sábado, 10 de junho de 2006

Ternura antiga

Ribamar
O pianista-compositor Ribamar (José Ribamar Pereira da Silva) foi uma figura bem conhecida na noite carioca dos anos cinquenta. Além de integrar e liderar vários conjuntos de boate, salientou-se como acompanhador de Tito Madi e, principalmente, de Dolores Duran de quem foi parceiro e grande amigo.

Quando Dolores morreu, a cantora Marisa Gata Mansa sugeriu-lhe que musicasse alguns rascunhos poéticos deixados pela amiga comum. Daí nasceram as canções “Quem Foi” e “Ternura Antiga”, esta mostrando mais uma bela letra da compositora, amarga, sombria, surgida do vazio da solidão: “Ai, a rua escura, o vento frio / esta saudade, este vazio / esta vontade de chorar...”.

No final de 1960, Abraão Medina, dono da loja O Rei da Voz, que patrocinava o programa “Noite de Gala” na TV Rio, resolveu lançar um festival para escolher “As dez mais lindas canções de amor”. Apresentado por Flávio Cavalcanti, o certame foi vencido por Ary Barroso, com sua “Canção em Tom Maior”, cantada por Ted Moreno, ficando “Ternura Antiga” em segundo lugar, cantada pela então novata Lucienne Franco.

Na finalíssima, realizada na sede do Tijuca Tênis Clube, foi flagrante a torcida de Flávio pela vitória da música do Ary, talvez para amaciar seu relacionamento com o compositor a quem havia algum tempo criticara duramente na mesma TV Rio, a propósito da letra de “Aquarela do Brasil”. Na realidade, “Canção em Tom Maior” é uma composição bem feita, meio puxada para o monumental, porém, inegavelmente inferior ao melhor nível de Ary Barroso.

Entre as concorrentes havia canções superiores como “Poema do Adeus” (de Luís Antônio), “Ressurreição dos Velhos Carnavais” (o canto do cisne de Lamartine Babo) e a própria “Ternura Antiga”, sucesso em 61 na voz de Tito Madi (A Canção no Tempo - Vol. 2 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Editora 34).

Ternura antiga (samba-canção, 1961) - José Ribamar e Dolores Duran - Interpretação de Lucienne Franco

Disco 78 rpm / Título da música: Ternura antiga / José Ribamar (Compositor) / Dolores Duran (Compositora) / Lucienne Franco (Intérprete) / Gravadora: Copacabana / Ano: 1961 / Álbum: 6.226 / Lado B / Gênero musical: Samba-canção.


Introdução: Gm7/9 A7/9+ A7 Dm7/11 D7/13- D7  
                 Gm7 A7/13- A7 Dm7/9 D7/9-   

Gm7/9        A7/13-         Dm7/9 D7/9- 
Ai, a rua escura,  o vento frio 
                    Gm7 
Esta saudade este vazio 
        A7/13-     Dm7/9 D7/9- 
Esta vontade de chorar 
Gm7           C7/9-      F7M F6 
Ai, tua distância tão amiga 
                    Bb7 
Esta ternura tão antiga 
                      A7   Am7/11 Ab5-/7          
E o desencanto de esperar 
Gm7/9          A7/9+        Dm7   Am7 D7/9- 
Sim, eu não te amo porque quero 
Bb7           A7/13-      Dm7/9  D7/9- 
Ai, se eu pudesse esqueceria 
Gm7          A7               Dm7/9           
Vivo, e vivo só porque te espero 
Em5-/7        A7/13-       Dm7 Am7/11 Ab5-/7          
Ai, esta amargura, esta agonia 
Gm7/9                A7/9+            Dm7   Am7 D7/9- 
Sim, eu não te amo porque quero 
Bb7           A7/13-     Dm7/9  D7/9- 
Ai, se eu pudesse esqueceria 
Gm7          A7               Dm7/9           
Vivo, e vivo só porque te espero 
Em5-/7        A7/13-           Dm7 
Ai, esta amargura,     esta agonia

Tango pra Tereza

Tango pra Tereza (1975) - Evaldo Gouveia e Jair Amorim - Intérprete: Ângela Maria
Am    F                   Am    F
Hoje       alguém pos a rodar
Am        
Um disco de Gardel 
                     A7     
 no apartamento junto ao meu
         Dm           Bb7     A7
Que tristeza me deu
Dm Bb7                 Dm    Bb7
Era   todo um passado lindo       
Dm                      E7
A mocidade vindo na parede 
              Am        F E7
  me dizer para eu sofrer
Am      F                Am    F
Trago      a vida agora calma                  
Am
Um tango dentro d’alma
                        A7          Dm
A velha história de um amor que no tempo ficou . . .
          Bb                            Dm
Garçon ponha a cerveja sobre a mesa
  Am
Bandoneon toque de novo que Tereza
      Dm                         E7     
Esta noite vai ser minha e vai dançar
      A         Bm   E7
Para eu sonhar . . . .         
A           Dbm            Bm              Bm/A
A luz do cabaré     já se apagou, em mim
  E7                         A           A7 A B7 G7 Gb7
O tango na vitrola, também chegou ao fim
Parece me dizer
                 Bm
Que a noite envelheceu
   Dm   A         F7   E7
Que é hora de lembrar
         A     E7    A
E de chorar . . . . .

Serenata do adeus

A cantora Morgana (Isolda Corrêa Dias).

"Esta é uma das raras composições em que o Poetinha Vinícius assina também a melodia. Foi composta em 1953, quando ele trabalhava na embaixada brasileira em Paris, capital da França. Em 1958, "Serenata do adeus" surgiu em dois registros: o de Elizeth Cardoso, pela Festa, no histórico LP "Canção do amor demais", e este, de uma cantora que então estreava em disco: a paulistana Isolda Corrêa Dias (1934-2000), que, inicialmente, adotou o pseudônimo de Morgana Cintra, depois reduzido para Morgana.

Sua gravação saiu pela Copacabana, em junho de 58, no 78 rpm n.o 5919-A, matriz M-2234, com sucesso absoluto, e também abriu seu primeiro LP, "Esta é Morgana". O maestro Osmar Milani (não Oscar!), que a acompanha com sua orquestra, pertenceu durante anos ao "staff" de Sílvio Santos" (Samuel Machado Filho).

Serenata do adeus (canção, 1958) - Vinícius de Moraes - Intérprete: Morgana

Disco 78 rpm / Título da música: Serenata do Adeus / Moraes, Vinícius de (Compositor) / Morgana (Intérprete) / Milani, Osmar (Acompanhante) / Orquestra (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Copacabana, 1958 / Nº Álbum 5919 / Lado A / Gênero musical: Canção.

Dm    Gm                    Dm     A7
Ai,      a lua que no céu surgiu
                Dm        A7         
Não é a mesma que te viu
                 Dm    A7
Nascer nos braços meus
Dm  Gm                      Dm     A7 
Cai,  a noite sobre o nosso amor
            Dm              A7         
E agora só restou do amor
                  Dm      A7
Uma palavra :   Adeus
Dm              E                      Eb7      A7
Ai, vontade de ficar mas tendo que ir embora
 Dm                     E                 Eb7
Ai, que amar é se ir morrendo pela vida afora
             A7                     Bb7
É refletir na lágrima, um momento breve
               Gm                A7
De uma estrela pura  cuja luz morreu
Dm    Gm                     Dm     A7
Ai,    mulher, estrela a refulgir
               Dm          A7
Parte, mas antes de partir
            Dm      A7
Rasga meu coração
Dm    Gm                Dm          A7
Crava  as garras no meu peito em dor
                 Dm        A7               
E esvai em sangue todo o amor
      Dm      A7         
Toda desilusão
 Dm               E                     Eb7     A7
Ai, vontade de ficar  mas tendo que ir embora
Dm                   E                   Eb7         
Ai, que amar é se ir morrendo  pela vida afora
             A7                   Bb7         
É refletir na lágrima um momento breve
             Gm                 A7
De uma estrela pura  cuja luz morreu
             Bb7  Gm            Dm  Bb7  Dm
Numa noite escura   triste como eu . . .

Samba quadrado

Samba quadrado - Isolda e Milton Carlos- Interpretação de Milton Carlos



G                F    E7               Am   Am7M
Eu fiz um samba quadrado  /     Pra você sentir
      Am7                D7                  G   Cm  G
Que quanto maior é a distância   /   Maior é o fim
   Dm            E7              Am     E7     C
Eu fiz da rua escura/ Pedaço de lua pra te iluminar
    Gb7                                              
Eu fiz de versos mais rimas
            Bm        Am7      D7
Palavras e cismas   pra te  chatear 

 G                F    E7               Am  Am7M
Eu fiz um samba quadrado   /      Pra você voltar
    Am7              D7                  G      Cm  G
Eu fiz da viola a desculpa /     Pra me consolar
    Dm             E7                         Am
Eu fiz do ontem o hoje     /    Do hoje o amanhã
            Cm                            G
Pra te ver aqui     /          Mas é bem melhor
             Cm   D7                      G    Cm G
Para o mundo eu chorar    /     Pra você eu mentir

   Am                  D7
Lourinha     gotinha d’água
  G             Cm       G
Lourinha      da minha mágoa
  Am                     D7
Lourinha        gotinha d’água
  G                Cm      G
Lourinha        da minha mágoa

Quero beijar-te as mãos

Anísio Silva
Quero beijar-te as mãos (guarânia, 1959) - Lourival Faissal e Arsênio Carvalho - Intérprete: Anísio Silva

Disco 78 rpm / Título da música: Quero beijar-te as mãos / Carvalho, Arsênio de (Compositor) / Faissal, Lourival, 1922- (Compositor) / Silva, Anísio (Intérprete) / Orquestra (Acompanhante) / Borba, Osvaldo (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 20/05/1959 / Nº Álbum 14482 / Gênero musical: Guarânia.


A 
 Quero beijar-te as mãos 
           E7 
 Minha querida 
 Senta junto de mim 
             A 
Vem, por favor 
 És o maior enlevo 
           E7 
 Da minha vida 
                        A   A7 
 És o reflorir do meu amor 
  D 
 Sinto nesta ansiedade 
 Que minha alma invade 
         A 
 Que me faz sofrer 
    E7 
 A luz de um divinal querer 
   A                    A7 
 Eterna glória de viver 
 D 
 Se tu me quiseres tanto 
 Quanto eu que vivo 
      A 
 Para te adorar 
   E7 
 Será um mundo de esplendor 
           A 
 O nosso amor 
   Dm          A 
 Amor, nosso amor. 

Quem é?

Silvinho
Quem é? (bolero, 1962) - Silvinho (Sílvio Lima) e Maurílio Lopes

Disco 78 rpm / Título da música: Quem é? / Sílvio Lima (Compositor) / Maurílio Lopes (Compositor) / Silvinho (Intérprete) / Gravadora: Philips / Ano: 1962 / Álbum: P-61.126-H / Lado A / Gênero musical: Bolero.


Tom:  F
Intro:      F7  A#  A#m  F  D7  Gm  C7  F  C7

       F                       Gm
  Quem é que não sofre por algúem
       C7                              F
  Quem é que não chora uma lágrima sentida
                  D7             Gm
  Quem é que não tem um grande amor
       C7                          F   C7     
  Quem é que não chora uma grande dor          
       F                       Gm         
  Quem é que não sofre por alguém
       C7                              F
  Quem é que não chora uma lagrima sentida
       F          D7             Gm  
  Quem é que não tem um grande amor
       C7                          F   F7
  Quem é que não chora uma grande dor
             A#
  Deus, meu Deus
    A#m               F
  Traga pra junto de mim
           D7                Gm
  Esse alguém que me faz chorar
          C7                 F   F7
  Que me faz sofrer tanto assim
             A#
  Deus, meu Deus
   A#m              F
  Tenha piedade de mim
   D7               Gm
  Faça com que ela volte
            C7              F   F7
  Viver sem ela será o meu fim
            A#    C7          F
  Viver sem ela será...O meu fim.

Prece ao vento

Prece ao vento (toada, 1954) - Gilvan Chaves, Fernando Luiz e Alcir Pires Vermelho - Interpretação do Trio Nagô



Dm          Dm/C    Dm/B       A#°
Vento que balança as paia do coqueiro
Dm          Dm/C     Dm/B     A#°
Vento que encrespa as água do mar
Dm          F                     E°
Vento que assanha os cabelos da morena
  Dm     A7        Dm
Me traz notícias de lá


C             C7        F
Vento que assobia no telhado
C               C7     F
Chamando para a lua espiar
A7                        Dm
Vento que na beira lá da praia
A#       Gm            A7
Escutava meu amor a cantar
Dm          Dm/C        Dm/B   A#°
Hoje estou sozinho e tu também
Dm            Dm/C        Dm/B   A#°
Triste me alembrando do meu bem
Dm Dm5  G/D             Dm          A9-/D       Dm
Vento, diga por favor, aonde se escondeu o meu amor

Pra você



Pra você (1970) - Sílvio César

(D) -------------Bb-- Gm---------- Bb7-- A7-- D
Prá você eu guar - dei / Um amor infi - ni - to
---------------C7 ---B7-- Em -----------Dbm7-- Gb7-- Bm
Prá você procu - rei / -------O lugar mais bo -- ni --- to
---------------E7--- Bm------------ E7 ----Bm
Prá você eu so - nhei / O meu sonho de paz
------------------Gbm -----Em------- Bb7-- A7--- D
Prá você me guar - dei / De - mais, de - mais
--------------------Bb--- Gm------------------ Bb7 --A7 ----D
Se você não vol - tar / ----------O que faço da vi - da
-------------------C7-- B7--- Em -------Dbm7-- Gb7 --Bm
Não sei mais procu - rar / -------A alegria per - di - da
--------------------E7--- Bm---------------- E7 ---Bm
Eu nem sei bem por - que / Terminou tudo as - sim
-----------------Em --A7 --------------D-- Bb7 ----(D)
Ah! se eu fosse vo - cê / Eu voltava prá mim
------------G
Voltava sim
------------------Em-- A7 ---Bb7----------- D
Ah! Se eu fosse vo - cê / Eu voltava prá mim.



O trovador



Altemar Dutra
O trovador (marcha-rancho, 1965) - Jair Amorim e Evaldo Gouveia
    Am                       B7         E7
Sonhei que eu era um dia um trovador
                            Am
Dos velhos tempos que não voltam mais  
                      Em
Cantava assim a toda hora
                  F
As mais lindas modinhas
                   E7        Am
De meu tempo de outrora
                   B7     E7
Sinhá mocinha de olhar fugaz
      
         Am             E7         Am   E7
Se encantava com meus versos de rapaz 
A                        B7            E7
Qual seresteiro ou menestrel do amor
                       A
A suspirar sob os balcões em flor
Am                      E
Na noite antiga do meu Rio 
              B7
Pelas ruas do Rio
              E7
Eu passava a cantar novas trovas 
                      A
Em provas de amor ao luar
                      B7      E7
E via então de um lampião de gás
       Am              E7            Am
Na janela a flor mais bela em tristes ais 
 
 

Violões em funeral

Violões em funeral (samba-canção, 1951) - Sebastião Fonseca e Sílvio Caldas




Am       E7         Am
Vila Isabel veste luto
          E7        Am
Pelas esquinas escuto
   F           E7      F     E7
Violões em funeral
         F               E7
Choram bordões choram primas
           F       E7  
Soluçam todas as rimas  
    Am    B7     E7     A7
Numa saudade imortal
       Bb7      A7               Bb7       A7
Pelas ruas escondida / Cheia de crepes vestida
    Dm     A7    Dm
A lua fica a chorar
        Dm6         Am                       B7
E por onde a lua chora  /  Goteja, goteja agora
       E7           Am      Gb7   B7   E7
Nos oitís do Boulevard

   A     E7      A           E7             A
Adeus cigarra vadia / Que em toda a sua agonia
   C°     Bm     G7    Gb7   Bm
Cantava para morrer
                  E7                      Bm
Tu viverás na saudade / Daquela grande cidade
         E7           A      Gb7  Bm   E7
Que não há de ti esquecer
                 A            E7          A
Adeus poeta do povo / Que ressuscita de novo
    A7                D         Eb°                A
Quando da morte descamba /  Sinhô da pele mais clara
   Gb7                B7
A qual o Senhor encarnara
     E7              A     Dm6   E7   Am
Na alma sonora do samba
        E7           Am        E7           Am
Meu violão chora tanto / Soluços e muito pranto
   A7               Dm    Bb7  A7
Sobre o caixão de Noel
Dm      Dm6         Am
Estácio, Matriz e Salgueiro
B7        E7         Am     F    Am
Toda Rio de Janeiro, consola Vila Isabel.