segunda-feira, 17 de julho de 2006

Non je ne regrette Rien

Non je ne regrette Rien - Edith Piaf (Música francesa)

Tom: G  

Intro: G  D/F#  D/F#  G

G              D/F#
Non, rien de rien
                      G
Non, je ne regrette rien
      C              C(#5)
Ni le bien qu'on m'a fait
      C6  Am/D                D
Ni le mal tout ça m'est bien égal

G              D/F#
Non, rien de rien
                      G
Non, je ne regrette rien
        C       Am       D
C'est payé, balayé, oublié
      D7         G
Je me fous du passé

              G
Avec mes souvenirs

j'ai allumé le feu
                      D7
Mes chagrins, mes plaisirs
                    G
Je n'ai plus besoin d'eux

             G
Balayés les amours

Avec leurs trémolos
                D
Balayés pour toujours
              G
Je repars à zéro

G              D/F#
Non, rien de rien
                      G
Non, je ne regrette rien
      C              C(#5)
Ni le bien qu'on m'a fait
      C6  Am/D                D
Ni le mal tout ça m'est bien égal

G              D/F#
Non, rien de rien
                      G
Non, je ne regrette rien
       C   C(#5)    C6   C7
Car ma vie, car mes joies
D6/B       D7
Aujourd'hui,
      D7         G   (G6 G)   Eb (Eb6 Eb)   G
Ça commence avec toi


Milord

Milord - Marguerite Monnot e Georges Moustaki (Música francesa) - Interpretação de Edith Piaf

----------D -------------------G
Allez! venez, Milord Vous asseoir à ma table
------------D-- Bm--- E7---------- A7
Il fait si froid dehors Ici, c'est confortable
-------------D -------------D7----- G
Laissez-vous faire, Milord Et prenez bien vos aises
----------D ----------------E7 --------------A7
Vos peines sur mon coeur Et vos pieds sur une chaise
---------------D--------------------- G
Je vous connais, Milord Vous ne m'avez jamais vue
----------------D ---F#m-- D/A--- G----------- D
Je ne suis qu'une fille du port Une ombre de la rue...

Pourtant, je vous ai frôlé
Quand vous passiez hier
Vous n'étiez pas peu fier
Dame! le ciel vous comblait
Votre foulard de soie
Flottant sur vos épaules
Vous aviez le beau rôle
On aurait dit le roi
Vous marchiez en vainqueur
Au bras d'une demoiselle
Mon Dieu! qu'elle était belle
J'en ai froid dans le coeur...

Allez! venez, Milord
Vous asseoir à ma table
Il fait si froid dehors
Ici, c'est confortable
Laissez-vous faire, Milord
Et prenez bien vos aises
Vos peines sur mon coeur
Et vos pieds sur une chaise
Je vous connais, Milord
Vous ne m'avez jamais vue
Je ne suis qu'une fille du port
Une ombre de la rue...

Dire qu'il suffit parfois
Qu'il y ait un navire
Pour que tout se déchire
Quand le navire s'en va
Il emmenait avec lui
La douce aux yeux si tendres
Qui n'a pas su comprendre
Qu'elle brisait votre vie
L'amour, ça fait pleurer
Comme quoi l'existence
Ça vous donne toutes les chances
Pour les reprendre après...


Allez! venez, Milord
Vous avez l'air d'un môme
Laissez-vous faire, Milord
Venez dans mon royaume
Je soigne les remords
Je chante la romance
Je chante les milords
Qui n'ont pas eu de chance
Regardez-moi, Milord
Vous ne m'avez jamais vue...
Mais vous pleurez, Milord
Ça, j' l'aurais jamais cru!

(mi-récité, mi-chanté)
Eh! bien voyons, Milord
Souriez-moi, Milord
Mieux que ça, un p'tit effort...
Voilà, c'est ça!
Allez! riez, Milord
Allez! chantez, Milord
Ta da da da...

Mais oui, dansez, Milord
Ta da da da...

Bravo! Milord...

Encore, Milord...

Les mots bleus

Les mouts bleus - Christophe (Música francesa)
 Fm7  
 Il est six heures au clocher de l'église
 Ab6 
 Dans le square, les fleurs poétisent
 Fm                           Eb 
 Une fille va sortir de la mairie 
 Eb7                                          Ab 
 Comme chaque soir, je l'attends ; elle me sourit
                                     G7 
 Il faudrait que je lui parle à tout prix

     Cm  
Je lui dirai les mots bleus 
Les mots qu'on dit avec les yeux
  Bb  
Parler me semble ridicule 
Je m'élance et puis je recule
  Ab  
Devant une phrase inutile 
Qui briserait l'instant fragile
  G               G7  
D’une rencontre, d'une rencontre

  Cm  
Je lui dirai les mots bleus 
Ceux qui rendent les gens heureux
  Bb  
Je l'appellerai sans la nommer 
Je suis peut-être démodé
  Ab  
Le vent d'hiver souffle en avril 
J’aime le silence immobile
  G              G7  
D’une rencontre, d'une rencontre 
 
Il n'y a plus d'horloge,  plus de clocher
Dans le square, les arbres sont couchés
Je reviens par le train de nuit
Sur le quai, je la vois qui me sourit
Il faudra bien qu'elle comprenne à tout prix

Je lui dirai les mots bleus 
Les mots qu'on dit avec les yeux 
Toutes les excuses que l'on donne 
Sont comme les baisers qui s'envolent 
Il reste une rancoeur subtile 
Qui gâcherait l'instant fragile 
De nos retrouvailles, de nos retrouvailles

Je lui dirai les mots bleus 
Ceux qui rendent les gens heureux 
Une histoire d'amour sans paroles 
N’a plus besoin du protocole 
Et tous les longs discours futiles 
Terniraient quelque peu le style 
De nos retrouvailles, de nos retrouvailles

Je lui dirai les mots bleus 
Les mots qu’on dit avec les yeux 
Je lui dirai tous les mots bleus 
Tous ceux qui rendent les gens heureux... 
Tous les mots bleus (bis)... 

Le ballet

Le ballet - Jean-Jacques Goldman (Música francesa) - Interpretação de Céline Dion
Gm  Gm4     Gm    Gm7   Gm
Ça t'arrive sans crier gare
Au milieu d'une heure incolore

Un geste, une odeur, un regard
Qui comme déchire ton décor

Eb          Bb              F            Gm
Tout à coup ce coeur qie t'avait presque oublié
Eb           Bb             F       C
Se pointe à ta porte et se remet à cogner

Gm
Attention, le ballet va commencer

Tu comprends pas trop c'qui t'arrive
Tu crois d'abord à une erreur

Tu l'évites et lui le devine
Entre le désir et la peur

Tu l'entends lui dire des phrases sans aucun sens
Qu'importe, les mots n'ont plus la moindre importance

Car le ballet a commencé

Il met ses plus beaux atouts et du miel sur sa voix
Toi tu te fais velours et tes bijoux brillent sur toi
Il te dit poèmes et rêves et lointains voyages
Tu réponds Florence, peinture, impeccables images

Dames et cavaliers, avancez

G#m
Un coup d'oeil à son dos, ses hanches,
quand s'efface le galantin
Un regard quand elle se penche
et laisse deviner un sein
E          B              F#                G#m
Elle sait déjà ses mains, le contour de sa bouche
E          B               F#           C#
Le cambre de ses reins, qu'elle a noté en douce
G#m
Car le ballet va s'animer

Il a su les codes et donne les bons mots de passe
Encore un peu d'alcool et que tombent les cuirasses
Livrées les clés des corps enfin les peaux s'embrassent
Et le temps s'arrête tant que dure la grâce

Car le ballet, est bientôt terminé
Et la vraie vie, va commencer
Et oui - la vraie vie -

La bohème

La bohème - Jacques Plante (Música francesa) - Interpretação de Charles Aznavour
Tom: D#
  

Fm
  Je vous parle d'un temps 
              que les moins de vingt ans
                   Cm                           Fm
Ne peuvent pas connaître Montmartre en ce temps-là
                  Cm
Accrochait ces lilas jusque sous nos fenêtres
                  Fm
Et si l'humble garni qui nous servait de nid
                 Cm                            Fm
Ne payait pas de mine, c'est là qu'on s'est connu
                G9b                     Cm
Moi qui criait famine et toi qui posait nue
     Fm          Cm              Fm      G7      Cm
La bohème, la bohème, ça voulait dire on est heureux
     Fm         Cm                 Fm         G7       Cm
La bohème, la bohème, nous ne mangions qu'un jour sur deux
Fm
   Dans les cafés voisin nous étions quelques uns
                   Cm                     Fm
Qui attendions la gloire et bien que miséreux
                 Cm
Avec le ventre creux Nous ne cessions d'y croire
                     Fm
Et quand quelque bistro contre un bon repas chaud
                  Cm                       Fm
Nous prenait une toile nous récitions des vers
                  G9b                   Cm
Groupés autour du poêle en oubliant l'hiver
     Fm         Cm              Fm      G7   Cm
La bohème, la bohème ça voulait dire tu es jolie
     Fm         Cm              Fm       G7   Cm
La bohème, la bohème et nous avions tous du génie
Fm
  Souvent il m'arrivait devant mon chevalet
                      Cm                      Fm
De passer des nuits blanches retouchant le dessin
                  Cm
De la ligne d'un sein du galbe d'une hanche
                    Fm
Et ce n'est qu'au matin qu'on s'assayait enfin
                Cm                  Fm
Devant un café-crême épuisés mais ravis
                     G9b                    Cm
Fallait-il que l'on s'aime et qu'on aime la vie
     Fm         Cm              Fm     G7       Cm
La bohème, la bohème ça voulait dire on a vingt ans
     Fm         Cm               Fm       G7      Cm
La bohème, la bohème et nous vivions de l'air du temps
Fm
   Quand au hasard des jours je m'en vais faire un tour
                 Cm                     Fm
A mon ancienne adresse je ne reconnais plus
                     Cm
Ni les murs, ni les rues qui ont vu ma jeunesse
                  Fm
En haut d'un escalier je cherche l'atelier
                     Cm                       Fm
Dont plus rien ne subsiste dans son nouveau décor
                  G9b                       Cm
Montmartre semble triste et les lilas sont morts
     Fm         Cm            Fm         G7     Cm
La bohème, la bohème on était jeunes, on était fous
     Fm         Cm               Fm        G7     Cm
La bohème, la bohème ça ne veut plus rien dire du tout
Fm  Fm    Cm  Cm  Fm  G7  Cm  Cm



Je sais pas

Je sais pas - Jean-Jacques Goldman (Música francesa) - Interpretação de Céline Dion
                   Em                D
Détourner des rivières, porter des poids
Em  C D            Em
Traverser des mers, je saurais faire
Em              D
Défier des machines, narguer des lois
Em   C D          Em
Les foudres divines, ça m'effraie pas.
G                D
J'sais prendre un coup, le rendre aussi
Am              Em
River des clous, ça j'ai appris
G                D
J'suis pas victime, j'suis pas colombe
C               G    D
Et pour qu'on m'abîme, faut que je tombe. 
Em                   D
Je sais les hivers, je sais le froid
Em  C   D          Em
Mais la vie sans toi,    je ne sais pas.

Em                D
Je savais le silence, depuis longtemps
Em   C D        Em
J'en sais la violence, son goût de sang
G                D
Rouges colères, sombres douleurs
Am                 Em
Je sais ces guerres, j'en ai pas peur
G                 D
Je sais me défendre, j'ai bien appris
C            G   D
On est pas des tendres, par ici.   
     Em                          D
Je sais les hivers, je sais le froid
Em  C   D          Em
Mais la vie sans toi,    je ne sais pas

G                 D
Lutte après lutte, pire après pire
Am               Em
Chaque minute, j'ai cru tenir
G                  D
J'voudrais apprendre, jour après jour
C            G      D
Mais qui commande, à nos amours?   
Em                   D
Je sais les hivers, je sais le froid
Em  C  D          Em
Mais la vie sans toi,    je ne sais pas

Je sais pas, je sais pas.

Hino ao amor

Hino ao amor (Hymne à l'amour) - Marguerite Monnot - Interpretação de Maysa



      G       B7        Em   G7
Se o azul do céu escurecer
C                D7
E a alegria na terra fenecer
G      G7      C    Cm
Não imp o r t a, querida   
G             D7
Viverei do nosso amor
G     B7             Em  G7
Se tu és o sonho dos dias meus
C                   D7
Se os meus beijos sempre foram teus
G   G7   C    Cm
Não importa, querida
G       D7          G
O amargor das dores desta vida


(   Em         B7          Em       B7    Em
-Um punhado de estrelas no infinito irei buscar
C7         B7
E a teus pés esparramar
Am         Em            B7            Em
Não importa os amigos, risos, crenças de castigos
C7        B7     D7 )
Quero apenas te adorar


G        B7          Em    G7
Se o destino então nos separar
C                      D7
Se a distante a morte te encontrar
G  G7      C  Cm           G      D7    G
Não importa, querida  /   Porque morrerei também


(    Em           B7         Em     B7      Em
Um punhado de estrelas no infinito irei buscar
C7         B7
E a teus pés esparramar
Am          Em             B7            Em
Não importa os amigos / Risos, crenças de castigos
C7         B7      D7 )
Quero apenas de adorar


G     B7       Em    G7
Quando enfim a vida terminar
C                   D7
E dos sonhos nada mais restar
G  G7     C  Cm
Num milagre supremo
G      D7           G     Cm  G
Deus fará no céu eu te encontrar

Hymne à l'amour

Hymne à l'amour - Marguerite Monnot (Música francesa) - Interpretação de Edith Piaf
Tempo 2/4
        C        E                 Am  Am/G
Le ciel bleu sur nous peut s'ecrouler
      Dm                      G  G+
Et la terre peut bien s'effondrer
      C  E         F  Fm
Peu importe si tu m'aimes
      C        A7       Dm  G
Je me fous du monde entier
            C      E         Am
Tant qu' l'amour inondera mes matins
            Dm                     G G+
Tant qu'mon corps fremira sous tes mains
        C   E            F Fm
Peu m'importent les  problemes
      C       Am      Dm G7 C
Mon amour, puisque tu m'aimes.

        Am       E       Am
J'irais jusqu'au bout du monde
             E           Am
Je me ferais teindre en blonde
      F           E   F E
Si tu me le demandais
        Am      E    Am
J'irais decrocher la lune
       E          Am
J'irais voler la fortune
      F            E   F E
Si tu me le demandais
         Am     E   Am
J'irais loin de ma patrie
     E            Am
Je renierais mes amis
      F           E   F E
Si tu me le demandais
         Dm     G     C
On peut bien rire de moi
      E              Am
Je ferais n'importe quoi
      F           E      G
Si tu me le demandais.
      C       E               Am
Si un jour la vie t'arrache e moi
      Dm                         G  G+
Si tu meurs, que tu sois loin de moi
        C  E         F  Fm
Peu m'importe si tu m'aimes
         C      A7      Dm G
Car moi, je mourrai aussi
        C        E           Am   Amaj7
Nous aurons pour nous l'eternit?
        Dm                     G  G+
Dans le bleu de toute l'immensite
        C     E          F  Fm
Dans le ciel, plus de probl?mes
        C    Am       Dm G   C
Dieu r?unit ceux qui s'aiment.

Hier encore

Hier encore - Charles Aznavour (Música francesa)
Intro :  Dm9   Gm6   F7M  Gm6   
              Dm/A   Gm6   Fm7   E   A7 

         Gm7 
 Hier encore 
                 C7 
 J'avais vingt ans
                   F7M 
 Je caressais le temps
                  Bb7M 
 Et jouais de la vie
                      Gm 
 Comme on joue de l'amour
                   A7 
 Et je vivais la nuit
                        Dm 
 Sans compter sur mes jours
 Qui fuyaient dans le temps

                       Gm7 
 J'ai fait tant de projets
                       C7 
 Qui sont restés en l'air
                      F7M 
 J'ai fondé tant d'espoirs
                  Bb7M 
 Qui se sont envolés
                  Em7(b5) 
 Que je reste perdu
                  A7 
 Ne sachant où aller
                         Dm 
 Les yeux cherchant le ciel
 Mais le c?ur mis en terre

        Gm7 
 Hier encore
                C7 
 J'avais vingt ans
                    F7M 
 Je gaspillais le temps
                   Bb7M 
 En croyant l'arrêter
                 Em7(b5) 
 Et pour le retenir
               A7 
 Même le devancer
                     Dm 
 Je n'ai fait que courir
 Et me suis essoufflé

                Gm7 
 Ignorant le passé
                  C7 
 Conjuguant au futur
                    F7M 
 Je précédais de « moi »
                  Bb7M 
 Toutes conversations
                 Em7(b5) 
 Et donnais mon avis
                    A7 
 Que je voulais le bon
                     Dm 
 Pour critiquer le monde
 Avec désinvolture

         Gm7 
 Hier encore
                C7 
 J'avais vingt ans
                       F7M 
 Mais j'ai perdu mon temps
               Bb7M 
 À faire des folies
                      Em7(b5) 
 Qui ne me laissent au fond
                      A7 
 Rien de vraiment précis
                          Dm 
 Que quelques rides au front
 Et la peur de l'ennui

                        Gm7 
 Car mes amours sont mortes
                 C7 
 Avant que d'exister
                  F7M 
 Mes amis sont partis
                   Bb7M 
 Et ne reviendront pas
                    Em7(b5) 
 Par ma faute j'ai fait
                    A7 
 Le vide autour de moi
 Et j'ai gâché ma vie
                   Dm 
 Et mes jeunes années

                    Gm 
 Du meilleur et du pire
                    A7 
 En jetant le meilleur
                    Dm7 
 J'ai figé mes sourires
                       G7 
 Et j'ai glacé mes pleurs
                   Gm6 
 Où sont-ils à présent
        Dm/A 
 À présent
  A7           Dm 
 Mes  vingt ans?


  Gm7    Dm    Gm    Dm 

Et si tu n'existais pas

Et si tu n'existais pas - Joe Dassin (Música francesa)
Gm
Et si tu n'existais pas
                      Cm
Dis-moi pourquoi j'existerais
                               D7
Pour traîner dans un monde sans toi
               Gm
Sans espoir et sans regret

Gm
Et si tu n'existais pas
                     Cm
J'essaierais d'inventer l'amour
          Cm                        F7
Comme un peintre qui voit sous ses doigts
               B
Naître les couleurs du jour
             D7
Et qui n'en revient pas


Et si tu n'existais pas
Dis-moi pour qui j'existerais
Des passantes endormies dans mes bras
Que je n'aimerais jamais


Et si tu n'existais pas
Je ne serais qu'un point de plus
Dans ce monde qui vient et qui va
Je me sentirais perdu
J'aurais besoin be toi

[Gm] [Em] [Gm] [Em] [A]

Et si tu n'existais pas
Dis-moi comment j'existerais
Je pourrais faire semblant d'être moi
Mais je ne serais pas vrai
Et si tu n'existais pas
Je crois que je l'aurais trouvé
Le secret de la vie, le pourquoi
Simplement pour te créer
Et pour te regarder


Et si tu n'existais pas
Dis-moi pourquoi j'existerais
Pour traîner dans un monde sans toi
Sans espoir et sans regret
Et si tu n'existais pas
J'essaierais d'inventer l'amour
Comme un peintre qui voit sous ses doigts
Naître les couleurs du jour
Et qui n'en revient pas

[Dm] [Gm] [Dm] [Dm] [Gm] [Dm]


Comme ils disent

Comme ils disent - Charles Aznavour (Música francesa)
Em       Am6           Em
J'habite seul avec maman
Dans un très vieil appartement
         Am
Rue Sarasate
                         Am6/B
J'ai pour me tenir compagnie
Une tortue, deux canaris
B7       Em
Et une chatte
Em                  Am/B, Em
Pour laisser maman reposer
Très souvent je fais le marché
E7        Am
Et la cuisine
                        Am
Je range, je lave, j'essuie
         Am7             Am6
A l'occasion je pique aussi
       Am6/B, B7
A la machine
     Em    Am6             Em
Le travail ne me fait pas peur
Je suis un peu décorateur
            Am7
Un peu styliste
                                 Am6/B
Mais mon vrai métier, c'est la nuit
                       Am6
Que je l'exerce, travesti
B7       Am6/E, Em
Je suis artiste
Em              Am6/B   Em
J'ai un numéro très spécial
Qui finit en nu intégral
E7           Am
Après strip-tease
Et dans la salle je vois que
                                   Em
Les mâles n'en croient pas leurs yeux

Je suis un homme oh!
             A#dim, Am6/B, Am
Comme ils disent


Vers les trois heures du matin
On va manger entre copains
De tous les sexes
Dans un quelconque bar-tabac
Et là, on s'en donne à coeur-joie
Et sans complexes
On déballe des vérités
Sur des gens qu'on a dans le nez
On les lapide
Mais on le fait avec humour
Enrobé dans des calembours
Mouillés d'acide
On rencontre des attardés
Qui pour épater leur tablée
Marchent et ondulent
Singeant ce qu'ils croient être nous
Et se couvrent, les pauvres fous
De ridicule
Ça gesticule et parle fort
Ça joue les divas, les ténors
De la bêtise
Moi les lazzis, les quolibets
Me laissent froid, puisque c'est vrai
Je suis un homme oh!
Comme ils disent


A l'heure où naît un jour nouveau
Je rentre retrouver mon lot
De solitude
J'ôte mes cils et mes cheveux
Comme un pauvre clown malheureux
De lassitude
Je me couche mais ne dors pas
Je pense à mes amours sans joie
Si dérisoires
A ce garçon beau comme un dieu
Qui sans rien faire a mis le feu
A ma mémoire
Ma bouche n'osera jamais
Lui avouer mon doux secret
Mon tendre drame
Car l'objet de tous mes tourments
Passe le plus clair de son temps
Aux lits des femmes
Nul n'a le droit en vérité
De me blâmer, de me juger
Et je précise
Que c'est bien la nature qui
Est seule responsable si
Je suis un homme oh!
Comme ils disent

Au Mourir Pour Toi

Au mourir pour toi - Charles Aznavour (Música francesa)
Em7, A7     Dm
Ay! mourir pour toi
G7                          C
A l'instant où ta main me frôle
A7                     Dm
Laisser ma vie sur ton épaule
G7                      C
Bercé par le son de ta voix


Em7, A7     Dm
Ay! mourir d'amour
G7                      C
T'offrir ma dernière seconde
A7                          Dm
Et sans regret quitter le monde
G7                          C
En emportant mon plus beau jour
Fm      Bb7
Pour garder notre bonheur
         Eb
Comme il est là
Cm/Eb      C7           Fm
Ne pas connaître la douleur par toi
Fm        Fm6        G7
Et la terrible certitude
De la solitude


Em7   A7   Dm
Ay! mourir pour toi
G7                           C
Prendre le meilleur de nous-mêmes
A7                          Dm
Dans le souffle de ton je t'aime
G7                       C
Et m'endormir avec mes joies


Fm        G7
Parle-moi
    Cm
Console-moi
Fm         Bb7             Eb
J'ai peur du jour qui va naître
    Cm                  Fm
Il sera le dernier peut-être
    Fm/Ab     Fm7         G7
Que notre bonheur va connaître
 Fm          G7
Serre-moi
   Cm
Apaise-moi
Fm           Bb7           Eb
Quand j'ai l'angoisse du pire
       Cm                     Fm
Ne rie pas quand tu m'entends dire
                G7            Cm
Qu'au fond mourir pour mourir


Em7   A7   Dm
Ay! mourir pour toi
G7                          C
A l'instant où ta main me frôle
A7                       Dm
Laisser ma vie sur ton épaule
G7                      C
Bercé par le son de ta voix


Em7  A7   Dm
Ay! mourir d'amour
G7                       C
T'offrir ma dernière seconde
A7                        Dm
Et sans regret quitter le monde
G7                         C
En emportant mon plus beau jour
Fm    Bb7
Pour garder notre bonheur
         Eb
Comme il est là
Cm/Eb      C7          Fm
Ne pas connaître la douleur par toi
Fm        Fm6        G7
Et la terrible certitude
De la solitude


Em7 A7    Dm
Ay! mourir pour toi
G7                          C
Prendre le meilleur de nous-mêmes
A7                         Dm
Dans le souffle de ton je t'aime
G7                      C
Et m'endormir avec mes joies
Fm6       Bb   C
Mourir pour toi...

Aline

Christophe
Música francesa

Aline (1965) - Christophe
G                    B7
J'avais dessiné sur le sable
           C               D7
son doux visage qui me souriait
           G             B7
Puis il a plu sur cette plage,
          C               D7
dans cet orage, elle a disparu


           G     B7  C                    D7
Et j'ai crié, crié Aline pour qu'elle revienne
             G       B       C               D7
Et j'ai pleuré, pleuré, oh! j'avais trop de peine


              G                B7
Je me suis assis auprès de mon âme,
               C              D7
mais la belle dame s'était enfuie
             G                 B7
Je l'ai cherchée sans plus y croire,
             C               D7
et sans un espoir, pour me guider


          G     B7   C                   D7
Et j'ai crié, crié Aline pour qu'elle revienne
            G       B7       C               D7
Et j'ai pleuré, pleuré, oh! j'avais trop de peine


           G                  B7
Je n'ai gardé que ce doux visage
          C                      D7
comme une épave sur le sable mouillé


          G     B7  C                    D7
Et j'ai crié, crié Aline pour qu'elle revienne
             G       B7      C               D7
Et j'ai pleuré, pleuré, oh! j'avais trop de peine
          G      B7   C                   D7
Et j'ai crié, crié Aline pour qu'elle revienne
            G        B7       C               D7
Et j'ai pleuré, pleuré, oh! j'avais trop de peine

Domingo no parque


No pródigo ano musical de 1967, “Domingo no Parque” ficou em segundo lugar no III Festival de MPB da TV Record, ganho por “Ponteio”. Inovadora em vários aspectos, a composição procura fundir musicalmente o tradicional/nordestino com o pop/internacional, enquanto, poeticamente, utiliza uma forma cinematográfica de narração, tal como a concorrente “Alegria, Alegria”.

A diferença entre as duas — observa Décio Pignatari, citado por Augusto de Campos no livro Balanço da bossa — é que “a letra de Gil lembra montagens eisensteinianas, com suas doses e suas ‘fusões’, (ao passo que) a de Caetano é uma ‘letra-câmara-na-mão’, mais ao modo informal de um Godard, colhendo a realidade casual”.

A letra de “Domingo no Parque” descreve o drama passional de três personagens: o feirante José (“rei da brincadeira”), o operário João (“rei da confusão”) e a mulher Juliana, objeto de disputa entre os dois.

Em ritmo de baião, a canção focaliza a presença do trio no parque, desde o instante em que José avista Juliana com João, na roda gigante, até o desfecho trágico do encontro, momentos depois — “Amanhã não tem feira — ê, José / não tem mais construção — ê, João / não tem mais brincadeira — ê, José / não tem mais confusão — ê, João...”

Gil e Os Mutantes interpretaram “Domingo no Parque” sobre um arranjo de vanguarda do maestro Rogério Duprat, que associava os sons da orquestra e das guitarras elétricas a ruídos presumíveis de um parque de diversões. Informa o compositor (no livro Todas as letras) que a canção foi feita durante uma madrugada num quarto do Hotel Danúbio, em São Paulo. Ele chegara com Nana Caymmi, sua mulher na época, de uma visita à casa do pintor Clóvis Graciano, onde muito se falara da Bahia e de Dorival Caymmi, e sentiu vontade de fazer uma composição “a la Caymmi”. “Peguei papel e violão e trabalhei a noite toda. Já era dia quando eu terminei”, conclui Gil (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).



Domingo no parque (1967) - Gilberto Gil
Tom: D
Intro: (D C D)
(D C D)
O rei da brincadeira (ê, José)
O rei da confusão (ê, João)
Um trabalhava na feira (ê, José)
D   C G A D
Outro na construção (ê, João)
G#m7    C#7      F#m7
A semana passada, no fim da semana
B7       Em7    A7  D
João resolveu não brigar
G#m7   C#7      F#m7
No domingo de tarde saiu apressado
B7 Em7      A7     D
E não foi pra Ribeira jogar capoeira
C             Bm7          A7     (D C D)
Não foi pra lá, pra Ribeira, foi namorar
G#m7       C#7     F#m7
O José como sempre no fim da semana
B7         Em7     A7 D
Guardou a barraca e sumiu
G#m7        C#7      F#m7
Foi fazer no domingo um passeio no parque
B7      Em7  A7  D
Lá perto da Boca do Rio
Am7     Bm7     A7
Foi no parque que ele avistou Juliana
(D C D)
Foi que ele viu
B7           E                        B A E
Foi que ele viu Juliana na roda com João
B       A  B
Uma rosa e um sorvete na mão
D            G             F#m
Juliana seu sonho, uma ilusão
B  E7   A
Juliana e o amigo João
G
O espinho da rosa feriu Zé
Bb                         Em
E o sorvete gelou seu coração
(G F)
O sorvete e a rosa (ô, José)
A rosa e o sorvete (ô, José)
Foi dançando no peito (ô, José)
Do José brincalhão (ô, José)

(C Bb C)
O sorvete e a rosa (ô, José)
A rosa e o sorvete (ô, José)
Oi, girando na mente (ô, José)
Do José brincalhão (ô, José)
(E D E)
Juliana girando (oi, girando)
(A G A)
Oi, na roda gigante (oi, girando)
(E D E)
Oi, na roda gigante (oi, girando)
(A G A)
O amigo João (João)
B7           (E D E)
O sorvete é morango (é vermelho)
(C#m B7 C#m)
Oi girando e a rosa (é vermelha)
(A G A)
Oi, girando, girando (é vermelha)
E
Oi, girando, girando...
Olha a faca! (olha a faca!)
(A G A)
Olha o sangue na mão (ê, José)
Juliana no chão (ê, José)
Outro corpo caído (ê, José)
F#m7
Seu amigo João (ê, José)
B7           E
Amanhã não tem feira (ê, José)
E/D                 A/C#
Não tem mais construção (ê, João)
B7                  A
Não tem mais brincadeira (ê, José)
G#m               F#m7    B7  E
Não tem mais confusão (ê, João)
 
 

Um sonho a dois

Joanna
Tom: C
Intro: C7+  F/G   C7+   F/G

 C7+
   Ele sabe o jeito de agradar
Dm7
   Um sorriso brincando no olhar
Em7
   Me fascina com seu jeito de ser
      Dm7            F/G         C7+
Ele é tudo enfim que eu preciso ter
Ela passa, e o tempo faz parar
Dm7
   Quando fala é música no ar
Em7   
   Me conquista, querendo não querer
       Dm7           F/G         C7+
Ela é tudo enfim que eu preciso ter
F7+                       G7
   Quando bater na porta deixa entrar
F7+                          G7
   Pra te ganhar de norte a sul
Dm7                      G7   Am7
   No mundo da lua tudo vai ficar
       C/D        D7     F/G
Descobrir que o amor é azul
Dm7                      G7   
Quando a gente gosta, o amor é um caso sério
      Em7                          Am7
E tem lá os seus mistérios pra mostrar
Dm7                   G7                 C7+ A7
Mas você divide na metade um desejo no olhar
Dm7
Quando a gente gosta
        G7
Vale a pena qualquer coisa
      Em7                   Am7
Vale tudo no cantinho pra ficar
      Fm7                G7
Um sorriso pra te convencer
            C7+
Na luz do luar
Cha lá lá lá
Cha lá lá lá
Dm7
Cha lá lá lá lá
Em7
Cha lá lá lá
cha lá lá lá
       Dm7          F/G        C7+
Ele é tudo que faz bem ao coração
C7+
   Ela sabe que brinca nos meus sonhos
Dm7
   Todo tempo nos versos que componho
Em7     
   Ele sabe que estou em suas mãos
       Dm7          F/G        C7+
Ele é tudo que faz bem ao coração
F7+
   Quando bater na porta....
               F/G        C7+
......que faz bem ao coração.

Tua fera

Joanna
Tom: A#
  

Intro: B° Cm7 F7 Bb7M Eb7M Am7.5-
       D7 Eb7M F7

                   Gm                  D/F#
Será que amar é pecado que perdoar é errado
                 Gm
Que ser feliz é ruim porque que eu morro de medo
                         D/F#                           Gm  G7
Porque que eu choro em segredo se eu sei que a vida é assim
      Cm7                    F7
Misturando realidade e fantasia
          Bb7M                      Eb7M
No bate apanha da tristeza e da alegria
           Am7.5-               D7
Sou tua escrava tua deusa tua dona
            Gm
Qualquer papel eu faço se você visse aqui dentro
                  D/F#                    Gm
Se lesse meu pensamento voltava logo pra mim
                                             D/F#
Me viro até pelo avesso te ver feliz é meu preço
                   Gm G7
Só pra você digo sim
          Cm7                        F7
O nosso amor é bem maior que as aparências
            Bb7M                     Eb7M
E do que o mundo resolveu chamar decência
         Am7.5-                     D7
O nosso amor é tão covarde etão valente
           Gm G7 Cm7       F7
Quanto a gente   vem tô aqui pra domar tua fera
 Bb7M     Eb7M
Vem tô aqui pra matar tua sede
 Am7.5-D7                   Gm  G7
Vem minha cama vazia te espera vem amor
 Cm7          F7
Sei que quem ama é o forte mais fraco
 Bb7M      Eb7M
Mas sem você minha vida é um saco
 Am7.5-             D7                  Eb7M F7 Gm
E se é pra enlouquecer que seja do teu lado

Tô fazendo falta

Joanna
Tom: C
  

Intro: C7+  Am7  Dm7  G7

C     G/B      Am
Ontem te encontrei
      E7           F9
Você estava tão bonita
      Dm7
Demais
                G            C
Parecia até que nada aconteceu
             G/B    Am
Jeito de que está feliz
            E7              F9
De quem está de bem com a vida
      Dm7
Sei- lá
                  G               C C7+
Mais alguma coisa não me convenceu

Am7      E7           G9              Dm7
E ainda faz de conta que não está nem ai pra mim

Am7      Em7             F9         G
Mas você não me engana sei que você ainda tá afim
Dm7         G7           C
Me diz pra que fazer  assim
                            Am7
Você pode ter um tempo pra pensar
                              F9
E uma eternidade pra se arrepender
                                Dm7
Tá na cara dá pra ver no seu olhar
                 G            C
Tô fazendo muita falta pra você
                        Am7
É loucura não ouvir o coração
                                F9
Desse jeito a gente pede pra sofrer
                            Dm7
Eu não quero te ver na solidão
                 G7             C
Tõ fazendo muita falta pra você.
G/B         Am7                   F9
Tô fazendo falta..... Tô fazendo falta.....
           Dm7        G7             C
Tô fazendo falta..... falta pra você......

Doce prisão

Joanna

Tom: C
  

Dm
Intro:  ( Dm7   Bm7 )

   Dm7         Bm7
Amor doce prisão
                      Dm7   Bm7
E nossa sempre eterna luz
  Dm7       Bm7
Viagem do prazer
                           Dm7   Bm7
Que vai do cinza até o tudo azul
 Dm7            G7
Ao amor é sempre bom
                          Dm7
É sempre bom o mel da sedução
       G4/7   G7          C7+
É sempre bom o toque da paixão
  F#m7     B9/7             E4/7   E7/9-
É sempre bom faz bem pro coração
Dm7                      Bm7
Um filme passa nos meus olhos
              Dm7   Bm7
Colorido como foi
   Dm7
Acordo em preto e branco
                Bm7   Dm7   Bm7
E é claro que me dói
 Dm7               G7
Mas o amor é sempre bom
                           Dm7
É sempre bom o mel da sedução
        G4/7
É sempre bom
     G7      C7+
O pique da paixão
  F#m7     B7                 Em7   G/A
É sempre bom faz bem pro coração
   A7            Dm7
E pra que negar meu céu
   Bm5-/7      E7/9-        (Dm7   Bm7)
Meu ar flutual do verbo amar
Dm7      Em7    G/A
Amor doce coração
    A7   E7/9-
E pra que verbo amar...

Estranha dependência

Joanna
Tom :G
Intro: G/B Bbo Am D7

       G                                    D/F#
Porque é que eu não te esqueço, que eu te quero a
qualquer preço
F                           E7
Porque é que eu não aceito que você não me quer mais
Am                         Cm
Na verdade essa loucura, não tem jeito não tem cura
G(B)   Bbo    Am     D7
Não dá pra esquecer você
G                           D/F#
É lembrança em minha cama é saudade no meu corpo
F                           E7
Eu te quero como um vício, que eu preciso pra viver
Am                      Cm
E essa estranha dependência, é mais forte em tua ausência
G(B)  Bbo      Am      D7       G   B7
Eu não posso mais você tem que saber
Em                               A7
Que se dane o meu orgulho eu preciso é de carinho
Am                  D7        G    B7
Essa vida é muito curta pra sofrer
Em                 A7                  Am
Quero mais é alegria, uma festa todo dia, essas coisas
B7
Eu só tenho com você

E             F#m           G#m               
Vai coração, fala por mim, diz que é paixão
A           B7
que eu aceito esse amor cigano

E            F#m          G#m               
Vai coração, fala por mim, diz que é paixão 
A           B7             E    D7
que eu te peço traz de volta quem eu amo (Solo)

Amor bandido

Joanna
Tom: D
  

Intro: D F#m G Gm D(A) Bm C A7

D
Fale quem quiser falar
       A                     Bbo
Desse jeito não dá pra ficar
           Bm
Vou dar um tempo
B7                                    
Tudo o que eu podia eu fiz
                                        Em
Vou tentar de novo ser feliz vou dar um tempo
A                 Bbo            Bm
Mas eu quero te deixar e não consigo
E7                       Em                  A7
Bate forte o coração e começa a minha indecisão
 D
Uma parte quer viver
       A                Bbo             Bm
Outra parte diz que sem você não vale a pena
B7                
Penso em tudo que ficou
                              Em
Tanta coisa a gente já passou valeu a pena
A                Bbo
Como posso te deixar
        Bm
Amor Bandido
E7                    
Eu me acostumei demais
        A7
Nosso amor ninguém na vida faz
D                     
Pode o mundo se acabar
F#m
Que vontade de te dar
   G           Gm             D    A
O meu amor que eu guardei pra gente
D
Pode o mundo se acabar
F#m                        G           Gm 
Que vontade de te dar, meu coração que quer ver você
     D    A     G      A
Pra sempre, pra sempre
    D
Pra sempre
Dm                                Gm
Sempre que eu tentar tirar você de mim eu vou perder
C                              F           A7
Essa tua inspiração que me dá forças pra viver
Dm                       Gm              
Só você pra seduzir e me matar de emoção
Bb                    
Eu me acostumei demais
      A7
Nosso amor ninguém na vida faz

Descaminhos

Descaminhos (1979) - Joanna e Sarah Benchimol
Tom :Dm
Intro: Bb/C F7+ Am5-/7 D7/9- Gm7+ Gm7 Bbm7 Eb7/9
       F7+ Dm Bb/C C7 F7+ F6 Cm7/9 A5+/7

Dm         Gm
Me perdoa essa falta de tempo
Bb/C     C7                  F7+
Que por vezes chega a me desesperar
Em7/9       A5+/7    Dm
Esse meu desatino, nossos descaminhos
E6           E5+      Em  A7
E a vontade louca de ficar
Dm         Gm
Me perdoa essa falta de sono
Bb/C       C7                 F7+
Que por vezes chega a me desanimar
Em7/9         A5+/7        Dm
Queria te encontrar nesse meu abandono
E6               E5+     Em     A7
E não ter que depois desapegar
Gm   Bb/C      F7+
Te queria sem pressa, sem medo
F#°                    Gm7
Na loucura de um dia qualquer
Bbm7                      F7+ Dm
Te tragar no silêncio da noite
G7/13               G5+/7      Bb/C C7
Nos teus braços me sentir mulher
Gm7    C7       F7+
Mas a falta de tempo é tamanho
Am5-/7            D7/9-     Gm7+ Gm7
E essa ausência de mim te devora
Bbm7     Eb7/9          F7+ Dm
Me perdoa esse jeito cigano
Bb/C       C7              F7+
De partir sempre antes da hora

Amanhã talvez

Joanna
Tom: D
Intro:  D  Am7  D  Am7
D               Am7                     D
Faz, que desse jeito      Só você sabe fazer
Am7                     Gm7
Olhos nos olhos    Tanta vida pra viver
C7                    D
Charminho doce   Pedacinho de você
Am7                       D
Diz a frase certa    Só você sabe me abrir
Am7                      Gm7
É só assim que eu consigo descobrir
C7                       D
Como é gostoso me entregar e  te sentir
Em7           Bm7                      Em7
É , quando se ama   A gente finge que não vê
Bm7          Bm/A        G
Que o tempo passa E mais um pouco de você
Em7            A7
Melhor assim    Bom pra você
D  Do            Em7          
Melhor pra mim          E amanhã quem sabe
A7        D
A gente outra vez
F#m7    G        A7        D
Só mais uma vez     Amanhã talvez
F#m7    G        A7             D            BIS
Só mais uma vez   O amor que a gente fez
INTRODUÇÃO  E SOLO
Em7         Bm7                     Em7
É quando se ama a gente finge que não vê
Bm7                Bm/A          G     
Que o tempo passa   E mais um pouco de você
Em7                 A
Melhor assim      Bom pra você
D   Do      Em7               A7           D
Melhor pra mim   e  amanhã quem sabe  a gente outra vez
REFRÃO

A Padroeira

Joanna
Tom: Bb


Bb                                 Cm
Oh Virgem Santa Rogai, por nós pecadores.
F7                                    Bb    D#  F7
Junto a Deus Pai e livrai-nos, do mal e das dores.
Bb         Cm
Que todo homem caminhe, tocado pela Fé.
F7                               Bb     Bb7
Crendo na Graça divina, esteja como estiver.
D#                     Eº      Dm
Abençoai nossas casas, as águas, as matas e o pão nosso,
G7           Cm
A luz de toda manhã,
F7          Bb   Bb7
O amor sobre o ódio.
D#               Eº
Iluminai a cabeça dos homens
Dm
Te pedimos agora
G7        Cm
E que o bem aconteça
F7     Bb
Nossa Senhora.

D#                     Eº      Dm
Abençoai nossas casas, as águas, as matas e o pão nosso,
G7           Cm
A luz de toda manhã,
F7          Bb   Bb7
O amor sobre o ódio.
D#               Eº
Iluminai a cabeça dos homens
Dm
Te pedimos agora
G7        Cm
E que o bem aconteça
F7     Bb
Nossa Senhora.

G7

Aumentar o Tom

 C                                Dm
Oh Virgem Santa Rogai, por nós pecadores.
G7          C     F G7
Junto a Deus Pai e livrai-nos, do mal e das dores.
C        Dm
Que todo homem caminhe, tocado pela Fé.
G7                                 C  C7
Crendo na Graça divina, esteja como estiver.
F      F#º      Em
Abençoai nossas casas, as águas, as matas e o pão nosso,
A7       Dm
A luz de toda manhã,
G7         C    C7
O amor sobre o ódio.
F            F#º
Iluminai a cabeça dos homens
Em
Te pedimos agora
A7        Dm
E que o bem aconteça
G7     C    C7
Nossa Senhora.

Vida noturna

João Bosco
Tom: C7+

Intro: F/G

  C7+                          A7           Dm7
Acendo um cigarro molhado de chuva até os ossos
                  G7                C7+ A7 Dm7 G7
E alguém me pede fogo - é um dos nossos
             C7+             A7      Dm7
Eu sigo na chuva de mão no bolso e sorrio
                  G7               C7+  Gm7 C7
Eu estou de bem comigo e isto é difícil
             Dm         D#º
Eu tenho no bolso uma carta
              Em7              A7/9-
Uma estúpida esponja de pó-de-arroz
        Dm7         G7/9-
E um retrato meu e dela
                C7+             C7
Que vale muito mais do que nós dois
               Dm7                     D#º
Eu disse ao garçom que quero que ela morra
               Em7         A7/9-
Olho as luas gêmeas dos faróis
    Dm                 G7/9-
E assobio, somos todos sós
              C7+          A7
Mas hoje eu estou de bem comigo
           Dm
E isso é difícil
           D#º
Ah, vida noturna
            Em7          A7/9-
Eu sou a borboleta mais vadia
         Dm7 G7/9-        C7+  G7/9- C7+
Na doce flor da tua hipocrisia 

Transversal do tempo

João Bosco
Tom: Fm7

Intro: (Fm7 Eb/F Fm7 Eb/F Fm7 Eb/F D7/9+
E7/9+ F#7/9+ F7/9+ D7/9+) C#7/9+ C7/9+



Fm7                      D7/9+ G5+/7
As coisas que eu sei de mim
                 Cm   Cm7+ Cm7 Cm6
São pivetes da cidade
Bbm7               F5+/7
Pedem, insistem e eu
Bbm7                Bbm7+
Me sinto pouco à vontade
Db/Eb                 Eb7/9 Eb7/9-
Fechada dentro de um táxi
         Ab7+ Gm7     Fm7
Numa transversal do tempo
G7/13  G5+/7 G7
Acho que o amor
                C   Dm7   D#º  C/E
É a ausência de engarrafamento
Fm7                      Abm7 B/C#
As coisas que eu sei de mim
Ebm7                 F#m7  B7/13
Tentam vencer a distância
    F7/13
E é como se aguardassem feridas
           Bb7   Eb7/9
Numa ambulância
                        A7
As pobres coisas que eu sei
        Ab7+       Fm7
Podem morrer, mas espero
           G7
Como se houvesse um sinal
               Bb/C
Sem sair do amarelo

Sinceridade

João Bosco
Tom: D

Intro: 

D6  D6/B  D6  D6/B  F#6  Abm7  C#7/9-  F#6   
A7+  Bbº  Bm7  E7  Em  Em/G  G/A  Ab7/11+  
         
                     G7+           G/A   
Quero viver uma vez mais esse amor  
                               Bm4/7  F/B   
Que as margens lambe invade e  traz  
                      G/A  Eb/A   
Castanhas gotas de  cristais  
                      D6  Ab7/11+   
Teu rio a beira do meu cais  
                G7+  G/A   
0 amor é cego quando vê  
                             Bm4/7  F/B   
Que é o coração quem sabe escolher   
                G/A                   Eb/A  D6   
Haja razão prá  entender esse simples querer  
 F#m7              Abm7/5-  C#7/9-  F#m7  Abm7/5-  C#7/9-   
 Olha prá mim um  remanso por fim    
                       F#m7   
Espelho d'água a refletir  
 A7+          Bbº     Bm7  E7   
Até que tudo resolva por si  
 Em                 Em/G  G/A  Ab7/11+   
Novas canções vão surgir   
               G7+      G/A   
Para viver  uma vez mais  
                                Bm4/7  F/B   
Outro amor nascente dessas ancestrais  
                        G/A  Eb/A   
Castanhas gotas de cristais  
                     D6   
Que não morrem jamais

Rancho da goiabada

João Bosco
[Intro:] Em Am B7 Em B7 Em E7 Am B7 Em 
         Em7M Em/D C#m7(9)(b5) F#7 B7 Em

Em
Os bóias-frias quando tomam
         Am
Umas "birita" espantando a tristeza
           B7 
Sonham com um bife a cavalo,
                  Em B7
batata frita e a sobremesa
Em            Bm7(b5)  E7     Am
É goiabada cascão com muito queijo
   B7       Em Em7M       Em7            F#7
Depois café, cigarro e um beijo de uma mulata
    B7      Em    B7  E     B7 
Chamada Leonor ou Dagmar


  E6
Amar, o rádio de pilha, o fogão, jacaré
               C#7      F#m7
A marmita, o Domingo, o bar
                                 B7
Onde tantos iguais se reúnem contando mentiras
               Em/G  F#m7(11)
Prá poder suportar ai


             Em             Em7M  
São pais-de-santo, paus-de-araras,
       Em/D  C#m7(9)(b5)
são passistas
          C             B7           E
São flagelados, são pingentes, balconistas
   C#7                   F#m7
Palhaços, marcianos, canibais, lírios, pirados
   Am7              D7(9)
Dançando, dormindo de olhos abertos
    E             C#7  C      B7         E
Na sombra da alegoria dos faraós embalsamados

Quando o amor acontece

João Bosco
Quando o amor acontece - Abel Silva e João Bosco
Int.: D7+ Dm6 G7/9 A/C# C#m7 Bm7 Dm/E

A9
Coração sem perdão, diga fale por mim
Cº     Bm7
Quem roubou toda a minha alegria
D/E        Bm7                  D/E Bm7
O amor me pegou, me pegou pra valer

É a dor do querer, muda o tempo e a maré
Dm/E                A9
Vendaval sob o mar azul

Tantas vezes chorei, quase me desesperei
Cº          Bm7
E jurei nunca mais seus carinhos
D/E                            Bm7      D/E
Ninguém tira do amor, ninguém tira, pois é
Dm/E
Nem doutor nem pajé, o que queima e seduz, enlouquece
A9
O veneno da mulher
Em7                             A7/9 
O amor quando acontece a gente esquece logo
D7+    Dm7 G7/9
que sofreu um dia, ilusão
A/C#                    F#7/9+
O meu coração marcado tinha um nome tatuado
Bm7          Dm/E   A9
que ainda doía, cursava só a solidão
Em7                           A7/9  
O amor quando acontece a gente esquece logo
D7+    Dm7   G7/9
que sofreu um dia, esquece sim
A/C#                           F#7/9+   
Quem mandou chegar tão perto se era certo
Bm7
obrigando um coração cigano
D/E Dm/E A
E agora eu choro assim
Em7                           A7/9      
O amor quando acontece a gente esquece logo
D7+  Dm7      G7/9
que sofreu um dia, esquece sim
A/C#                           F#7/9+   
Quem mandou chegar tão perto se era certo
Bm7
obrigando um coração cigano
D/E    Dm/E
E agora eu choro assim

Papel marchê

José Carlos Capinam
Inspirado pelas esculturas em papier marché de Ângela Bosco, mulher de João Bosco, o poeta José Carlos Capinam compôs a letra deste romântico bolero, mais cubano do que mexicano: “Cores do mar / festa do sol / vida é fazer todo o sonho brilhar / (...) / e depois acordar / sendo o seu colorido brinquedo / de papel marchê...”

Incluído em Gaga birô, um dos melhores discos de João Bosco, “Papel Marchê” tem na introdução um glissé do baixista Jamil Joanes que acabou se identificando à bela melodia. Cantando várias frases em falsete, o que fascina a platéia feminina, João arremata a canção com uma variação sobre o tema da segunda parte, entoando sons meio afros, que passaram a ser uma de suas marcas como intérprete e poderiam remeter a Clementina de Jesus, com quem ele realizara uma temporada anos antes, no Projeto Pixinguinha.

A popularidade de “Papel Marchê” duplicou quando a canção foi incluída na trilha da telenovela “Corpo a Corpo”, exibida no período de dezembro de 84 a junho de 85 (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Papel marchê (1985) - João Bosco e Capinan

Tom: F7+

Intro: F7+  Dm7/9  C7+/5+  A7/5+
D7/9  G7/13  Db7/9+  C7+  C7/9

F7+
Cores do mar,
Dm7/9
Festa do sol,
C7+/5+                 A7/5+
Vida é fazer todo sonho brilhar
Fm7
Ser feliz,
G7/13 Db7/9+
No teu colo dormir
C7+
E depois acordar,
A7/5+
Sendo o seu colorido
D7/9      G7/13   C7+    E7/9-
Brinquedo  de papel machê
Am7+                 F7+
Dormir no teu colo é tornar a nascer

Dm7/9
Violeta e azul
Em7           A7/5+
Outro ser, luz do querer
F7+
Não vá desbotar
Dm7/9
Lilás cor do mar
C7+/5+
Seda cor do batom
A7/5+
Arco-Íris crepom
D7/9
Nada vai desbotar
G7/13     Db7/9+  C7+   E7/9-
Brinquedo  de papel machê
(Repete introdução)

O ronco da cuíca

João Bosco
Tom: Dm7

Intro: Dm7 D

Dm7   Dm     Dm7
Roncou, roncou
                    Dm              Dm7
Roncou de raiva a cuíca, roncou de fome
 Dm      Dm7
Alguém mandou
                Dm
Mandou parar a cuíca
             Dm7
É coisa dos home
                Dm               Dm7
A raiva dá pra parar, pra interromper
           Dm           Dm7
A fome não dá pra interromper
             Dm               Dm7
A raiva e a fome é coisa dos home
                    Dm             Dm7
A fome tem que ter raiva pra interromper
             Dm           Dm7
A raiva e a fome de interromper
             Dm              Dm7
A fome e a raiva é coisa dos home
             Dm
É coisa dos home
             Dm7
É coisa dos home
             Dm
A raiva e a fome
           Dm7
Mexendo a cuíca
              Dm
Vai ter que roncar

O mestre-sala dos mares

O mestre-sala dos mares (1975) - João Bosco e Aldir Blanc
Tom:  F

Intro:   F    C7   F
F
Há muito tempo
Bb9          F7+   Bb7
Nas águas da Guanabara
Am7         Abo          Gm7   D9-
O dragão do mar reapareceu
Gm7                   C7
Na figura de um bravo feiticeiro
Gm7           C7            F7+
A quem a história não esqueceu
Am5-   D7              Gm7
Conhecido como o navegante negro
Em5-       A7      Dm7
Tinha dignidade de um mestre-sala
Bbm6    F                    Abo           Gm7
E           ao acenar pelo mar, na alegria das regatas
Gm7               C7
Foi saudado no ponto
Gm7                   C7
Pelas mocinhas francesas
Gm7         Bbm6                C7          C9-
Jovens polacas e por batalhões de mulatas
Am5-  D9-   Gm7
Rubras cascatas
Bb                  C7
Jorravam das costas dos santos
F7+           Bb7    F
Entre cantos e chibatas
Abo         Gm
Inundando o coração
C7                Gm7
Do pessoal do porão
Gm7              Bbm7    C7
Que a exemplo do feiticeiro
F
Gritava então
C913      Am7   Dm7    Gm7
Glória      aos piratas
C
Às mulatas
F    F7+
Às sereias
Am7        Gm7
Glória à farofa
C
À cachaça
F
Às baleias
Am5-  Am6           Am7    Am5-   Am6
Glória à todas as lutas inglórias
Am5-         D7             Am5-   Am6
Que através de nossa história
Cm7          F        Bb7+   Bb5+   Bb6    Bb5+   Ab0
Não esquecemos jamais
                   Am7
Salve o navegante negro
D7                G7
Que tem por monumento
Gm7       C7         F
As pedras pisadas do cais

O bêbado e a equilibrista

“O Bêbado e a Equilibrista” lançado em junho de 79, LP "Elis, essa mulher".

Nossos compositores sempre tiveram o costume de registrar em música e verso acontecimentos relevantes, às vezes nem tanto, da vida brasileira. Um rápido exame do repertório nacional encontrará revoluções, campanhas políticas, feitos de brasileiros e outros fatos inspirando canções de crítica ou louvação. Nem mesmo a censura ferrenha de duas ditaduras foi capaz de impedir essa prática, muitas vezes disfarçada pelo uso de imagens alegóricas.

Este é o caso de “O Bêbado e a Equilibrista”, uma notável composição de João Bosco e Aldir Blanc, que focaliza uma promessa de abertura democrática, na ocasião cercada de incertezas. Parodiando a forma de um samba enredo, a canção descreve uma cena patética em que dois personagens — o bêbado e a equilibrista — movimentam-se ridiculamente num fim de tarde sombrio — “E nuvens / lá no mata-borrão do céu / chupavam manchas torturadas”. O bêbado, trajando luto e lembrando a figura de Carlitos — “Fazia irreverências mil / pra noite do Brasil / (...) / que sonha / com a volta do irmão do Henfil / e tanta gente que partiu” — ou seja, para a situação brasileira da época. Já a equilibrista era — “A esperança (que) dança / na corda bamba de sombrinha (e) em cada passo dessa linha / pode se machucar” — o que correspondia à expectativa ansiosa de um projeto de êxito imprevisível.

E a canção prossegue, utilizando conscientemente o mau-gosto e o lugar-comum como forma chocante de expressar a crítica a uma realidade indesejada — “Chora / a nossa pátria, mãe gentil / choram Marias e Clarisses / no solo do Brasil”. Diga-se de passagem, que “o irmão do Henfil” e as “Clarisses” citados nos versos referem-se a personagens reais, sendo o primeiro o sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, irmão do cartunista Henfil, na época exilado, e a segunda, Clarisse, viúva do jornalista Wladimir Herzog, enforcado numa prisão da ditadura, em São Paulo.

“O Bêbado e a Equilibrista” foi lançado por Elis Regina em junho de 79, numa gravação orquestrada e dirigida por César Camargo Mariano, integrante do elepê Elis, essa mulher, o primeiro da cantora na gravadora WEA (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

O bêbado e a equilibrista (1979) - João Bosco e Aldir Blanc
Intro.: A7M
A7M
Caía a tarde feito um viaduto
E um bêbado trajando luto
C#m7(b5)   F#7     Bm7    F#7(b13)
Me      lembrou Carlitos

Bm7                              D7M
A  lua, tal qual a dona de um bordel
E7(9)
Pedia a cada estrela fria
Bm7   E7(9)  C#m7 Cm7 Bm7 E7(9)
Um brilho de  alu------guel
A7M                            C#m7
E nuvens, lá no mata-borrão do céu
Em/G                  F#7
Chupavam manchas tortura----das
C#m7(b5)    F#7  Bm7
Que su---foco

Dm7    G7(13)                    D#º
Louco,       o bêbado com chapéu-coco
A7M         F#7         B7(13) B7(b13)
Fazia irreverências mil
Bm7  E7(9)  A7M         E7(9)
Pra noite do   Bra----sil, meu Brasil
A7M
Que sonha com a volta do irmão do Henfil
Com tanta gente que partiu
C#m7(b5)  F#7   Bm7   F#7(b13)
Num rabo      de  foguete
Bm7                          D7M
Chora a nossa pátria, mãe gentil
E7(9)
Choram Marias e Clarices
Bm7  E7(9)  C#m7 Cm7 Bm7 E7(9)
No solo do   Bra----sil
A7M                       C#m7
Mas sei que uma dor assim pungente
Em/G                 F#7
Não há de ser inutilmen----te
C#m7(b5)     F#7  Bm7
A espe---rança

Dm7   G7(13)                        D#º
Dança        na corda bamba de sombrinha
A7M           F#7         B7(13) B7(b13)
E em cada passo dessa linha
Bm7      E7(9)     F#7
Pode se ma----chu----car

Dm7  G7(13)                   D#º
Azar,       a esperança equilibrista
A7M            F#7            B7(13) B7(b13)
Sabe que o show de todo artista
Bm7         E7(9)    A7M
Tem que conti---nu-----ar...

Nação

João Bosco

Tom: F
		
intro.: C7M

Dm        Dm7M   Dm7      Dm6
Dorival Caymmi falou pra Oxum
Ab7.5+       E      Am7     Am7.14
Com Silas tô em boa companhia
  F#dim         C7M  A7.5+
O céu abraça a terra
   Dm7.9      G7.5+    C7M
Deságua o rio na     Bahia

Jeje minha sede é dos rios

A minha cor é o arco-íris
      A7.5+   Dm  A7.5+  Eb7.9
Minha fome é tanta
 Dm        Dm7M       Dm7
Planta florirmâ da bandeira
        G7.13
A minha sina é verde-amarela
        C#7.9  Dm7
Feito a bana...neira
C C5+7M  C6.7M        E7        Am7
Ou.......ro cobre o espelho esmeralda
           Gm7                    C7.9
No berço esplêndido a floresta em calda
     C7.9-   F7M       F#dim
Manjedoura d'alma labarágua
     C7M      A7.5+  Eb7.9     Dm7.9
Sete queda em chama  cobra de ferro
       G7.13        C#7.9   C7M
Oxum-maré homem e mulher na cama

Jeje tuas asas de pomba

Presas nas costas com mel e dendê
         A7.5+   Dm7.9  A7.5+  Eb7.9
Aguentam por um fio
 Dm   Dm7M         Dm7
Sofrem o bafio da terra
        G7.13
O bombardeiro de Caramuru
        C#7.9   C7M.9
A sanha d'Anhanguera
C C5+7M  C6.7M  E7      Am7
Je....je    tua boca do lixo
          Gm7                  C7.9
Escarra o sangue de outra hemoptise
     C7.9-   F7M
No canal do mangue
   F#dim      C7M    A7.5+
O irapuru das cinzas chama
  Eb7.9   Dm7.9        G7.13
Rebenta a louça Oxum-maré
             C#7.9   C7M
Dança em teu mar de lama

Na venda

Na venda - Aldir Blanc e João Bosco
[Intro:] D7(b9)/A

           G6         F#m7(11)   B7 Em7(9)
Eu fui na venda comprar pinga e pimentão
              A7(b9)    D7(13)          B7(b13)
Pra fazer um xarope noventa que matasse a fome
               E7(9)       B7(b5)   E7(9)
E limpasse o pulmão mas o caxeiro-cachorro!
             Gm6    
Tomou meu dinheiro,
              F#7(13) F#7(b13)   B7
mandou que eu ficasse calado, maneiro,
          E7(9)              A7(13)
Botou toda culpa na Dona Inflação
             C7(#9) B7(#9)
-Essa não, seu Leitão!
     E7(9) A7(13)             D7
-Essa não, -Essa não, seu Leitão!

Dei-lhe uma descompostura, criei embaraço,
  G7(b5) F#m7(b5) F7(b5)  E7(9)
Os home arriaro a porta de aço
      A7(13)        Am7(9) D7(13)
E arrepiaro mais que porquispim...
G6                   G#m7(b5) C#7(b9)
Tinha uma abertura nos fundo da venda,
   F#m7              B7(b9)               E7(9)
Corri como um cão, passaro um jornal nos meus treco
            A7(13)       C7(#9)  B7(#9)
E o Leitão jogou o pacote por cima de mim
     E7(9)      A7(13)    D7(9)
-Essa não, quase foi o meu fim!

Fim: E7(9) A7(13) D7(9) B7(b13)

Miss Suéter

João Bosco
Tom: A7+
A7+/9                          F#m7 
Fascínio tenho eu por falsas loiras, 
               F#7/C# 
  ai a negra lingière
B7/9                       D7/13    E7/13    A7+/9
As sardas, sobrancelha feita à lápis e perfume da Coty
F#m7                  F#7/C#
Na boca dois pivôs tão graciosos entre jóias naturais
B7/9                   D7/13       E7/13     A7+/9
Os olhos dois minúsculos aquários de peixinhos tropicais
Bm4/7        E/F#
Eu conheço uma assim
Bm4/7       D7/13          E7/13       F#m7
Uma dessas mulheres que um homem não esquece
Bm4/7     E/F#  Bm4/7      D7/13 E7/13 F#m7
Ex-atriz de TV, hoje é escriturária do INPS
Bm4/7       E/F#    Bm4/7        D4/7      E7/13 A7+/9
E que dias atrás, venceu lá um concurso de Miss Suéter
F#m7                    F#7/C#
Na noite da vitória, emocionada, entre lágrimas falou:
B7/9                       D7/13
"Nem sempre a minha vida foi tão bela
E7/13         A7+/9
mas o que passou, passou
F#m7                 F#7/C#
Dedico este título à mamãe que tantos sacrifícios fez
B7/9                 D7/13
Pra que eu chegasse aqui ao apogeu
E7/13     A7+/9
com o auxílio de vocês"
Bm4/7         E/F#   Bm4/7         D7/13
Guardarei para sempre seu retrato de Miss
E7/13   F#m7
com cetro e coroa
Bm4/7       E/F#   Bm4/7            D7/13
Com a dedicatória que ela em letra miúda
E7/13     F#m7
insistiu em fazer
Bm4/7              E/F#     Bm4/7        D7/13
"Pra que os olhos relembrem quando o teu coração
E7/13     A7+
infiel esquecer.
Um beijo, Margot"

Memória da pele

João Bosco
Memória da pele - João Bosco e Waly Salomão
     E(add9)       G#7(#5)      C#m7
Eu já esqueci você         Tento crer
F#m7                   G#m7(11) C#7(b9)
Nesses lábios que meus lábios sugam
A7M/E  A6/E  B7(9/13)
De prazer
E(add9)       G#7        Aº(7M)   A6  D7(13)
Sugo sempre, busco sempre À sonhar  em vão
E/G#   C#m7*        F#m7 B7(9)     C7M
Cor vermelha, carne da sua boca       Coração

E(add9)                  A(add9)       E(add9)  A(add9)
Eu já esqueci você        Tento crer
E(add9)              C#m7        B   B/A
Seu nome,  sua cara, seu jeito, seu odor
C#m7          G#m7     A(add9)         A#º
Sua casa, sua cama     Sua carne, seu suor
E(add9)         B7(9)*    E(add9)     B7(#5)
Eu pertenço a raça        da pedra  dura

Em7(9/11)
Quando, enfim,     juro que esqueci
F7M/C
Quem se lembra de você em mim  Em   mim
F(#11)
Não sou eu     Sofro e sei
F#m7(b5)       B7(b9)
Não sou eu       Finjo que   não sei
Em(7M)  Em7  Em6  Em(b6)
Não sou     eu
Em7(9/11)
Sonho bocas    que murmuram
F7M/C
Tranço em pernas que procuram, enfim
F(#11)
Não sou eu     Sofro e sei
F#m7(b5)           B7(b9)    E(add9)  B7  E(add9)
Quem se lembra  de você em mim    Eu sei,     eu  sei

G           D/F#       Em7(9/11)
Bate é na memória da minha      pele
F7M/C             Em7(9/11)
Bate é no sangue que  bombeia Na minha      veia
G         D/F#          Em7(9/11)
Bate é no champagne que borbulhava na sua taça
F7M/C                                  Em7(9/11)
Que  borbulha agora na taça da minha cabeça

E(add9)       G#7(#5)      C#m7
Eu já esqueci você         Tento crer
F#m7                   G#m7
Nesses lábios que meus lábios sugam
A6       Am6           D7(13)   E/G#         C#m7*
De prazer Sugo sempre, busco sempre À sonhar em vão
F#m7                   B7(9)     C7M   E(add9)
Cor vermelha, carne da sua boca  Coração

Melodia sentimental

Villa-Lobos
Melodia Sentimental - Com poema de Dora Vasconcelos, é parte integrante da obra "A Floresta do Amazonas" de Heitor Villa-Lobos, composta nos anos 1950 para o filme "Green Mansions" de Mel Ferrer. Abaixo a interpretação de João Bosco:
Tom: Dm
Intro: Gm Dm Bb A7 Dm
Dm                 Gm
Acorda, vem ver a lua
     A7               Dm Dm7+ Dm7 Dm6
Que dorme na noite escura
                    E7
Que surge tão bela e branca
A7           D7   G7          F#m5-/7
Derramando doçura, clara e saliente
   E7          A7
Ardendo meu sonhar
Dm                   Gm
As asas da noite que surgem
   C7                 F
E correm o espaço profundo
    Bb              Gm
Oh, doce amada, desperta
     A7               Dm Dm7+ Dm7 Dm6
Vem dar teu calor ao luar
Dm               Gm
Quisera saber-te minha
    A7            Dm Dm7+ Dm7 Dm6
Na hora serena e calma
                 E7
A sombra confia ao vento
A7            E7
O limite da espera
Gm               F#m5-/7
Quando dentro da noite
   E7          A7
Reclama o teu amor
 Dm                 Gm
Acorda, vem olhar a lua
     C7               F
Que dorme na noite escura
   Bb               Gm
Querida, és linda e meiga
    A7                Dm Dm7+ Dm7 Dm6
Sentir seu amor e sonhar (INTR.)

Linha de passe

João Bosco
Linha de passe (1979) - João Bosco, Aldir Blanc e Paulo Emílio
Tom: A7+

Intro: (A7+ D7/9) 3x

(A7+ D7/9)
Toca de tatu, lingüiça e paio e boi zebu
Rabada com angu, rabo-de-saia
Naco de peru, lombo de porco com tutu
    A7+     D7/9           A7+ A7
E bolo de fubá, barriga d'água
 D             D#°       A           F#7
Há um diz que tem e no balaio tem também
          B7              E7           A7+   A7
Um som bordão bordando o som, dedão, violação
D              D#°          A         F#7
Diz um diz que viu e no balaio viu também
         B7        E7             A
Um pega lá no toma-lá-dá-cá, do samba
    C#7                        F#m
Um caldo de feijão, um vatapá, e coração
  C#7                F#m
Boca de siri, um namorado e um mexilhão
 B7                        E7
Água de benzê, linha de passe e chimarrão
B7                   E7
Babaluaê, rabo de arraia e confusão...
...
(A7+ D7/9)
Eh, yeah, yeah . . .
(Valeu, valeu, Dirceu do seu gado deu...)
A7  D         D#°     A           F#/7
   Cana e cafuné, fandango e cassulê
         B7  E7 A7+  A7 D           D#°
Sereno e pé no chão, bala, camdomblé
     A           F#7              B7 E7   A
E o meu café, cadê? Não tem, vai pão com pão
    C#7               F#m
Já era Tirolesa, o Garrincha, a Galeria
C#7                         F#m
A Mayrink Veiga, o Vai-da-Valsa, e hoje em dia
B7                            E7
Rola a bola, é sola, esfola, cola, é pau a pau
B7                         E7
E lá vem Portela que nem Marquês de Pombal
    (A7+ D7/9)
Mal, isso assim vai mal, mas viva o carnaval
Lights e sarongs, bondes, louras, King-Kongs
Meu pirão primeiro é muita marmelada
 A7+            D7/9               A7+
Puxa saco, cata-resto, pato, jogo-de-cabresto
     A7
E a pedalada
 D              D#°      A      F#7
Quebra outro nariz, na cara do juiz
B7  E7   A7+            A7
Aí, e há quem faça uma cachorrada
  D           D#°        A           F#7
E fique na banheira, ou jogue pra torcida
 B7       E7 A
Feliz da vida
(A7+ D7/9)
Toca de tatu, lingüiça e paio e boi zebu
Rabada com angu, rabo-de-saia
Naco de peru, lombo de porco com tutu
  A7+          D7/9        A7+ A7
E bolo de fubá, barriga d'água
D          D#°           A            F#7
Há um diz que tem e no balaio tem também
           B7             E7            A7+ A7
Um som bordão bordando o som, dedão, violação
 D             D#°         A          F#7
Diz um diz que viu e no balaio viu também
        B7         E7        (A7+ D7/9)
Um pega lá no toma-lá-dá-cá do samba
Do samba, do samba, do samba, do samba

Latin Lover

João Bosco
Latin lover - João Bosco e Aldir Blanc
       Cm7
Nos dissemos
        Cm6                          Bbm7
Que o começo é sempre, sempre inesquecível
       Eb7/9                        Dm5-/7
E no entanto, meu amor, que coisa incrível
     G#5-/7     G4/7        Cm7+   Fm7/9   G7/9+
Esqueci nosso começo inesquecível
       Cm7
Mas me lembro
       Cm6                    Bbm7
De uma noite, sua mãe tinha saído
     Eb7/9                  Dm5-/7
Me falaste de um sinal adquirido
     G#5-/7     G4/7         C7+
Numa queda de patins em Paquetá
Gm7         C7/9-
Mostra... Doeu? Ainda dói?
           Bm5-/7    E7/9-
A voz mais rouca
     Am7      D6/7
E os beijos cometas percorrendo
         Fm6   G4/7
O céu da boca
      C7+
As lembranças acompanham até o fim
        Bbm7   Eb7/9
O latin lover
         Ab    Ab5+
Que hoje morre
      Ab6           Ab5+
Sem revólver, sem ciúmes,
      G5+/7
Sem remédio
   Cm7+
De tédio

Jade

João Bosco
João Bosco
 Em7(9)
Aqui    meu irmão Ela é coisa rara de ver
Cm6           B7(b13)        
É jóia do xá, retina   de um mar,
Em(7M)           B7(#9)
de olhar  verde já derramante

- Abriu-se Sézamo em mim!

Em7(9)
Ah,    meu irmão aqualouca tara que tem imã
Cm6              B7(b13)
Mergulha no ar, me arrasta,
Em(7M)
me atrai pro fundo do oceano   que dá
B7(#9)
Pra lá    de babá pra cá de ali...

Cm                Cm7
Pedra que lasca seu brilho
Gm          Gm(7M)   Gm7  Gm6
E queima no lábio um quilate  de mel
C7(9)
E que deixa na    boca melante
Eb7M/Bb C7(9)         Eb7M/Bb Am7(11)   D7(4/9) Ab7(#11)
Um      gosto de língua       no     céu

G(add9)     C7M              B7(13)  B7(#5)*
Luz-talismã     misterioso cubana----cã
E7(9)      E/D     A7(9)         D7(9)
Delícia   sensual   de maçã
D/C          G(add9)  Am7(11) D7(4/9) Ab7(#11)
Saborosa manhã...
G(add9)          C7M            B7(13)      B7(#5)*
Vou    te eleger    vou me despejar   de prazer
E7(9)     E/D         A7(9)
Essa noite o que mais quero é ser
D7(9)     D/C         Bb7(9) A7(9) Ab7(13) Gº(7M) G7M(9)
Mil e um pra você

20 23 25 13 13-10 23 20 33 32 30-32-30-32-30

Em7(9/11)
Jade...

20 23 25 13 13-10 23 20 33 32 30-32-30-32-30

Em7(9/11)
Jade...

Cm / / / Cm7 / / / Gm / Gm(7M) / Gm7 / Gm6 / C7(9) / / /
Eb7M/Bb C7(9) / / / Eb7M/Bb Am7(11) / / /
D7(4/9) Ab7(#11) /

Incompatibilidade de gênios

Incompatibilidade de gênios (1976) - João Bosco e Aldir Blanc
Tom: Am

Am7/9                  
Dotô, jogava o Flamengo, 
                Dm7/9
 eu queria escutar.
Dm7/5-           E7/9+
Chegou, mudou de estação,
            Am7/9
Começou a cantar.
    Gb7/5-                 
Tem mais, um cisco no olho, 
                     F7+
  ela em vez de assoprar,
  Bm7/5-              E7/9          Am7/9
Sem dó, falou que por ela eu podia cegar. 


Se eu dou, um pulo, um pulinho,
                 Dm7/9      Dm7/5-
Um instantinho no bar, bastou,
            E7/9+          Am7/9
durante dez noites me faz jejuar
   Gb7/5-                          F7+
Levou, as minhas cuecas prum bruxo rezar.
 Bm7/5-           E7/9              Am7/9
Coou, o meu café na calça prá me segurar

                                          Dm7/9
Se eu tô devendo dinheiro e veio um me cobrar
Dm7/5-             E7/9+                   Am7/9
Dotô, a peste abre a porta e ainda manda sentar
     Gb7/5-                                 F7+
Depois, se eu mudo de emprego que é prá melhorar
  Bm7/5-             E7/9             Am7/9
Vê só, convida a mãe dela prá ir morar lá

                                    Dm7/9
Dotô, se eu peço feijão ela deixa salgar
  Dm7/5-         E7/9+              Am7/9
Calor, ela veste casaco prá me atazanar
    Gb7/5-                          F7+
E ontem, sonhando comigo mandou eu jogar
     Bm7/5-          E7/9                Am7/9
No burro, e deu na cabeça a centena e o milhar,

quero me separar....

Holofotes

João Bosco
Holofotes - João Bosco, Antônio Cícero e Waly Salomão
Tom: F

Dm7(9)
Desde o fim da nossa história, eu já segui navios
Gm7(11)     Bb7(9)        Am7 A7
Aviões e holofotes pela noite afora
Dm7(9)
Me fissurarm tantos signos e selvas, portos, places,
Gm7(11)             Bb7(9)            Am7 A7
Línguas, sexos, olhos de amazonas que inventei

Dias sem carinho, só que não me desespero:
Rango alumínio, ar, pedra, carvão e ferro
Eu lhe ofereço essas coisas que enumero:
Quando fantasio é quando sou mais sincero

Dm7(9)
Eis a Babilônia, amor, e eis Babel aqui:
Gm7(11)        Bb7(9)                Am7 A7
Algo da insônia do seu sonho antigo em mim
Dm7(9)
Eis aqui, o meu presente de navios e aviões
Holofotes, noites afora e fissuras e invenções:
Tudo isso é pra queimar-se combustível pra se gastar
O carvão, o desespero, O alumínio e o coração