quinta-feira, 10 de agosto de 2006

Falsa Felicidade

Sílvio Caldas
Sílvio Caldas

Falsa felicidade (valsa, 1938) - Paulo Medeiros

Foge de mim a esperança
Minh'alma triste se cansa
De tanto te amar em vão...

Sigo o destino traçado,
A sofrer fui condenado,
Só porque fazes questão...

Fingindo amor, me enganaste
E por fim tudo levaste
Deste que foi teu cantor...

E na canção hoje choro
Choro só porque te adoro
Serpente em forma de flor...

Só me resta agora a saudade
Da falsa felicidade,
Que o teu olhar me legou...

O teu olhar cristalino
Que para mim foi divino
Mas que meus sonhos matou...

Palhaço hoje sou do mundo
E o meu desgosto é profundo
Porque não posso esquecer
Quem, por prazer, me envenena,
Quem, por prazer, me condena
A eternamente sofrer !

Meu erro

Sílvio Caldas
Meu erro (valsa, 1936) - Orestes Barbosa e Sílvio Caldas

Fiz mal, confesso o meu erro
Chorando no meu desterro
A alma não sabe o que quer

E a dor é que me suplanta
A voz de amor na garganta
Por causa desta mulher

Eu tento dizer no canto
A mágoa que fulge tanto
Que a minha vida mudou

E a frase mais linda e louca
Cortada fica na boca
Porque o soluço cortou

Tu tens no peito um castigo
Que eu tão triste imagino
As noites do teu fulgor

No meio das luzes loucas
Servindo de boca em boca
O vinho do teu amor

E ao ver a tua alegria
No cambio da hipocrisia
Mercadejando ilusão

Fico a pensar no que disse
Fico a pensar na tolice
Da gente ter coração

O nome dela não digo

Sílvio Caldas
O nome dela não digo (valsa, 1936) - Orestes Barbosa e Sílvio Caldas

A mágoa não me abandona
Uma mulher telefona
Há de ser para indagar

Que grande paixão é esta
Que fez de um viver de festa
Esta tragédia sem par

A culpa foi do ciúme
A causa foi um perfume
Um beijo frio e depois

As discussões repetidas
Um drama de duas vidas
A culpa foi de nos dois

O nome dela eu não digo
O nome eu guardo comigo
Na urna do coração

Meu coração um bandido
Que até a mim tem traído
Na febre desta ilusão
E agora vivo mentindo

Como quem cresça não acha
Como que passa a borracha
Num lindo trecho que errou

Arrependimento

Sílvio Caldas
Arrependimento (samba, 1935) - Sílvio Caldas e Cristóvão de Alencar

Disco 78 rpm / Título da música: Arrependimento / Autoria: Caldas, Sílvio (Compositor) / Alencar, Cristovão de, 1910-1983 (Compositor) / Caldas, Silvio (Intérprete) / Lacerda, Benedito, 1903-1958 (Acompanhante) / Conjunto (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1935 / Nº Álbum 11241 / Gênero musical: Samba


O arrependimento quando chega
Faz chorar, oi
Faz chorar, oi
Os olhos ficam logo rasos d'água
E o coração parece até que vai parar.

Para ver se te esquecia
Procurei amar alguém

Mas, vi que não podia
Viver sem te querer bem
Hoje estou arrependido
Implorando o teu perdão
Muito eu tenho sofrido
Com esta separação.

Ai, meu Deus...

Fui o único culpado
Da nossa separação
Por isso, tenho amargado,
Pagando na solidão
O meu arrependimento
É sincero, de verdade,
Pensa ao menos um momento,
Na nossa felicidade

Se ainda falo na antiga promessa
Que tua boca tremendo dizia
E que nunca supus que, hoje em dia
Se esquecesse um amor tão depressa
Guarda bem na lembrança e no ouvido
O que penso ao lembrar-me de ti
Não recordo o teu beijo fanado
Esquecido, nem lamento esse amor
Que perdi.

Vestido de lágrimas

Sílvio Caldas
Vestido de lágrimas (valsa, 1935) - Orestes Barbosa e Sílvio Caldas

Vou me mudar soluçante
Do apartamento elegante
Que tem, do antigo fulgor
Lindos Biombos ornados
De Crisântemos doirados
Cenário do nosso amor

A nossa vida era calma
Más eu sentia em minh'alma
Um medo não sei de que
E um dia quanta tristeza
Achei a lâmpada acesa
E não achei mais você

Fechei a luz com vergonha
Da minha face tristonha
Para a mim mesmo enganar
Para não ver nos espelhos
Meus olhos muito vermelhos
De tanto e tanto chorar


E solucei, vou ser franco
Só o luar cisne branco
Ouviu o meu soluçar
Um soluçar comovido
Com que eu molhava o vestido
Que você deixou ficar

Soluços

Sílvio Caldas
Soluços (valsa, 1935) - Orestes Barbosa e Sílvio Caldas

Amei tantas mulheres loucamente
Tantas bocas beijei no meu desejo
Sem pensar que deixava, ingenuamente,
Um pouco de mim mesmo em cada beijo.

Bem fez o meu soluço
É de saudade
A mágoa em meu sentir
Tudo suplanta
Este canto por ti, diz a verdade
Cortando as minhas frases na garganta
Lua - lâmpada acesa da tristeza
Magnólia do céu, que aqui ouvís
Ilumina com a tua singeleza
A casa da mulher que não me quis.

Quisera na amargura deste canto
Cristalizar as lágrimas de dor
E ver lá no cristal deste meu pranto,
Sorrindo, o funeral do meu amor !

Torturante ironia

Sílvio Caldas
Torturante ironia (valsa, 1935) - Orestes Barbosa e Sílvio Caldas

Disco 78 rpm / Título da música: Torturante ironia / Autoria: Caldas, Silvio (Compositor) / Barbosa, Orestes (Compositor) / Caldas, Silvio (Intérprete) / Lacerda, Benedito, 1903-1958 (Acompanhante) / Conjunto (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1935 / Nº Álbum 11241 / Lado B / Gênero musical: Valsa


Que mágoa neste abandono
Que ânsia perdi o sono
Vivo em tristonho cantar

Porque a canção mais aflita

É a forma que há mais bonita
Da gente poder chorar

Sobes este barranco
Sujando o vestido branco
Pisando as pedras do chão

Mas sem saber na verdade
Que desde lá da cidade
Tu pisas meu coração

Por ser do morro e moreno
É que eu soluço, é que eu peno
Bebendo meu amargor

Por que me negam querida
Esta alegria da vida
De possuir teu amor

Que torturante ironia
O amor com categoria
Eu amo e não posso amar

Porque a mulher que eu adoro
Não mora aqui onde eu moro
Deixa então soluçar

Cifras e letras de Noel Rosa

Triste cuíca

Triste cuíca (samba) - Noel Rosa e Hervé Cordovil

Disco 78 rpm / Título da música: Triste cuíca / Autoria: Cordovil, Hervé (Compositor) / Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Araci de Almeida, 1914-1988 (Intérprete) / Lacerda, Benedito, 1903-1958 (Acompanhante) / Regional (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Victor, 1935 / Nº Álbum 33927 / Lado A / Lançamento: 1935 / Gênero musical: Samba /
Intr.:(Db D° Ab F7 Bb7 Eb7 Ab° Ab Db D° Ab F7 Bb7
Eb7 Ab Eb7 Ab)
                                       C7
Parecia um boi mugindo, aquela triste cuíca
Fm      
Tocada pelo Laurindo
E         Ab  E7  A7 Eb7 Ab
O gostoso da Zizi..ca
G7                   Cm
Ele não deu à Zizica, a menor satisfação
E       Ab  F7    Bb7     Eb7   Ab  
E foi guardar a cuíca,   na casa da Conceição
Ab7
Diferente o samba fica, sem ter a triste cuíca
Db7M            Bbm  E
Que gemia feito   um boi...
Ab          F7         Bbm
A Zizica está sorrindo, esconderam o Laurindo
Db7          C7
Mas não se sabe onde foi
E                  Ab          E
A Zizica está sorrindo, esconderam o Laurindo
Eb7(b9)         Ab
Mas não se sa......be onde foi

Julieta

Julieta (fox, 1933) - Eratóstenes Frazão e Noel Rosa

Disco 78 rpm / Título da música: Julieta / Autoria: Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Frazão, Eratóstenes (Compositor) / Castro Barbosa (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1933 / Nº Álbum 11063 / Lado B / Gênero musical: Fox /
Intr.: C Cm/Eb G/D E7 A7 D7 Cm G D7(#5)
    G                              Em 
Julieta, não és mais um anjo de bondade
D7    G/D  C#m7(b5)
como outrora sonha..va   
D/C D7      G   Em B7/D# B7
O teu Romeu          
Em                  F#7/A#       Bm Bm(7M) Bm7 Bm6
Julieta, tens a volúpia da   infidelida........de
A7/E    A7      A7/E   A7      D7
E quem te paga as dí...vidas sou eu...
D7(#5) G                  A7    D7     G
Julieta,     tu não ouves meu grito de esperança
G7M/B       E7  
Que afinal, de tão fraco não alcança
Am  Dm/A Am/E E7
as alturas do teu arranha-céu
Am              Am/C           B7
Tu decretaste a morte aos madrigais
Em         A7
e constróis um castelo de ideais
D7
No formato elegante de um chapéu
D7(#5) G                A7     D7   G   
Julieta,     nem falar em Romeu tu hoje queres
G7M/B           E7
Borboleta sem a.....sas, tu preferes
Am  Dm/A Am/E E7
Que te façam carícias de papel           
Am               Cm6         G/B
Nos teus anseios loucos, delirantes
E7             A7   
Em lugar de canções queres brilhantes
D7   Cm     G        D7(#5)
Em lugar de Romeu, um coronel!...

Fui louco

Alcebíades Barcelos
Este samba foi gravado sem aparecer o nome de Noel Rosa, mas há testemunhas de que ele é o parceiro de Bide (Alcebíades Barcelos) na composição. Almirante relacionou 'Fui louco' na discografia e musicografia de Noel. João Máximo e Carlos Didier também colheram depoimentos de pessoas que asseguraram ser o samba de Bide e Noel.

De qualquer maneira, trata-se de uma das muitas parcerias do compositor com os sambistas ligados às escolas de samba. Bide, grande compositor e excelente ritmista, foi um dos fundadores do bloco 'Deixa Falar', identificado como a primeira escola de samba. Segundo depoimento dele mesmo e de outros sambistas, foi inventor do surdo como instrumento de percussão do samba.

Fui louco - Bide e Noel Rosa

Disco 78 rpm / Título da música: Fui louco / Autoria: Bide, 1902-1975 (Compositor) / Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Mário Reis (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Victor, 1932 / Nº Álbum 33645 / Lado A / Lançamento: 1933 / Gênero musical: Samba /
Intr.: F F#° C/G Am D7 G7 C
    G7                     C  C°  C   
Fui louco  Resolvi tomar juí......zo    
E7                       Am            R
A idade vem chegando e é preciso          E
Am/G   F#°                        C       F  2
Se  eu choro  Meu sentimento é profundo   R  X
B7 Bb7 A7                  Dm7            Ã
Ter perdido a mocidade na orgia  O
G7                  C                   
Maior desgosto do mundo!     
       

Dm      G7         C
Neste mundo ingrato e cruel
E7                     Am7  C7/G
Eu já desempenhei o meu papel
F        F#°   C/G       Am       D7  G7   C
E da orgia então  Já pedi minha de..mis..são
      Dm      G7         C
Neste mundo ingrato e cruel
E7                     Am7  C7/G
Eu já desempenhei o meu papel
F        F#°   C/G       Am       D7  G7   C
E da orgia então  Já pedi minha de..mis..são

*REPETE INTRODUÇÃO


Fonte: Songbook Noel Rosa - Volume 3 - Almir Chediak - Lumiar Editora.

Espera mais um ano

Neste samba, Noel Rosa faz referência aos jargões da época. Na quadra inicial, reproduz um dos lugares comuns da burocracia, tão característica da administração pública com a instalação do Governo Provisório de Getúlio Vargas, após a chamada ‘Revolução de 1930’.

Os funcionários receberam ordens para jamais dizer ‘‘não’’ ao contribuinte. Ao invés de dizerem ‘‘não’’, adiavam os problemas com uma frase que, de tão repetida, ficou popular: ‘‘Por gentileza, cavalheiro, traga-me uma estampilha e um retratinho três por quatro que eu vou ver o que posso fazer pelo senhor.’’

Outra referência tem a ver com um problema permanente da economia brasileira: o câmbio. Na época, a preocupação era com a libra esterlina. Gravado pela primeira vez em 1932, por Noel Rosa e Artur Costa, a gravação foi rejeitada por Noel. O disco de prova ficou em poder de Eduardo Correia de Azevedo, tio de Noel. Graças a ele, foi possível ao Conjunto Coisas Nossas gravar Espera mais um ano, em 1983.

Espera mais um ano (samba, 1931) - Noel Rosa e Arthur Costa

Disco 33 1/3 rpm / Título da música: Espera mais um ano / Autoria: Costa, Arthur (Compositor) / Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Rosa, Noel, 1910-1937 (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Estudio Eldorado, 1983 / Álbum: Noel Rosa - Inédito e Desconhecido / Nº Álbum: LP 79.83.0408 / Lado A / Faixa 2 / Gênero musical: Samba /
Intr.: C Cm/Eb G/D E7 A7 D7 G
  G            C              G   G/B D7/A
Espera mais um ano que eu vou ver,       
G               F7  E7
vou ver o que posso fa..zer
Am         Cm6         G     D/F# E7 E/D
Não posso resolver neste momento,          
Am/C        D7         G
pois não achei o teu requerimento
E7      A7      D7
(Espera, espera, espera...)
  G            C              G   G/B D7/A
Espera mais um ano que eu vou ver,       
G               F7  E7
vou ver o que posso fa..zer
Am         Cm6         G     D/F# E7 E/D
Não posso resolver neste momento,              
Am/C        D7         G
pois não achei o teu requerimento
   B7                      Em 
No samba tu quiseste me perder,
B7                     Em   E7
tentaste na orgia me arrastar
Am              B7           Em  
Mas hoje que eu não quero me prender,
F#7                       B7
procura um coronel pro meu lugar
Em   
Tu foste sempre a minha diferença,
B7                        Em  E7
chegaste a me obrigar a te bater
Am                     B7   
Já chega de pancada e desavença,
F#7          B7          Em  Eb7 D7
espera mais um ano que vou ver
  G            C              G   G/B D7/A
Espera mais um ano que eu vou ver,       
G               F7  E7
vou ver o que posso fa..zer
Am         Cm6         G     D/F# E7 E/D
Não posso resolver neste momento,          
Am/C        D7         G
pois não achei o teu requerimento
E7      A7      D7
(Espera, espera, espera...)
  G            C              G   G/B D7/A
Espera mais um ano que eu vou ver,       
G               F7  E7
vou ver o que posso fa..zer
Am         Cm6         G     D/F# E7 E/D
Não posso resolver neste momento,          
Am/C        D7         G
pois não achei o teu requerimento
  B7                     Em 
Sapatos e vestidos eu te dei,
B7                        Em  E7
e tu me pagaste o que eu te fiz
Am                       Em 
De tanto te aturar eu já cansei,
F#7                     B7
agora vou voltar a ser feliz
Em  
A tua pretensão vai acabar,
B7                           Em  E7
meu câmbio vai subir, tu vais descer
Am          B7           Em  
As coisas para mim vão melhorar,
F#7          B7             Em
espera mais um ano que eu vou ver

*REPETE INTRODUÇÃO


Fonte: Songbook Noel Rosa - Volume 2 - Almir Chediak - Irmãos Vitale, 1991.

Tipo zero

Tipo zero (samba, 1934) - Noel Rosa

Disco LP 10 polegadas / Título: Tipo zero / Autoria: Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Marília Batista, 1918-1990 (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Musidisc, 1956 / Álbum: Samba e Outras Coisas / Nº Álbum: DL-1015 / Lado A / Faixa 01 / Gênero musical: Samba /
Intr.:(F G7 C A7 Dm G7 C C7 F G7 C A7 D7 G7)
C           C/E      B/D#     C/E
Você é um tipo que não  tem tipo
C         C#°   Dm
Com todo tipo você se  parece
E7                      Am
E sendo um tipo que assimila tanto tipo
D7                        G7
Passou a ser um tipo que ninguém esquece
(Tipo Zero não tem tipo)
     D7/F#  G7  C/E      B/D#     C/E
Você é      um  tipo que não  tem tipo
C         C#°   Dm
Com todo tipo você se  parece
E7                      Am
E sendo um tipo que assimila tanto tipo
D7                        Fm6/Ab  G7
Passou a ser um tipo que ninguém esquece
         F          G7   C   C7
Quando você penetra no salão
F7              E7
E se mistura com a multidão
A7               Dm
Esse seu tipo é logo observado
B7              Em
E admirado todo mundo fica
F           F#°    C/G
E o seu tipo não se classifica
A7             D7           G7   C
E você passa a ser um tipo desclassifi..cado

Sem tostão

Sem tostão (samba, 1932) - Arthur Costa e Noel Rosa

Disco 78 rpm / Título: Que se dane / Autoria: Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Costa, Arthur (Compositor) / Costa, Arthur (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Columbia, 1932 / Nº Álbum 22101 / Lado A / Lançamento: 02/1932 / Gênero: Samba /
Tom: C
Intr.: C  G/B  Am7...

          C         A7         Dm  A7 Dm     
De que maneira eu vou me arranjar
          G7              C                
Pro senhorio não me despejar?
 G7         C         A7         Dm  A7 Dm  
  De que maneira eu vou me arranjar         
          G7              C                 
 Pro senhorio não me despejar?
         C°              C                   
Pois eu hoje saí do plantão                 
 A7     Dm    G7    C                       
Sem tostão! sem tostão!
         C°              C                   
Pois eu hoje saí do plantão
 A7     Dm    G7    C                      
Sem tostão! sem tostão!                     


         A7           Dm          G7          C
Já perguntei na prefeitura quanto tenho que pagar:
                G7                      C
Quero ter uma licença pra viver sem almoçar.
     C/Bb      F/A        Fm/Ab         C/G
Veio um  funcionário e gritou  bem indisposto
        A7             Dm
Que pra ser assim, tão magro
      G7          C                 G7
Tenho que pagar imposto! (mas vejam só!)

*REPETE REFRÃO

            A7         Dm           G7          C
E quando eu passo pela praça, quase como o chafariz
                     G7                       C
Quando a minha fome aperta, dou dentadas no nariz
    C/Bb         F/A        Fm/Ab          C/G
Ensinei meu cachorrinho a passar sem ver comida:
         A7         Dm        G7            C
Quando estava acostumado, ele disse adeus à vida!
  C°   B°   G       C
Cuá, cuá, cuá!!!

Seja breve

Seja breve (samba, 1932) - Noel Rosa

Disco 78 rpm / Título da música: Seja breve / Autoria: Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / João Petra de Barros, 1915-1948 (Intérprete) / Luís Barbosa, 1910-1938 (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Victor, 1933 / Nº Álbum 33701 / Lado A / Gênero musical: Samba /

Seja breve, seja breve
Não percebi porque você se atreve
A prolongar sua conversa mole
(E não adianta)
Seja breve (conversa de Pedro)
Não amole
Senão acabo perdendo o controle
E vou cobrar o tempo que você me deve

Eu me ajoelho e fico de mãos postas
Só para ver você virar as costas
E quando vejo que você vai longe
Eu comemoro sua ausência com champanhe
Deus lhe acompanhe

A sua vida nem você escreve
E além disso você tem mão leve
Eu só desejo ver você nas grades
Pra te dizer baixinho sem fazer alarde
Deus lhe guarde

Vou conservar a porta bem fechada
Com um cartaz: "é proibida a entrada"
E você passa a ser pessoa estranha
Meu bolso fica livre dos ataques seus
Graças a Deus.

Século do progresso

Século do progresso (samba, 1937) - Noel Rosa

Disco 78 rpm / Título da música: Século do progresso / Autoria: Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Araci de Almeida, 1914-1988 (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Victor, 1937 / Nº Álbum 34296 / Lado B / Lançamento: 1938 / Gênero musical: Samba /
Intr.: Eb/G / F7 F/Eb Bb/D / Dbº / Cm /
F7/A F7 Bb / Bb7 Bb/Ab
Eb/G / F7 F/Eb Bb/D / Dbº / Cm /
F7/A F7 Bb F/A Eb/G F7
Bb               F7/C
A noite estava estrelada
F7/A             Bb
quando a roda se formou
Gm  Dm/A   Dm  Em7(b5)
A lua veio    atrasa__da        
A7        F7
e o samba começou
Bb              F7/C      Eb7                 D7
Um tiro a pouca distância no espaço, forte, ecoou
G7                     Cm     F7                  Bb  D7
Mas ninguém deu importância    e o samba continuou
Gm                    A7       Ab7             G7
Entretanto, ali bem perto, morria de um tiro certo
Cm    G7/D  Cm/Eb G7 Cm
Um valente muito sé______rio 
Am7(b5)  Gm/Bb
Professor dos desa_____catos
Gm         A7                  D7
Que ensinava aos pacatos o rumo do cemitério
Gm                  A7      Ab7            G7
Chegou alguém apressado naquele samba animado
Cm G7/D  Cm/Eb G7
Que cantando assim dizi_______a:
Cm           Am7(b5)   Gm/Bb      Gm            A7
"No século do     progresso o revólver teve ingresso
D7             Gm  F7
pra acabar com a valentia"

Saí da tua alcova

Sendo Noel Rosa um grande boêmio, um cara que gostava de viver nas ruas, nos botequins, ele fez logo amizade com muitos motoristas de taxi, que às vezes o levavam para casa, às vezes emendavam uma outra farra, ou às vezes o levavam para namorar alguma moça no Juá. Noel percebeu que havia um motorista de táxi chamado Malhado, que era metido a cantor de seresta, dava o famoso "dó de peito" e gostava de cantar falsas canções com palavras difíceis, rebuscadas, que ele não entendia absolutamente o que significava.

Noel, percebendo o estilo do motorista, compôs uma canção especialmente para ele e combinou lançar essa música numa seresta para duas filhas de um coronel lá em Vila Isabel. Chegando lá em baixo do sobrado do coronel, o Noel disse que ia ficar do outro lado da rua pra dar o destaque que a voz do Malhado merecia. Feriu o tom... lá se foi o Malhado.

Saí da tua alcova - Noel Rosa

CD Noel Pela Primeira Vez (Volume 7 CD 13 Faixa 19) / Intérprete: Henrique Cazes e Cristina Buarque / Composição: Noel Rosa /
              Am            E7        Am
Saí da tua alcova com o prepúcio dolorido
(42-43-42-40-53-52-50)
Am                  Bb6       Bb(b5)  A7
Deixando seu clitóris gotejante
 A#°     A7/G    Dm   A7
De volúpia emurche..cido
   Dm   E7                 Am     B°
Porém,    o gonococus da paixão
Am      Am/G         Bb
Aumentou minha tensão
Bem, o coronel levantou atirando, o Malhado saiu correndo, chegou na esquina livre,
e o Noel já estava esperando ele e perguntou:

- O que é que houve Malhado?

E o Malhado assustadíssimo falou:

- O cara sai atirando, não entendi nada!

E o Noel sem perder a pose diz pra ele:

- Isso é pra você ver, Malhado, o que que é a falta de sensibilidade dessa gente!

Que se dane

Quando Noel namorava uma certa Clara, ele estava sem dinheiro para pagar o bonde a ela e seus muitos irmãos. Aí ele pediu para Clara esperar e foi direto a uma casa de músicas propor a venda de um samba a J. Machado, pianista de lá. Aceita a negociação apenas da letra, Noel logo a rabiscou no tampo de um piano. Leonel Faria lançou-a na Columbia em fevereiro de 1932, disco 22101-B, matriz 381189 (Fonte: Samuel Machado Filho, no Youtube).

Que se dane (samba, 1932) - Noel Rosa e J. Machado

Disco 78 rpm / Título da música: Que se dane / Autoria: Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Machado, J (Compositor) / Leonel Faria (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Columbia, 1932 / Nº Álbum 22101 / Lado B / Lançamento: Fevereiro/1932 / Gênero musical: Samba /
Intr.: G / / G#º D/A / B7 / E7 / A7 / D7 / / /
G / / G#º D/A / B7 / E7 / A7 / D /
D        A7/C#          A7        D
Vivo contente embora esteja na miséria
D6/F#   Em    A7     D
Que  se dane! Que se dane!
A7/C#        A7        D
Com essa crise levo a vida na pilhéria
D6/F#   Em    A7     D 
Que  se dane! Que se dane!
D7     G    Gm6      D
Não amola!    Não amola!
B7            Em             A7          D7
Não deixo o samba porque o samba me consola
G    Gm6      D
Não amola!    Não amola!
B7            Em             A7          D
Não deixo o samba porque o samba me consola
G / / G#º D/A / B7 / E7 / A7 / D7 / / /
G / / G#º D/A / B7 / E7 / A7 / D / /
         A7/C#         A7        D
Fui despejado em minha casa no Caju
D6/F#   Em    A7     D
Que  se dane! Que se dane!
A7/C#       A7            D
O prestamista levou tudo e fiquei nu
D6/F#   Em    A7     D 
Que  se dane! Que se dane!
D7     G    Gm6      D
Não amola!    Não amola!
B7            Em             A7          D7
Não deixo o samba porque o samba me consola
G    Gm6      D
Não amola!    Não amola!
B7            Em             A7          D
Não deixo o samba porque o samba me consola
G / / G#º D/A / B7 / E7 / A7 / D7 / / /
G / / G#º D/A / B7 / E7 / A7 / D / /
         A7/C#       A7         D
Fui processado por andar na vadiagem
D6/F#   Em    A7     D
Que  se dane! Que se dane!
A7/C#      A7        D
Mas me soltaram pelo meio da viagem
D6/F#   Em    A7     D 
Que  se dane! Que se dane!
D7     G    Gm6      D
Não amola!    Não amola!
B7            Em             A7          D7
Não deixo o samba porque o samba me consola
G    Gm6      D
Não amola!    Não amola!
B7            Em             A7          D
Não deixo o samba porque o samba me consola
G / / G#º D/A / B7 / E7 / A7 / D7 / / /
G / / G#º D/A / B7 / E7 / A7 / D / / /

Que bom, felicidade que vai ser

René Bittencourt
Sub intitulado na edição "Que bom, felicidade, que vai ser!', verso final do estribilho, este samba-canção foi lançado por Noel na Columbia, futura Continental, em fevereiro de 1932 (78 rpm 22083-B, matriz 381159). No selo, o nome de Renê Bittencourt não apareceu como co-autor. Já em 1952, pouco antes de falecer, Francisco Alves regravou a música, mas o nome omitido no selo foi o de Noel! Dá pra acreditar! (Samuel Machado Filho no Youtube).

Felicidade - (Que bom, felicidade que vai ser) (samba, 1932) - René Bittencourt e Noel Rosa

Disco 78 rpm / Título da música: Felicidade / Autoria: Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Bittencourt, René (Compositor) / Rosa, Noel, 1910-1937 (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Columbia, 1931 / Nº Álbum 22083 / Lado B / Lançamento: Fevereiro/1932 / Gênero musical: Samba /

Felicidade, felicidade
Minha amizade foi-se embora com você
Se ela vier e te trouxer
Que bom, felicidade que vai ser

Trago no peito o sinal de uma saudade
Cicatriz dessa amizade
Que com o tempo vi morrer
Eu fico triste
Quando vejo alguém contente
Tenho inveja dessa gente
Que não sabe o que é sofrer

O meu destino
Foi traçado no baralho
Não fui feito para trabalho
Eu nasci pra batucar
Eis o motivo
Que do meu viver agora
A alegria foi-se embora
Pra tristeza vir morar

Picilone

Eis mais uma manifestação do cronista Noel Rosa, sempre atento às novidades. Um acordo ortográfico assinado pela Academia Brasileira de Letras com a Academia de Ciências de Lisboa, em 1931, retirou do alfabeto português as letras K, W e Y. Diante disso, Noel se preocupou com a menina Yvone (irmã do seu amigo Sebastião Ferreira da Silva), que teria o nome escrito com uma letra cassada, compondo este ''samba fonético''.

Muitos anos depois Tom Jobim, diria numa entrevista que o Brasil é ''um pais tão maluco'' que a avenida principal de Brasília, a capital da República, fundada em 1960, seria chamada de W-3, ou seja, com uma letra cassada.

Picilone (samba, 1931) - Noel Rosa

Disco 78 rpm / Título da música: Picilone (Yvone) / Autoria: Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Rosa, Noel, 1910-1937 (Intérprete) / Braguinha (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Parlophon, Setembro/1931 / Nº Álbum 13344 / Lado B / Gênero musical: Samba /
Intr.: F° D° Ab F7/A F7 Bbm Bb7 Eb7 Ab
F° D° Ab F7/A F7 Bbm Bb7 Eb7 Ab Eb7 Ab
Eb7  Ab      F7      Bbm                   
Y....vone! (Yvone!) Yvone! (Yvone!)         
Eb7                      Ab    Ab°  
Eu ando roxo pra te dizer um picilone!      
Ab         F7      Bbm                      
Yvone! (Yvone!) Yvone! (Yvone!)          
Eb7                      Ab         
Eu ando roxo pra te dizer um picilone!    
  

Ab/Gb       Db/F            Dbm/Fb  Ab/Eb
Já reparei   outro dia   Que o teu nome, ó Yvone
F7     Bb7           Eb7     Ab
Na nova ortografia já perdeu o   picilone
             F7      Bbm            
Y....vone! (Yvone!) Yvone! (Yvone!)         
Eb7                      Ab    Ab°  
Eu ando roxo pra te dizer um picilone!      
Ab         F7      Bbm                      
Yvone! (Yvone!) Yvone! (Yvone!)          
Eb7                      Ab         
Eu ando roxo pra te dizer um picilone!
        Ab/Gb      Db/F          Dbm/Fb     Ab/Eb
É pra ganhar  simpatia  Que todo mundo  se abaixa
F7       Bb7              Eb7     Ab
Pra te fazer cortesia com os olhos fora da caixa
             F7      Bbm            
Y....vone! (Yvone!) Yvone! (Yvone!)         
Eb7                      Ab    Ab°  
Eu ando roxo pra te dizer um picilone!      
Ab         F7      Bbm                      
Yvone! (Yvone!) Yvone! (Yvone!)          
Eb7                      Ab         
Eu ando roxo pra te dizer um picilone!
        Ab/Gb    Db/F               Dbm/Fb    Ab/Eb
Tem uma vida  folgada  Não faz mais nada   a Yvone
F7       Bb7           Eb7     Ab
Até já tem empregada para atender telefone
             F7      Bbm            
Y....vone! (Yvone!) Yvone! (Yvone!)         
Eb7                      Ab    Ab°  
Eu ando roxo pra te dizer um picilone!      
Ab         F7      Bbm                      
Yvone! (Yvone!) Yvone! (Yvone!)          
Eb7                      Ab         
Eu ando roxo pra te dizer um picilone!
            Ab/Gb      Db/F
Cansei de andar  só de tanga
Dbm/Fb     Ab/Eb
Jé perdi a      paciência
F7        Bb7
Fui te encontrar na Kananga
Eb7       Ab
Mas não me deste audiência
             F7      Bbm            
Y....vone! (Yvone!) Yvone! (Yvone!)         
Eb7                      Ab    Ab°  
Eu ando roxo pra te dizer um picilone!      
Ab         F7      Bbm                      
Yvone! (Yvone!) Yvone! (Yvone!)          
Eb7                      Ab         
Eu ando roxo pra te dizer um picilone!

Fonte: Songbook Noel Rosa - Volume 3 - Almir Chediak - Lumiar Editora.

Para atender a pedido

Marília Batista
Para atender a pedido (samba, s.d.) - Noel Rosa

CD "Noel Pela Primeira Vez" (Volume 6 CD 11 Faixa 12) / Compositor: Noel Rosa, 1910-1937 / Intérprete: Marília Batista /
A6         E/G#    F#m7  F#m/E  D#m7(b5) 
Para atender a pedi...........do       
Dm6        A/C#  C°  Bm7      
Tudo o que eu tenho sofri.......do           R
E7        A°                           E
Eu preciso esquecer                          F
A6          E/G#      F#m7 F#m/E D#m7(b5)    R
Pois é preciso esquecer                    Ã
Dm6         A/C# C°                    O
Pra poder te perdoar                     
Bm7      E7     A6  A7                   
Antes de te visitar                      

D6      Dm6      C#m7  F#m7              Bm7
Deves te acostumar a fazer o que eu mandar
E7         A7M  A7
E a me respeitar
D6  Dm6         C#m7       F#m7             Bm7
Fi.....ca estabelecido que não mentes nunca mais
*REPETE REFRÃO
D6      Dm6     C#m7  F#m7            Bm7
Antes de esquecer o teu triste proceder
E7         A7M  A7
Que me fez padecer
D6    Dm6            C#m7     F#m7        Bm7
Eu já tinha me convencido que havia de voltar
E7               F7M  F7(#11)  A7M
Para atender a pedi...do

O que é que você fazia?

A pequena notável
O que é que você fazia? (marcha, 1936) - Hervé Cordovil e Noel Rosa

Título da música: O que é que voce fazia ? / Gênero musical: Marcha / Intérprete: Carmen Miranda / Compositores: Cordovil, Herve - Rosa, Noel / Gravadora Odeon / Número do Álbum: 11324 / Gravação: 00/1936 / Lançamento: 00/1936 / Lado A / Disco 78 rpm:

Deitado num trilho de um trem
Estando amarrado e amordaçado
Sabendo que o maquinista
Não é seu parente
Nem olha pra frente
O que é que você fazia?
Eu nesse caso nem me mexia

Sentado, olhando um cachorro
Que da sua mão tirou o seu pão
Sabendo que o seu bilhete
Que está premiado
Também foi roubado
O que é que você fazia?
Eu nesse caso nem me mexia

Se um dia sua sogra bebesse
Um gole pequeno de um grande veneno
E por um capricho da sorte
Ou de algum doutorzinho
Ela ficasse mais forte
O que é que fazia o senhor?
Eu nesse caso matava o doutor
E o que é que a senhora fazia?
Eu nesse caso desaparecia

Na Bahia

Na Bahia (samba, 1936) - José Maria de Abreu e Noel Rosa

Disco 33 1/3 rpm / Título da música: Na Bahia / Autoria: Abreu, José Maria de, (Compositor) / Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Conjunto Coisas Nossas (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Estudio Eldorado, 1983 / Álbum: Noel Rosa - Inédito e Desconhecido / Nº Álbum: LP 79.83.0408 / Lado B / Faixa 4 / Gênero musical: Samba /
Intr.:(Dm7 G7 C Am Dm7 G7 C C/Bb F/A Fm/Ab C/G Am
Dm7 G7 C C#° Dm7 G7)
 C            G7     E7/G#    Am      A7  Dm7  
Aonde é que o nosso grande Brasil princi..pia?    R
G7   Dm7  G7  C    C#° Dm7 G7                E
Na Bahia! Na   Ba..hia!                           F
C              G7     E7/G#     Am    A7  Dm7    R
Aonde foi que Jesus pregou   sua filo..so..fia?   Ã
G7   Dm7  G7  C                              O
Na Bahia! Na   Ba..hia!  

E7                   Am
Todo santo dia nasce samba na Bahia
D7                    G7    C#° Dm7 G7
Samba tem feitiço, todo mundo sabe disso
*REFRÃO
          E7                  Am
A minha Bahia forneceu a fantasia
D7                    G7  C#° Dm7 G7
Mais original que se vê no carnaval
*REFRÃO
            E7                      Am
Em São Salvador, terra de luz e de amor
D7                     G7   C#° Dm7 G7
Só o samba cabe, disso todo mundo sabe
*REFRÃO

Mulher indigesta

Mulher indigesta (samba, 1932) - Noel Rosa

Disco 78 rpm / Título: Mulher indigesta / Autoria: Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Rosa, Noel, 1910-1937 (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Columbia, 1931-1932 / Nº Álbum 22089 / Lado B / Lançamento 1932 / Gênero musical: Samba /

Mas que mulher indigesta!(Indigesta!)
Merece um tijolo na testa


Essa mulher não namora
Também não deixa mais ninguém namorar
É um bom center-half pra marcar
Pois não deixa a linha chutar

E quando se manifesta
O que merece é entrar no açoite
Ela é mais indigesta do que prato
De salada de pepino à meia-noite

Essa mulher é ladina
Toma dinheiro, é até chantagista
Arrancou-me três dentes de platina
E foi logo vender no dentista

Mentir

Mentir (samba, 1932) - Noel Rosa

Disco 78 rpm / Título da música: Mentir / Autoria: Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Mário Reis (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1932 / Nº Álbum 10943 / Lado A / Gênero musical: Samba /
Intr.: A7   Dm   Fm Fm/Ab C/G A7 D7 G7 C
   C       B7     C              A7
Mentir, mentir, somente pra esconder
Dm           D7          G7  G7(#5)
A mágoa que ninguém deve saber
C       B7      C             Em/B
Mentir, mentir, em vez de demonstrar
G/D           Am7      D7   G7   G7(#5)
A nossa dor num gesto ou num olhar
C      B7    C          A7
Saber mentir é prova de nobreza
Dm          D7             F7    E7
Pra não ferir alguém com a franque...za
A7         A7/C#
Mentira não é crime
Dm             Fm  Fm/Ab
É bem sublime o que se diz
C/G   A7    D7    G7     C
Mentindo pra fazer alguém feliz
E7  Am        E7/B         Am
É  com a mentira que a gente
Am/G          B7/F#  Dm6/F
Se sente mais conten....te
E7                   Am
Por não pensar na verdade
B7/D#  E/D  Am         E7/B        Am
O próprio mundo   nos mente
Em
E ensina a mentir
F#7      B7        E7
Chorando ou rindo sem ter vontade
Am       E7/B       Am
E se não fosse a mentira
Am/G           B7/F#   Dm6/F
Ninguém mais viveri.......a
E7                  Bb°
Por não poder ser feliz
A7     A/G  Dm/F
E os homens      contra as mulheres
Dm       Am
Na terra, então, viveriam em guerra
Bb
Pois no campo do amor
E7              Am  E7 Am
A mulher que não mente não tem valor
G7   C
Men..tir...

Cor de cinza

Cor de cinza (samba, 1933) - Noel Rosa

Samba de 1933, só levado a disco em 1955 na voz da intérprete preferida de Noel, no LP de 10 polegadas da Continental "Canções de Noel Rosa com Aracy de Almeida". O disco também assinala a volta de um grande parceiro noelino, Osvaldo Gogliano, o Vadico, ao Brasil, após vários anos nos EUA.

Ele reaparecia num trabalho de orquestração e regência que, sem descaracterizar a obra de Noel, evidenciava algo do que aprendeu naquele país (Fonte: Samuel Machado Filho - Youtube). 

Gravação original: Disco lp 10 polegadas / Título: Cor cinza / Autoria: Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Araci de Almeida, 1914-1988 (Intérprete) / Vadico (Acompanhante) / Orquestra (Acompanhante) / Selo: Continental, 1955 / Álbum: Canções de Noel Rosa com Aracy de Almeida /  Nº do álbum: LPP-10 / Gênero: Samba /

Com seu aparecimento
Todo o céu ficou cinzento
E São Pedro zangado
Depois, um carro de praça
Partiu e fez fumaça
Com destino ignorado

Não durou muito a chuva
E eu achei uma luva
Depois que ela desceu
A luva é um documento
Com que provo o esquecimento
Daquela que me esqueceu

Ao ver um carro cinzento
Com a cruz do sofrimento
Bem vermelha na porta
Fugi impressionado
Sem ter perguntado
Se ela estava viva ou morta

A poeira cinzenta
Da dúvida me atormenta
Não sei se ela morreu
A luva é um documento
De pelica e bem cinzento
Que lembra quem me esqueceu

Com mulher não quero mais nada

Com mulher não quero mais nada (samba, s.d.) - Sílvio Pinto e Noel Rosa

Disco 33 1/3 rpm / Título da música: Com mulher não quero mais nada / Autoria: Pinto, Sílvio (Compositor) / Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Conjunto Coisas Nossas (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Estudio Eldorado, 1983 / Álbum: Noel Rosa - Inédito e Desconhecido / Nº Álbum: LP 79.83.0408 / Lado A / Faixa 5 / Gênero musical: Samba /
Intr.:(G#°  B° D  B7 E7  A7  D) 2 Vezes
      D        D°         D
Com mulher não quero mais nada
A7/C#         D
Minha sina   está traçada
C7    B7    Em               Am/C  B7
Neste mundo que me causa horror
Em                 A7
O que me faz ficar doente
G#°      D/F# Em
É mulher na minha frente, a fazer enredos de amor
A7    D        D°         D
Com mulher não quero mais nada
A7/C#         D
Minha sina   está traçada
C7    B7    Em               Am/C  B7
Neste mundo que me causa horror
Em                 A7
O que me faz ficar doente
G#°      D/F#
É mulher na minha frente, a fazer enredos de amor
         D         A7(#5)    D
Eu tenho fama de filósofo amador
A/C#      D/C        D7/F#            G
Quem diz  que ama, nunca sabe   o que é o amor
G/B         Gm/Bb                  D/A
Amar jurando  nunca foi jurar amando
G      F°  E7          A7           D
É por isso que eu  juro que o amor não dá futuro!