sexta-feira, 11 de agosto de 2006

Eu não tenho onde morar

Eu não tenho onde morar (samba, 1960) - Dorival Caymmi

Disco 78 rpm / Título: Eu não tenho onde morar / Autoria: Caymmi, Dorival, 1914-2008 (Compositor) / Caymmi, Dorival (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1960 / Nº Álbum 14583 / Lado B / Gênero: Samba /
Tom: F6
: F6                     C7
: Eu não tenho onde morar
:                             F6
: É por isso que eu moro na areia (4x)
              Bb6
Eu nasci pequenininho
Bbm6         F6
Como todo mundo nasceu
Bb6
Todo mundo mora direito
Bbm6          F6
Quem mora torto sou eu
: F6                     C7
: Eu não tenho onde morar
:                             F6
: É por isso que eu moro na areia (4x)
                  Bb6
Vivo na beira da praia
Bbm6              F6
Com a sorte que Deus me deu
Bb6
Maria mora com as outras
Bbm6             F6
Quem paga o quarto sou eu
: F6                     C7
: Eu não tenho onde morar
:                             F6
: É por isso que eu moro na areia (4x) 

Suíte dos pescadores

Suíte dos pescadores (Canção da partida, 1957) - Dorival Caymmi

Disco LP 33 1/3 rpm / Título: História de pescadores / Autoria: Caymmi, Dorival, 1914-2008 (Compositor) / Caymmi, Dorival (Intérprete) / Quarteto em Cy (Intérprete) / Conjunto Oscar Castro Neves (Acompanhante) / Moraes, Vinícius (Vinheta) / Imprenta [S.l.]: Elenco, 1967 / Álbum: Vinícius/Caymmi no Zum Zum / Nº Álbum: ME-23 / Lado B / Faixa 1 / Gênero: Canção /
     Cm                Fm             Cm
Minha jangada vai sair pro mar  /  Vou trabalhar
          G7              Cm                        Gm    C7
Meu bem querer / Se Deus quiser quando eu voltar do mar
         Fm   Bb7      Cm      G7           Cm
Um peixe bom, eu vou trazer /   Meus companheiros
       C7     Fm                 Cm        G7     Cm  
Também vão voltar /  E a Deus do céu vamos agradecer

 C7      Fm     Bb7                       Eb7+
Adeus, adeus / Pescador não se esqueça de mim
     Cm                Fm         G7                      Cm
Vou rezar pra ter bom tempo, meu bem / Pra não ter tempo ruim
                Fm                G7            Cm
Vou fazer sua caminha macia  /  Perfumada de alecrim

 E                            A         B7
Pedro, Pedro, Pedro, Pedro /           Nino, Nino
               Dbm
Nino, Nino  / Zeca, Zeca, Zeca, Zeca
   Bm          E7
Cadê vocês, homens de Deus?
Eu bem disse a José, não vá José / Não vá José
     A                               E7
Meu Deus! / Com um tempo desses não se vai
Quem vai pro mar  /  Quem vai pro mar
     A     E
Não vem / Pedro, Pedro, Pedro, Pedro
Nino, Nino, Nino, Nino  / Zeca, Zeca, Zeca, Zeca

   C            G7                              C
É tão triste /  Ver partir alguém que a gente quer
     A7               Dm                  G7       C     Bb7
Com tanto amor / E suportar a agonia de esperar voltar
  Ebm7          Ab7     Ebm7       Ab7           C 
Viver olhando o céu e o mar / A incerteza, a tortura
                                         E
A gente fica só, tão só  / A gente fica só, tão só
G7           C
É triste superar
 C      Am      F           G 
Uma incelença entrou no paraíso – BIS
  F             Em    A7   Dm  G7   C
Adeus, irmão, adeus, até o dia de Juízo -  BIS 

Lá vem a baiana

Lá vem a baiana (samba, 1947) - Dorival Caymmi

Disco 78 rpm / Título da música: Lá vem a baiana / Autoria: Caymmi, Dorival, 1914-2008 (Compositor) / Caymmi, Dorival, 1914-2008 (Intérprete) / Regional (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: RCA Victor, 1947 / Nº Álbum 800536 / Lado B / Gênero musical: Samba


Lá vem a baiana,
De saia rodada, sandália bordada,
Vem me convidar para sambar...
Mas eu não vou,
Lá vem a baiana,
Coberta de contas, pisando nas pontas,
Achando que eu sou o seu ioiô...
Mas eu não sou,
Lá vem a baiana,
Mostrando os encantos, falando dos santos,
Dizendo que é filha do Senhor do Bonfim...
Mas pra cima de mim.

Pode jogar seu quebranto que eu não vou,
Pode chamar o seu santo que eu não vou,
Pode esperar sentada, baiana, que eu não vou,
Pode esperar sentada, baiana, que eu não vou.

Não vou porque não posso resistir a tentação,
Se ela sambar... eu vou sofrer !
Pois esse diabo sambando é mais mulher !
E se eu deixar ela faz o que bem quer...
Não vou, não vou, não vou,
Nem amarrado, porque sei:
Se ela sambar: hum, hum, hum, hum
Hum, hum, hum, hum !

Não vou porque não posso resistir a tentação,
Se ela sambar... eu vou sofrer !
Pois esse diabo sambando é mais mulher !
E se eu deixar ela faz o que bem quer...
Não vou, não vou, não vou,
Nem amarrado, porque sei:
Se ela sambar: hum, hum, hum, hum
Hum, hum, hum, hum !...

A lenda do Abaeté

A lenda do Abaeté (canção praieira, 1948) - Dorival Caymmi

Disco 78 rpm / Título: A lenda do Abaeté / Autoria: Caymmi, Dorival, 1914-2008 (Compositor) / Caymmi, Dorival, 1914-2008 (Intérprete) / violões (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: RCA Victor, 1947 / Nº Álbum 800576 / Lado A / Lançamento 1948 / Gênero: Canção


No Abaeté tem uma lagoa escura
Arrodeada de areia branca
Ô de areia branca
Ô de areia branca

De manhã cedo
Se uma lavadeira
Vai lavar roupa no Abaeté
Vai se benzendo
Porque diz que ouve
Ouve a zoada
Do batucajé

O pescador
Deixa que seu filhinho
Tome jangada
Faça o que quisé
Mas dá pancada se o seu filhinho brinca
Perto da Lagoa do Abaeté
Do Abaeté

A noite tá que é um dia
Diz alguém olhando a lua
Pela praia as criancinhas
Brincam à luz do luar
O luar prateia tudo
Coqueiral, areia e mar
A gente imagina quanta a lagoa linda é

A lua se enamorando
Nas águas do Abaeté
Credo, Cruz
Te desconjuro
Quem falou de Abaeté
No Abaeté tem uma lagoa escura.....

O que é que a baiana tem?

A pequena notável
O que é que a baiana tem? (samba, 1938)- Dorival Caymmi - Interpretação: Carmen Miranda

Disco 78 rpm / Título da música: O que é que a baiana tem / Autoria: Caymmi, Dorival, 1914-2008 (Compositor) / Miranda, Carmen, 1909-1955 (Intérprete) / Caymmi, Dorival, 1914-2008 (Intérprete) / Regional (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1939 / Nº Álbum 11710 / Gênero musical: Samba /

Tom: D
D6/9         A7              D6/9   A7
O que é    que a baiana tem?
D6/9       A7              D6/9
Que é    que a baiana tem?
    A7                 D6/9   A7                   D6/9
Tem torço de seda, tem!   Tem brincos de ouro, tem!
A7                 D6/9    A7                  D6/9
Corrente de ouro, tem!     Tem pano-da-Costa, tem!
A7                 D6/9   A7                  D6/9
Tem bata rendada, tem!     Pulseira de ouro, tem!
A7                 D6/9   A7                   D6/9
Tem saia engomada, tem!    Sandália enfeitada, tem!
A7            D6/9   A7  D6/9
Tem gra--ça como nin-guém
A7            D6/9   A7  D6/9
Como ela requebra bem!
A7                         D6/9
Quando você se requebrar  Caia por cima de mim
A7                   D6/9 A7 D6/9
Caia por cima de mim  Caia por cima de mim
D6/9         A7              D6/9   A7
O que é    que a baiana tem?
D6/9       A7              D6/9
Que é    que a baiana tem?
    A7                 D6/9  A7                   D6/9
Tem torço de seda, tem!  Tem brincos de ouro, tem!
A7                 D6/9    A7                 D6/9
Corrente de ouro, tem!     Tem pano-da-Costa, tem!
A7                 D6/9   A7                  D6/9
Tem bata rendada, tem!     Pulseira de ouro, tem!
A7                 D6/9  A7                   D6/9
Tem saia engomada, tem!   Sandália enfeitada, tem!
A7                D6/9  A7  D6/9
Só vai   no Bonfim quem tem
( O que é que a baiana tem?)
      A7                D6/9  A7  D6/9
Só vai   no Bonfim quem tem
A7                     D6/9
Um rosário de ouro, uma bolota assim
A7                    D6/9
Quem não tem balangandãs não vai no Bonfim
A7                     D6/9
Um rosário de ouro, uma bolota assim
A7                    D6/9
Quem não tem balangandãs não vai no Bonfim
A7                        D6/9
(Oi, não vai no Bonfim)   (Oi, não vai no Bonfim)
A7                     D6/9
Um rosário de ouro, uma bolota assim
A7                    D6/9
Quem não tem balangandãs não vai no Bonfim
A7                        D6/9
(Oi, não vai no Bonfim)   (Oi, não vai no Bonfim) 

Horas iguais

Orlando Silva
Horas iguais (valsa, 1937) - Francisco Matoso e José Maria de Abreu

Disco 78 rpm / Título da música: Horas iguais / Autoria: Matoso, Francisco (Compositor) / Abreu, José Maria de, 1911-1966 (Compositor) / Orlando Silva (Intérprete) / Orquestra Victor Brasileira (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Victor, 1937 / Nº Álbum 34202 / Lado B / Lançamento: 1937 / Gênero musical: Valsa /

Meu coração bate sempre
Apressado, com calor,
Como um relógio marcando,
Os momentos de um grande amor

Eu acertei meu relógio pelo teu
Pra vivermos em horas sempre iguais,
São seu ponteiros que falam de você,
Quando o meu triste olhar não te vê

E não terei a tristeza nunca mais,
Talvez, você, também, como eu,
Pois você acertou o seu relógio pelo meu,
Pra vivermos em horas sempre iguais...

Arrependimento (Gastão Lamounier)

Gastão Lamounier
Arrependimento (valsa, 1929) - Gastão Lamounier e Olegário Mariano

Disco 78 rpm / Título da música: Arrependimento / Autoria: Lamounier, Gastão, 1893-1984 (Compositor) / Mariano, Olegário, 1889-1958 (Compositor) / Gastão Formenti (Intérprete) / Piano (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 28/03/1929 / Nº Álbum 11012 / Lado B / Gênero musical: Valsa /

Meu amor, porque pensas ainda em mim ?
Não chores a vida passada,
Porque todo romance tem fim...

Teu olhar, quando vejo cair no meu,
O que sinto não posso dizer-te,
Porque minha voz na garganta morreu...

Hoje em dia, eu vivo sozinho,
Recordando o calor que te dei,
Ao invés de saudade ou carinho,
Tenho horror de lembrar que te amei !

Se ainda falo da antiga promessa,
Que tua boca, tremendo, dizia,
É que nunca supus que hoje em dia,
Se esquecesse um amor tão depressa

Guarda bem, na lembrança e no ouvido,
O que penso, ao lembrar-me de ti,
Não recordo teu beijo, fanado e esquecido,
Nem lamento este amor que perdi !

Mais cedo ou mais tarde

Mais cedo ou mais tarde (samba, 1945) - Geraldo Pereira
A7+                    F#5+/7
Ah, mais cedo ou mais tarde
B7
Ela tem que voltar
C#m E7                A7+
Meu Deus, não posso me conformar
À outra meu coração não entrego
Confesso, não nego
Sem ela não posso continuar
A7+          A#º         Bm
Outra meu coração não aceita
E7
Parece até coisa feita
A7+
Mas seja o que Deus quiser
F#7                       Bm
Quero seguir para outro caminho
Buscar um novo carinho
E          A7+
Mas meu coração não quer

Cabritada malsucedida

Aventurando-se como cantor e também assinando com uma gravadora de maior porte, a RCA Victor, em 1953, o compositor Geraldo Pereira lançou o samba "Cabritada Mal Sucedida". Se não foi um real sucesso popular, a música é hoje considerada, por praticamente todos os pesquisadores da música popular brasileira, como um dos grandes sambas brasileiros e um dos melhores de Geraldo (Fonte: Década de 50).

Cabritada malsucedida (samba, 1953) - Geraldo Pereira e Wilton Vanderley

Disco 78 rpm Título da música: Cabritada mal sucedida / Autoria: Pereira, Geraldo (Compositor) / Vanderley, Wilton (Compositor) / Pereira, Geraldo (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: RCA Victor, 1953 / Nº Álbum 801192 / Lado B / Gênero musical: Samba /

Bento fez anos,
E para almoçar me convidou,
Me disse que ia matar um cabrito,
Onde tem cabrito eu tou,
E quando o "Comes e Bebe" começou,
No melhor da cabritada,
A Polícia e o dono do bicho chegou.

Puseram a gente sem culpa,
No carro de Rádio Patrulha e levaram,
Levaram também o cabrito,
E toda a bebida que tinha, quebraram,
Seu Comissário, zangado,
Não tava querendo ninguém dispensar,
O patrão da Sebastiana,
É que foi ao distrito,
E mandou me soltar.


(Bis)

Puseram a raça sem culpa,
No carro da Rádio-Patrulha e levaram,
Levaram também o cabrito....

Cego de amor

Geraldo Pereira
Cego de amor (samba, 1951) - Geraldo Pereira e Wilson Batista

Cego, não vejo nada
Já não é o primeiro que me vem dizer
Que ela estava no baile, nos braços de outro
Vi com olhos que a terra há de comer
Só eu não vejo, pode crer
Ou com certeza, são meus olhos que não querem ver

Sou feliz, pois nada enxergo
E gosto tanto dela, que sou cego
Se ela faz alguma coisa, a Deus entrego
Tenho os dois olhos, mas finjo que nada enxergo
Mas tenho fé que Deus há de cegar
Toda essa gente que vê o que ela faz, e vem me contar.

Preto velho

Custódio Mesquita
Preto velho (samba-canção, 1940) - Jorge Faraj e Custódio Mesquita

Disco 78 rpm / Título da música: Preto velho / Autoria: Mesquita, Custódio, 1910-1945 (Compositor) / Faraj, Jorge (Compositor) / Sílvio Caldas (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Victor, 1940 / Nº Álbum 34610 / Lado B / Gênero musical: Samba canção /

Preto velho,
Quando a sua sombra passa
Todo mundo faz chalaça,
Dá vaia, debocha e ri
Sem saber que você ( quanta saudade ! )
Estragou a mocidade
Combatendo em Tuiutí...

Ninguém sabe
Que você perdeu um braço
E arranjou este cansaço,
Brigando em Humaitá...

Quem me dera
Preto-Velho que eu pudesse
Dar-lhe o que você merece
E que a vida não quis dar...

Preto-Velho,
Que brigou no Paraguay
E agora, rolando vai,
Pela vida, ao Deus dará...

Preto-Velho
Quem me dera, Preto-Velho, que eu pudesse
Dar-lhe o que você merece,
E que a vida, não lhe quis dar!

Meu coração a teus pés

Orlando Silva
Meu coração a teus pés (valsa, 1938) - Benedito Lacerda e Jorge Faraj

Disco 78 rpm / Título da música: Meu coração a teus pés / Autoria: Lacerda, Benedito, 1903-1958 (Compositor) / Faraj, Jorge (Compositor) / Orlando Silva (Intérprete) / Orquestra Victor Brasileira (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Victor, 1938 / Nº Álbum 34366 / Lado A / Lançamento 1938 / Gênero musical: Valsa


Ouvi dizer que perdida
Nos pantanais desta vida
Dás a todos o seu amor
Vi um sorriso de malícia
De quem me deu a notícia
Multiplicou minha dor
Mentira, gritou no peito
Meu coração contrafeito
Mentira não pode ser
E eu andei por toda a parte
Dentro da noite a buscar-te
Querendo ver para crer.


No cabaré que fulgia
Teu corpo se oferecia
Aos olhos da multidão
Soluçando com revolta
Por desejar tua volta
Entrei, também no leilão
Desceste muito, entretanto
Por teu amor desci tanto
E sabendo quem tu és
A minh'alma te deseja
E o meu coração rasteja
Louco de amor, a teus pés!...

Rainha da beleza

Ataulfo Alves
Rainha da beleza (samba,1937) - Ataulfo Alves e Jorge Faraj

Disco 78 rpm / Título da música: Rainha da beleza / Autoria: Alves, Ataulfo, 1909-1969 (Compositor) / Faraj, Jorge (Compositor) / Orlando Silva (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Victor, 1937 / Nº Álbum 34189 / Gênero musical: Samba /

Essa tua formosura
Ó vaidosa criatura
Algum dia vai findar
( vai findar )
E acabada, envelhecida,
No crepúsculo da vida
Sem conforto, vais chorar,
( vais chorar )

Com as tuas mãos mimosas
Hoje vais colhendo rosas
A gargalhar...
Sem saber que os espinhos
Florescem pelos caminhos
Por onde hás de voltar...

Quando tua realeza
Ó rainha da beleza,
Chegar ao fim
Hás de lembrar, com saudade,
A nossa felicidade,
E então pensarás em mim...

Amor por correspondência

Nuno Roland
Amor por correspondência (samba, 1937) - Jorge Faraj e Benedito Lacerda

Disco 78 rpm / Título: Amor por correspondência / Autoria: Lacerda, Benedito, 1903-1958 (Compositor) / Faraj, Jorge (Compositor) / Nuno Roland, 1913-1975 (Intérprete) / Orquestra Copacabana (Acompanhante) / Bountman, S (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 30/07/1937 / Nº Álbum 11514 / Lado A / Lançamento: Outubro/1937 / Gênero: Samba /

Ó mulher que eu não conheço
Porque pões meu endereço
Nas tuas cartas de amor
Se não és a criatura
Que eu adoro, com loucura
Deixa-me em paz, por favor

E se quem sabe tu fores
A deusa dos meus amores
A mulher do meu querer
Dispensa o carteiro amável
E vem, ó anjo adorável
Na minha porta bater

Suspende a correspondência
E vem na minha residência
Ocupar o teu lugar
Em vez de cartas, carinho
E flores, em vez de espinho
Eu tenho para te dar.

Menos eu

Sílvio Caldas
Menos eu (samba-canção, 1936) - Jorge Faraj e Roberto Martins

Disco 78 rpm / Título da música: Menos eu / Autoria: Faraj, Jorge (Compositor) / Martins, Roberto (Compositor) / Sílvio Caldas (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1936 / Nº Álbum 11409 / Lançamento 00/1936 / Lado A / Gênero musical: Samba canção


Eras no morro a mais formosa flor
Todo mundo cantava, em teu louvor

Todo mundo, menos eu

Todo mundo colheu, a tremer de desejo
Entre a flor dos teus lábios, a flor do teu beijo
Todo mundo, menos eu

Tu fugiste depois pra cidade
A alegria do morro morreu
Todo mundo chorou de saudade
Todo mundo, menos eu

Entre as luzes fatais da cidade
A orgia cruel te envolveu
Todo mundo chorou de piedade
Todo mundo, menos eu

Mas um dia, na mesma paisagem
Outra flor a sorrir, floresceu
Todo mundo rendeu-lhe, homenagem
Todo mundo, menos eu

Teu olhar, tua voz envolvente
Teus cabelos e tudo que é teu
Todo mundo, esqueceu finalmente

Todo mundo, menos eu.

Apenas tu

Carlos Galhardo
Apenas tu (valsa, 1936) - Jorge Faraj e Roberto Martins

Disco 78 rpm / Título da música: Apenas tu / Autoria: Faraj, Jorge (Compositor) / Martins, Roberto (Compositor) / Carlos Galhardo, 1913-1985 (Intérprete) / Lacerda, Benedito, 1903-1958 (Acompanhante) / Regional (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1936 / Nº Álbum 11389 / Gênero musical: Valsa /

Pelos jardins fatais do amor
Em ânsias loucas
Desabrocham para mim
Formosas bocas
Bocas divinas eu beijei
Mas as mulheres que eu amei
Para a grandeza dos meus sonhos
Foram poucas...

No meu viver não foram mais
Do que o presente
Apenas tu, ficaste indefinidamente
Raio de sol a iluminar
Numa saudade singular
As minhas tristes noites de luar
Quando a luz dos teus olhos azuis
Inundou os meus olhos de luz

A aridez do meu triste caminho
Abriu-se em rosais sem espinho
O teu nome é uma terna canção
Que eu vivo a rezar bem baixinho
Oh, dona do meu coração !

Ao ouvir esta canção hás de pensar em mim

Francisco Alves
Ao ouvir esta canção hás de pensar em mim (valsa, 1940) - Francisco Matoso e José Maria de Abreu

Disco 78 rpm / Título da música: Ao ouvir esta canção hás de pensar em mim / Autoria: Matoso, Francisco (Compositor) / Abreu, José Maria de, 1911-1966 (Compositor) / Francisco Alves (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Columbia, 20/03/1940 / Nº Álbum 55210 / Lado B / Lançamento: 04/1940 / Gênero musical: Fox /

Porque te foste agora
Quando eu mais te queria
Roubando alegria
Ao coração que chora
Eu fiquei só pensando
Cheio de nostalgia
Para o passado olhando
Fiz esta melodia:

Ao ouvir esta canção
Hás de pensar em mim, então
Quando a recordação
De um passado de esplendor
O romance que foi nosso amor
E também relembrarei
Do grande amor
Que eu te dei
Fiz castelo que sonhei
Colocando em sonhos vãos
Meu destino em tuas mãos

Sentirás a minha ausência
Em uma tarde fria
Hás de notar vazia
Sem amor tua existência
Nessa tarde voltarás
Realizando os ideais
E meu coração me diz
Que eu só serei feliz
Nesse dia ou nunca mais.

Vou brigar com ela (Paciência)

Lupicínio Rodrigues
Vou brigar com ela (Paciência) (samba-canção, 1961) - Lupicínio Rodrigues

Disco LP / Título: Paciência (Vou brigar com ela) / Autoria: Rodrigues, Lupicínio, 1914-1974 (Compositor) / Elza Laranjeira (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: RGE, 1961 / Álbum: Elza Laranjeira Canta Sucessos / Nº Álbum: XRLP5133 / Gênero: Samba-canção /

Dessa vez eu vou brigar com ela
Mesmo que por isso eu tenha que morrer
Ela sabia que eu não queria
Que ela saisse sem me dizer

Mas dessa vez eu vou brigar com ela
Mesmo que por isso eu tenha que morrer
Não se deve confiar demais na vida

Além do mais tratando-se de amor
Por gostar de fazer coisas proibidas
É que nosso mundo vive assim de sofredor

Esgotei minha reserva de paciência
Mas ela teima em me desobedecer
Mas dessa vez eu vou brigar com ela
Mesmo que por isso eu tenha que morrer

Meu barraco

Lupícinio Rodrigues
Meu barraco (samba) - Lupicínio Rodrigues e Leduvy de Pina

Disco LP / Título da música: Meu barraco / Autoria: Pina, Leduvy de (Compositor) / Rodrigues, Lupicínio, 1914-1974 (Compositor) / Rodrigues, Lupicínio (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Rosicler/Chantecler, 1973 / Nome do Álbum: Dor de Cotovelo / Nº Álbum: 7164 / Gênero musical: Samba /
        C          Am               Dm  Dm/C
Eu vou mudar meu barraco mais pra baixo
G7                        C
As minhas pernas já não podem mais subir
Eb°         G7
Alto do morro era bom na mocidade
Dm7          G7          C      G7
Na minha idade a gente tem que desistir
         C          Am         Dm   Dm/C
Subir o morro antes era brincadeira
G7                         C
Até carreira eu apostava e não perdia
Eb°          Dm
Quando eu subia todo mundo me aclamava
G7                       C
E reclamava toda vez que eu descia
          Am     Am/G           D7
Tarde de sol a cabrocha me esperava
G7                     C    Dm7
Antes da hora eu chegava sem um pingo de suor
Em7             Eb°       Dm
Vinha correndo oh meu Deus que bom que era
G7
Mocidade não espera
C
Quanto mais cedo melhor
             Am         Am/G         D7
Mas hoje em dia / Minha velha sofre tanto
G7        C     Dm7
Fica jogada num canto        
Em7        Eb°           Dm
Chegar cansado de pisar estes barrancos
G7
Juntar os cabelos brancos
C    Gb   C
Na mesma cama e dormir

Sozinha

Lupícinio Rodrigues
Sozinha (samba-canção, 1963) - Lupicínio Rodrigues

Disco LP / Título: Sozinha / Autoria: Rodrigues, Lupicínio, 1914-1974 (Compositor) / Jamelão, 1913-2008 (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Continental, 1972 / Nome do Álbum: Jamelão Interpreta Lupicínio Rodrigues / Nº Álbum SLP-10075 (1-01-404-012) / Lado A / Faixa 3 / Gênero musical: Samba canção /
Tom: G  

G7M   G#º   Am9
    Vivia sozinha,
              D7/9              Bm7
Num ranchinho velho, feito de sopapo,
                Em7                    Am9
o seu rádio de noite era o canto de um sapo,
                D7/9               Bm7/b5 E7
sua cama uma esteira estendida no chão.
       Am9            D7/9                 Bm7
Sua refeição era um bocado de charque e farinha,
               Em7               Am7
pois nem prá comer a coitada não tinha,
            D7/9              F E7
sequer no café, um pedaço de pão.

               Am9
Levei pro meu sítio,
              D7/9                   Bm7
troquei por cetim os seus trapos de chita,
             Em7                Am7
até prá "marvada" se ver mais bonita
                D7/9                 F E7
pus luz no seu quarto, invés de candeeiro.
             Am9               D7/9                Bm7
E só por dinheiro, sabem o que fez essa ingrata mulher?:
               Em7                 Am7
fugiu com o doutor que eu mesmo chamei
                D7/9       D7/b9     G7M  G7/9
e paguei prá curar os seus bichos-de-pé.

            C7M
Assim me falou
           C#º                G6/9
um pobre matuto, coitado, chorando
        E7/9                Am9
em seu desespero foi me ensinando,
               D7/9      D7/b9      G7M  G#º
que em todo lugar mulher sempre é mulher.
             Am9               D7/9               Bm7
Se pede uma flor e a gente lhe dá ela exige uma estrela
          Em7            Am7
e se por acaso ela não obtê-la
                D7/9   D7/b9        G7M G7/9
se vai com o primeiro homem que lhe der.

            C7M                             G7M Cm6 G6/9
Assim me falou.... (até) .... homem que lhe der.

Torre de Babel

Lupicínio Rodrigues
Torre de Babel (samba-canção, 1964) - Lupicínio Rodrigues

Disco LP / Título: Torre de Babel / Autoria: Rodrigues, Lupicínio, 1914-1974 (Compositor) / Jamelão, 1913-2008 (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Continental, 1972 / Nome do Álbum: Jamelão Interpreta Lupicínio Rodrigues / Nº Álbum SLP-10075 (1-01-404-012) / Lado B / Faixa 3 / Gênero musical: Samba canção /

Quando nos conhecemos
Numa festa em que estivemos
Nos gostamos, nos juramos
Um do outro ser fiel
Depois continuamos
Nos querendo, nos gostando
Nosso amor foi aumentando
Qual a Torre de Babel

E a construção foi indo
Foi crescendo, foi subindo
Lá no céu quase atingindo
Nos domínios do Senhor

E agora se aproximando
Nosso maior momento
Esse desentendimento
Quer parar o nosso amor

Mas eu não acredito
Isso não há de acontecer
Porque eu continuo lhe adorando
E hei de arranjar um meio de lhe convencer

Que volte, meu amor
Seu bem está chamando
Por um capricho seu
Não há de ser que essa amizade
Vá ter esse desfecho tão cruel
Que tiveram porque se desentenderam
Aqueles que pretenderam
Fazer a Torre de Babel

Um favor

Lupicínio Rodrigues
Um favor (samba-canção, s.d.) - Lupicínio Rodrigues

Disco LP / Título: Um favor / Autoria: Rodrigues, Lupicínio, 1914-1974 (Compositor) / Jamelão, 1913-2008 (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Continental, 1972 / Nome do Álbum: Jamelão Interpreta Lupicínio Rodrigues / Nº Álbum SLP-10075 (1-01-404-012) / Lado A / Faixa 4 / Gênero musical: Samba canção /
A         E7        A        E7
Eu hoje acordei pensando
A           E7      A
Por que eu vivo chorando
Dbm  Cm      Bm   Gb7  Bm
Podendo lhe procurar
Gb7      Bm
Se a lágrima é tão maldita
Gb7    Bm
Que a pessoa mais bonita
E7         A     Gb7  Bm  E7
Cobre o rosto prá chorar
                   A
E refletindo um segundo
E7               A7
Resolvi pedir ao mundo
D
Que me fizesse um favor
F7                 Dbm
Para que eu não mais chorasse
Gb7        Bm
Que alguém me ajudasse
E7            A        E7
A encontrar o meu amor 
  A         E7         A
Maestros, músicos, cantores
E7                 A
Gente de todas as cores
Eo         Gb7       Bm    Gb7   Bm
Façam esse favor prá mim
E
Quem souber cantar que cante
Bm    
Quem souber tocar que toque
E7                   A
Flauta trombone ou clarim
                 A7          A             A7
Quem puder que grite / Quem tiver apito, apite
D           F7              Dbm
Faça esse mundo acordar / Para que onde ela esteja
Gb7     Bm   E7                 A     F   A
Saiba que alguém rasteja / Pedindo pra ela voltar

Loucura

Lupicínio Rodrigues
Loucura (samba-canção, s.d.) - Lupicínio Rodrigues

Disco LP / Título da música: Loucura / Autoria: Rodrigues, Lupicínio, 1914-1974 (Compositor) / Rodrigues, Lupicínio (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Rosicler/Chantecler, 1973 / Nome do Álbum: Dor de Cotovelo / Nº Álbum: 7164 / Gênero musical: Samba-canção /
  C7M      A7      A7/5M    Dm7
E aí, comecei a cometer loucuras
G7                      Dm7  G7
Era um verdadeiro inferno, uma tortura
C7M      G7
O que eu sofria por aquele amor
C7M           D7/9        G7M
Milhões de diabinhos martelando
Em7
Meu pobre coração
Am    D7
Que agonizando 
Dm7           G7
Já não podia mais de tanta dor 
  C7M      A7        A7/5M    Dm7
E aí, comecei a cantar verso triste
G7                   Dm7         G7
O mesmo verso  que até hoje existe / Na boca triste
C7M        Gm7              C7
De algum sofredor / Como é que existe alguém
F7M        Bb7 
Que ainda tem coragem / De dizer que os meus versos
C7M                 A7          
Não contém a mensagem
Dm7  G7           C7M  Bm7/-5 E7
São palavras frias  sem nenhum valor 
    Am                               Dm7
Oh Deus  será que o senhor não está vendo isto
Bm7/-5       
Então por que o Senhor mandou o Cristo
E7                      Am    F7   E7
Aqui na terra    semear o amor
Am                              G7
Se quando existe alguém que ama de verdade
F     
Serve de riso para a humanidade
Dm       Dm/C            E7         F7   E7
É um covarde, um fraco, um sonhador
Am                            Dm7
Se é que hoje está tudo tão diferente
Dm         Bm7/-5
Porque não deixa eu mostrar a essa gente
E7                 Am    Em7/-5   A7
Que ainda existe o verdadeiro amor
Dm7                             Am
Faça ela voltar de novo ao meu lado
Dm7
Eu me sujeito a ser sacrificado
E7                    F        Am
Salve este mundo  com a minha dor

Judiaria

Lupicínio Rodrigues
Judiaria (guarânia, 1971) - Lupicínio Rodrigues

Disco LP / Título da música: Judiaria / Autoria: Rodrigues, Lupicínio, 1914-1974 (Compositor) / Rodrigues, Lupicínio (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Rosicler/Chantecler, 1973 / Nome do Álbum: Dor de Cotovelo / Nº Álbum: 7164 / Gênero musical: Guarânia /
Tom: A
  
A7M B/A G#m7 C#7(11) C#7 F#m7 B7) E A E A/B

  E              C#7              F#m7
Agora você vai ouvir aquilo que merece
    B7                                        E
As coisas ficam muito boas quando a gente esquece
                             C#m7 
Mas acontece que eu não esqueci 
               B7                       Bis
   a sua covardia a sua ingratidão


       F#m7             B7   
A judiaria que você um dia 
          E (Bm7)      F#m7 (E7)  G#m7   A/B
   fez pro coitadinho do meu coração

         A7M                       B/A
Essas palavras que eu estou lhe falando
           G#m7           C#7(11) C#7
Tem uma verdade pura nua e crua
                 F#m7              B7
Eu estou lhe mostrando a porta da rua
             Bm7                E7
Pra que você saia sem eu lhe bater

           A7M                       B/A
Já chega o tempo em que eu fiquei sofrendo
             G#m7                  C#7(11) C#7
Que fiquei sozinho que eu fiquei chorando
       F#m7              B7
Agora quando estou melhorando
         E            A    E   B7 E A E9
Você aparece pra me aborrecer

Homenagem

Lupicínio Rodrigues
Homenagem (samba-canção, 1961) - Lupicínio Rodrigues

Disco LP / Título: Homenagem / Autoria: Rodrigues, Lupicínio, 1914-1974 (Compositor) / Jamelão, 1913-2008 (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Continental, 1972 / Nome do Álbum: Jamelão Interpreta Lupicínio Rodrigues / Nº Álbum SLP-10075 (1-01-404-012) / Lado A / Faixa 2 / Gênero musical: Samba canção /
G        Am            D7
Eu agradeço estas homenagens
G     Am7   Bm7
Que vocês me fazem
Bbo      Am                D7
Pelas bobagens e coisas bonitas
G      G7
Que dizem que eu fiz
C
Receber os presentes
              G
Levem estas flores
           Abo                   Am
Para aquela que agora deve estar chorando
                  D7
Por não poder estar neste momento
G   Am7  Bm7   Am7
Aqui perto de mim
       G                      Bbo              Am
Pra receber estas honras que a outra está desfrutando
D7                                    
O nosso amor clandestino é que obriga
G      Bm7 Am7 D7
a vivermos assim
              G                E7                Am
Levem estas flores e digam pra ela ficar me esperando
D7          
E no que terminar a festa
G   Am7 Bm7 D7
eu irei abraçar meu amor
G                    G7
Pois apesar de não sermos casados
C                         Bm
É quem me inspira e está sempre ao meu lado
G        Em           Am
Me acompanhando nas horas difíceis
D7       G     Cm    G
Nas horas de dor . . .

Foi assim

Lupicínio Rodrigues
Após o sucesso de "Vingança", Linda Batista repetiu a dose com outro samba-canção do mestre gaúcho Lupicínio Rodrigues, este "Foi assim", gravação RCA Victor de 20 de fevereiro de 1952 lançada em abril seguinte, disco 80-0881-A, matriz S-093193.O acompanhamento também é o mesmo de 'Vingança", a cargo do violinista Fafá Lemos e seu conjunto. Houve também regravações por Jamelão (1963) e Maria Bethânia (Fonte: Samuel Machado Filho - Youtube).

Foi assim (samba-canção, 1963) - Lupicínio Rodrigues

Disco 78 rpm / Título da música: Vingança / Autoria: Rodrigues, Lupicínio, 1914-1974 (Compositor) / Linda Batista, 1919-1988 (Intérprete) / Conjunto (Acompanhante) / Fafá Lemos (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: RCA Victor, 20/02/1952 / Nº Álbum 800881 / Lado A / Lançamento: Abril/1952 / Gênero musical: Samba canção

Introdução: A 

          Bm7           C#m7      Cdim    Bm7  E7 
Foi assim,   eu tinha alguém que comigo morava 
                                A7M 
Mas tinha um defeito que brigava  
    Em7        A7     D7M 
Embora com razão,ou sem razão 
               Ebdim             C#m7 
Encontrei um dia uma pessoa diferente 
    F#m7                Bm7 
Que me tratava carinhosamente  
  F#7/9-                   B7/13 
Dizendo resolver minha questão 
B7/13- E7/13-     A7M  Bm 
Mas     não foi assim,  
    C#m7        Cdim          Bm7  E7 
Troquei essa pessoa que eu morava 
                               A7  
Por essa criatura que eu julgava 
    Em7         A7           D7M 
Pudesse compreender todo meu eu 
        Ebdim                                      C#m7 
Mas no fim fiquei na mesma coisa em que estava 
     F#m7                    Bm7 
Porque a criatura que eu sonhava  
      E7                   A7M  G#m7  C#7 
Não fez aquilo que me prometeu 
      F#m                      C#7 
Não sei se é meu destino, não sei se meu azar 
        D                C#7 
Mas tenho que viver brigando 
F#7                 Bm7 
Todos no mundo encontram seu par 
     B7/13  B7      E7   C#7 
Porque só eu vivo trocando  
      F#m7             C#7 
Se deixo alguém por falta e carinho 
       D                    C#7 
Por brigas e outras coisas mais 
 F#7      B7/13              F#m        C#7    F#m 
Quem aparece no meu caminho tem os defeitos iguais

Exemplo

Lupicínio Rodrigues
Exemplo (samba-canção, 1959) - Lupicínio Rodrigues

Gravação original: disco 78 rpm / Título da música: Exemplo / Autoria: Rodrigues, Lupicínio, 1914-1974 (Compositor) / Jamelão, 1913-2008 (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Continental, 1960 / Nº Álbum 17808 / Lado A / Gênero musical: Samba canção /
Tom: D  

A7M                     G7/9                A7M
Deixe o sereno da noite molhar teus cabelos
D/E                    A7M
Que eu quero enxugar, amor
Em7                 A7
Vou buscar água na fonte
D7M                  G/A                D7M
Lavar os teus pés, perfumar e beijar, amor
Ebm7/-5                Ab7
É assim que começam os romances
Dbm7                    Gb7
E assim começamos nós dois
Bm7                       B7
Pouca gente repete estas frases
E        G/A   A7
Um ano depois
D7M                       Eb°
Dez anos estás ao meu lado
Dbm7                  Gb7
Dez anos vivemos brigando
Bm7                     E7
Mas quando eu chego cansado
A7M                      G7 Gb7
Seus braços estão me esperando
Bm7                E7
Esse é o exemplo que damos
Dbm7               Gb7 B7
Aos jovens recém-namorados
Dbm7                 Dm6    E7
Que é melhor brigarmos juntos
                  A7M
Do que chorar separados

Brasa

Lupicínio Rodrigues

Disco 78 rpm / Título da música: Brasa / Autoria: Martins, Felisberto (Compositor) / Rodrigues, Lupicínio, 1914-1974 (Compositor) / Orlando Silva (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1945 / Nº Álbum 12571 / Lado A / Gênero musical: Samba


Você parece uma brasa
Toda vez que eu chego em casa
Dá-se logo uma explosão
Ciúmes de mim, não acredito
Pois meu bem, não é com grito
Que se prende um coração

Desculpe a minha pergunta
Pois quem tanta asneira junta
Lhe ensinaram a falar
Seu professor bem podia
Ensinar que não devia
Deste modo me tratar

E as vezes, você chora
Quando eu passo as noites fora,
Não venho em casa almoçar
É que as mulheres da rua
Tem a alma melhor que a sua
Sabem melhor me agradar

E se as vezes, eu me demoro,
É diminuindo a hora
Para com você eu estar
Se apagasse essa brasa
Eu não sairia de casa
Dia e noite, a lhe adorar.

Castigo

Alcides Gonçalves
Castigo (samba-canção, 1953) - Alcides Gonçalves e Lupicínio Rodrigues

Disco 78 rpm / Título da música: Castigo / Autoria: Gonçalves, Alcides (Compositor) / Rodrigues, Lupicínio, 1914-1974 (Compositor) / Gilberto Milfont (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: RCA Victor, 12/02/1953 / Nº Álbum 801107 / Lado B / Lançamento: Abril/1953 / Gênero musical: Samba-canção /
Am    B7         E7     Am
Eu sabia   que você um dia
        C7                 F   A7
Me procuraria   em busca de paz
        Dm      G7         C    Dm
Muito remorso    muita saudade
Am                B7         E7
Mas,  afinal o que é que lhe traz ?
B7              E7       Am
A mulher quando é moça e bonita
         C7              F      A7
Nunca acredita poder tropeçar
            Dm      G7         C       Dm
Quando os espelhos lhe dão conselhos
           Am        E7      Am
É que procuram em quem se agarrar
E7                        Am
E   você pra mim foi uma delas
                          G7
Que no tempo em que eram belas
                           C 
Viam tudo diferente do que é
        B7                  E7
Agora que   /  Não mais encanta
Procura imitar a planta
                  Am
A planta que morre de pé
E7                        Am
E eu    te agradeço  por de mim
                                   G7
Ter se lembrado / Entre tanto desgraçado
                  C
Que em sua vida passou
               B7              E7
Homem que é homem faz qual o cedro
                Am
Que perfuma o machado
  E7        Am
Que o derrubou

Devolve

Mário Lago
Devolve (valsa, 1940) - Mário Lago

Disco 78 rpm / Título da música: Devolve / Autoria: Lago, Mário, 1911-2001 (Compositor) / Carlos Galhardo, 1913-1985 (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Victor, 1940 / Nº Álbum 34640 / Lado A / Lançamento: 1940 / Gênero musical: Valsa /

Mandaste as velhas cartas comovidas
Que na febre do amor,
Te enviei,
Mandaste o que ficou de duas vidas,
O romance... e uma dor,
Que eu provei.
Mandaste tudo, porém,
Falta o melhor que te dei.

Devolve
Toda a tranqüilidade,
Toda a felicidade
Que eu te dei e que perdi,
Devolve
Todos os sonhos loucos,
Que eu construi aos poucos,
E te ofereci.
Devolve,
Eu peço por favor,
Aquele imenso amor,
Que nos teus braços esqueci,
Devolve,
E eu te devolvo ainda,
Esta saudade infinda,
Que eu tenho de ti.

A mulher que ficou na taça

A mulher que ficou na taça (valsa, 1934) - Francisco Alves e Orestes Barbosa

Disco 78 rpm / Título: A mulher que ficou na taça / Autoria: Alves, Francisco, 1898-1952 (Compositor) / Alves, Francisco (Intérprete) / Orquestra (Acompanhante) / Barbosa, Orestes (Compositor) / Imprenta [S.l.]: Rca Victor, 17/03/1937 / Álbum 801050 / Gênero: Valsa


Fugindo da nostalgia
Vou procurar alegria
Na ilusão dos cabarés
Sinto beijos no meu rosto
E bebo por meu desgosto
Relembrando o que tu és


E quando bebendo espio
Uma taça que esvazio
Vejo uma visão qualquer
Não distingo bem o vulto
Mas deve ser do meu culto
O vulto dessa mulher...

Quanto mais ponho bebida
Mais a sombra colorida
Aparece em meu olhar
Aumentando o sofrimento
No cristal em que, sedento
Quero a paixão sufocar

E no anseio da desgraça
Encho mais a minha taça
Para afogar a visão
Quanto mais bebida eu ponho
Mais cresce a mulher no sonho
Na taça, e no coração.

Perfume de mulher bonita

Carlos Galhardo
Perfume de mulher bonita (valsa, 1939) - Osvaldo Santiago e Georges Moran

Disco 78 rpm / Título da música: Perfume de mulher bonita / Autoria: Moran, Georges (Compositor) / Santiago, Osvaldo, 1902-1976 (Compositor) / Carlos Galhardo, 1913-1985 (Intérprete) / Orquestra (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Victor, 1939 / Nº Álbum 34415 / Lado B / Gênero musical: Valsa /

Não existe, não
Um aroma assim, tão doce
Nem, que em um jardim,
Procurá-lo, enfim,
Eu fosse.
É um olor sutil
Que de flores mil
Se exala
Filtro de ilusão
Que de uma paixão
Nos fala.

Perfume de mulher bonita
Tu me vens recordar um amor
Em ti meu coração palpita
Num sonho risonho
Perfume de mulher bonita
Já gozei, certa vez, seu frescor.
Se um dia ela voltar
De novo hás de vibrar
Nas minhas noites de luar.

Lenda árabe

Carlos Galhardo
Lenda árabe (canção, 1937) - Osvaldo Santiago e e Paulo Barbosa


Toda nua a favorita
A dança começou
E um escravo para ela um olhar então ousou...
Por castigo o Sultão raivoso, o fez cegar,
E ele desde então em prece vive a clamar.

Alá !
Belo é o lotus entreaberto
Bela é a lua no deserto
Mas em teu serralho ainda
Nunca houve flor mais linda.
Alá, Dá-me a luz do meu olhar,
Pra de novo eu a fitar !


Madame Pompadour

Carlos Galhardo
Madame Pompadour (valsa, 1937) - Osvaldo Santiago e e Paulo Barbosa

Conta a história que o rei Luiz
( O Rei Luiz )
Por amor se fez grande e feliz
( se fez feliz )
E a teus pés assim,
Eu ouvi, oh, flor,
Te dizer um dia, um sonhador.

Madame Pompadour
Mon amour
Pour toujours
Será teu meu coração
Que é um reinado de ilusão
Um trono de estrelas,
Terás, que eu te darei...
Madame Pompadour,
Rainha de um rei...

Cortina de veludo

Carlos Galhardo
Cortina de veludo (valsa, 1935) - Osvaldo Santiago e Paulo Barbosa

Disco 78 rpm / Título da música: Cortina de veludo / Autoria: Santiago, Osvaldo, 1902-1976 (Compositor) / Barbosa, Paulo, 1900-1955 (Compositor) / Carlos Galhardo, 1913-1985 (Intérprete) / Orquestra de Cordas Columbia (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Columbia, 15/05/1935 / Nº Álbum 8156 / Gênero: Valsa canção


No apartamento azul
Do nosso coração
Há rosa de Istambul
Em jarros do Japão
É um sonho oriental
De mágico esplendor, Aurora Boreal


Na aurora de um amor !...

E uma cortina de veludo
Esconde a porta oval,
Por onde um dia hás de entrar !
E essa cortina há de se fechar
Sobre o teu vulto,
Quando ele a vier transpor !
E não mais se abrirá,
Meu amor !

Há um segredo em teus cabelos

Há um segredo em teus cabelos (valsa, 1935) - Osvaldo Santiago e Gastão Lamounier

Disco 78 rpm / Título: Há um segredo em teus cabelos / Autoria: Lamounier, Gastão, 1893-1984 (Compositor) / Santiago, Osvaldo, 1902-1976 (Compositor) / Sílvio Caldas (Intérprete) / Orquestra Odeon (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1935 / Álbum 11283 / Lado A / Gênero: Valsa /

Em teus cabelos de seda
Que perfume, que aroma sutil
Dos sonhos pela alameda
Bailam flores, n'um baile gentil

Há um segredo cantando
Trescalando uma essência de flor
Onde vibram arpejos, desejos,
Misteriosos eflúvios de amor !

A suavíssima delicia
De uma doce caricia
Tem muito maior encanto
Quando os meus dedos
Num quebranto
Palpitam; estremecem, meu amor.

Valsa dos namorados

Silvino Neto
Valsa dos namorados (1939) - Silvino Neto

Disco 78 rpm / Título da música: Valsa dos namorados / Autoria: Silvino Neto (Compositor) / Francisco Alves (Intérprete) / Orquestra Copacabana (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1939 / Nº Álbum 11754 / Gênero musical: Valsa /
Tom: D
D         A7
Valsa do amor
              Dº   D
Valsa da felicida...de
  Bm     E7
Valsa do adeus
      A7/4    A7
Valsa da sauda...de
 D    Fº      Em
Um milhão de valsas
            Dº   D
Embalando os bem amados
         A7
Valsa do amor
           D
Valsa dos namorados
                     Em
Pelos salões, pelos prados em flor
             A7       D
Mil namorados em busca do amor
                          Em
Entre mil beijos sorrindo ouvirão
            A7     D
Em todos os cantos esta canção
                      Em
Aos namorados pertence o luar
                A7     D
Noite da lua convida a sonhar
                     Em
Aos namorados pertence o além
        A7       D
E esta valsa também