sexta-feira, 8 de dezembro de 2006

Jorge da Capadócia

Jorge Ben Jor
Intro: Em  F#m7  G  F#m7       4x 
Em  F#m7  G  F#m7         Em  F#m7  G  F#m7
Jorge,                   da Capadócia,
Em  F#m7  G  F#m7         Em  F#m7  G  F#m7 
Jorge,                   da Capadócia,    
         

Solo: Em/D C#m7/5- C7+ Em        4x  
   

Em/D                C#m7/5- C7+              Em 
Jorge sentou praça,       na cavalaria
Em/D                    C#m7/5- 
Eu estou   feliz porque
C7+                                Em      
eu também sou da sua companhia
Em/D            C#m7/5-          C7+ 
Eu estou vestido com as roupas      
Em 
e as armas de Jorge
Em/D                                    C#m7/5-  C7+
Para que meus inimigos tenham pés
Em
E não me alcancem
Em/D                           C#m7/5-  C7+
Para que meus inimigos tenham mãos
Em
E não me peguem e não me toquem
Em/D                            C#m7/5-    C7+
Para que meus inimigos tenham olhos
Em
E não me vejam
Em/D                       C#m7/5-  C7+
E nem mesmo pensamentos eles possam ter
Em
Para me fazerem mal
Em/D             C#m7/5- C7+               Em
Armas de fogo,        meu corpo não alcançará
Em/D                       C#m7/5- C7+
Facas lanças se quebrem
Em
Sem o meu corpo tocar
Em/D                               C#m7/5-  C7+
Cordas correntes se arrebentem 

Em
Sem o meu corpo amarrar
Em/D                    C#m7/5-         
Pois eu estou vestido com as roupas
C7+       Em
e as armas de Jorge
Em/D                     C#m7/5-  C7+       Em
Jorge é da Capadócia,          viva Jorge!
Em/D                     C#m7/5-  C7+           Em
Jorge é da Capadócia,          salve Jorge!
Em/D    C#m7/5-  C7+                   Em     
Perseverança        ganhou do sórdido fingimento
Em/D     C#m7/5-   C7+                Em  
E disso tudo,         nasceu o amor 
         

Em/D C#m7/5- C7+ Em      2x

Em/D          C#m7/5-  C7+       Em     
Ogã,                     toca pra Ogum
Em/D    C#m7/5- C7+                     Em
Ogã,       Ogã, toca pra Ogum
Em/D                     C#m7/5- C7+             Em
Jorge é da Capadócia,     Jorge é da Capadócia
Em/D                    C#m7/5-
Ogã,            toca pra Ogum,    
C7+        Em
Ogã, toca pra Ogum
Em/D                C#m7/5-  C7+                  Em
Jorge sentou praça,           na cavalaria
Em/D                 C#m7/5-    C7+
E eu estou feliz porque
Em
eu também sou da sua companhia
Em/D          C#m7/5-  C7+           Em
Ogã, toca pra Ogum, Ogã, toca pra Ogum
Em/D           C#m7/5- C7+              Em
Jorge da Capadócia,    Jorge da Capadócia    

Solo: Em/D C#m7/5- C7+ Em        6x

Em/D         C#m7/5-                        
Ogã,           toca pra Ogum, Ogã,
C7+          Em
toca pra Ogum
Em/D           C#m7/5- C7+            Em
Ogã, toca pra Ogum, Ogã, toca pra Ogum
Diz Jorge,
Em/D           C#m7/5- C7+                 Em   
Jorge da Capadócia,    Jorge da Capadócia  

Jesualda

Jorge Ben Jor
(Am7 Bm7 Em7)
 Jesualda parou com o morro
Pois ela estava no alto
Mas não estava por cima
Moça simpática prendada ano ginasial completo
Toda certinha ainda donzela
Prá ninguém botar defeito
Cheia de afeto
Desceu pra ver de perto o asfalto quente
Sentir a brisa e a água salgada do mar
Molhando seu corpo delgado
Procurou um emprego e achou
Foi trabalhar num duplex na zona sul
De cozinheira de forno e fogão
La, la, la, la, la, la, la, la, la
La, la, la, la, la, la, la, la, la
Na flor da idade
Tão pura tão linda tão meiga
No ponto do ônibus
Num domingo à tarde
Sua felicidade pintou
Pois um moço simpático
Que ia no seu carro meio apressado
Com bandeira e tudo
Com bandeira e tudo ao Maracanã
No que olhou pro lado, parou
Saltou levou um papo
E a linda simpática donzela ele amarrou
Hoje Jesualda é feliz
Casou de véu e grinalda
E agora espera baby
Espera baby no exterior
Espera baby no exterior
Salve simpatia
La, la, la, la, la, la, la, la, la

Ive Brussel

Jorge Ben Jor
Tom: A
Intro: D7M C7M A#7M A7M ( 3x )
D7M             C7M  A#7M A7M   D7M  C7M A#7M  A7M
Você com essa mania sensual ....de sentir e me olhar
D7M C7M A#7M A7M
Você com esse seu jeito contagiante....
D7M C7M A#7M A7M
fiel e sutil de lutar
Bm E/G# C#m F#7
Não sei não, assim você acaba me conquistando
Bm E/G# C#m F#7
Não sei não, assim eu acabo me entregando
D7M C7M A#7M A7M
Pois está fazendo uma ano e meio amor
D7M C7M A#7M A7M
Que eu estive por aqui
D7M C7M A#7M A7M
Desconfiado, sem jeito e quase calado
D7M C7M A#7M A7M
Quando fui bem recebido e desejado por você
D7M C7M A#7M A7M
Nunca como eu poderia esquecer amor
Bm E/G# C#m F#7
Ai, ai se naquele dia você foi tudo, foi demais pra mim
Bm E/G# C#m F#7
Ai, ai se naquele dia você foi tudo, fez de mim um anjo
     Bm   E/G#    C#m      F#7      Bm    E/G#  C#m7 F#7
Ive, Ive Ive Brussel, Brussel, Brussel, Brussel

Gabriel, Rafael, Miguel

Jorge Ben Jor
intro: F  C  G  Bb  C  G
 F   C   G
Ôô, Ôô, Ôô
Bb C G
Ôô, Ôô, Ôô
F C G
Flap, flap, flap, fly, fly
Bb C G
Flap, flap, flap, fly, fly
F C G
Eles chegaram pra bombar
Bb C G
Eles chegaram pra bombar
F            C      G
Viram a nave-mãe pousando
Bb C G
Viram os três saltando
F C G
Tocando, cantando, dançando
Bb C G
Tocando, cantando, dançando
F C G
Flap, flap, flap, fly, fly
Bb C G
Flap, flap, flap, fly, fly
F C G
Ôô, Ôô, Ôô
Bb C G
Ôô, Ôô, Ôô
F    C   G  Bb  C   G  F   C    G
Gabriel,___ Rafael,___ Mi__guel
Bb C G
Gabriel, Rafael e Miguel
         F           C            G
Estão na área pra limpar e harmonizar
Bb C G
Esse trio desfaz e espanta qualquer coisa ruim
F C G
Qualquer coisa fútil, qualquer baixo astral
Bb C G
Neutraliza ataques____ traiçoeiros
F C G
Derruba qualquer defesa braba
Bb C G
Em nome do amor, em nome do Pai
F C G
Ôô, Ôô, Ôô
Bb C G
Ôô, Ôô, Ôô
F C G
Flap, flap, flap, fly, fly
Bb C G
Eles chegaram pra bombar
F C G
Eles chegaram pra bombar
Bb   C  G
Gabriel
F C G
Alegria, educação, comunicação e graça
Bb C G
Rafaeeeeel
F C G
Esplendor, glória, cura e fraternidade
Bb C G
Migueeeeel
F C G
Beleza, harmonia, fé e esperança
Bb          C          G
Flap, flap, flap, fly, fly
F C G
Eles chegaram pra bombar
Bb C G
Eles chegaram pra bombar
F C G
Ôô, Ôô, Ôô
Bb C G
Ôô, Ôô, Ôô
     F       C      G
Gabriel, Rafael e Miguel
Bb C G
Estão na área pra limpar e harmonizar
F    C         G
Hey, hey, hey, hey, hey...
Bb C G
Hey, hey, hey, hey, hey...
F  C  G  Bb  C  G (até o final da música

Funk Astrid

Jorge Ben Jor
Olha o funk Astrid

Olha o funk, olha o funk
D
Olha o funk Astrid
G
Olha o funk, olha o funk

Olha o funk Astrid

D D7 G
Parabéns,____ Astrid
D
Miss símpatia
D7 G
Parabéns, pra você
D
Alô Astrid, como é que é?

Vai descer ou não vai descer?
G
Tá todo mundo esperando pra ver

Eu também quero ver, quero ver
D
Eu quero ver você dançar o funk miudinho

Eu quero ouvir você falar

Eu quero ouvir você cantar
G
Eu quero ver você apresentar Astrid
D
Dona da tarde

Emoções cativas, mentais
G
Vibrações alegres, sensuais e positivas
D D7 G
Parabéns,_____ Astrid
D
Miss símpatia
D7 G
Parabéns, pra você

D
Eu quero ver você dançar o funk miudinho

Eu quero ouvir você falar

Eu quero ouvir você cantar
G
Eu quero ver você apresentar Astrid
D
Dona da tarde

Emoções cativas, mentais
G
Vibrações alegres, sensuais e positivas
D D7 G
Parabéns,_____ Astrid
D
Miss símpatia
D7 G
Parabéns, pra você

D
Eu quero ver você dançar o funk miudinho

Eu quero ouvir você falar

Eu quero ouvir você cantar
G
Eu quero ver você apresentar Astrid
D
Dona da tarde

Emoções cativas, mentais
G
Vibrações alegres, sensuais e positivas

D
Olha o funk

Olha o funk, olha o funk
G
Olha o funk Astrid

Olha o funk, olha o funk
D
Olha o funk Astrid

Olha o funk, olha o funk

G D G D

Eu bem que lhe avisei

Jorge Ben Jor
intro: Am  Em7  Am  Em7
      Em7           Am
Vai entrando, vai saindo
Em7 Am
Vai saindo, vai entrando
Em7 Am Em7 Am
Cuidado,____ olha o robô olhando
Em7
Pois em terra de Tarbossaurus
Am Em7 Am
Espinossaurus,___ Herrerassaurus, Tiranossaurus
Em7 Am Em7 Am
Não existem,___ Maracutaissaurus
Em7
Por isso é muito justo
Am
Que o mais querido mengão
Em7 Am
Seja a melhor equipe da nação
Em7 Am
Deu no rádio, na TV e no jornal
Em7 Am
Meu irmão
Em7 Am Em7
Rosana, que cachorro grande que você tem
Am
Que cachorrão
Em7
Bem criado, bem tratado
Am Em7 Am
Cuidado com a carrocinha meu bem
Em7 Am Em7 Am
Cuidado menina,____ que o bicho pode pegar
Em7
A vizinha faladeira
Am Em7 Am
Pode ver e espalhar
Em7 Am
Você anda pulando a cerca
Em7 Am
Pra lá e pra cá
D
Dando bandeira
   C                      C
Eu bem que lhe avisei, eu bem que lhe avisei
D D
Eu bem que lhe avisei, eu bem que lhe avisei
C C
Eu bem que lhe avisei, eu bem que lhe avisei
D
Eu bem que lhe aviseeeei
Am         Em7
Gentes, eloqüentes
Am Em7
Jogam pelas tangentes
Am Em7
Palavras e atos indecentes
Am Em7
Sem se importar
Am Em7
Com os erros contundentes
Am Em7
Que possam machucar
Am Em7
Pessoas alegres e inocentes
Am
Ô, ô
Em7
Eu bem que lhe avisei
Am
Ô, ô
Em7
Eu bem que lhe avisei
Am
Ô, ô
Em7 Am
Vai entrando, vai saindo
Em7 Am
Vai saindo, vai entrando
Em7 Am Em7 Am
Cuidado,____ olha o robô olhando
Em7
Eu bem que lhe avisei
Am
Ô, ô
Em7  Am   Em7   Am

Emílio

Jorge Ben Jor
Tom: A
Intro: F#m7 Bm7 C#m7
F#m7 Bm7 C#m7
Não vai dar, vai dar
F#m7 Bm7 C#m7
Não vai dar, vai dar
F#m7
O guerenguê, o guerenguê
Bm7 C#m7
O guerenguê
F#m7
O guerenguê, o guerenguê
Bm7 C#m7
O guerenguê
F#m7 Bm7 C#m7
O Emílio quer comer acarajé
F#m7 Bm7 C#m7
Mas sara baiana não quer dá
F#m7 Bm7 C#m7
O Emílio está indócil está de pé
F#m7 Bm7 C#m7
Está com água na boca, atrás dessa coisa louca
F#m7 Bm7 C#m7
Mas Sara Baiana não quer dá
F#m7 Bm7 C#m7
Seu acarajé, seu munguzá
F#m7 Bm7
Ela diz que pra comer tem que conquistar
C#m7
Ou tem que pagar
F#m7 Bm7
Ela diz que pra comer tem que conquistar
C#m7
Ou tem que pagar
F#m7 Bm7 C#m7
Ondina avisa Amaralina
F#m7 Bm7 C#m7
Que o Emílio está na Pituba
F#m7
Chorando de fome
Bm7 C#m7
Chorando de paixão
F#m7 Bm7 C#m7
Comendo com os olhos este acarajé tentação
F#m7 Bm7 C#m7
Ai, ai, ai
F#m7 Bm7 C#m7
Ai, ai, ai
F#m7 Bm7 C#m7
Ui, ui, ui,
F#m7
Eh, eh, eh
Bm7 C#m7
Oh, oh, oh

Comanche

Jorge Ben Jor
intro: E G A B (2x)

E
Enquanto existir Deus no céu
Urubu não come folhas
E
Enquanto existir Deus no céu
Vou cantando numa boa
  E
Enquanto existir Deus no céu
Urubu não come folhas
E
Enquanto existir Deus no céu
Vou cantando gente boa
E              G
La la la la la la la
A
La la la la la
B
La la la la (2x)
               E       G
A minha mãe me chama,
A B
Comanche
E G
A minha mãe me disse,
A B
Comanche
E             G
Descobriram a lua
A B
E querem descobrir o sol
E
Você o comanche
G
É um guerreiro
A B
Fique de olho aberto perdigueiro
               E       G
A minha mãe me chama,
A B
Comanche
E G
A minha mãe me disse,
A B
Comanche
        E                G
Você nasceu pra viver contente
A B
Com você e com toda gente
E G
Deus está no céu olhando
A B
E lhe passando harmonia
E G
Só depende de você
A B
Viver essa alegria
               E       G
A minha mãe me chama,
A B
Comanche
E G
A minha mãe me disse,
A B
Comanche (lá, lá, lá, lá, lá)
                

E G
La la la la la la la
A
La la la la la
B
La la la la (2x)
               E       G
A minha mãe me chama,
A B
Comanche
E G
A minha mãe me disse,
A B
Comanche
E G
A minha mãe me chama,
A B
Comanche
E G
A minha mãe me disse,
A B
Comanche (diz!)
  E                      G
Enquanto existir Deus no céu
A B
Urubu não come folhas
E G
Enquanto existir Deus no céu
A B
Vou cantando gente boa
  E                      G
Enquanto existir Deus no céu
A B
Urubu não come folhas
E G
Enquanto existir Deus no céu
A B
Eu vou cantando gente boa
  E         G         A         B
Comanche, comanche, comanche, comanche
E G A B
Comanche, comanche, comanche, comanche
Só a cozinha, só a cozinha!

Chove chuva


Chove chuva (samba, 1963) - Jorge Ben


LP Samba Esquema Novo / Título da música: Chove chuva / Jorge Ben (Compositor) / Jorge Ben "Jorge Benjor" (Intérprete) / Gravadora: Philips / Ano: 1963 / Álbum: P 632.161 L / Lado A / Faixa 5 / Gênero musical: Samba.


Tom: Am

Intro: Am D7

         Dm  G7         Am   
Chove chuva, chove sem parar,
Dm   G7          Am
chove chuva, chove sem parar

A7                 Dm          G7           Am7
Pois eu vou fazer uma prece pra Deus nosso senhor,
Dm        G7            Am7
Pra chuva parar de molhar o meu divino amor
D7                  Am7    
Que é muito lindo, é mais que o infinito,
Dm        G7             Am7
é puro e belo inocente como a flor

Dm              G7               Am7
Por favor chuva ruim, não molhe mais o meu amor assim
A7         Dm           G7                 Am7
Por  favor chuva ruim, não molhe mais o meu amor assim

Caramba... Galileu da Galiléia

Jorge Ben Jor
(Bm Em)

Disseram que ele não vinha, olha ele aí
Ai, ai caramba, ai, ai caramba
Ai, ai caramba, ai, ai caramba
E como já dizia Galileu na Galiléia
Malandro que é malandro não bobéia
Se malandro soubesse como é bom ser honesto
Seria honesto só por malandragem, caramba
Ai, ai caramba, ai, ai caramba
Ai, ai caramba, ai, ai caramba
Diziam também que a terra era quadrada
Mas ficou provada que a terra é redonda, caramba
Ai, ai caramba, ai, ai caramba
Ai, ai caramba, ai, ai caramba
Quem ama quer casa, quem quer casa quer criança
Quem quer criança quer jardim
Quem quer jardim quer flor
E como já dizia Galileu, isso é que é amor
Ai, ai caramba, ai ai caramba
Ai, ai caramba, ai, ai caramba

Camisa 10 da Gávea

Jorge Ben Jor
Tom: Am
Intro: Am - G
Am                    G
É falta na entrada da área
Am G
Adivinha quem vai bater
Am G
É o camisa 10 da Gávea
Am G
É o camisa 10 da Gávea
F G
Ele tem uma dinâmica
F G
Física rica e rítmica
F G
Seus reflexos lucidos
F G
Lançamentos e dribles desconsertantes
F G
Chutes maliciosos
F G
São como Flash eletrizante
Am G
Estufando a rede num possível gol de placa
Am G
Estufando a rede num possível gol de placa É GOL , É GOL
Am G
É falta na entrada da área
Am G
Adivinha quem vai bater
Am G
É o camisa 10 da Gávea
Am G
É o camisa 10 da Gávea
F G
O Galinho de Quintino, Chegou
F G F G
Com garra, fibra e amor
F G
Pode não ser o jogador perfeito
F G
Mas a sua malícia o faz com que seja lembrado
F G
Pois mesmo quando não está inspirado
F G
Ele procura a inspiração
Am G
E cada gol, cada toque, cada jogada
Am G
É um deleite para os apaixonados do esporte bretão
Am G
É falta na entrada da área
Am G
Adivinha quem vai bater
Am G
É o camisa 10 da Gávea
Am G
É o camisa 10 da Gávea
Etc.

Bicho do mato


Bicho do mato (samba, 1964) - Jorge Ben

LP Ben é Samba Bom / Título: Bicho do mato / Jorge Ben (Compositor) / Jorge Ben "Jorge Benjor" (Intérprete) / Gravadora: Philips / Ano: 1964 / Álbum: P-632.727-L / Lado A / Faixa 3 / Gênero musical: Samba.


Intro: G7M Am7 G7M Am7 G7M Am7 Bm7 Bbm7 Am7
         G7M Am7         G7M Am7
Bicho do mato, nego teve aí
G7M Am7         G7M Am7
Bicho do mato, devagar pra não cair
G7M Am7         G7M Am7
Bicho do mato, nego teve aí
G7M Am7         G7M Am7
Bicho do mato, devagar pra não cair
Bm7  Am7       Bm7          Am7
Bicho do mato, bicho bonito danado
Bm7  Am7        Bm7 Bbm7      Am7
Bicho do mato, nego teve aí e disse assim
G7M Am7         G7M Am7
Bicho do mato, quero você pra mim
G7M Am7         G7M Am7
Eu só vou embora, se você disser que sim
G7M                Am7                    G7M Am7
Mas eu só ponho meu boné onde eu posso apanhar
G7M                Am7                    G7M Am7
Devagar se vai ao longe, devagar eu chego lá

Bebete vãobora

Jorge Ben Jor
Introdução: F#m E F#m G#m  2X
 F#m       E   F#m             G#m   
Bebete vãobora pois já está na hora
F#m E F#m G#m
Bebete vãobora pois já está na hora
F#m E F#m
Olha que o galo canto e sol vai raiar
G#m
E você não parou de sambar
F#m E
Eu sei que você me é fiel
F#m G#m
Mas é que os vizinhos já estão a olhar e falar
F#m E F#m G#m
Eu sou o seu homem e você minha mulher
F#m E
Mas quem não chora não mama
F#m G#m
E o nosse nenêm já ta chorando querendo mamar
F#m E F#m
E você sabe muito bem que logo mais eu tenho que
G#m
trabalhar
F#m E F#m
Já não posso mais chegar atrasado e nem pensar em
G#m
faltar
F#m E F#m G#m
Pois o novo gerente não é lá muito meu amigo
F#m E F#m
E depois como é que eu posso comprar estando a perigo
G#m F#m
Novas Sandálias pra você sabar
E F#m G#m
Bebete oh Bebete
F#m E F#m G#m
Bebete vãobora pois já está na hora
F#m E F#m G#m
Bebete vãobora pois já está na hora
 F#m            E                  F#m           
Olha que o galo canto e sol vai raiar
G#m
E você não parou de sambar
F#m E
Eu sei que você me é fiel
F#m G#m
Mas é que os vizinhos já estão a olhar e falar
F#m E F#m G#m
Eu sou o seu homem e você minha mulher
F#m E
Mas quem não chora não mama
F#m G#m
E o nosse nenêm já ta chorando querendo mamar
F#m E F#m
E você sabe muito bem que logo mais eu tenho que
G#m
trabalhar
F#m E F#m
Já não posso mais chegar atrasado e nem pensar em
G#m
faltar
F#m E F#m G#m
Pois o novo gerente não é lá muito meu amigo
F#m E F#m
E depois como é que eu posso comprar estando a perigo
G#m F#m
Novas Sandálias pra você sabar
E F#m G#m
Bebete oh Bebete
F#m E F#m G#m
Bebete vãobora pois já está na hora
F#m E F#m G#m
Bebete vãobora pois já está na hora

Balança pema

Jorge Ben Jor
Introd.: G6 Am7
        G6
Balança Pema
Am7 G6
Balança sem parar
Am7 G6
Arrasta as sandálias
Am7 G6 Am7
Arrasta até gastar
G6 Am7
Pois quando você sambalança
Bm7 Am7
Sambalança meu coração também
G6 Am7
Ele sambalança certinho
Bm7 Bbm7 Am7 D7(9)
Juntinho com o seu vai e vem
        G6
Balança Pema
Am7 G6
Balança sem parar
Am7 G6
Arrasta as sandálias
Am7 G6 Am7
Arrasta até gastar
G6 Am7
Se você jurar
Bm7
Me ensinar
Am7
A sambalançar assim
G6 Am7
Eu lhe darei uma sandália de prata
Bm7 Bbm7 Am7 D7(9)
Pra você sambalançar só pra mim.
    G6
Balança Pema
Am7 G6
Balança sem parar
Am7 G6
Arrasta as sandálias
Am7 G6 Am7
Arrasta até gastar
        Bm7         Bbm         Am7   D7(9)
Din din don don don din din din don

Agora ninguém chora mais

Jorge Ben Jor
intro: E  (G A B) (G A B) (G A) (G A) (G A)  E
             E      G
Chorava todo mundo,
A B E
Mais agora ninguém chora mais
G A
Chora mais, chora mais
B E G
Chorava todo mundo,
A B E G A B
Mais agora ninguém chora maaaaaaaais
E G A B
Chora maaaaaaaais
        E
Chorava mãe
G A B
Ô, ô, ô, ô,
E
Chorava pai
G A B
Ô, ô, ô, ô,
E G A
Na hora da partida
B E G A
Mais era um beleza
B E G A
em vez de tristeza
B E G A
Mais era uma beleza
B E G A B
em vez de tristezaaaaaaaaaa
        E
Chorava mãe
G A B
Ô, ô, ô, ô,
E
Chorava pai
G A
Ô, ô, ô, ô,

B E G
Chorava todo mundo,
A B E
Mais agora ninguém chora mais
G A
Chora mais, chora mais
B E G
Chorava todo mundo,
A B E
Mais agora ninguém chora mais
G A
Chora mais, chora mais
         B       E       G
Pois o menino voltou. Ô, ô
A B E G A B
Voltou homem, voltou doutor
E G
Pois o menino voltou. Ô, ô
A B E G A B
Voltou homem, voltou doutor
E G A B
Menino que é bom não cai
E G
Pois já nasceu com a estrela
A B
E sempre a mente sã
E G A B
Menino que é bom não cai
E G A
Pois é protegido
B E G A B
De Iansã
E G A
Pois é protegido
B E G A
De Iansã (deixa cair)
 
B E G
Chorava todo mundo,
A B E
Mais agora ninguém chora mais
G A
Chora mais, chora mais
B E G
Chorava todo mundo,
A B E G A B
Mais agora ninguém chora maaaaaaaais
E G A B
Chora maaaaaaaais
E  G  A  B (até o final da música)

A banda do Zé Pretinho

Jorge Ben Jor
intro: F#m 
F#m   Bm     C#m   F#m               Bm   C#m
Para,____ animar a festa. Salve símpatia
F#m Bm C#m F#m
Para,____ animar a festa
Bm C#m
Boa noite, boa noite, bom dia
F#m Bm C#m F#m Bm C#m
Para,____ animar a festa. Salve símpatia
F#m Bm C#m F#m
Para,____ animar a festa
Bm C#m
Boa noite, boa noite, bom dia
  F#m
A banda do Zé Pretinho chegou
F#m Bm C#m F#m Bm C#m
Para,____ animar a festa. Ô, ô
   F#m           Bm     C#m    F#m    Bm   C#m
Zambá, zambé, zambi, zambó, zambu. Zambá
F#m Bm C#m F#m Bm C#m
Zambá, zambé, zambi, zambó, zambu. Zambá
            Bm
Samba Zé Pretinho
C#m
Samba, rei bonito
F#m
Crioulo que eu quero ver
Bm
Anima a festa, crioulo rei

Pôe alegria
C#m F#m
Bota a tristeza pra correr
Bm
Peça à banda pra tocar
C#m F#m
Que todos nós dançamos com você
Bm C#m
Mistura bumbo com violino, pandeiro, cuíca, trambone,
F#m
ganzá, guitarra e violão
Bm
E salta de banda pra gente ver
C#m F#m
Que nós queremos aprender com você, hei
Bm
Com você, hei
F#m
Com você, hei
Bm
Com você, hei
F#m
Com você, hei
Bm C#m
Com vocêêêê
F#m Bm C#m
Crioulo rei, crioulo
F#m Bm C#m
Crioulo rei, crioulo
F#m
Esse, esse, esse, esse, esse

É Zé Pretinho zé, zé, zé, zé

Esse, esse, esse, esse, esse

É Zé Pretinho zé, zé, zé, zé
F#m   Bm     C#m   F#m               Bm   C#m
Para,____ animar a festa. Salve símpatia
F#m Bm C#m F#m
Para,____ animar a festa
Bm C#m
Boa noite, boa noite, bom dia
F#m Bm C#m F#m Bm C#m
Para,____ animar a festa. Salve símpatia
F#m Bm C#m F#m
Para,____ animar a festa
Bm
Boa noite, boa noite, bom dia
C#m
De olho no play, de olho no play!
F#m  Bm  C#m 
      F#m        Bm  C#m
Zé Pretinho. Zé, zé
F#m Bm C#m
Zé Pretinho. Zé, zé
F#m Bm C#m
Zé Pretinho. Zé, zé
F#m Bm C#m F#m Bm C#m
Para,____ animar a festa. Salve símpatia
F#m Bm C#m F#m
Para,____ animar a festa
Bm C#m
Boa noite, boa noite, bom dia
  F#m
A banda do Zé Pretinho chegou, em cima
F#m Bm C#m F#m
Paraaa____ animar a festa
Oh! Velho, velho, velho!

Mano Caetano

Jorge Ben Jor

Intro: G7

C7
Lá vem o mano, meu mano Caetano
G7 C7
Lá vem o mano, meu mano Caetano
Eb7 D7
Ele vem sorrindo, ele vem cantando
G7 C7
Ele vem feliz, pois ele vem voltando
G7 F7
Lá vem meu mano Caetano
Bb7 Eb7 Ab7
Menino adorado, menino encantado
C7 G7
É o mano Caetano
C7
Lá vem o mano, meu mano Caetano
G7 C7
Lá vem o mano, meu mano Caetano

Lá vem o mano Caetano

F7 Bb7
Vem numa linda estrada verde
F7 Bb7
Cheia de sol e rosas amarelas
Eb7 Ab7
Lá vem o menino de camisolas brancas
C7
Debaixo de um lindo céu azul
G7
Verde e amarelo, azul e branco
C7
Lá vem o mano, meu mano Caetano
G7 C7
Lá vem o mano, meu mano Caetano
(G7 C7)
Lá vem o mano Caetano
Cae, Cae, é Caetano
Cae, Cae, é Caetano

Cinco minutos

Jorge Ben Jor

Intro:           D#7  D6  C#6 
Nananananananananananananananan

D#7
Pedi você
D6
Prá esperar 5 minutos só
Você foi embora
C#6
sem me atender
D#7
Não sabe o que perdeu
D6
Pois você não viu,
você não viu...
C#6
Como eu fiquei
D#7
Pedi Você
D6
Prá esperar 5 minutos só
você foi embora,
embora, embora
C#6
sem me atender...
D#7
Pois você não viu, não sabe o que perdeu
D6
Pois você não viu, não viu, não viu, não viu
C#6
como eu fiquei
C# Cm
Dizem que foi chorando,
B Bbm A
sorrindo, cantando
C#
Os meus amigos,
Cm
meus amigos, até disseram
B Bbm A
Que foi amando, amando
D#7
Pois você não sabe,
você não sabe
D6
E nunca, e nunca,
E nunca, e nunca,
E nunca, e nunca,
C#6
Vai saber porque
D#7
Pois você não sabe
D6
quanto vale cinco minutos,
C#6
Cinco minutos na vida
D#7 D6
Pois você não sabe, não sabe

não sabe e nunca,
e nunca, e nunca,
e nunca, e nunca,
C#6
e nunca vai saber
D#7
Pois você não sabe quanto
D6
vale cinco minutos cinco minutos
C#6
cinco minutos na vida...
D#7 D6 C#6
Eieieieieieienananananaieeieanananana

Fio Maravilha

O jogador Fio e Jorge Ben.

Futebol e música popular, duas paixões brasileiras, sempre conviveram bem, com cantores e compositores pretendendo mostrar habilidades de craques (Chico Buarque, Paulinho da Viola) em suas peladas e craques de verdade (Pelé, Júnior) se arriscando vez por outra em canções ou cantorias.

Houve até um jogador Roberto Cunha ponta-direita do Flamengo e do São Cristóvão, que chegou a titular da seleção brasileira, atuando no Sul-Americano de 37 e na Copa do Mundo de 38 (marcou o gol da vitória do Brasil contra a Tchecoslováquia) e que é autor de um samba de relativo sucesso, “Fui a Paris”, gravado por Moreira da Silva em 1942.

Essa mútua admiração acabaria gerando um bom repertório de canções que enaltecem as glórias da seleção, dos clubes e de um sem número de heróis futebolísticos como Leônidas da Silva, Pelé, Garrincha, Zico e... Fio (João Batista de Sales), inspirador de “Fio Maravilha”, que nem seria tão herói assim, jamais tendo se firmado nos times por onde passou. Mas, o flamenguista “doente” Jorge Ben se encantou com a figura desse atacante rubro-negro, dentuço e desengonçado, capaz de mesclar gols de mestre com jogadas bisonhas de principiante.

Então, Ben o colocou nas alturas, homenageando-o com uma criação, cujo refrão empolgante reafirma o seu decantado suíngue: “Fio Maravilha / nós gostamos de você / (...) / Fio Maravilha / faz mais um pra gente ver.” Este último verso se refere a um gol espetacular (“gol de anjo, um verdadeiro gol de placa”), descrito, lance por lance, na primeira parte da composição: “Aos trinta e três minutos do segundo tempo / depois de fazer uma jogada celestial em gol / tabelou, driblou dois zagueiros / deu um toque, driblou o goleiro / só não entrou com bola e tudo / porque teve humildade em gol.”

Só mesmo Jorge Ben para transformar uma narrativa de locutor esportivo em música e Fio em um novo Garrincha... O fato é que “Fio Maravilha” ganhou em 1972 o VII Festival da Canção da Rede Globo, fase nacional, empatado com “Diálogo”, de Baden Powell e Paulo César Pinheiro. Na ocasião a música foi muito bem defendida pela cantora mineira Maria Alcina, até então praticamente desconhecida, que impressionou a platéia com seu jeito extravagante, sua voz andrógina e seu físico, que lembra a antiga vedete Josephine Baker.

Já o VII FIC foi o último do ciclo dos festivais, encerrando assim uma fase auspiciosa da MPB na televisão, com grande proveito para ambas as partes. O mais curioso da história desta canção, porém, ainda estava por acontecer: o homenageado processou o compositor (perdeu a ação em 1973), ocasionando a mudança do título, que passou para “Filho Maravilha”, e a troca do verso “a galera agradecida assim cantava” por “a magnética agradecida assim cantava”.

Jorge Ben, que ainda em 72 lançou o sucesso “Taj Mahal”, depois plagiado por Rod Stewart em “Do Ya’ Think I’m Sexy” tem outras composições futebolísticas — “Zagueiro”, “Camisa 10 da Gávea” (Zico) e “Umbabarauma”, esta sobre o futebol africano (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Fio Maravilha (1972) - Jorge Ben Jor
Tom: F#m
Int.: A7+ E5+/7 A7+
F#m                D     E        F#m D E
E novamente ele chegou com inspiração
F#m                     D
Com muito amor, com emoção
 E       F#m          D E
Com explosão e gol, gol
 F#m                     D     E
Sacudindo a torcida aos 33 minutos
F#m           D E
Do segundo tempo
 F#m                  D     E
Depois de fazer uma jogada celestial
 F#m      D E
Em gol, gol
 F#m                        D  E
Tabelou, driblou dois zagueiros
 F#m                     D E
Deu um toque driblou o goleiro
F#m                        D
Só não entrou com bola e tudo
        E         F#m          D E
Porque teve humildade em gol, gol
F#m
Foi um gol de classe
      D      E         F#m           D  E
Onde ele mostrou sua malícia e sua raça
F#m
Foi um gol de anjo
        D              E
Um verdadeiro gol de placa (2x)
 F#m                D             E
Que a galera agradecida assim cantava
F#m      Bm          C#m
Fio Maravilha, nós gostamos de você
 F#m     Bm            C#m          F#m Bm C#m
Fio Maravilha faz mais um pra gente ver (2x)

Jorge Ben Jor


Jorge Duílio Lima Meneses nasceu no Rio de Janeiro RJ em 22 de Março de 1942. Filho de Augusto Meneses, estivador, feirante, pandeirista do bloco carioca Cometas do Bispo, cantor e compositor carnavalesco, e de Silvia Saint Ben Lima, etíope, morava numa favela da Rua do Bispo, no bairro de Rio Comprido.

Aos 13 anos ganhou um pandeiro e começou a tocar num regional; aos 15, cantava no coro da igreja do Colégio Diocesano São José, onde fez o ginásio. Gostava muito de jogar futebol e chegou, inclusive, a integrar a equipe infanto-juvenil do Flamengo. Aos 18 anos, quando servia o Exército, a mãe lhe deu um violão e um método para principiantes.

Tocando e cantando bossa nova, rock e twist, costumava apresentar-se em festinhas de amigos. Por 1961, o contrabaixista do Copa Trio, Manuel Gusmão, convidou-o para ensaiar com seu conjunto. Nessa época, Zé Maria, organista e líder de conjunto que se apresentava no Beco das Garrafas, descobriu-o e levou-o como pandeirista para se apresentar no Little Club, e, logo depois, no Bottle’s, tocando violão e cantando suas musicas. Ainda por volta de 1961, atuou como cantor de rock na boate Plaza, em Copacabana.

Em 1963 voltou ao Bottle’s, acompanhado pelo Copa Cinco (Meireles no sax, Pedro Paulo no trompete, Toninho no piano, Dom Um na bateria e Manuel Gusmão no baixo) e Zé Maria colocou duas músicas suas – Mas que nada e Por causa de você –, no LP Tudo azul, de cuja gravação o compositor participou como ritmista e como cantor do coro. No dia seguinte foi contratado pela Philips e lançou o primeiro 78 rpm, com essas músicas, acompanhado pelo Copa Cinco, obtendo grande êxito. Também desse ano e o primeiro LP, Samba esquema novo, também de grande sucesso, e o segundo, Sacudin Ben samba.

Em 1964 sua composição Chove chuva foi gravada ao vivo, no Teatro Paramount, e incluída no terceiro LP, Ben é samba bom. No ano seguinte, a convite do Ministério das Relações Exteriores, foi aos EUA, onde, durante três meses, se apresentou em universidades e clubes. De volta ao Brasil, encontrou dificuldades em se situar no panorama musical brasileiro, dividido entre o iê-iê-iê da Jovem Guarda e os sambas e marchas carregados de conteúdo social.

Essa situação, agravada pelo relativo fracasso de seus dois últimos LPs, provocou incidentes embaraçosos: depois de ensaiar para o programa da TV Record O Fino da Bossa, foi excluído pouco antes de entrar no palco, por ter se apresentado, no dia anterior, a convite de Roberto Carlos, no programa Jovem Guarda da mesma emissora, cantando Agora ninguém chora mais, bem recebida pelo publico do auditório.

Enquanto Mas que nada e Chove chuva chegavam as paradas de sucesso, nos EUA, lançados por Sérgio Mendes, e, em seguida, suas músicas Zazueira e Nena naná eram gravadas, respectivamente, por Herp Albert e José Feliciano, sua carreira atravessava momento difícil: os três compactos seguintes, lançados pela Mocambo, foram recebidos com frieza pelo público e pela crítica.

Um dos responsáveis pela fixação do funk na cultura carioca e pela injeção da soul music no samba, gravou em 1967 o LP O Bidu – Silêncios no Brooklin, que incluía maracatus misturados ao rock’n roll. Somente no final de 1968 suas composições reencontraram o caminho do sucesso, depois de apresentação como convidado no programa Divino Maravilhoso, de Caetano Veloso e Gilberto Gil, na TV Tupi.

Nos primeiros meses de 1969 teve êxito com Cadê Teresa, Que pena, Que maravilha (com Toquinho), Minha menina, Domingas, País tropical. No mesmo ano participou do IV FIC, da TV Globo, no Rio de Janeiro, com Charles Anjo 45 e, em 1970, apresentou Eu também quero mocotó, no V FIC, interpretada pelo maestro Erlon Chaves, a Banda Veneno e o Trio Mocotó.

Ainda nesse ano sua musica Domingas foi muito aplaudida no MIDEM, em Cannes, França. Em 1972 fez temporadas na Itália, Portugal e Japão, onde chegou a gravar um LP ao vivo. Participou em 1972 do VII FIC, com a música Fio Maravilha, classificada em primeiro lugar na interpretação de Maria Alcina.

Em 1974 lançou dois LPs bem sucedidos: Jorge Ben – dez anos depois e Os alquimistas estão chegando. No ano seguinte gravou, com Gilberto Gil, um álbum duplo intitulado Gil-Jorge, e realizou apresentação única no Teatro Sistina, em Roma, Itália, gravada ao vivo pela televisão italiana. Nos anos de 1980, popularizou-se no exterior.

Em 1989 lançou o LP Alô, alô, como vai?, pela Som Livre, que alem da canção-título inclui Cae, cae, Caetano, Lady Benedicta e A cegonha me deixou em Madureira. Em 1989, por problemas de direitos autorais, alterou seu sobrenome para Jorge Ben Jor. Em 1990 lançou W Brasil e, em 1991, Jorge Ben Jor ao vivo no Rio.

Em 1995 lançou o CD World dance, pela WEA, com os sucessos Pisada de elefante, W/ Brasil e Alcohol, todas de sua autoria. No mesmo ano, foi contratado pela Sony e lançou Homo Sapiens, que inclui o sucesso Gostosa, além de Rabo preso e da música em espanhol Maria Luísa.

Em novembro de 1997, lançou o CD Músicas para tocar em elevador (Sony), com participações de Carlinhos Brown, Paralamas do Sucesso e Fernanda Abreu, entre outros artistas. (Página dedicada ao amigo Simone Morini, Itália).

Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora e PubliFolha

Algumas músicas cifradas:

A banda do Zé Pretinho
Agora ninguém chora mais
Balança pema
Bebete vãobora
Bicho do mato
Cadê Teresa
Camisa 10 da Gávea
Caramba... Galileu da Galiléia
Carolina Carol Bela
Charles Anjo 45
Chove chuva
Cinco minutos
Comanche
Emílio
Eu bem que lhe avisei
Fio Maravilha
Funk Astrid
Gabriel, Rafael, Miguel
Ive Brussel
Jesualda
Jorge da Capadócia
Mano Caetano
Mas que nada
Mexe mexe
Minha menina
Minha teimosia, uma arma pra te conquistar
Morre o burro, fica o homem
O circo chegou
O rei é Rosa Cruz
O telefone tocou novamente
Os alquimistas estão chegando
País tropical
Por causa de você menina
Que maravilha
Que pena
Roberto, corta essa
Salve Simpatia
Santa Clara clareou
Senhora dona da casa
Spyro Gyra
Taj Mahal
Take it easy my brother Charles
Todo dia era dia de Índio
Tupinambás
Turba Philosoforum
Umbabarauma
W/Brasil
Xica da Silva
Zagueiro
Zazueira
Zumbi

Elza Laranjeira


A cantora Elza Laranjeira nasceu em Bauru, SP, e faleceu em São Paulo em 22/7/1986. Aos dez anos já se apresentava cantando na Rádio Clube de Bauru. Professora pela escola normal de Bauru, foi mais tarde para São Paulo SP, onde começou a cantar na Rádio Cruzeiro do Sul, substituindo Leny Eversong num programa de Blota Júnior.

Em 1945 transferiu-se, com Blota Júnior, para a Rádio Record. Suas primeiras gravações, na antiga Star (depois Copacabana), foram as dos sambas Foi sem querer (Simonetti e Maragliano) e Quando eu era pequenina (Simonetti e Donato), e das canções Dia das mães e Poema das duas mãozinhas, passando depois a lançar vários sucessos.

Teve êxito em países latino-americanos, principalmente no Uruguai. Em 1951 conquistou o prêmio Roquete Pinto de melhor cantora. Durante longo período atuou em shows das boates paulistanas, sendo considerada uma das maiores intérpretes de Dolores Duran.

Entre suas principais gravações estão A noite do meu bem (Dolores Duran) e Eu sei que vou te amar (Tom Jobim e Vinícius de Moraes), ambas pela RGE.

No início da década de 1960 deixou a Rádio Record, transferindo-se para o Rio de Janeiro e passando a se apresentar na Rádio Nacional. Mais tarde, afastou-se da vida artística, só retornando em 1975, quando voltou a cantar na boate Samba Enredo, de São Paulo.

Altamiro Carrilho


O instrumentista e compositor Altamiro Carrilho (Altamiro Aquino Carrilho) nasceu em Santo Antônio de Pádua, RJ, em 21/12/1924. Ainda menino, começou a tocar numa flautinha de bambu. Concluiu apenas o curso primário, pois, quando tinha nove anos, seu pai ficou muito doente e ele precisou trabalhar numa tamancaria para ajudar a família.

Aos onze anos empregou-se como prático de farmácia, passando a tocar tarol na Banda Lira de Árion, formada quase que por inteiro de seus parentes. Em 1940 mudou-se para Niterói RJ com a família, continuando a trabalhar em farmácia e passando a estudar música a noite, com o flautista amador Joaquim Fernandes. Por essa época, começou a freqüentar, no Rio de Janeiro RJ, os programas de rádio dos flautistas Dante Santoro e Benedito Lacerda, e, com uma flauta de segunda mão, iniciou suas apresentações em programas de calouros, conseguindo tirar o primeiro lugar no programa de Ary Barroso.

Sua grande capacidade de improvisação chamou a atenção de muitos artistas, o que o levou a participar de vários grupos. Estreou em disco em 1943, participando da gravação de um 78 rpm de Moreira da Silva, na Odeon.

Em 1946 integrou o conjunto de Ademar Nunes, na Rádio Sociedade Fluminense; um ano depois, entrou para o conjunto de César Moreno, tocando nas rádios Tamoio e Tupi; e, em 1948, passou a fazer parte do conjunto de Rogério Guimarães, na Radio Tupi. No ano seguinte, gravou na Star seu primeiro disco, Flauteando na chacrinha, choro de sua autoria.

Em 1950 formou conjunto próprio para tocar na Rádio Guanabara, onde permaneceu até maio de 1951, quando foi convidado a integrar o Regional do Canhoto, substituindo Benedito Lacerda. O regional tocava na Radio Mayrink Veiga e acompanhava, em gravações, cantores como Orlando Silva, Vicente Celestino, Sílvio Caldas e outros.

Apareceu, em 1951, no filme Mulher do Diabo (direção de Milo Marbisch), e formou em 1955 a Bandinha de Altamiro Carrilho, com ele na flauta ou flautim, e mais acordeom, pistom, clarineta, tuba, bateria e pratos. Um ano depois, a bandinha ja gravava seu maxixe Rio antigo, que fez grande sucesso.

De 1956 a 1958, a bandinha ganhou prestígio e popularidade com seu programa Em Tempo de Música, na TV Tupi. Em 1957 deixou o Regional do Canhoto, sendo substituído por Carlos Poyares. Na década de 1960, passou grandes periodos excursionando pelo exterior: em 1963, apresentou se em Portugal, Espanha e França; em 1964, na Inglaterra (onde gravou para a BBC), Alemanha, Libano e Egito; em 1966, na entao U.R.S.S.; em 1968, no México, onde ficou um ano; em 1969, nos E.U.A.

Com a redescoberta do choro a partir da década de 1970, tornou-se um dos flautistas mais requisitados, como solista e como acompanhante em gravações de choro e samba tradicional.

Apesar de ser músico popular, tocou, em novembro de 1972, no Teatro Municipal, do Rio de Janeiro, o Concerto em sol, de Wolfgang Amadeus Mozart (1756—1791). Nos anos de 1974 e 1975, fez o arranjo musical e o acompanhamento dos discos 100 anos de música popular brasileira 1, 2 e 3, da série MPB 100 ao vivo — Projeto Minerva, lançados pela Tapecar.

Em 1977 lançou pela Philips o LP Antologia da flauta. Em 1985 participou do álbum triplo Velhos sambas... Velhos bambas, produzido pela EENAB, e, dois anos depois, acompanhou Elisete Cardoso em sua tournee pelo Japão. Em 1997, a gravadora Tom Brasil lançou a série Música Viva, incluindo o CD Brasil musical, com Arthur Moreira Lima. Toca vários tipos de flauta e ja gravou 69 discos.