quarta-feira, 12 de julho de 2006

A Via Láctea

Legião Urbana
Tom: B
       B           C#m
Quando tudo está perdido
A          B
Sempre existe um caminho
C#m
Quando tudo está perdido
A         B
Sempre existe uma luz
F#m   B            E
Mas não me diga isso
A                    E
Hoje a tristeza não é passageira
F#m7                      B7
Hoje fiquei com febre a tarde inteira
F#m7      G#m
E quando chegar a noite
A                B          F#m7    E
Cada estrela parecerá uma lágrima
A                 E
Queria ser como os outros
F#m          B
E rir das desgraças da vida
F#m                 G#m
Ou fingir sempre estar bem
A                     B
Ver a leveza das coisas com humor
F#m7              E
Mas não me diga isso
F#m7               E
É só hoje e isso passa
A             E
Só me deixe aqui quieto
F#m7  B
Isso passa
F#m7                B  A    E
Amanhã é um outro dia,não é
B              A          E
Eu nem sei por que me sinto assim
B              A              E
Vem de repente,um anjo triste perto de mim
A             E
E essa febre que não passa
F#m7               B
E meu sorriso sem graça
A                G#m F#m7
Não me dê atenção
B           A      E
Mas obrigado por pensar em mim
B           C#m
Quando tudo está perdido
A         B
Sempre existe uma luz
C#m
Quando tudo está perdido
A          B
Sempre existe um caminho
C#m
Quando tudo está perdido
A           B
Eu me sinto tão sozinho
C#m
Quando tudo está perdido
A           B  A
Não quero mais ser quem eu sou
G#m  F#m7
Mas não me diga isso
B
Não me dê atenção
E
E obrigado por pensar em mim
A       G#m
Mas não me diga isso
F#m7
Não me dê atenção
B                  E  (A G#m F#m7 B E)2x
E obrigado por pensar em mim

A tempestade

Legião Urbana
Tom: Em
Intro: (Bm4 D9 A7 Em7)4x (Bm G Bm Em7)2x

     Bm4         D9
Será que sou capaz
A7          Em7       Bm4
De enfrentar o seu amor?
D9             A7   Em7
Que me traz insegurança
Bm4    D9  A7
E verdade demais
Em7          Bm4 D9 A7 Em7 (Bm G Bm Em7)2x
Será que eu sou capaz?
Bm4           D9    A7
Veja bem quem eu sou
Em7         Bm4              D9 A7
Com teu amor eu quero que sintas dor
Em7               Bm4          D9 A7
Eu quero ver-te em sangue e ser teu credor
Em7 Bm4     D9  A7 (Bm G Bm Em7)2x
Veja bem quem eu sou
Bm4            D9          A7
Trouxe flores mortas para ti
Em7              Bm4        D9
Quero rasgar-te e ver o sangue manchar
A7         Em7     Bm4           D9 A7
Toda a pureza que vem do teu olhar
Em7  Bm4     D9 A7 (Bm G Bm Em7)12x
Eu não sei mais sentir

A montanha mágica

Legião Urbana
Tom: A  

Introdução: (A G D A)

   A             G              D        A
E|------0--------------3-2-0-2------------------------|
B|----2---2----------3--------------3-1--------2------|
G|----------2------0--------------2----------2---2----|
D|------------------------------0----------2-------2--|
A|-0----3--------------------------------0------------|
E|-------------0-3------------------------------------|

         A              G
 Sou meu próprio líder: ando em círculos
          D                A
 Me equilibro entre dias e noites
                        G
 Minha vida toda espera algo de mim
           D                   A
 Meio-sorriso, meia-lua, toda tarde

         E
 Minha papoula da Índia
 Minha flor da Tailândia
 A
 És o que tenho de suave
 E              A
 E me fazes tão mal

       D
 Ficou logo o que tinha ido embora
             E
 Estou só um pouco cansado
 Não sei se isto termina logo
     D
 Meu joelho dói
                  E          Intr.
 E não há nada a fazer agora

          A
 Para que servem os anjos?
 G            D
 A felicidade mora aqui comigo
       A
 Até segunda ordem
                            G
 Um outro agora vive minha vida
           D                   A
 Sei o que ele sonha, pensa e sente
                              G
 Não é coincidência a minha indiferença
         D                 A
 Sou uma cópia do que faço
                          G
 O que temos é o que nos resta
      D                    A
 E estamos querendo demais

         E
 Minha papoula da Índia
 Minha flor da Tailândia
 A
 És o que tenho de suave

 E              A
 E me fazes tão mal

           D
 Existe um descontrole, que corrompe e cresce
          E
 Pode até ser, mas estou pronto prá mais uma
       D
 O que é que desvirtua e ensina?
         E
 O que fizemos de nossas próprias vidas

       A                 G
 O mecanismo da amizade,
       D           A
 A matemática dos amantes
                      G
 Agora só artesanato:
   D                   A
 O resto são escombros

        E
 Mas, é claro que não vamos lhe fazer mal
           A
 Nem é por isso que estamos aqui
         E
 Cada criança com seu próprio canivete
       A
 Cada líder com seu próprio 38

         D
 Minha papoula da Índia
 Minha flor da Tailândia
 E
 Chega, vou mudar a minha vida
         D
 Deixa o copo encher até a borda
                 E                               (A G D A)
 Que eu quero um dia de sol num copo d'água 

A fonte

Legião Urbana
Tom: B
Intro: Dm Am F Em  Dm Am F Em

       Dm               Am
O que há de errado comigo
F                Em
Não consigo encontrar abrigo
Dm              Am
Meu país é campo inimigo
F        Em          D
E você finge que vê,mas não vê
(C F# Bb A G A G)2x
Lave suas mãos
que é à sua porta que irão bater
Mas antes você verá
seus pequenos filhos trazendo novidades

   Dm          Am           F           Em
Quantas crianças foram mortas dessa vez?
Dm          Am        F            Em
Não faça com os outros o que você não quer
Dm           Am F Em
Que seja feito com você
Dm       Am     F       Em   D
Você finge não ver e isso dá câncer

  (C F# Bb A G A G)2x
Não sei mais do que sou capaz
Esperança,teus lençóis têm cheiro de doença
E veja que da fonte sou os quilômtros adiante

    Em      G    C
Celebro todo dia
Em      G     C
Minha vida e meus amigos
Em   G       C
Eu acredito em mim
Em   G   C
E continuo limpo
(C F# Bb A G A G)2x
Você acha que sabe
Mas você não vê que a maldade é prejuízo
O que há de errado comigo?
Eu não sei nada e continuo limpo

      G                  F#
Do lado do cipreste branco
B                      A
À esquerda da entrada do inferno
G               F#
Está a fonte do esquecimento
B                  A
Vou mais além,não bebo dessa água
G         F#
Chego ao lado da memória
B            A
Que tem água pura e fresca
G              F#
E digo aos guardiões da entrada
B           A
"Sou filho da Terra e do Céu"

   Dm           Am                F        Em
Dai-me de beber,que tenho uma sede sem fim
Dm             Am    F           Em
Olhe nos meus olhos,sou o homem-tocha
Dm            Am         F           Em
Me tira essa vergonha,me liberta dessa culpa
Dm          Am      F           Em
Me arranca esse ódio,me livra desse medo

   G              F#    B           A
Olhe nos meus olhos,sou o homem-tocha
G               F#     B  A
E esta é uma canção de amor
G               F#     B  A
E esta é uma canção de amor
G               F#     B
E esta é uma canção de amor

Índios

Legião Urbana
Tom: Dm
Dm 
Quem me dera, ao menos uma vez, 
         G 
Ter de volta todo ouro que entreguei 
             Em 
A quem conseguiu me convencer que era prova de amizade 
     Am 
Se alguém levasse embora até o que eu não tinha 
Dm 
Quem me dera, ao menos uma vez, 
      G 
Esquecer que acreditei que era por brincadeira 
     Em 
Que se cortava sempre um pano-de-chão 
    Am 
De linho nobre e pura seda. 
Dm 
Quem me dera, ao menos uma vez, 
      G 
Explicar o que ninguém consegue entender: 
            Em                                Am 
Que o que aconteceu ainda está por vir e o futuro 
não é mais como era antigamente. 
Dm 
Quem me dera, ao menos uma vez, 
    G 
Provar que quem tem mais do que precisa ter 
       Em 
Quase sempre se convence que não tem o bastante 
   Am 
E fala demais por não ter nada a dizer 
Dm 
Quem me dera, ao menos uma vez, 
            G 
Que o mais simples fosse visto como o mais importante, 
Em 
Mas nos deram espelhos 
   Am 
E vimos um mundo doente. 
Dm 
Quem me dera, ao menos uma vez, 
      G 
Entender como um só Deus ao mesmo tempo é três 
        Em 
E esse mesmo Deus foi morto por vocês 
         Am 
É só maldade então, deixar um Deus tão triste 
        F 
Eu quis o perigo e até sangrei sozinho 
    C 
Entenda, assim pude trazer você de volta pra mim, 
        F 
Quando descobri que é sempre só você 
                   C 
Que me entende do início ao fim 
                       F 
E é só você que tem a cura para o meu vício 
de insistir nessa saudade que eu sinto 
             C 
De tudo que eu ainda não vi     Dm 
Quem me dera, ao menos uma vez, 
     G 
Acreditar por um instante em tudo que existe 
    Em 
E acreditar que o mundo é perfeito 
       Am 
E que todas as pessoas são felizes 
Dm 
Quem me dera, ao menos uma vez, 
   G 
Fazer com que o mundo saiba que seu nome 
 Em 
Está em tudo  e mesmo assim 
    Am 
Ninguém lhe diz ao menos obrigado. 
Dm 
Quem me dera, ao menos uma vez, 
 G                      Em 
Como a mais bela tribo, dos mais belos índios, 
     Am 
Não ser atacado por ser inocente. 
 
Refrão 
 
F 
Nos deram espelhos e vimos um mundo doente 
C 
Tentei chorar e não consegui. 

Andrea Doria

Legião Urbana
Tom: F  

(intro)  Dm Em7 A4/7  A7 (4x)
         segura o Bb e inicia a musica

       Dm               Em7   ...
E|---1--3--1-------------------
B|---3----------3--------------
G|---2-------2-----------------
D|---0-------------------------
A|-----------------------------
E|-----------------------------


    Dm           Em7   A4/7  A7
Às vezes parecia que, de tanto acreditar
    Dm            Em7  A4/7  A7
Em tudo que achávamos tão certo,
 Dm                 Em7   A4/7  A7
Teríamos o mundo inteiro e até um pouco mais:
Dm             Em7 A4/7  A7
Faríamos floresta do deserto
Bb     Am       Gm        C
E diamantes de pedaços de vidro.
     F
Mas percebo agora
     Am
Que o teu sorriso
  Dm
Vem diferente,
Bb       Am         Gm C
Quase parecendo te ferir.
F            Am
Não queria te ver assim -
         Bb      C
Quero a tua força como era antes.
F                Am
O que tens é só teu
           Bb
E de nada vale fugir
           C
E não sentir mais nada.
    Dm             Em7 A4/7  A7
Às vezes parecia que era só improvisar
    Dm                     Em7 A4/7  A7
E o mundo então seria um livro aberto,
    Dm              Em7   A4/7  A7
Até chegar o dia em que tentamos ter demais,
    Dm                    Em7  A4/7  A7
Vendendo fácil o que não tinha preço.

Bb Am            Gm   C
Eu sei - é tudo sem sentido.
F                  Am
Quero ter alguém com quem conversar,
    Dm            Bb               Am  Gm
Alguém que depois não use o que eu disse
        C
Contra mim.
 F
Nada mais vai me ferir.
        Am
É que já me acostumei
         Bb
Com a estrada errada que eu segui
          C
E com a minha própria lei.
         F
Tenho o que ficou
          Am
E tenho sorte até demais,
      Bb               C  (Dm)  D
Como sei que tens também

( Dm Em7 A4/7  A7 (Bb )

Fábrica

Legião Urbana
Tom: D
Intro: D G D G

 D     G           D
Nosso dia vai chegar,
G          D
teremos nossa vez
G          D
Não é pedir demais:
G
Quero justiça,
C           Bm
Quero trabalhar em paz.
Am           G           D
Não é muito o que lhe peço -
C
Eu quero trabalho honesto
E             A
Em vez de escravidão.    
D       G          D
Deve haver algum lugar
G
Onde o mais forte
D      G            D
Não consegue escravizar
G
Quem não tem chance.
D       A       F#m A
De onde vem a indiferença
G    G7+    Em      A
Temperada a ferro e fogo?
D A    F#m       A       G  D        Em A
Quem guarda os portões da fábrica?
D       G        D     G
O céu já foi azul, mas agora é cinza
D                      G              D   G
E o que era verde aqui já não existe mais.
C             Bm
Quem me dera acreditar
Am          G        D             C
Que não acontece nada de tanto brincar com fogo.
E               A
Que venha o fogo então.
D    A     F#m        A       G    D Em
Esse ar deixou minha vista cansada,
A      D    A F#m A
Nada demais.
G    D Em A D
Nada demais.

Música urbana 2

Legião Urbana
Tom:  G

   G
Em cima dos telhados 
as antenas de TV tocam música urbana,
          C
Nas ruas os mendigos com esparadrapos podres
        G
Cantam música urbana,
       D                          F
Motocicletas querendo atenção às três da manhã -
      G             C D
É só música urbana.                                        
Os PMs armados e as tropas de choque 
vomitam música urbana
       C                         
E nas escolas as crianças aprendem 
                  G
   a repetir a música urbana.
           D                  
Nos bares os viciados sempre 
            C          G             C D
   tentam conseguir a música urbana.
         G
O vento forte seco e sujo em cantos de concreto
Parece música urbana
        C
E a matilha de crianças sujas no meio da rua -
 G
Música urbana.
       D                      C        
E nos pontos de ônibus estão todos ali:
   G             C D
  música urbana.   

        G
Os uniformes
Os cartazes
Os cinemas
E os lares
Nas favelas
Coberturas
Quase todos os lugares
 C                         G
E mais uma criança nasceu.
          D
Não há mentiras nem verdades aqui
 C      G
Só há música urbana

Plantas debaixo do Aquário

Legião Urbana
Tom: Em
Intro: (Em D Em D F)             

 (Em D Em D F)
Aceite o desafio e provoque o desempate
Desarme a armadilha e desmonte o disfarce
Se afaste do abismo
Faça do bom-senso a nova ordem
G                      D
Não deixe a guerra começar
Am                     G/B
Não deixe a guerra começar
G                      D
Não deixe a guerra começar
Am                     G/B
Não deixe a guerra começar

 G                      D
Não deixe a guerra começar
Am                     G/B
Não deixe a guerra começar
G                      D
Não deixe a guerra começar
Am                     G/B
Não deixe a guerra começar
G                      D
Não deixe a guerra começar
Am                     G/B
Não deixe a guerra começar
G                      D
Não deixe a guerra começar
Am                     G/B
Não deixe a guerra começar

Pense só um pouco
Não há nada de novo
Você vive insatisfeito e não confia em ninguém
E não acredita em nada
E agora é só cansaço e falta de vontade
Mas faça do bom-senso a nova ordem

G                      D
Não deixe a guerra começar
Am                     G/B
Não deixe a guerra começar
G                      D
Não deixe a guerra começar
Am                     G/B
Não deixe a guerra começar

Metrópole

Legião Urbana
Tom: A
Intro: (Em F G Em F C B)

 A         D          G       C
"É sangue mesmo, não é mertiolate".
A            D
E todos querem ver
G        C
E comentar a novidade.
A           D       G             C
"é tão emocionante um acidente de verdade".
A           D
Estão todos satisfeitos
G        C
Com o sucesso do desastre:
(Em F G Em F C B)
Vai passar na televisão.
A         D        G         C
"Por gentileza, aguarde um momento.
A         D          G        C
Sem carteirinha não tem atendimento -
A           D         G           C
Carteira de trabalho assinada, sim senhor.
A        D              G         C
Olha o tumulto: façam fila por favor.
(Em F G Em F C B)
Todos com a documentação.
A            D          G            C
Quem não tem senha não tem lugar marcado.
A        D              G         C
Eu sinto muito mas já passa do horário.
A              D             G        C
Entendo  seu problema mas não posso resolver:
A      D             G        C
é contra o regulamento, está bem aqui, pode ver.
Em
Ordens são ordens.
A       D        G        C
Em todo caso já temos sua ficha.
A          D         G         C
Só falta o recibo comprovando residência.
A             D          G          C
Pra limpar todo esse sangue, chamei a faxineira -
A            D         G         C
E agora eu vou indo senão perco a novela
(Em F G Em F C B )
E eu não quero ficar na mão."

Tempo perdido

Legião Urbana
Tom: Em
Intro: (C Am Bm Em D) C Am B9+/7 Em  C Am B9+/7 Em

         C                 Am
Todos os dias quando acordo
B9+/7               Em
Não tenho mais o tempo que passou
C            Am
Mas tenho muito tempo
B9+/7           Em
Temos todo o tempo do mundo
C               Am
Todos os dias antes de dormir
B9+/7                        Em
Lembro e esqueço como foi o dia
C                Am
Sempre em frente
B9+/7                  Em
Não temos mais tempo a perder
C            Am
Nosso suor sagrado
B9+/7                Em
É bem mais belo que esse sangue amargo
C   Am     B9+/7  Em
E tão sério  e selvagem
B9+/7 Em  B9+/7  Em
E selvagem, selvagem....

    C                  Am           B9+/7
Veja o sol dessa manhã tão cinza
Em                     C              
A tempestade que chega é da cor dos teus olhos
B9+/7  Em
Castanhos..
C        Am       B9+/7
Então me abraça forte e me diz mais uma vez
Em       C          Am
Que já estamos distantes de tudo
B9+/7                Em
Temos nosso próprio tempo
B9+/7                Em
Temos nosso próprio tempo
B9+/7                Em
Temos nosso próprio tempo

       C         Am       B9+/7         Em
Não tenho medo do escuro   mas deixe
C      Am  B9+/7 Em
As luzes acesas    agora
             C                 Am
O que foi escondido é o que se escondeu
       B9+/7             Em
E o que foi prometido ninguém prometeu
C             Am
Nem foi tempo perdido
B9+/7  Em
Somos tão jovens
B9+/7  Em
Tão jovens
B9+/7  Em             (C Am Bm Em)4x
Tão jovens

Eduardo e Monica

Legião Urbana
Introdução -  E9  A  D9  E

E9           A       
Quem um dia irá dizer 
     D9                       E,E9
que existe razão nas coisas feitas
pelo coração
        A                 D9
E quem irá dizer que não existe razão
    B9                           E
Eduardo abriu os olhos mas não quis se levantar
        A                     E
Ficou deitado e viu que horas eram
          B9                 E                     A
Enquanto Mônica tomava um conhaque noutro canto da cidade
F# G# A           B9, B9,A,G#,F#,E
como eles disseram
           E9                    A
Eduardo e Mônica um dia se encontraram sem querer
        D9                              E
E conversaram muito mesmo para tentar se conhecer
                                A
Foi um carinha do cursinho do Eduardo que disse
            D9                   E
- Tem uma festa legal, a gente quer se divertir
                    A
Festa estranha com gente esquisita
         D9               E
- Eu não tô legal, não aguento mais birita
     B9                E
E a Mônica riu e quis saber um pouco mais
          A                           E
Sobre o boyzinho que tentava impressionar
       B9                     E
E o Eduardo meio tonto só pensava em ir para casa
           A,F#.G#,A,B...B,A,G#,F#,E
- É quase duas, eu vou me ferrar
            E9                  A               D9
Eduardo e Mônica trocaram telefone, depois telefonaram
                      E
E decidiram se encontrar
                            A
O Eduardo sugeriu uma lanchonete
               D9                    E
Mas a Mônica queria ver o filme do Godard
         B9                           E
Se encontraram, então, no parque da cidade
             A                     E
A Mônica de moto e o Eduardo de camelo
     B9                     E
O Eduardo achou estranho e melhor não comentar
       A     F#    G#     A      B
Mas a menina tinha tinta no cabelo
           E                   A
Eduardo e Mônica eram nada parecidos
            D9                   E
Ela era de leão e ele tinha dezesseis
       E               A
Ela fazia medicina e falava alemão
        D9                    E9
E ele ainda nas aulinhas de inglês
                                A
Ela gostava do Bandeira e do Bauhaus
                        D9                        E
De Van Gogh e dos Mutantes, de Caetano e de Rimbaud
                        A               D9
E o Eduardo gostava de novela e jogava futebol de botão
         E
com seu avô
                               A                
Ela falava coisas sobre o planalto central, também
  D9           E
magia e meditação
                               A
E o Eduardo ainda estava no esquema
             D9            E
escola-cinema-clube-televisão
    B9               E    
E mesmo com tudo diferente 
                 A                       E
veio mesmo de repente uma vontade de se ver
       B9                      E  
E os dois se encontravam todo dia 
                 A  F#    G#   A   B
e a vontade crescia como tinha que ser
            E9               A
Eduardo e Mônica fizeram natação,
              D9                     E
fotografia, teatro e artesanato e foram viajar
                          A                        
A Mônica explicava pro Eduardo coisas sobre o céu, 
    D9               E
a terra, a água e o ar
                     
Ele aprendeu a beber,
            A                D9             E
deixou o cabelo crescer e decidiu trabalhar
                     A                  D9              E
E ela se formou no mesmo mês que ele passou no vestibular
                        A     
E os dois comemoraram juntos 
                  D9                      E
e também brigaram juntos muitas vezes depois
                              A
E todo mundo diz que ele completa ela
            D9                      E
E vice-versa, que nem feijão com arroz
        B9                  E
Construíram uma casa uns 2 anos atrás
           A                       E
Mais ou menos quando os gêmeos vieram
     B9                E          
Batalharam grana, seguraram legal 
         A    F#   G#    A         B
a barra mais pesada que tiveram
           E9                       A
Eduardo e Mônica voltaram para Brasília
                D9                  E
E a nossa amizade dá saudade no verão
                              A
Só que nessas férias não vão viajar
          D9                        E9           2x(A  D  E  E)
Porque o filhinho do Eduardo tá de recuperação
     E          A               D9       
E quem um dia irá dizer que existe razão 
               E
nas coisas feitas pelo coração
        A                   D9              E  D  E
E quem irá dizer que não existe razão

Acrilic on canvas

Legião Urbana
Intro: Dm  Bb

   (Dm Bb)
- É saudade então
E mais uma vez
De você fiz o desenho mais perfeito que se fez:
Os traços copiei do que não aconteceu
As cores que escolhi entre as tintas que inventei
Misturei com a promessa que nós nunca fizemos
De um dia sermos três
Trabalhei com você em luz e sombra
Dm G Bb
  Era sempre:
             Eb
-Não foi por mal. 
   Cm
Eu juro que nunca 
                       F
quis deixar você tão triste
Dm                   G
Sempre as mesmas desculpas
Bb              Eb 
E desculpas nem sempre 
       Cm
são sinceras
       F
Quase nunca são

  (Dm Bb)
Preparei a minha tela
Com pedaços de lençóis
Que não chegamos a sujar
A armação fiz com madeira
Da janela do seu quarto
Do portão da sua casa
Fiz paleta e cavalete
E com lágrimas que não brincaram com você
Destilei óleo de linhaça
E da sua cama arranquei pedaços
Que talhei em estiletes
De tamanhos diferentes
E fiz então
Pincéis com seus cabelos
Fiz carvão do batom 
Que roubei de você
E com ele marquei
Dois pontos de fuga
E rabisquei no horizonte
Dm G Bb
  Era sempre:

  Eb
- Não foi por mal.
   Cm
Eu juro que não foi por mal.
                          F
Eu não queria machucar você:
Prometo que isso nunca vai acontecer
         Dm   G
Mais uma vez
Bb
E era sempre, sempre o 
Eb        Cm
mesmo novamente
         F
A mesma traição
  (Dm Bb)
Às vezes é difícil esquecer:
- Sinto muito, ela não mora mais aqui.
Mas então porque eu finjo 
Que acredito no que invento?
Nada disso aconteceu assim 
- Não foi desse jeito
Ninguém sofreu:
É só você que provoca 
Essa saudade vazia
Tentando pintar essas flores com o nome
De "amor-perfeito" 
E "não-te-esqueças-de-mim"

Daniel na cova dos leões

Legião Urbana
Tom: Am
Intro: (Am G)
Am       G     Am            G
Aquele gosto amargo do teu corpo
Am        G     Am            G
Ficou na minha boca por mais tempo:
Am              G     Am         G
De amargo e então salgado ficou doce,
Am    G          Am              G
Assim que o teu cheiro forte e lento
Dm                 F               C
Fez casa nos meus braços e ainda leve
Bb           Dm        F
E forte e cego e tenso fez saber
C                 Bb            (Intr.)
Que ainda era pouco e muito pouco.
Am    G              Am              G
Faço nosso o meu segredo mais sincero
Am       G       Am            G
E desafio o instinto dissonante
Am        G             Am         G
A insegurança não me ataca quando erro
Am         G              Am           G
E o teu momento passa a ser o meu instante.
Dm                   F
E o teu medo de ter medo de ter medo
C             Bb
Não faz da minha força confusão:
Dm                              F
Teu corpo é o meu espelho e em ti navego
C                       Bb        (Solo)
E sei que a tua correnteza não tem direção.
Dm                       F
Mas, tão certo quanto o erro de ser barco
C          Bb
A motor e insistir em usar os remos,
Dm                             F
é o mal que a água faz, quando se afoga
C                            Bb
E o salva-vidas não está lá porque não vemos.

Quase sem querer

Legião Urbana
Tom: G
Intro: (G C D)

G        Am    C    D
Tenho andado distraído,
G         Am   C   D
Impaciente e indeciso,
G              Am
E ainda estou confuso.
C         D
Só que agora é diferente:
G              Am
Estou tão tranquilo
C      D
E tão contente.
C        D          C  D G
Quantas chances disperdicei
Em      Bm   Am
Quando o que eu mais queria
Era provar pra todo mundo
D
Que eu não precisava         
Provar nada pra ninguém.   
G            Am
Me fiz em  mil pedaços
C            D
Pra você juntar
G          Am
E queria sempre achar
C               Am
Explicação pro que sentia.
G     Am
Como um anjo caído
C          D
Fiz questão de esquecer
G         Am
Que mentir pra si mesmo
C          D
é sempre a pior mentira.    
C   D   C   D   G
Mas não sou mais
Em    Bm Am             D
Tão criança a ponto de saber tudo
F
Já não me preocupo
G
Se eu não sei porquê
F                          G
ás vezes o que eu vejo quase ninguém vê
F
E eu sei que você sabe
G
Quase sem querer
F                   G
Que eu vejo o mesmo que você.
G       Am      C    D
Tão correto e tão bonito:
G          Am
O infinito é realmente
C           D
Um dos deuses mais lindos.
G                 Am
Sei que às vezes uso
C           D
Palavras repetidas
G             Am
Mas quais são as palavras
C        D
Que nunca são ditas?
C       D    C   D G Em Bm      Am
Me disseram que você estava chorando
D
E foi então que percebi
Como lhe quero tanto.
F
Já não me preocupo
G
Se eu não sei porquê
F                          G
ás vezes o que eu vejo quase ninguém vê
F
E eu sei que você sabe
G
Quase sem querer
F                   G
Que eu vejo o mesmo que você.

Teorema




Teorema (1985) - Dado Villa-Lobos, Renato Russo e Marcelo Bonfá - Legião Urbana
Tom :A
Intro: A
A
Não vá embora
D
Fique um pouco mais
    G
Ninguém sabe fazer
  D
O que você me faz
A
é exagero
   D
E pode até não ser
  G
O que você consegue
    D
Ninguém sabe fazer
  Bm                 E
Parece energia mas é só distorção
  F#                        D    Bm E F#
E não sabemos se isso é problema
   D      F#   A
Ou se é a solução
A
Não tenha medo
    D
N...o preste atenção
G
Não dê conselhos
    D
Não peça permissão
A              D            G
é só você quem deve decidir o que fazer
    D
Pra tentar ser feliz
   Bm              E
Parece energia mas é só distorção
    F#                 D   E Bm F#
E parece que sempre termina
     D   E  A
Mas não tem fim
A
Não vá embora
D
Fique um pouco mais
     G
Ninguém sabe fazer
  D
O que você me faz
A
é exagero
   D
E pode até não ser
   G
O que você consegue
    D
Ninguém sabe fazer
   Bm                  E
Parece um teorema sem ter demonstração
     F#                D    E Bm F#
E parece que sempre termina
     D  E   A
Mas não tem fim

Por enquanto

Legião Urbana
(intro) C# C#7+ F# Fm F# Ebm F# Ab7
        Bbm Fm F# C# Bbm Fm F# Ebm Ab7/4 Ab7

   C#         C#7+    F#        Fm
 Mudaram as estações e nada mudou
         F#                     Ebm
 Mas, eu sei que alguma coisa aconteceu
      F#              Ab7
 Está tudo assim tão diferente
 Bbm                 Fm      F#                  C#
 Se lembra quando a gente chegou um dia a acreditar
 Bbm                Fm
 Que tudo era p'rá sempre
 F#         Fm
 Sem saber
             F#              Ebm
 Que o p'rá sempre sempre acaba?
        C#         C#7+          F#        Fm
 Mas, nada vai conseguir mudar o que ficou
         F#
 Quando penso em alguém
   Ebm
 Só penso em você
   F#           Ab7   
 E aí então estamos bem
 Bbm                 Fm           F#                C#
 Mesmo com tantos motivos p'rá deixar tudo como está
   Bbm                   Fm
 E nem desistir, nem tentar
       F#
 Agora tanto faz
         Ebm                Ab7   C#
 Estamos indo de volta p'rá casa

Soldados

Legião Urbana
Tom: Cm
Intro: (Cm Bb)

  Cm
Nossas meninas estão longe daqui
Bb
Não temos com quem chorar e nem pra onde ir
Cm
Se lembra quando era só brincadeira
Bb                            Cm     Bb Cm Bb
Fingir de ser soldado a tarde inteira?
Cm
Mas agora a coragem que temos no coração
Bb
Parece medo da morte mas não era então.
Cm
Tenho medo de lhe dizer o que eu quero tanto
Bb
Tenho medo e eu sei porquê:
(Cm Bb)
Estamos esperando
Cm
Quem é o inimigo?
Quem é você?
Bb
Quem é o inimigo?
Quem é você?
Cm
Quem é o inimigo?
Quem é você?
Bb            
Quem é o inimigo? 
Quem é você?       
Cm                              Bb
Nos defendemos tanto tanto sem saber
Cm  Bb Cm  Bb (Ab B Bb) (Cm Bb)
Porque lutar
Cm
Nossas meninas estão longe daqui
Bb
E de repente eu vi você cair
Cm
Não sei armar o que eu senti
Bb
Não sei dizer que vi você ali
Cm
Quem vai saber o que você sentiu?
Bb
Quem vai saber o que você pensou?
Cm
Quem vai dizer agora o que eu não fiz
Bb
Com explicar pra você o que eu quis
Cm             Bb
Somos soldados
Cm             Bb
Pedimos esmola
Cm
E a gente não queria lutar
Bb
E a gente não queria lutar
Cm
E a gente não queria lutar
Bb                       (Ab B Bb) Bb
E a gente não queria lutar

Baader-Meinhof blues

Legião Urbana
Tom: A  

Tocar os acordes com pestana pra soar mais 
parecido com a versão do álbum, escutar a
música para acertar o ritmo.

Intro: E


    E  Esus4 E  F#  D
E|-7----7---7--9--10--|
B|-9----10--9--9--10--|
G|-9----9---9--9--11--|
D|-9----9---9--11-12--|
A|-7----7---7--9--12--|
E|-7----7---7--9--10--|


E                  Esus4   E
 a violência é tão fascinante
F#                  D
 E nossas vidas são tão normais
E                 Esus4   E       F#
 e você passa dia e noite sempre vê
F#             D
 Apartamentos acesos
D#   B          C#m
Tudo parece ser tão real
F#                 D     E
 Mas você viu esse filme também
F#         D   E
 Andando nas ruas
F#       D     E
 Pensei que podia ouvir
D#           B    C#m
 Alguém me chamando
F#         D   E  B
 Dizendo o meu nome
B                  A
 Ja estou cheio de me sentir vazio
B                     A
 Meu corpo é quente e estou sentindo frio
B                     A
 Todo mundo sabe e niguém quer mais saber
B                             A        E
Afinal, amar ao próximo é tão demodê
A         E
Oooohhh...
E                  Esus4   E
 E essa justiça   desafinada
F#                  D
 É tão humana   e tão errada
D#   B          C#
 Nós assistimos televisão também
F#       D          E
 Qual é a diferença?
B              A
 Não estatize meus sentimentos
F#      D     E                D#       B    C#
 Pra seu governo, o meu estado é independente
 F#   D   E    A
O, o, o,.../

B                  A
 Já estou cheio de me sentir vazio
B                         A
 Meu corpo é quente e estou sentindo frio
B                      A
 Todo mundo sabe e ninguém quer mais saber
B                             A
 Afinal, amar o próximo é tão demodê

O reggae

Legião Urbana
Tom: Am
Intro: Am Dm7 Em7
Am
Ainda me lembro aos três anos de idade
Dm                Em7
O meu primeiro contato com as grades
Am
O meu primeiro dia na escola
Dm7                   Em7
Como eu senti vontade de ir embora
Am
Fazia tudo que eles quisessem
Dm7                         Em7
Acreditava em tudo que eles me dissessem
Am
Me pediram pra ter paciência
   Dm7
Falhei
                   Em7
Então gritaram: - Cresça e apareça
F
Cresci e apareci e não vi nada
     B
Aprendi o que era certo com a pessoa errada
E
Assistia o jornal da TV
Am
E aprendi a roubar pra vencer
F
Nada era como eu imaginava
B
Nem as pessoas que eu tanto amava
E
Mas, e daí, se é mesmo assim
Vou ver se tiro o melhor p'ra mim
(Am Dm7 Em7) (F B E Am F B E)
 Am
Me ajuda se eu quiser
Me faz o que eu pedir
Dm7
Não faz o que eu fizer
    Em7
Mas não me deixe aqui
Am
Ninguém me perguntou se eu estava pronto
Dm7                 Em7
E eu fiquei completamente tonto
Am
Procuranto descobrir a verdade
Dm7                    Em7
Nos meios das mentiras da cidade
Am
Tentava ver o que existia de errado
Dm7                      Em7
Quantas crianças Deus já tinha matado
F
Beberam o meu sangue 
e não me deixaram viver
       B
Têm o meu destino pronto 
e não me deixam escolher
     E
Vêm falar de liberdade 
prá depois me prender
   Am
Pedem identidade prá depois me bater
F
Tiram todas as minhas armas
B
Como posso me defender
          E
Vocês venceram esta batalha
                 (Am  Dm7  Em7)
Quanto à guerra vamos ver...

Geração Coca-Cola

Um dos maiores letristas do rock brasileiro, Renato Manfredini Júnior adotou o sobrenome Russo em homenagem a Jean Jacques Rousseau, Bertrand Russell e Henri Rousseau, os dois primeiros sendo filósofos e o terceiro pintor. Carioca, morando em Brasília desde menino, lá fundou o grupo Legião Urbana, a princípio um trio, depois, no Rio, um quarteto, com Marcelo Bonfá (bateria), Dado Villa-Lobos (guitarra), Renato Rocha (baixo) e o próprio Russo fazendo voz, violão e teclados.

Em janeiro de 85, a EMI lançou o Legião Urbana já em um elepê, que estourou com várias músicas, entre as quais “Geração Coca-Cola”. Uma das primeiras de Renato Russo, feita vários anos antes, a composição diz em seu refrão: “Somos os filhos da revolução / somos burgueses sem religião / somos o futuro da nação / geração Coca-Cola...”

Logo muito elogiado pelos críticos de rock, certamente mais pelas letras do que pelas melodias, o disco de estréia do Legião Urbana teve uma vendagem bem superior à prevista pela gravadora, assegurando condições para o lançamento do segundo, em 86, cuja surpresa foi a extensa faixa “Eduardo e Mônica”, com acompanhamento exclusivamente acústico.

Um mito do rock nacional, Renato Russo morreu vítima de aids, no Rio de Janeiro, em 11.10.96, aos 36 anos de idade (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).



Geração Coca-Cola (1985) - Renato Russo
Tom: B

Intro: (B D A B D A)

B
Quando nascemos fomos programados
D         A          B
A receber o que vocês nos empurravam
                  D         A
Com os enlatados dos U.S.A. de 9 ...s 6
B
Desde pequenos nós comemos lixo
D       A
Comercial e industrial
B
Mas agora chegou nossa vez
          D                     A
Vamos cuspir de volta o lixo em cima de vocês
B         A            G
Somos os filhos da revolução
B                     G
Somos burgueses sem religião
B      A        G
Somos o futuro da nação

Refrão:

A       D    B     A       D    B
Geração Coca-Cola, geração Coca-Cola
A       D    B     A       D    B    G A
Geração Coca-Cola, geração Coca-Cola

B
Depois de vinte anos na escola
D        A
Não é difícil aprender
B
Todas as manhas de seu jogo sujo
D            A
Não é assim que tem que ser?
B
Vamos fazer nosso dever de casa
D           A
E aí então, vocês vão ver
B
Suas crianças derrubando reis
        D                      A
Fazer comédia no cinema com as suas leis
B          A           G
Somos os filhos da revolução
B                     G
Somos burgueses sem religião
B      A        G
Somos o futuro da nação


A       D    B     A       D    B
Geração Coca-Cola, geração Coca-Cola
A       D    B     A       D    B    G A
Geração Coca-Cola, geração Coca-Cola


B
Depois de vinte anos na escola
D        A
Não é difícil aprender
B
Todas as manhas de seu jogo sujo
D            A
Não é assim que tem que ser?
B
Vamos fazer nosso dever de casa
D           A
E aí então, vocês vão ver
B
Suas crianças derrubando reis
        D                      A
Fazer comédia no cinema com as suas leis
B         A            G
Somos os filhos da revolução
B                     G
Somos burgueses sem religião
B      A        G
Somos o futuro da nação


A       D    B     A       D    B
Geração Coca-Cola, geração Coca-Cola
A       D    B     A       D    B    G A
Geração Coca-Cola, geração Coca-Cola

Perdidos no espaço

Legião Urbana

Tom: G  

(intro)  Em Bm Am
    Em                B
Escrevi pra você e você não respondeu
    A
Também não respondi quando você me escreveu
    Em                     B
Anotei seu telefone num pedaço de papel
        A
E calculei seu ascendente no recibo do aluguel
Em    B          A    D C        F           E
Esqueci seu sobrenome,   mas me lembro de você
       D     C#m        F#m     E
E a rotina crescia como planta
       D     C#m       F#m   E
E engulia metade do caminho
       D            C#m  F#m           E
E a mudança levou tempo por ser tão veloz
   D         C#m       Bm
Enquanto estávamos a salvo
  Bm        D      F#m
Ficamos suspensos
    Bm         D    F#m
Perdidos no espaço
  Bm        D      F#m
Ficamos suspensos
    Bm         D    F#m  E
Perdidos no espaço
     Em               B
Escrevi pra você e você não respondeu
    A
Também não respondi quando você me escreveu
    Em                     B
Anotei seu telefone num pedaço de papel
         A
E calculei seu ascendente no recibo do aluguel
Em    B          A    D C       F           E
Esqueci seu sobrenome,   mas me lembro de você
       D         C#m               F#m     E
E era como se jogássem Space Invaders
          D             C#m         F#m     E
Perdendo mais dinheiro de muitas maneiras
   D          C#m      F#m        E
Vivendo num planeta perdido como nós
      D             C#m     Bm
Quem sabe ainda estamos a salvo?
  Bm        D      F#m
Ficamos suspensos
   Bm          D    F#m
Perdidos no espaço
  Bm        D      F#m
Ficamos suspensos
   Bm         D        F#m  E  (intro 1x)
perdidos no espaço

Ainda é cedo

Ainda é cedo (1985) - Ico Ouro-Preto, Dado Villa-Lobos, Renato Russo e Marcelo Bonfá - Intérprete: Legião Urbana
Tom: C  

(intro) (Dm C Am) 4X

                    Dm  C
Uma menina me ensinou
                   Am
Quase tudo que eu sei
                  Dm
Era quase escravidão
    C                       Am
Mas ela me tratava como um rei
                    Dm  C
Ela fazia muitos planos
                     Am
Eu só queria estar ali
                   Dm  C
Sempre ao lado dela
                  Am
Eu não tinha onde ir
                     Dm   C
Mas, egoísta que eu sou,
                  Am
Me esqueci de ajudar
                      Dm  C
A ela como ela me ajudou
                    Am
E não quis me separar
                      Dm
Ela também estava perdida
      C                          Am
E por isso se agarrava a mim também
                   Dm  C
E eu me agarrava a ela
                              Am
Porque eu não tinha mais ninguém
                     Dm          C           Am
E eu dizia: Ainda é cedo, cedo, cedo, cedo, cedo
                      Dm          C           Am
Ah eu dizia: Ainda é cedo, cedo, cedo, cedo, cedo

(Dm  C  Am)

                  Dm  C
Sei que ela terminou
                  Am
O que eu não comecei
                    Dm  C
E o que ela descobriu
                       Am
Eu aprendi também, eu sei
                       Dm  C
Ela falou: - Você tem medo
                                  Am
Aí eu disse: - Quem tem medo é você
                      Dm  C
Falamos o que não devia
                        Am
Nunca foi dito por ninguém
                         Dm  C
ela me disse: - Eu não sei
                            Am
Mais o que eu  sinto por você
               Dm  C                      Am
Vamos dar um tempo, outro dia a gente se vê
                     Dm          C           Am
E eu dizia: Ainda é cedo, cedo, cedo, cedo, cedo
                     Dm          C           Am
E eu dizia: Ainda é cedo, cedo, cedo, cedo, cedo

A dança

Legião Urbana
Tom: C
Introdução - E7

E7
Não sei o que é direito
Só vejo preconceito
C
E a sua roupa nova
É só uma roupa nova
E7
Você não tem idéias
Pra acompanhar a moda
C
Tratando as meninas
Como se fossem lixo
E7
Ou então espécie rara
Só a você pertence
C
Ou então espécie rara
Que você não respeita
E7
Ou então espécie rara
Que é isso um objeto
C
Pra usar e jogar fora
Depois de ter prazer.
C7
Você é tão moderno
Am
Se acha tão moderno
Bm              Cm
Mas é igual a seus pais
G
É só questão de idade
F
Passando dessa fase
D
Tanto fez e tanto faz.
E7
Você com as suas drogas
E as suas teorias
C
E a sua rebeldia
E a sua solidão
E7
Vive com seus excessos
Mas não tem mais dinheiro
C
Pra comprar outra fuga
Sair de casa então
E7
Então é outra festa
É outra sexta-feira
C
Que se dane o futuro
Você tem a vida inteira
E7
Você é tão esperto
Você está tão certo
C
Mas você nunca dançou
Com ódio de verdade.
C7
Você é tão esperto
Am
Você está tão certo
Bm              Cm
Que você nunca vai errar
G
Mas a vida deixa marcas
F
Tenha cuidado
D               E7
Se um dia você dançar
C7
Nós somos tão modernos
Am
Só não somos sinceros
Bm                      Cm
Nos escondemos mais e mais
G
É só questão de idade
F
Passando dessa fase
D
Tanto fez e tanto faz
C7
Você é tão esperto
Am
Você está tão certo
Bm              Cm
Que você nunca vai errar
G
Mas a vida deixa marcas
F
Tenha cuidado
D
Se um dia você dançar.

Petróleo do futuro

Legião Urbana
Tom: G
Intro: G F
G           F              G
Ah, se eu soubesse lhe dizer
D
o que eu sonhei ontem à noite
C                        F
Você ia querer me dizer tudo
E
sobre o seu sonho também.
G
E o que é que eu tenho a ver com isso?
F             G
Ah, se eu sobesse lhe dizer
D
o que eu vi ontem à noite
C              F
Você ia querer ver mas não
E
ia acreditar.
G
E o que é que eu tenho a ver com isso?
C       D     G
Filósofos suicidas
C         D        G
Agricultores famintos
F            D
Desaparecendo
Bb               C
Embaixo dos arquivos
G           F              G
Ah, se eu soubesse lhe dizer
D
qual é a sua tribo
C               F
Também saberia qual é a minha
E
Mas você também não sabe
G
E o que é que eu tenho a ver
com isso?
F               G
Ah, se eu soubesse lhe dizer
D
O que fazer p'rá todo mundo
C
ficar junto
F
Todo mundo já estava há muito
E
tempo
G
E o que é que eu tenho a ver com isso?
C    D         G
Sou brasileiro errado
C         D     G
Vivendo em separado
F           D
Contando os vencidos
Bb      C    G      Solo
De todos os lados.

Será

Será (1985) - Dado Villa-Lobos, Renato Russo e Marcelo Bonfá - Intérprete: Legião Urbana
Tom: C
Intro: ( C  F  G )

      C          G       
Tire suas mãos de mim,
Am        F        C
Eu não pertenço a você
G       
Não é me dominando assim
Am       F
Que você vai me entender
C                G
Eu posso estar sozinho
Am                F
Mas, eu sei muito bem
Am
Aonde estou

Você pode até duvidar
F                 G
Acho que isso não é
C F C F C F C F
amor

G              Dm
Será só imaginação
G                  Dm
Será que nada vai acontecer
G                       Dm
Será que é tudo isso em vão
G                   Dm               
Será que vamos conseguir
Am
vencer?
F   G    C F C F C F C
Ô ô ô ô ô ô

C                    G
Nos perderemos entre monstros
Am               F
Da nossa própria criação
C              G
Serão noites inteiras
Am                 F
Talvez por medo da escuridão
C             G
Ficaremos acordados
Am                  F
Imaginando alguma solução
Am
P'rá que esse nosso egoísmo
F
Não destrua nosso
G        C F C F C F C F    
coração

G              Dm
Será só imaginação
G                  Dm
Será que nada vai acontecer
G                       Dm
Será que é tudo isso em vão
G                   Dm               
Será que vamos conseguir
Am
vencer?
F   G         C F C F C F C
Ô ô ô ô ô ô

 C
Brigar p'rá quê?
G/B
Se é sem querer
Bb9           Dm        G
Quem é que vai nos proteger?
C   
Será que vamos ter
G/B
Que responder
Bb9
Pelos erros a mais
Dm        G
Eu e você

Samba da benção

Vinícius de Moraes
Samba da benção - Vinícius de Moraes e Baden Powell
 D6/F#       Fº       Em7   A7       D6/F#
É melhor ser alegre que ser triste
Fº         Em7    A7      D6/F#
Alegria é a melhor coisa que existe
Fº         Em7    A7  D6/F#
É assim como a luz no coração 
Fº  Em7   A7  D6/F# 
          Fº     Em7   A7    D6/F#
Mas pra fazer um samba com beleza
Fº        Em7  A7     D6/F#
É preciso um bocado de tristeza
Fº        Em7  A7     D6/F#
É preciso um bocado de tristeza
Fº          Em7    A7    D6/F#
Senão, não se faz um samba não 
"Senão é como amar uma mulher só linda. E daí?
Uma mulher tem que ter qualquer coisa além da beleza
Qualquer coisa que sofre / Qualquer coisa que chora
Qualquer coisa que sente saudade/Um molejo de amor
machucado / Uma tristeza que vem da beleza
De se saber mulher / Feita apenas para amar /
Para sofrer pelo  seu amor / E para ser só perdão" 
Fº  Em7   A7  D6/F#
       Fº       Em7   A7   D6/F#
Fazer samba não é contar piada
Fº          Em7    A7    D6/F#
E quem faz samba assim não é de nada
Fº       Em7     A7      D6/F#
Um bom samba é uma forma de oração
Fº  Em7   A7  D6/F#
          Fº     Em7    A7         D6/F#
Porque o samba é a tristeza que balança
Fº       Em7     A7     D6/F#
E a tristeza tem sempre uma esperança
Fº       Em7     A7     D6/F#
A tristeza tem sempre uma esperança
Fº          Em7   A7    D6/F#
De um dia não ser mais triste não
"Feito essa gente que anda por aí
Brincando com a vida/Cuidado companheiro!
A vida é pra valer / E não se engane não,
tem uma só / Duas mesmo que é bom
Ninguém vai me dizer que tem
Sem provar muito bem provado
Com certidão passada em cartório do céu
E assinado em baixo:Deus
E com firma reconhecida
A vida comigo é a arte do encontro
Embora haja tanto desencontro pela vida
Há sempre uma mulher à sua espera
Com os olhos cheios de carinho
E as mãos cheias de perdão
Ponha um pouco de amor na sua vida
Como no seu samba" 
Fº  Em7   A7  D6/F#
          Fº        Em7   A7   D6/F#
Ponha um pouco de amor numa cadência
Fº          Em7    A7    D6/F#
E vai ver que ninguém no mundo vence
Fº       Em7    A7    D6/F#
A beleza que tem um samba não
Fº  Em7   A7  D6/F#
          Fº       Em7    A7   D6/F#
Porque o samba nasceu lá na Bahia
Fº      Em7       A7    D6/F#
E se hoje ele é branco na poesia
Fº      Em7       A7    D6/F#
Se hoje ele é branco na poesia
Fº       Em7    A7  D6/F#
Ele é negro demais no coração
"Eu, por exemplo,
o capitão do mato Vinícius de Moraes
Poeta e diplomata/O branco mais preto do Brasil
Na linha direta de Xangô, saravá!/ Abênção, Senhora
A maior Ialorixá da Bahia
Terra de Caymmi e João Gilberto
À bênção, Pixinguinha/Tu que choraste na flauta
Todas as minhas mágoas de amor/A bênção Sinhô,
a bênção Cartola /A bênção, Ismael Silva, a bênção,
Heitor dos Prazeres, a bênção, Nelson Cavaquinho,
a bênção, Geraldo Pereira/Ary, a sua bênção
Sua bênção, Noel
Sua bênção, meu bom Cyro Monteiro
Você sobrinho de Nonô/A bênção,Noel
Sua benção Ary / A bênção, todos os grandes
Sambistas do meu Brasil
Branco, preto, mulato
Lindo como a pele macia de Oxum
A bênção, maestro Antonio Carlos Jobim
Parceiro e amigo querido
Que já viajaste tantas canções comigo
E ainda há tantas a viajar
A bênção, Baden Powell
Amigo novo, parceiro novo
Que fizeste este samba comigo
A bênção, amigo/A bênção, amigo
A bênção, maestro
Moacir Santos/Que não és um só, és tantos como
O meu Brasil de todos os santos
Inclusive meu São Sebastião
Saravá! / A bênção, que eu vou partir
Eu vou ter que dizer adeus" 
Fº  Em7   A7  D6/F#

Batida diferente

Durval Ferreira
"Batida Diferente" é a composição de Durval Ferreira e Maurício Einhorn, primeiro número do concerto de Bossa Nova no Carnegie Hall de Nova York em 21 de novembro de 1962. Nome como ficou conhecida a batida de violão característica da Bossa Nova.

Batida diferente (samba bossa) - Durval Ferreira e Maurício Einhorn
  G7M       G6       
Veja como bate engraçado 
 Dm7     G7/13  C7M    C6/9 
  o meu coração assim 
Cm7         F7/9            Bm7  
Tum tum tum tum tum tum tum     
            Bb7/13   Am7    Ab7/13  
Tum tum tum tum tum tum tum tum    
             Bm7 Bb7/13 Am7 Ab7/13 
    tum tum tum 
 
G7M       G6         Dm7  
Bate realmente sincopado 
G7/13 C7M C6/9 
Vem ouvir assim 
Cm7         F7/9     Bm7 
Mas bem juntinho de mim 
            Bb7/13    Am7      Ab7/13          G6 Ebm7 Ab7/13 
Tum tum tum tum   tum tum tum tum     tum tum tum 
 
Dm7        G7/13   Dm7     G7/13 C7M F7/13 C6/9  
Se do coração   batida diferente faz você   vibrar 
Em7          A7/13     Em7        A7/13 
Eu vou lhe mostrar que o meu coração 
Am7/11                  Ab7/13  
Tum    tum tum tum tum pode variar 
 
   G7M        G6        Dm7   G7/13   C7M  C6/9 
E juntos nós iremos tentar mudar e improvisar 
Cm7       F7/9   Bm7 
O que vem do coração 
             Bb7/13    Am7/11    Ab7/13     Ab7/#11 G6 
Tum tum tum tum    tum tum   tum tum   tum tum      tum 

O amor em paz

João Gilberto
Composto em 1960, numa viagem de trem entre o Rio e São Paulo, “O Amor em Paz” destinava-se ao lançamento de um programa de televisão de Agostinho dos Santos. Mas o público ignorou a versão de Agostinho e, em seguida, a da cantora Marisa Gata Mansa, só tomando conhecimento da canção um ano depois, quando João Gilberto a gravou em seu terceiro elepê.

Realizada em setembro de 61, esta gravação tem um soberbo arranjo de Tom Jobim e a sua irretocável participação ao piano. Pode-se dizer que ela transmite toda a força da composição, uma das mais pungentes da parceria Tom e Vinícius — a velha história do amor perdido, sofrido, lamentado e a expectativa de paz que renasce com a descoberta de um novo amor, arrematando-se o poema com a romântica reflexão: “O amor é a coisa mais triste quando se desfaz.”

A mesma nota tônica inicial (“Eu”, no verso “Eu amei”) é harmonizada com um acorde menor no primeiro compasso e um maior no segundo, prosseguindo esse jogo ao longo dos 16 compassos de Ai e A2, mais os oito de B e da coda, esta com um final bachiano passando do acorde de tônica menor para o de tônica maior. Essas alternâncias harmônicas acompanham, em perfeita integração com a letra, as situações de tristeza pelo amor perdido e de alegria pelo reencontrado.

É uma brilhante criação no mais sedutor aspecto que caracteriza a música de Antônio Carlos Jobim, a composição harmônica. Bem gravado no Brasil, “O Amor em Paz” recebeu no exterior, com o título de “Once I Loved”, várias gravações de cantores (Perry rio, Sinatra, Ella Fitzgerald) e jazzistas importantes (Milt Jackson, McCoy Tyner, Wes Montgomery).

O amor em paz (samba bossa, 1961) - Tom Jobim e Vinícius de Moraes - Interpretação de João Gilberto

LP João Gilberto / Título da música: O amor em paz / Jobim, Tom (Compositor) / Moraes, Vinícius de (Compositor) / Gilberto, João (Intérprete) / Gravadora: Odeon, 1961 / Álbum MOFB 3202 / Lado A / Faixa 6 / Gênero musical: Samba.

Introdução: F#7M F#7/#5 
 
Bm7/9 E7   A7M A#° 
Eu    amei 
  Bm7/9                    C° 
E amei ai de mim, muito mais 
         C#m7/9   Bm7/9 E7 
Do que devia amar 
 
Am7/9 D7 G7M G6 
E   chorei 
       G#m7(b5)          G#7(b9) 
Ao sentir que eu iria sofrer 
        F#7M  F#7/#5 
E me desesperar 
 
Bm7/9 E7 A7M   A#° 
Foi    então 
        Bm7                C° 
Que da minha infinita tristeza 
       C#m7/9  Bm7/9 E7 
Aconteceu você 
Am7/9 D7     G7M G6 
encon......trei 
    G#m7(b5)          C#7/b9 
Em  você a razão de viver 
      F7M         
E de amar em paz 
F#m6      E7M/9      Em6 
   E não sofrer mais 
       D7M/9 
Nunca mais 
 
         D#m7/b5               G#° 
Porque o amor é a coisa mais triste 
        F#m7/4   F#7/#5 
Quando se desfaz 
   Bm7/9                G#° 
O amor é a coisa mais triste 
        F#m7/4 
Quando se desfaz.


A Canção no Tempo - Vol.2 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Editora 34

Verde

Assistindo no Vale do Anhangabaú a uma manifestação pelas eleições “diretas já”, Eduardo Gudin e Costa Netto resolveram registrar numa música aquela sensação de retorno à democracia, vivida pelo povo brasileiro na ocasião. Gudin, sugerindo que a letra deveria enfatizar a cor verde, desenvolveu então um esboço de melodia que já tinha em mente.

A primeira parte (A) da canção, em sol maior, era sucedida por uma segunda (B) em sol menor, porém a seqüência final, com o mesmo motivo de A, tinha uma modulação para si bemol maior. Esta interessante resolução levanta a música, provocando um explosivo entusiasmo: “Verde as matas no olhar / ver de perto / ver de novo um lugar / ver adiante / sede de navegar / verdejantes tempos / mudança dos ventos no meu coração...”

“Verde” foi inscrita no Festival dos Festivais, concorrendo com 10.314 músicas, das quais 48 seriam classificadas para as quatro eliminatórias. Este festival seria uma tentativa da Rede Globo de reverter a criticada imagem dos MPB-Shell de 80, 81 e 82, em que a pontuação das notas de um júri de duzentas pessoas, de discutível competência, gerou comentários desfavoráveis.

Mas, voltando a “Verde”, aconteceu que o cantor Lula Barbosa, o intérprete na fita de inscrição, tinha também uma composição classificada, “Mira Ira”. Por isso um dos jurados, César Camargo Mariano, sugeriu aos autores o aproveitamento de uma cantora que o impressionara na fita de uma concorrente. A cantora era a paraense Leila Pinheiro, que, apresentada a Gudin e Netto no ensaio da quarta eliminatória, acabou classificando a composição.

Na final, Leila levou “Verde” à terceira colocação superada apenas por “Escrito nas Estrelas” e “Mira Ira” — e ainda foi considerada a revelação do festival. Em seguida, contratada pela PolyGram, ela regravaria “Verde” em seu primeiro elepê, Olho nu, lançado em maio de 86. Passados vários anos, pode-se dizer que esta canção (ao lado de “Escrito nas Estrelas”) foi a música que ficou do Festival dos Festivais, beneficiando a carreira de três artistas: Leila Pinheiro, como cantora, Costa Netto, como letrista, e Eduardo Gudin, como um dos mais férteis compositores paulistas de sua geração (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).



Verde (1985) - Eduardo Gudin e José Carlos Costa Neto

Intro:   Cm7   Ab7+     Fm7     Ab/Bb    G6

G6                Gº            G6                Gº
Quem pergunta por mim, já deve saber, do riso no fim
           F6                E4/7    E7/9-        C#m5-/7
De tanto sofrer, que eu não desisti, das minhas bandeiras,
              C7+        D7/9-
Caminho, trincheiras, da noite
G6                Gº               G6
Eu, que sempre apostei, na minha paixão
           Gº            F6                E4/7   E7/9-   C#m5-/7
Guardei um país no meu coração, um foco de luz, seduz a razão
             C7+        D7/9-    Gm7           F/G
De repente a visão da esperança, quis esse sonhador
G7/5+  Ab7+      Ab4/7    Db7+                 Dm7/5-
Aprendiz de tanto suor, ser feliz num gesto de amor
                    G5+/7 Db7/9
Meu país acendeu a cor

REFRÃO:  
Cm7       F7         Cm7   F7
Verde, as matas no olhar, ver de perto
 Bb7+           Bbo
Ver de novo um lugar, ver adiante
 Ab6       F/G     G7/5+      C7/13
Sede  de navegar, verdejantes tempos
 C5+/7        Eb/F    F7/9-   Bb7+  D7/9-
Mudança dos ventos no meu coração
G6               Gdim
Eu que sempre apostei
           G6
Na minha paixao
            Gdim
Guardei um pais
         F6
No meu coracao
            E7
Um foco de luz
E7/9-    C#m5-/7
Seduz a razao
               C7+       D7/9-
De repente a visao da esperanca
Gm7          F/G
Quis esse sonhador
G5+/7   Ab7+
Aprendiz de tanto suor
Ab7/13   Db7+
Ser    feliz num gesto de amor
Dm5-/7              G5+/7 Db7/9
Meu pais acendeu  a cor
 Cm7        F7      Cm7
Verdes as matas no olhar
F7      Bb7+
Ver de perto 
                Bbdim
Ver de novo um lugar

Ver adiante
Ab6       F/G
Sede de navegar
G5+/7        C7/13 C5+/7
Verdejantes tempos
              Eb/F     F7/9-
Mudancas dos ventos no meu
     Bb7+ E7/9 Eb7+ G#5+/7
  coracao
 C#m7      F#7      C#m7
Verdes as matas no alhar
F#7
Ver de perto
B7+             Bdim
Ver de novo um lugar

Ver adiante
A6        F#/G
Sede de navegar
G#5+/7       C#7/9
Verdejantes tempos
              E7+        F#7
Mudancas dos ventos no meu
    Bb7+
  coracao
F7            E7+
Verdejantes tempos
D#m7          C#m7     F#7
Mudancas dos ventos no meu
    B7+
  coracao...

Renata Maria

Leila Pinheiro

Renata Maria - Ivan Lins e Chico Buarque
Intro: 
E7M/G# A7M/C# F7M/A Eb7M/G D7M/F# C7M B7M 
B7(9)(11) Bb7(9)(11) Bb7(b13) Eb7M(13) Eb7M Eb7M/G Gm7M 


Eb7M             Abm7M(9)/Eb     Abm6(9)/Eb 
Ela, era ela, era ela no centro da tela daquela manhã 
Ab6(9)/Eb        G7(b9) G7(b13)  Cm7M/G Cm7/G F7(b5) F7 
Tudo o que não era ela se desvaneceu 
Bb7(9)   Bb7(#9)      Bb7  Bb7(13)(b9) Eb7M(#11) 
Cristo, montanhas, florestas, acácias, ipês 
 Eb7M          Eb6       Abm7M(9)/Eb       Abm6(9)/Eb 
Pranchas coladas na crista das ondas, as ondas suspensas no ar 
Ab6(9)/Eb       G7(b9) G7(b13)  Cm7M/G Cm7/G F7(b5) F7 
Pássaros cristalizados no branco do céu 
Bb7(9) Bb7(#9)    Bb7  Bb7(13)(b9) Eb7M(#11) 
E eu, atolado na areia, perdia meus pés 

Am7(9)(11) D7(b13)(b9) Gm7M(9)          Gm7(9) 
Músicas imaginei,        mas o assombro gelou 
Bbm9   Bbm9(#5)  Bbm6(9) Eb7(b9)    Ab7M(9) Abm7M(9) Abm6/B 
Na minha boca as palavras       que eu ia falar 
Eb7M/Bb  Eº/Bb 
Nem uma brisa soprou 
Bb7(9)(11)    Bb7/11/9-   Eb7M(13) 
Enquanto Renata Maria saía do mar 

Dia após dia na praia com olhos vazados de já não a ver 
Quieto como um pescador a juntar seus anzóis 
Ou como algum salva-vidas no banco dos réus 
Noite na praia deserta, deserta, deserta daquela mulher 
Praia repleta de rastros em mil direções 
Penso que todos os passos perdidos são meus 

Eu já sabia, meu Deus, tão fulgurante visão 
Não se produz duas vezes no mesmo lugar 
Mas que danado fui eu 
Enquanto Renata Maria saía do mar 

Nada por mim

Kid Abelha - Leila Pinheiro

Nada por mim - Herbert Vianna/Paula Toller
A7+                  Em7
Você me tem fácil demais
A7      D#m7(b5)         F/G
Mas não parece capaz de cuidar
C#7(b13) C7(b13) B7(b13) Bb7
do que possui
A7+                  Em7              A7      D#m7(b5)
Você sorriu e me propôs que eu te deixasse em paz
F/G          A7M Em7 A7(b9) D#m7(b5)
Me disse vá e eu não fui
           F/G A/C#       C°        Bm7
Não faça assim, não faça nada por mim
E7/9                        A7M
Não vá pensando que eu sou seu
 
Você me diz o que fazer, mas não procura entender
Que eu faço só prá te agradar, te agradar
Me diz até o que vestir, por onde andar, aonde ir
Mas não me pede prá voltar

Luz do ar

Leila Pinheiro
Tom: Am7/9
 
Am7/9        G#5-(9/13-)
Fechar os olhos
Am7/11           F7+/9 Bb6/9
e deixar que a luz do ar  invada...
Dm7/11/A     E7/13-/B  E7/B
Mergulhar na sensação,
Bb6/9 Dm7/11/A   C5+/Bb   E7(5+/9-)     G9/13   F7+/9*
até sentir a      vida            ser beijada... 
F#m7/5-
Então sorrir com as mãos
G#º G#6/11+ Em7/D Dm7/9   Am7/9*
e abraçar o   mun...do!

Lua de cetim

Leila Pinheiro
Tom: C

A7+/9               G#m7/4           G7/5-
Lua de cetim, tempo quente, amendoim,
    D7+/9     D#º  A7+        A6
Dia de vadiar,   vagabundear
   B7         B7/13   Bm7      E7/4  G7/9-
De tudo adiar,     se deliciar
C7+            Em7/B        Bb7+             Bº
Deito no capim,     planto avencas num xaxim,
     C7+                   C#º
Samambaia e alguns jasmins,
       F7+          Bb7/9   C7+          C6
Que preguiça de mim,     ai ai que me dá
    D7/4           D7   Dm7               E7/4  E7
Sei lá o que me dá,  só sei que isso me encan...ta
A7+/9            E7/G#      D/F#     A7+/E   Eb7/9+
Sapos no quintal,     venta roupa no varal,
      D7+/9       G7/13   A7+/E      F#m7
Vai caindo um toró     lá no Tororó
   A/B          B7/13     D/E         G7/9
Cantou um curió,     e eu fico tão só
C7+            G7/B       F/A                Fm/Ab
Sabe, meu amor,    meu jardim tá todo em flor
      Em/G              Gb7/5-
Deu camélia e monsenhor,
     F7+           Fm6/9    C6/9         Am7
Deu até beija-flor,     não é que me deu
   C/D        D7/9  F/G             D/E  E7/9-
Vontade do meu    menino que bem me ni...na
A7+/9                G#m7/4           G7/5-
Seja como flor, seja sempre o meu amor
       C#m7/5-            F#7/5+
Diga o quanto bem me quer
       Bm7
Gira o sol, se bem me quer
     Dm7
Se é bom viver em paz
    A7+             A6
Não abra, meu rapaz
    B7                 B7/13
Não faça o que não quer
    Bm7              E7/4  E7
Não faça o que se faz
A7+          E7/G#      D/F#        A7+/E   Eb7/9
Lua de cetim,     tempo quente, amendoim,
    D7+/9      D#º  A7+
Dia de vadiar, de vagabundear
A#º D7+/9     G7/13 A7+        Eb7/9
Dia de adiar, de  vagabundear, vai...

Ela é carioca



Ela é carioca (samba bossa, 1963) - Tom Jobim e Vinícius de Moraes - Intérprete: Os Cariocas

LP Mais Bossa Com Os Cariocas / Título da música: Ela é carioca / Tom Jobim (Compositor) / Vinícius de Moraes (Compositor) / Os Cariocas (Intérprete) / Gravadora: Philips / Ano: 1963 / Catálogo: P 632.177 L / Gênero musical: Samba.


Tom: C

Intro:  C

       C7+             Am7
Ela é carioca, ela é carioca
        D7/9
Basta o jeitinho dela andar
  Dm7          Bbm6      Am6      G7
E ninguém tem carinho assim para dar
Gm7                  C7/9
Eu vejo na cor dos seus olhos
            F#m7/5-  Fm6
As noites do Rio ao luar
        C7+   Bº          Bb7+  A7
Vejo a mesma luz, vejo o mesmo céu
 Ab7+     Db7/9
vejo o mesmo mar

            C7+            Am7
Ela é meu amor, só me vê a mim
         D7/9
A mim que vivi para encontrar
Dm7            Bbm6    Am6        G7
Na luz do seu olhar, a paz que sonhei

   Gm7                     C7/9
Só sei que eu sou louco por ela
               F#m7/5-  Fm6
E pra mim ela é linda demais
  C7+     Bº         Bb7+  Bº
E além do mais, ela é carioca
         C7+
ela é carioca

Catavento e girassol

Guinga
Catavento e girassol - Guinga e Aldir Blanc
Intr.: Eb7M/G F#°(b13) Eb7M/G F#°(b13) 
Eb7M/G                  F#°(b13)
Meu Catavento tem dentro
Eb7M/G   F#°(b13)
o que há do lado de fora  do teu     Girassol
Ab7M/C                         B°(b13)
Entre o escancaro e o contido
Ab7M/C    B°(b13)
eu te pedi sustenido  e você     riu bemol
Ab7M(#11)                   Fm6/9  C(add9)/E
Você só pensa no espaço       
Eu exigi duração
Dm6/A                    G7(13)/A
Eu sou um gato de subúrbio
Fm6/C  C7M(#5)
Você é litorânea
Eb7M/G                        F#°(b13)
Quando eu respeito os sinais
Eb7M/G      F#°(b13)
vejo você de patins  vindo na      contra-mão
Ab7M/C                    B°(b13)
Mas quando ataco de macho
Ab7M/C      B°(b13)
você se faz de capacho e não quer   confusão
Ebm6                     Bb(add9)/D
Nenhum dos dois se entrega 
F#°               G7/4(9)
Nós   não ouvimos conselho
Dm/F         E7(#9/#5)       Cm/Eb
Eu sou você       que se vai
D7(#9/#5)     Eb/Db
no sumidouro    do espelho
Dm/F         E7(#9/#5)       Cm/Eb
Eu sou você       que se vai
D7(#9/#5)     Gm(add9)
no sumidouro    do espelho
Eb7M/G                     F#°(b13)
Eu sou do Engenho de Dentro
Eb7M/G   F#°(b13)
e você vive no vento do Arpoador
Ab7M/C                      B°(b13)
Eu tenho um jeito arredio
Ab7M/C    B°(b13)
e você é expansiva, o inseto   e a flor
Ab7M(#11)                 Fm6/9   C(add9)/E
Um torce pra Mia Farrow      
O outro é Wood Allen
Dm6/A                     G7(13)/A
Quando assovio uma seresta
Fm6/C  C7M(#5)
Você dança havaiana
Eb7M/G                  F#°(b13)
Eu vou de tênis e jeans
Eb7M/G     F#°(b13)
Encontro você demais: escarpin,    soiré
Ab7M/C                       B°(b13)
Quando o pau quebra na esquina
Ab7M/C      B°(b13)
Cê ataca de fina  e me ofende em inglês
Ebm6                 Bb(add9)/D
É fuck you, bate bronha
F#°           G7/4(9)
e ninguém mete o bedelho
Dm/F         E7(#9/#5)
Você sou eu  
Cm/Eb       D7(#9/#5)     Eb/Db
que me vou  no sumidouro    do espelho
Dm/F         E7(#9/#5)
Você sou eu  
Cm/Eb       D7(#9/#5)     Gm(add9)
que me vou  no sumidouro    do espelho
Bbm/Db                     
A paz é feita num motel
Bb(add9)/D
de alma lavada e passada
C7(9/#11)                   Eb7(9/#11)
Pra descobrir logo depois
Bb6  F6/A
que não serviu pra na___da
Ab7(9/#11)                 Ab7(#11)
Nos dias de carnaval  
Gb6
aumentam os desenganos

E4/A          E4/G     E4/F
Você vai pra  Parati
E4       Dm/F  D7(b9)
e eu pro Cacique de Ramos
 

Eb7M/G                  F#°(b13)
Meu Catavento tem dentro
Eb7M/G   F#°(b13)
o vento escancarado  do Arpoador
Ab7M/C                    B°(b13)
Teu Girassol tem de fora
Ab7M/C   B°(b13)
o escondido do engenho de dentro da flor
Ab7M(#11)                  Fm6/9  C(add9)/E
Eu sinto muita saudade       
Você é contemporânea
Dm6/A                        G7(13)/A
Eu penso em tudo quanto faço
Fm6/C  C7M(#5)
Você é tão espontânea
Eb7M/G                      F#°(b13)
Sei que um depende do outro
Eb7M/G    F#°(b13)
só pra ser diferente Pra se      completar
Ab7M/C                        B°(b13)
Sei que um se afasta do outro
Ab7M/C       B°(b13)
num sufoco somente pra se aproximar
Ebm6                Bb(add9)/D        F#°
Cê tem um jeito verde     de ser e
G7/4(9)
eu sou meio vermelho
Dm/F            E7(#9/#5)   Cm/Eb
Mas os dois juntos   se vão
D7(#9/#5)     Eb/Db
no sumidouro    do espelho
Dm/F            E7(#9/#5)   Cm/Eb
Mas os dois juntos   se vão
D7(#9/#5)     Eb/Db
no sumidouro    do espelho
Dm/F   E7(#9/#5)   Cm/Eb   D7(#9/#5)   Gm(add9)
Mas         os dois juntos      se vão...
Eb7M/G / / F#°(b13) / / Eb7M/G / / F#°(b13) / /

Eb7M/G         F#°(b13)   Eb7M/G  F#°(b13)
Mas    os dois juntos  se vão
Eb7M/G         F#°(b13)   Eb7M/G  F#°(b13)
Mas    os dois juntos  se vão
Eb7M/G         F#°(b13)   Eb7M/G  F#°(b13)
Mas    os dois juntos  se vão...

Eb7M/G / / F#°(b13) / / Gm(7M/9)

Canibaile

Canibaile - Guinga e Aldir Blanc - Interpretação: Leila Pinheiro
B
Qüém-qüém, andei cantando alegremente
          Aº           F#º   
E a cada pacto, eu, o pato, 
              C7M/G
   era um frango de macumba
A#m7(11)           D#7/4(9)  G#m7(9)
        Vinha os turistas, viviam   me alugando
     Am7(11)     D7(9)       G(add9)
E ain_______da furavam meu zabumba
G/F                 C/E        F#/E
   Depois ligavam o rádio na FM    
                       B    F#7
Dançando sobre a minha tumba

  B        F#7        B
Eu senti o drama do maneta
        Aº            F#º           C7M/G
Uma das mãos tomou Buscheta e com a outra o que é que eu faço?
A#m7(11)        D#7/4(9)   G#m7(9)
        Virei palhaço   no circo  onde o calouro
 Am7(11)     D7(9)       G(add9)
É       o toureiro e é o touro
G/F               C/E       F#/E                   B
   E ouve rádio ligado na FM    Enquanto toma pelo couro

C#º        Bº          G7(9)
   Araquiri, maracutaia...  
                    F#7(#5)
Eu vou soltar pomba-gira   nessa praia
C#º        Bº          G7(9)
   Araquiri, maracutaia...  
                    F#7(#5)
Eu vou soltar pomba-gira   nessa praia

   B6/9
Mas    que som, que saco, que mentira!
          A#m7(11)              A7(#11)
Falei pro Jackson, lembramos Djanira,  
                 G#7(9)                  G#/F#
  ele foi chamar Almira  e isso vai continuar
      C#/F                       F#/E               B
Porque     nunca se viu na cascavel o guizo dela enguiçar

         B
Qüém-qüém, andei cantando alegremente...

   B6/9
Der____ramaro o gái do candiêro
           A#m7(11)                A7(#11)
Nesse entrevero,   uso cocô e fico firme, 
               G#7(9)                     G#/F#
  pode vir David Byrne porque o canibal sou eu:
   C#/F                            F#/E                    B
No pau  descasco e como o tal rei Momo que cagou no que é meu
                                   Bº           B
E o tempero que é difícil, nem com fuzileiro e míssil...
                             B6/9
Bedelho, ara! Mai que time é teu?

Besame

Leila Pinheiro

Besame - Flávio Venturini
Tom: G
  

    Em9 C7+                 Em9 C7+
A orquestra       já nos chamou
           Am7  C/D        G7+     C7+
Abriu meu cora...ção...tremeu o chão
   F#m7/5- B7     Em7
Eu vi que        era feliz
            Am7 D7/9
A luz do cabaret...        La noche nuestra
             G7+      C7+
I el mondo a rodar
Am7         F#m7/5-       B4/7 B7
Vem o fogo da paixão nos queimar
           Am7 D7/9                       G7+ C7+
La luna tropical...          Ao som de um bandoneon
Am7             (F#m7/5- B7)
Não me canso de pedir
      Em9 C7+           Em9          C7+
Besame...         besame mucho más

Call me

Leila Pinheiro
Tom: A7+

   A7M            A6         Am7
Quando estou  sozinha   e   triste
   D7(b9)             G°
Quando envolta esta deserto
G7M                Gm7
Quando tudo esta inserto
C7(4) (9)        C7(9)
Eu te chamo e você vem
F7M        Bb7M              F7M  
Pra perto como quem nunca parti-se
Gm7                   Am7        Bb7M
Como quem nunca tive-se ido
E7(b9)        A7M   E7(#9)
Pra longe de min
A7M         A6         Am7
Mais  Também  se  algum  dia
D7(b9)           G° 
Por tristeza ou alegria
G6           Gm7
Você quer ou me precisa
C7(4)(9)       C7(9)
Só  precisa  me   chamar
F7M     Bb7M                    F7M
Pra perto  certo que eu venho depressa
Gm7                   Am7
Como  quem  não  vai  embora
Bb7M    E7(b9)     A7M    A6
Como  quem  nunca  partiu
E7(4)(9)           E7(9)
Agora é hora de ir embora
A7M              A6
Logo vai amanhecer
B7(13)
E a minha vida
B7(#5)
É a minha vida
A7M    C°        Bm7        F#7(4)(9)
E  a  sua  e  de  você

Abril

Leila Pinheiro

Abril - Adriana Calcanhotto
Gm6          D7+ 
Sinto o abraço do tempo apertar 
Gm6                              D7+/9/F# 
E redesenhar minhas escolhas 
Em7/9                               F#m7 
Logo eu que queria mudar tudo 
G7+ 
Me vejo cumprindo ciclos 
Bm7/9 
Gostar mais de hoje  gostar disso 
Gm6                                  
Me vejo com seus olhos tempo 
D7+ 
Espero pelas novas folhas 
Gm6    
E imagino jeitos novos 
D7+ 
Para as mesmas coisas 
Em7/9           F#m7 
Logo eu que queria ficar 
    G7+                                
Pra ver encorparem os caules 
                              Bm7/9 
Lá vou eu, eu queria ficar 
Em7/9 
Pra me ver mais tarde 
F#m7 
Sabendo o que sabem os velhos 
G7+ 
Pra ver o tempo  e seu lento ácido 
Bm7/9 
Dissolver o que é concreto 
Gm6 
E vejo o tempo em seu claro escuro 
D7+/9/F# 
Vejo o tempo em seu movimento 
Gm6 
Me marcar a pele a fundo 
D7+/9/F# 
Me impelindo, me fazendo 
Em7/9                       F#m7 
Logo eu que fazia girar o mundo 
G7+                                  Bm7/9 
Logo eu, quem diria, esperar pelos frutos 
Gm6 
Conheço o tempo em seus disfarces 
D7+ 
Em seus círculos de horas 
Gm6 
Se arrastando feito meses 
D7+ 
Se o          meu amor demora 
Em7/9                              F#m7 
E vejo bem tudo recomeçar, todas as vezes 
G7+ 
E vejo o tempo apodrecer  e brotar 
Bm7/9 
E seguir sendo sempre ele 
G7+ 
Me vejo o tempo todo começar de novo 
Bm7/9 
E ser  e ter tudo pela frente 

Abandono (Leila Pinheiro)

Leila Pinheiro
Tom: C  

Intro: Em7/9

  Db7(9+/11+)  C7+/9
O que será ser só
             B7(5+/9+) Em7(9/11)
Quando outro dia amanhecer?
  Db7(9+/11+) C6/9
Será    recomeçar,
         B7/9+        Em7(9/11)
Será ser livre sem querer?
  G7/13        C6/9
O que será ser moça
         B7/9-      Em7(9/11)
E ter vergonha de viver?
    Db7(9+/11+)  C7+/9
Ter corpo pra dançar
          B7(5+/9+)    Em7(9/11)
E não ter onde me esconder
   Db7(9+/11+)     C6/9
Tentar cobrir meus olhos
         B7/9+        Em7(9/11)
Pra minh'alma ninguém ver
   G7/13      C6/9
Eu toda minha vida
      B7/9-        Em7(9/11)
Soube só lhe pertencer
  E7/9-           E7(9-/13-) F6(7+/9)
O que será ser sua,    sem você?
       Dm7                      C7+/9
Como será ser nua em noite de luar?
       F7+/5-     F7+        B7/5-
Ser aluada louca até você voltar
    F7(9/11+) B7(5+/9+) Em7/9
Pra quê?
  Db7(9+/11+)  C7+/9
O que será ser só
             B7(5+/9+) Em7(9/11)
Quando outro dia amanhecer?
  Db7(9+/11+) C6/9
Será    recomeçar,
         B7/9+        Em7(9/11)
Será ser livre sem querer?
  G7/13        C6/9
O que será ser moça
         B7/9-      Em7(9/11)
E ter vergonha de viver?
Db7(9+/11+) C7+/9 B7(5+/9+) Em7(9/11)
     G7/13         C6/9
Quem vai secar meu pranto?
         B7/9-      C7+   Em
Eu gosto tanto de você.