesmo que se deu comigo
          Bm                  Em
Eu tive orgulho e tenho por castigo
          A7             D
A vida inteira pra me arepender
         Em
Se eu soubesse
         A7            D
Naquele dia o que sei agora
        Bm                 Em
Eu não seria esse ser que chora
         A7          D7
Eu não teria perdido você
         Em
Se eu soubesse
         A7            D
Naquele dia o que sei agora
        Bm                    Em
Eu não seria essa mulher que chora
         A7           D
Eu não teria perdido você


A Canção no Tempo - Vol.2 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Editora 34

Canção da manhã feliz

Miltinho
Canção da manhã feliz (samba, 1962) - Haroldo Barbosa e Luiz Reis - Interpretação de Miltinho



C----- Db° --Dm7 ---G7 ------------C --------Db°
----Luminosa manhã / Porque tanta luz
----------------Dm7 ----G7 -------------C--------- Bm7------ E7
Dá-me um pouco de céu / Mas não tanto azul
----------------Am----------- Dm6 ---E7-------------- Bb7------------- A7
Dá-me um pouco de festa não esta / -------Que é demais pro meu anseio

--------D7 ----Am-------- D7------ Dm7 -------G7
Ela veio manhã / Você sabe, ela veio
----------Dm7 --------G7 ------------C -------Dm7 -----Em7----- Dm7
Despertou-me chorando / E até me beijou
-------Gm7----- C7 --------F -------Gm7----- Am7 ------Gm7
Eu abri a janela / E este sol entrou

----------F-------------- Gb° --------Em7 ----------A7
De repente em minha vida / Já tão fria e sem desejos
-------------Dm7---- G7----------- Gm6 ----------A7
Estes festejos /---------- Esta emoção
--------Dm7 -----G7-------- Gm6 ------A7
Luminosa manhã / Tanto azul tanta luz
---------Dm7 -----G7 -----------C------- Ab------- C
É demais -------pro meu coração

Cabecinha no ombro

Trio Nagô.

Apenas um verso pitoresco (“Encosta a tua cabecinha no meu ombro e chora”), cantado sobre uma melodia simples, de fácil memorização, pode às vezes despertar a atenção e a simpatia do público.

Isso aconteceu a “Cabecinha no Ombro”, sucesso em 1958, quando recebeu 14 gravações, inclusive três em castelhano, e em 1992, quando foi relançada na trilha sonora da telenovela “Pedra Sobre Pedra”.

O curioso é que classificada como rasqueado, um gênero sertanejo, “Cabecinha no Ombro” tem como autor um citadino, o carioca Paulo Borges, irmão do fundador do conjunto Anjos do Inferno, Oto Borges.

Cabecinha no ombro (rasqueado, 1958) - Paulo Borges - Intérprete: Trio Nagô

Disco 78 rpm / Título da música: Cabecinha no ombro / Borges, Paulo (Compositor) / Trio Nagô (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: RCA Victor, 1958 / Nº Álbum 801951 / Gênero musical: Rasqueado.


C               G7                   C C7
Encosta a tua cabecinha no meu ombro e chora
    F              G7               Em  C
E conta logo a tua mágoa toda para mim
        G7                    F              Em
Quem chora no meu ombro eu juro que não vai embora,
Am              Dm G7
que não vai embora
               C    G7
que não vai embora
C                 G7                     C C7
Encosta a tua cabecinha no meu ombro e chora
    F               G7             Em   C
E conta logo a tua mágoa toda para mim
        G7                   F                  Em
Quem chora no meu ombro eu juro que não vai embora,
Am              Dm    G7
que não vai embora
                 C     C7
porque gosta de mim

F     G/F               Em    Am  Dm      G7       C    Am
Amor, eu quero o teu carinho, porque eu vivo tão sozinho
     F               G/F                  Em   Am
Não sei se a saudade fica ou se ela vai embora,
              Dm   G7            C   Am
 se ela vai embora,se ela vai embora
    Dm                F                   C
Não sei se a saudade fica ou se ela vai embora,
            G7                    C
se ela vai embora,porque gosta de mim


A Canção no Tempo - Vol.2 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Editora 34

Balada triste

Dalton Vogeler
Ângela Maria fazia uma temporada em Buenos Aires quando conheceu a canção “Balada Triste” por intermédio de seu acompanhador, o violonista Manoel da Conceição. Decidida a gravá-la o quanto antes, apressou-se em obter a permissão do autor, Dalton Vogeler, baixista do conjunto de Valdir Calmon, por coincidência, na ocasião, também em temporada na capital argentina. Daí resultou o duplo lançamento da composição — que já havia sido entregue a Agostinho dos Santos —, alcançando ambas as gravações o maior sucesso.

Bem de acordo com o título, “Balada Triste” é uma pungente canção de amor com versos e melodia impregnados de tristeza. Sem ser plágio, reproduz o clima da “Serenata” (Stãndchen) de Schubert, citada, aliás, no prólogo das gravações iniciais. (A Canção no Tempo - Vol.2 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Editora 34).

Balada triste (samba-canção, 1958) - Dalton Vogeler e Esdras Silva - Interpretação: Agostinho dos Santos

Disco 78 rpm / Título da música: Balada triste / Vogeler, Dalton (Compositor) / Silva, Esdras (Compositor) / Santos, Agostinho dos (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: RGE, 1956-1958 / Nº Álbum 10138 / Gênero musical: Samba canção.


Tom: Em
Intro:  (Em  Am  C  B7)

Em                     Am
Balada triste / Que me faz
     F#m     B7              Em
Lembrar alguém  / Alguém que existe
          C
E que outrora
        B7     (C7  C#7  D7)
Foi meu bem 
G           F#          Bm
Balada triste / Melodia do meu drama
      E               Am
Esse alguém já não me ama
     C          B7       B7
Esqueceu você também 
Em                           Am
Não há mais nada /  Foi um sonho
F#m     B7
Que passou
          Em
Triste balada
       C         B7      (C7   C#7  D7)
Só você me acompanhou 
G
Fica comigo !
         F#         Bm
Velha amiga, companheira
         E                 Am
Quero cantar-te a vida inteira
          C         B7         (Em  Am)
Prá lembrar o que passou...
(Em  Am  C  B7)

Azulão

Jaime Ovalle
Azulão - Jaime Ovalle e Manoel Bandeira - Interpretação de Alice Ribeiro (1951)




G--------- Em----- C------- D7------ G ------Em
Vai Azulão, Azulão, companheiro, vai
--------Am ----------D7
Vai ver minha ingrata
G-------------- Em----- C--------- D7---- Dm6
Diz que sem ela o sertão não é mais sertão
E7 ----Am--- E7 --------A7 -----C -----D7--- G
Ai, voa Azulão, vai contar companheiro, vai

A namorada que sonhei

Nilton César
A namorada que sonhei (canção) - Osmar Navarro - Interpretação de Nilton César



       Introdução: ( E ) 
 
  E 
 Receba as flores que lhe dou 
                          G#m 
 E em cada flor um beijo meu 
 A                           E 
  São flores lindas que lhe dou 
                       F#7 
 Rosas vermelhas com amor 
                       B7 
 Amor que por você nasceu 
      E 
 Que seja assim, por toda vida 
                        G#m 
 E a Deus, mais nada pedirei 
 A                     E 
  Querida, mil vezes querida 
           F#7 
 Deusa na terra nascida 
 B7                   E   E7 
   A namorada que sonhei 
     A         Am           G#m 
 No dia consagrado aos namorados 
     C#m       F#m 
 Sairemos abraçados 
 B7            E   E7 
 Por aí a passear 
     A        Am            G#m 
 Um dia no futuro, então casados 
       C#m 
 Mas eternos namorados 
         F#7                     B7 
 Flores lindas eu ainda vou lhe dar 
 
  Solo: E  G#m  A  E  F#7  B7 
 
      E 
 Que seja assim, por toda vida 
                        G#m 
 E a Deus, mais nada pedirei 
 A                     E 
  Querida, mil vezes querida 
           F#7 
 Deusa na terra nascida 
 B7               E  G#m  F#m 
  A namorada que sonhei 
 B7               E  G#m  F#m 
  A namorada que sonhei 
 B7               E  G#m  F#m 
  A namorada que sonhei 
 B7 
  A namorada... 

Além

Além (1960) - Edison Borges e Sidney Morais - Interpretação de Lana Bittencourt



-----A -------------Db7 -------------Gbm
Além do céu / Além do mar / Além da terra
-----E7--------------- A --------------------A7
Longe de tudo / Lá onde as estrelas dormem
-----------------D7+-- Gbm--- B7 ----------Bm7----- E7
E o sol descansa ...../ Lá ficou minha esperança


------A ------------Db7--------- Gbm
Além de mim / Além de ti / Além do amor
----E7--------------- A----------------- A7
Que não provei / Lá onde tudo é triste
-------------D7+----- G7 --A--- Gbm
E onde mora a solidão / Lá está
Dbm --------Gb7-- B7 ----E7 ---------A----- Dm----- A
Chora em vão / Lá ficou meu coração

A casinha da colina

Aracy Cortes - 1924
A canção "A casinha da colina", em fins de 1926, apareceu no teatro de revista do Rio de Janeiro cantada pela vedete Araci Cortes, com versos do revistógrafo Luiz Peixoto, sobre arranjo musical do maestro Pedro de Sá Pereira.

A letra muito extensa dessa canção (nada menos de 42 versos distribuídos por quatro estrofes) fora publicada em 1926 no Almanaque de modinhas, trazendo uma indicação significativa: "Versos de Luiz Peixoto - Música arranjo de Pedro de Sá Pereira".

Arranjo, apenas, porque na realidade, a música de "A casinha da colina" era a mesma da canção mexicana de Othon e Llera intitulada "La casita", gravada pela primeira vez para a Victor norte-americana na interpretação de Alcides Brisceno (disco Victor nr. 73.943), e relançada em 1928 pela Brunswick, na voz de Gaston Flores, conservando o número da gravação original mexicana ou americana - Brunswick nr. 40.114-A.

A casinha da colina (1925) - Luiz Peixoto e Pedro de Sá Pereira

Disco 76 rpm / Título da música: A casinha (Casinha da colina) / Sílvio Vieira (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Odeon, Dezembro/1925 - Julho/1927 / Nº Álbum 123116 / Lado indefinido / Gênero musical: Canção /

------------------------E
Você sabe de onde eu venho / Duma casinha que eu tenho
-------------------------B7
Fica dentro de um pomar / É uma casa pequenina

----------------------------------------------E-- B7-- E
Lá no alto da colina / De onde se ouve longe o mar
----------------------------------------------E7
Entre as palmeiras bizarras / Cantam todas as cigarras
-------------------------A------------ Am------------- E
Sob o por, de ouro, do sol / Do beiral vê-se o horizonte
---------------------------B7 -----------------------( E B7 E B7 )
No jardim canta uma fonte / E há na fonte um rouxinol

--------------E
Do jasmineiro tão branco / Tomba de leve no banco
---------------------------B7
A flor que ninguém colheu / No canteiro há uma rosinha
-----------------------------------------------E
No aprisco uma ovelhinha / E em casa, meu cão e eu.
--------------------------------------------E7
Junto à minha cabeceira / Minha santa padroeira
-----------------------A----------------- Am --------E
Que está sempre no altar / Cuida de mim, se adoeço
---------------------------B7 --------------------( E B7 E B7 )
Vela por mim se adormeço / E me acorda devagar . . . .

------E
Quando eu desço pela estrada / E olho a casa abandonada
-------------------------B7
Sinto ao vê-la, não sei o que . . . / Anda em tudo uma tristeza
-----------------------------------------------E
Como é triste a natureza / Com saudade de você.
-------------------------------------------------E7
Se você é minha amiguinha / Venha ver minha casinha
---------------------A-------------- Am---------- E
Minha santa e meu pomar / Meu cavalo é ligeiro
--------------------------B7----------------------- ( E B7 E B7)
É uma légua só de outeiro / Chega a tempo de voltar

E------------------------------------- E7
Mas, se acaso anoitecer / Tudo pode acontecer
-------------------A ---------------Am--------- E
Que será de mim depois / A casinha pequenina
---------------------B7----------------------- ( E B7 E )
Lá no alto da colina / Chega bem para nós dois . . . .


Me dá um dinheiro aí

Moacyr Franco
Me dá um dinheiro aí (marcha/carnaval, 1960) - Homero Ferreira, Ivan Ferreira e Glauco Ferreira - Intérprete: Moacir Franco

Disco 78 rpm / Título da música: Me dá um dinheiro aí / Ferreira, Glauco (Compositor) / Ferreira, Homero (Compositor) / Ferreira, Ivan (Compositor) / Franco, Moacir (Intérprete) / Conjunto (Acompanhante) / Coro (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Copacabana, 1959 / Nº Álbum 6089 / Gênero musical: Marcha.



---C-------- G7------------ ------------------- - ---------- C
Hei você aí me dá um dinheiro aí / Me dá um dinheiro aí
-------------G7--------------------- ----------- -- -------- C
Hei você aí me dá um dinheiro aí / Me dá um dinheiro aí

-------------------------------G7 ---------- -- ----------------------C
Não vai dar / Não vai dar não / Você vai ver que grande confusão
--------------C7-------------- F------- ---- -- -------- C
Eu vou beber / Beber até cair / Me dá, me dá. me dá, oi
--------G7 ------------C
Me dá um dinheiro aí.......

Ainda ontem chorei de saudade

Moacir Franco
Moacir Franco
Tom: A  

A
Voce me pede na carta
      Bm
que eu desapareça
   E7
que eu nunca mais te procure
  A E7
Pra sempre te esqueça
A
Posso fazer sua vontade
       Bm
atender seu pedido
    E7
mas esquecer, é bobagem
    A   E7
é tempo perdido


A    E7
Ainda ontem chorei de saudade
          A
Relendo a carta, sentindo o perfume
        E7
Mas que fazer com essa dor que me invade
Bm   E7      A
Mato esse amor ou me mata o ciume


A         Bm
O dia inteiro te odeio, te busco, te caço
      E7       A    E7
Mas em meu sonho de noite, eu te beijo e te abraço
              Bm
Porque os sonhos são meus, ninguém rouba e nem tira
      E7 
Melhor sonhar na verdade
        A     E7
Que amar na mentira

Eu nunca mais vou te esquecer

Eu nunca mais vou te esquecer - Moacir Franco

Tom: G7+ 

G7+            Em7           Am7  D7
Se eu tivesse o coração  que dei
Am7          D7            G7+   Am7  D7
Tivesse ainda ilusão,   nem sei
  G7+          Em7         Am7     D7
Coragem pra recomeçar  no amor
  Am7             D7       G7+    Am7  D7
Bobagem, pois amor assim, só um


   G7+          Em7         Am7    D7
Agora é vida sem razão,  porque
  Am7             D7       G7+     Am7   D7
Tentando orar  eu só rezei  você
   G7+        Em7                Am7   D7
A sua ausência mais e mais  me invade
    Am7          D7        G
Pediu amor e devolveu   saudade



         Em7               Am7    D7
Eu nunca mais vou te esquecer
        Am7             D7         G7+
Eu nunca mais vou te esquecer,  meu amor
        Em7              Am7      D7
Eu nunca mais vou te esquecer
         Am7             D7        G7+
Eu nunca mais vou te esquecer, meu amor

Querida (Honey)

Moacir Franco
Querida (Honey) - B. Russell (Versão Fred Jorge) - Intérprete: Moacir Franco
Tom: A

A               
Corro tanto pra chegar então eu paro sem 
   F#m                Bm
saber . . .  se devo entrar
                E7
Quando parti eu não pensei que um dia 
      E             A
voltaria . . . e voltei
A                                  F#m    
Tudo estava bem ela e eu, e tudo o que sonhei, que 
      Bm
louco fui
            E7                         E    
Dizendo adeus e partindo, para o mundo conquistar, 
              A 
nem eu sei pra quê
                                F#m   
Eu recordo seu olhar tão cansado de chorar, por 
        Bm
quem partiu
          E7                    E   
E num aceno derradeiro quando a tarde ia morrer eu 
        A
disse  adeus
              
Em outro céu eu procurei a mesma estrela que 
    F#m          Bm
brilhou, só para mim
             E7                 E     
E muito longe não achei essa luz que guiava o meu 
  A     F#m
viver . . .
F#m       Bm       E A
Querida hoje volto, cansei de sofrer . . .
F#m      Bm      E          A
Perdoa se um dia, tentei te esquecer
                                            A   
Faz tanto tempo que nem sei o que restou do que 
  F#m       Bm
levei, no coração
               E7               E    
Por mil caminhos eu perdi: orgulho, paz e percebi 
         A
que nada sou
                                           F#m     
O tempo passa sem cessar e faz a vida transformar  
                  Bm
a tristeza em solidão
                                
                  E7                        E 
A primavera já passou, outono veio  me envolver e 
          A    F#m    
eu sei porquê  
F#m      Bm        E A
Querida hoje volto, cansei de sofrer . . .
F#m      Bm      E          A
Perdoa se um dia, tentei te esquecer
A                                   F#m 
Mas de repente eu vejo abrir uma janela e a sorrir, 
        Bm
te vejo amor
                    E7                 E
Teu nome tento murmurar e o pranto doce a deslizar, 
         A
me faz calar
                                 F#m
Tuas mãos que eu beijei estão cheias de perdão 
            Bm
só(óóó)para mim    
            E7    
Se trago dor e solidão em teu amor  hei de 
     E                     A
encontrar  (o quê?) o que perdi
A            
Querida eu volto por favor esqueça tudo, tudo, tudo 
        F#m               Bm
o que passou . . .perdão amor
           E7                    E 
A primavera já passou, outono frio veio me envolveu 
              A
e eu sei lá porque . . .
 
Lá lalalará, lalalará, lalalará . . . .

Balada Número 7- Mané Garrincha



Moacir Franco
Balada n.º 7 (Mané Garrincha) (1971) - Alberto Luiz - Intérprete: Moacir Franco
Tom: Am

  Am                                   Dm
Sua ilusão entra em campo no estádio vazio
G7                               C
Uma torcida de sonhos aplaude talvez
Dm                                 Am
O velho atleta recorda as jogadas felizes
F                                       E7
Mata a saudade no peito driblando a emoção

Am                                     Dm
Hoje outros craques repetem as suas jogadas
G7                               C
Ainda na rede balança seu último gol
Dm
Mas pela vida impedido parou
Am
E para sempre o jogo acabou
     Am/G       Am/Gb              F   
Suas pernas cansadas correram pro nada
                    E7
E o time do tempo ganhou

    A                    E7
Cadê você, cadê você, você passou
                                  A
O que era doce, o que não era se acabou
                         D
Cadê você, cadê você, você passou
  Am             E7                   Am
No vídeo tape do sonho, a história gravou.

Am                                           Dm
Ergue os seus braços e corre outra vez no gramado
G7                                         C
Vai tabelando o seu sonho e lembrando o passado
                       Dm                          
No campeonato da recordação
                          Am
faz distintivo do seu coração
         Am/G       Am/Gb                F
Que as jornadas da vida, são bolas de sonho
                        E7
Que o craque do tempo chutou