terça-feira, 14 de agosto de 2007

Nem ouro nem prata

Nascido e criado numa fazenda em Paraíba do Sul (RJ), Rui Maurity tem sua obra marcada por músicas ligadas ao interior e à natureza, o que também acontece com o parceiro José Jorge Miquinioty, de Araçatuba (SP). Em meados dos anos setenta Rui, que já havia participado de vários festivais universitários e gravado três elepês, passou a freqüentar como mero expectador terreiros de macumba no subúrbio de Jacarepaguá. Na ocasião, sentiu-se tão impressionado com as melodias de alguns pontos, que pediu e conseguiu autorização para aproveitá-las em novas composições.

Foi assim que nasceram “Xangô Vencedor”, “Quizumba de Rei” e o grande sucesso “Nem Ouro Nem Prata”, cuja primeira parte inteira pertence a um desses pontos: “Eu vi chover eu vi relampear / mas mesmo assim o céu estava azul / samborepemba folha de Jurema / Oxossi reina de norte a sul...” Este refrão seria complementado por urna segunda parte de Rui (“Ser brasileira, faceira, mestiça, mulata, não tem ouro nem prata...”).

Lançada num compacto simples, a música teve tamanho sucesso, que provocou a feitura de seu quarto elepê, dominado por essa fase afro-mística, porém episódica em sua obra. A vertente dos pontos de macumba na música brasileira tem na figura do cantor e compositor J. B. de Carvalho (João Paulo Batista de Carvalho) o seu principal cultor, salientando-se ainda como a grande intérprete estilizada do gênero a cantora Clara Nunes (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Nem ouro nem prata (1976) - Rui Maurity e José Jorge
Introd:  Dm  Am  Bb  E7  Am 

E7        Am         E7   Am
Eu vi chover eu vi relampiar
              A7                Dm
Mas mesmo assim o céu estava azul
                    E7    Am
Samborepemba folha de jurema
         Dm       E7      Am    E7
Oxóssi reina de norte a sul   (bis)

Am                                  Dm
Sou brasileira faceira mestiça ou mulata
                   E7
Não tem ouro nem prata
                               Am   E7
O samba que sangra do meu coração
Am                   Dm
Tua menina de cor pedaço de bom caminho
                 Am
Entrei no teu passo malandra
         E7                  Am     E7
Eu não sou como a tal Conceição
Am                                   Dm
Chega de tanto exaltar essa tal de saudade
               E7
Meu caboclo moreno mulato amuleto
            Am     A7
No nosso Brasil

 Dm                              Am
Olha meu preto bonito te quero prometo
                           Bb
Te gosto pra sempre do samba canção
               E7               Am
Ao primeiro apito do ano dois mil    (bis)

Juventude transviada

Iniciada em novembro de 75, a telenovela “Pecado Capital” prolongou-se até julho de 76, tendo composições de sua trilha sonora, como “Juventude Transviada”, liderado no período as paradas de sucesso.

Com uma linha melódica que lembra levemente o velho clássico “Casa de Caboclo”, esta é uma canção bem típica de Luiz Melodia, intuitiva, livre, sem qualquer preocupação com a lógica em seus versos enigmáticos (“Lava a roupa todo dia, que agonia / na quebrada da soleira que chovia / até sonhar de madrugada / uma moça sem mancada / uma mulher não pode vacilar / eu entendo a juventude transviada...”) que ele não gosta de explicar.

“As pessoas têm que estar abertas para entender os toques. Não é assim, eu pisei numa pedra e aí nasceu essa frase. É um toque ingênuo, uma coisa poética, das vivências que observei”, declarou Luiz em 18.4.76 ao crítico Tárik de Souza, do Jornal do Brasil. “Juventude Transviada” foi feita para a sua primeira mulher, que lhe deu um filho, Mahal, e, como na maioria de suas canções, teve letra e música compostas ao mesmo tempo. Melodia gravou-a, com sua voz personalíssima, em seu segundo elepê, Maravilhas contemporâneas (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Juventude transviada (1976) - Luís Melodia
Tom: E

E9b    Fº        A7        D#7/9
Lava roupa todo dia, que agonia
D7/9             G7M          G7
Na quebrada da soleira, que chovia
C7M   Cm7         Bm7         A#m7     Am7
Até sonhar de madrugada, uma moça sem mancada
D7/9           G7M   D7/9
Uma mulher não deve vacilar

E9b    Fº         A7         D#7/9
Eu entendo a juventude transviada
D7/9           G7M           G7
E o auxílio luxuoso de um pandeiro
C7M    Cm7       Bm7         A#m7       Am7
Até sonhar de madrugada, uma moça sem mancada
D7/9             G7M   D7/9
Uma mulher não deve vacilar

E9b   Fº       A7          D#7/9
Cada cara representa uma mentira
D7/9                G7M          G7
Nascimento, vida e morte, quem diria
C7M    Cm7        Bm7        A#m7       Am7
Até sonhar de madrugada, uma moça sem mancada
D7/9             G7M    G7
Uma mulher não deve vacilar

C7M          Bm7      A7                 D7/9    C#7/9
Hoje pode transformar e o que diria a juventude
C7M      Bm7        A7                D7/9
Um dia você vai chorar, vejo clara as fantasias

A lua e eu

Pioneiro do soul brasileiro, ao lado de Tim Maia e Hyldon, o cantor, músico e compositor Cassiano começou a tocar violão na adolescência, quando ganhava a vida como ajudante de pedreiro. Mais adiante, nos anos sessenta, passou a tocar nas noites do Rio e de São Paulo, porém sem jamais se firmar profissionalmente, em razão de seu comportamento irregular, igual ao do amigo Tim Maia. Faziam os dois o estilo “músico doidão”, segundo suas próprias palavras.

Em 1976, seis anos depois de seu primeiro sucesso, Primavera”, lançado por Tim, Cassiano voltaria às paradas com uma música ainda melhor, a balada “A Lua e Eu”: “Mais um ano se passou / e nem sequer ouvi falar seu nome / a lua e eu / caminhando pela estrada / eu olho em volta / e só vejo pegadas / mas não são as suas / eu sei... eu sei.”

Composta em 73, com o seu principal parceiro, Paulo Zdanowski, o Paulinho Motoka, na época com 19 anos, “A Lua e Eu” se destacaria na trilha da novela “O Grito”, da TV Globo, em que entrara por iniciativa do produtor Nelson Mota, daí se tornando uma das canções mais executadas no ano. Nascido em Campina Grande, na Paraíba, Cassiano chama-se Genival Cassiano dos Santos, sendo assim xará de outro artista campinense, o cantor Genival Lacerda, o que dá a impressão de ser o nome Genival muito comum naquela cidade (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).
A lua e eu (1976) - Cassiano e Paulo Zdanowski

Intro: A, F#m7, C#m7, Bm7/9
A                 F#m7  Cm7
Mais um ano se passou
C#m7               Cm7    Bm7        D    E
E nem sequer ouvi falar seu nome, a lua e eu
A                  F#m7  Cm7
Caminhando pela estrada
C#m7                   Cm7    Bm7
Eu olho em volta e só vejo pegadas
D           E        A           A6
Mas não são as suas, eu sei, eu sei, eu sei
(refrão)
D        E         A    C#m7  Bm7
O vento faz eu lembrar você
D          E           A  C#m7 Bm7 D     E
As folhas caem mortas como eu, a lua  e eu
A                   F#m7 Cm7
Quando olho no espelho
C#m7                   Cm7  Bm7
Estou ficando velho e acabado
D          E        D          E    A         A6
Procuro encontrar, não sei onde está você, você, você


Sucessos de 1978

1859 1866 1880 1901 1902 1903 1904 1905 1906 1907 1908 1909 1910 1911 1912 1913 1914 1915 1916 1917 1918 1919 1920 1921 1922 1923 1924 1925 1926 1927 1928 1929 1930 1931 1932 1933 1934 1935 1936 1937 1938 1939 1940 1941 1942 1943 1944 1945 1946 1947 1948 1949 1950 1951 1952 1953 1954 1955 1956 1957 1958 1959 1960 1961 1962 1963 1964 1965 1966 1967 1968 1969 1970 1971 1972 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 1980 1981 1982 1983 1984 1985

1978

A noite vai chegar, Paulinho Camargo
A primeira vez, Roberto Carlos e Erasmo Carlos
Ai que vontade (samba/carnaval), Beto Sem Braço e Dão
Amor perfeito, Vicente Dias
Aprenda a amar, Valter D’Ávila Filho e Cláudia Teles
Assobiar e chupar cana, Benito Di Paula
Bandeira do Divino, Ivan Lins e Vitor Martins
Café da manhã, Roberto Carlos e Erasmo Carlos
Cálice, Chico Buarque e Gilberto Gil
Dancin’ Days, Nelson Mota e Rubens Queiroz
Ela não vai gostar de mim, Toninho e Romildo
Eu pecador, Agnaldo Timóteo
Folhetim, Chico Buarque
Força estranha, Caetano Veloso
Gosto de maçã, Wando
Guerreira, João Nogueira e Paulo César Pinheiro
Homenagem ao malandro, Chico Buarque
João e Maria, Sivuca e Chico Buarque
Lady Laura, Roberto Carlos e Erasmo Carlos
Mais uma vez, Mariozinho Rocha, Renato Correia e Paulo Sergio Vale
Maria, Maria, Milton Nascimento e Fernando Brant
Meu primeiro amor, José Augusto, Miguel e Paulo Coelho
Mundo bom, Agepê e Canário
Não existe pecado ao sul do equador, Chico Buarque e Rui Guerra
O amor não é brinquedo, Martinho da Vila e Candeia
O meu amor, Chico Buarque
Os amantes, Sidney Conceição, Lourenço e Augusto César
Outra vez, Isolda
Perigosa, Rita Lee, Roberto de Carvalho e Nelson Mota
Proposta amorosa, Monarco
Que pena, Peninha e Roberto Livi
Quem dá mais, Beto Suryan
Querelas do Brasil, Maurício Tapajós e Aldir Blanc
Sampa, Caetano Veloso
Sandra Rosa Madalena, a cigana, Roberto Livi e Miguel Cidras
Sossego, Tim Maia
Sufoco, Chico da Silva e Antônio José
Teresinha, Chico Buarque
Terra, Caetano Veloso
Todo menino é um rei, Nelson Rufino e Zé Luís
Trocando em miúdos, Chico Buarque e Francis Hime

Músicas estrangeiras de sucesso no Brasil:

Automatic Lover (Gary Unwin e Patty Unwin)
Boogie Oogie Oogie (Johnson e P. Kibble)
The Closer I Get to You (Reggie Lucas e James Mtume)
Dance a Little Bit Closer (Vince Montana Junior)
Don’t Let Me Be Misunderstood (Bennie Benjamin, Sol Marcus e Gloria Caldwel)
Easy (Lionel Richie)
Emotion (Barry Gibb e Robin Gibb)
Float On (Arnold Ingram, James Mitchell Junior e Marvin Willis)
Get 0ff (Carlos Driggs e Ishmael Ledesma)
How Deep Is Your Love (Barry Gibb, Robin Gibb e Maurice Gibb)
It’s a Heartache (Ronnie Scott e Steve Wolfe)
Macho Man (Jacques Muralis, Henri Belold, Victor Willis e Peter Whitehead)
Night Fever (Barry Gibb, Robin Gibb e Maurice Gibb)
No Woman No Cry (Não Chore Mais) (Vincent Ford)
Rivers of Babylon (F. Farian, G. Reyam, B. Dowe e F. McNaughton)
Stayin’ Alive (Barry Gibb, Robin Gibb e Maurice Gibb)
Three Times (Lionei Richie)
We Are the Champions (Freddie Mercury)
We’re All Alone (William Scaggs)
Wuthering Heights (Kate Bush)

Cronologia:

03.02: Morre em desastre de automóvel no Rio de Janeiro o cantor Alcides Gerardi.

25.06: A Argentina ganha em Buenos Aires o XI Campeonato Mundial de Futebol, vencendo na final a Holanda por 3 a 1.

08.07: Incêndio destrói cerca de 90% do acervo do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

25.07: Nasce em Lancashire (Inglaterra) Louise Joy Brown, o primeiro bebê de proveta.

07.08: Morre no Rio de Janeiro (RJ) o cantor Orlando Silva.

09.10: Morre na França o compositor/cantor Jacques Brel.

13.10: O presidente Ernesto Geisel revoga o Ato Institucional n° 5 (AI 5)

15.10: O Congresso Nacional elege o general João Batista Figueiredo presidente da República.

22.10: O cardeal polonês Karol Wojtyla é eleito Papa, adotando o nome de João Paulo II. Ele é o primeiro Papa não italiano em mais de 400 anos.

01.11: É regulamentada a lei de anistia brasileira.

16.11: Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Candeia (Antônio Candeia Filho).

26.12: Inicia-se o primeiro rali Paris-Dacar, a maior e mais perigosa prova esportiva mundial.

29.12: O presidente Ernesto Geisel revoga o instituto do banimento.

Sucessos de 1977

1859 1866 1880 1901 1902 1903 1904 1905 1906 1907 1908 1909 1910 1911 1912 1913 1914 1915 1916 1917 1918 1919 1920 1921 1922 1923 1924 1925 1926 1927 1928 1929 1930 1931 1932 1933 1934 1935 1936 1937 1938 1939 1940 1941 1942 1943 1944 1945 1946 1947 1948 1949 1950 1951 1952 1953 1954 1955 1956 1957 1958 1959 1960 1961 1962 1963 1964 1965 1966 1967 1968 1969 1970 1971 1972 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 1980 1981 1982 1983 1984 1985

1977

Amigo, Roberto Carlos e Erasmo Carlos
Arrombou a festa, Rita Lee e Paulo Coelho
Barra pesada (Melô da Baixada), Dicró e José Paulo
Carro de boi, Maurício Tapajós e Cacaso
Cavalgada, Roberto Carlos e Erasmo Carlos
Coleção, Cassiano e Paulo Zdanowski
Começaria tudo outra vez, Gonzaguinha
Conto até dez, Ayrão
Coração selvagem, Belchior
Desencontro de primavera, Hermes de Aquino
Falando sério, Maurício Duboc e Carlos Colla
Filho único, Roberto Carlos e Erasmo Carlos
Flor de lis, Djavan
Foi assim, Paulo André e Rui Barata
Ilha de Maré, Valmir Lima e Lupa
Jura secreta, Sueli Costa e Abel Silva
Liberdade, Dona Ivone Lara e Délcio Carvalho
Maluco beleza, Raul Seixas e Cláudio Roberto
Maninha, Chico Buarque
Menina dos cabelos longos, Agepê e Canário
Meu velho pai, Léo Canhoto
Morte de um poeta, Totonho e Paulo Resende
O dia em que a Terra parou, Raul Seixas e Cláudio Roberto
Oi, compadre, Martinho da Vila
Perdido na noite, Agnaldo Timóteo
Perdoa, Paulinho da Viola
Pombo correio, Dodô, Osmar e Moraes Moreira
Refavela, Gilberto Gil
Romaria, Renato Teixeira
Saco de feijão, Francisco Santana
Somos todos iguais nesta noite, Ivan Lins e Vitor Martins
Sonhos, Peninha
Sorte tem quem acredita nela, Mário Marcos e Maxcilliano
Tigresa, Caetano Veloso
Tranquei a vida, Ronnie Von e Tony Osanah

Músicas estrangeiras de sucesso no Brasil:

Amante latino (Rabito)
Baby I Love Your Way (Peter Frampton)
Dancing Queen (Benny Andersson, Bjorn Ulvaeus e Stig Anderson)
Dolce Amore Mio (Galizia, Bardelia e Conturso)
Don’t Cry for Me Argentina (Andrew Lloyd Webber e Tim Rice)
Fernando (Benny Andersson, Bjorn Ulvaeus e Stig Anderson)
I Never Cry (Alice Cooper e Dick Wagner)
If You Leave Me Now (Peter Cetera)
I’m in You (Peter Frampton)
Isn’t She Lovely (Stevie Wonder)
Livin’ Thing (Jeff Lynn)
Love So Right (Barry Gibb, Robin Gibb e Maurice Gibb)
Melancolie (Meu Sangue Ferve por Você) (J. Arel, C. Carrere e M. Pancol)
My Dear (Allan Bell, Alman Bell e Louis Finch)
Show Me the Way (Peter Frampton)
Tonight’s the Night (Rod Stewart)
You and me (Alice Cooper e Dick Wagner)

Cronologia:

02.01: Morre no Rio de Janeiro (RJ) o violonista/compositor Dilermando Reis.

22.01: Morre em desastre de automóvel no Rio de Janeiro (RJ) a cantora / compositora Maysa (Maysa Monjardin).

11.03: Morre no Rio de Janeiro (RJ) o maestro/instrumentista Simon Bountman.

11.04: O presidente Ernesto Geisel decreta o fechamento do Congresso Nacional e institui uma série de medidas que seriam chamadas de “o pacote de abril”.

05.04: Morre no Rio de Janeiro (RJ) o bandolinista/compositor Luperce Miranda.

17.04: Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Eratóstenes Frazão.

15.06: É aprovada a Emenda Constitucional n° 9, que institui o divórcio no Brasil.

24.08: Morre em São Paulo (SP) o cantor Maurici Moura.

20.09: Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Joubert de Carvalho.

09.10: Morre no Rio de Janeiro (RJ) o humorista/compositor Jararaca (José Luís Calazans).

11.10: É sancionada a lei que cria o estado do Mato Grosso do Sul a partir de 10 de janeiro de 1979.

14.10: Morre na Espanha o cantor Bing Crosby.

01.12: O presidente Ernesto Geisel promete “o fim das leis de exceção” e sua substituição por “salvaguardas constitucionais”.

Sucessos de 1976

1859 1866 1880 1901 1902 1903 1904 1905 1906 1907 1908 1909 1910 1911 1912 1913 1914 1915 1916 1917 1918 1919 1920 1921 1922 1923 1924 1925 1926 1927 1928 1929 1930 1931 1932 1933 1934 1935 1936 1937 1938 1939 1940 1941 1942 1943 1944 1945 1946 1947 1948 1949 1950 1951 1952 1953 1954 1955 1956 1957 1958 1959 1960 1961 1962 1963 1964 1965 1966 1967 1968 1969 1970 1971 1972 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 1980 1981 1982 1983 1984 1985

1976

A lua e eu, Cassiano e Paulo Zdanowski
A palo seco, Belchior
A paz que nasceu pra mim, Jorge Veloso e Andó (Antônio Scarpellini)
Acreditar, Dona Ivone Lara e Délcio Carvalho
Apenas um rapaz latino-americano, Belchior
As rosas não falam, Cartola
Canto das três raças, Mauro Duarte e Paulo César Pinheiro
Como nossos pais, Belchior
Eu nasci há 10 mil anos atrás, Raul Seixas e Paulo Coelho
Gota d'água, Chico Buarque
Ilegal, imoral ou engorda, Roberto Carlos e Erasmo Carlos
Incompatibilidade de gênios, João Bosco e Aldir Blanc
Juventude transviada, Luís Melodia
Meu caro amigo, Chico Buarque e Francis Hime
Meu mundo e nada mais, Guilherme Arantes
Mineira, João Nogueira e Paulo César Pinheiro
Moça bonita, Evaldo Gouveia e Jair Amorim
Moça criança, Agepê e Canário
Mulheres de Atenas, Chico Buarque
Não deixe o samba morrer, Edson e Aloísio
Nem ouro nem prata”, Rui Maurity e José Jorge
Nuvem passageira, Hermes de Aquino
O mundo é um moinho, Cartola
O progresso, Roberto Carlos e Erasmo Carlos
O que será, Chico Buarque
O rancho da goiabada, João Bosco e Aldir Blanc
O surdo, Totonho e Paulinho Resende
Olhos nos olhos, Chico Buarque
Os meninos da Mangueira”, Rildo Hora e Sérgio Cabral
Os seus botões, Roberto Carlos e Erasmo Carlos
Pavão misterioso, Ednardo
Pecado capital, Paulinho da Viola
Peito vazio, Cartola e Elton Medeiros
Promessa ao Gantois, Mateus e Dadinho
Serafim e seus filhos, Rui Maurity e José Jorge
Sonhar com rei dá leão (samba-enredo/carnaval), Neguinho da Beija- flor
Velha roupa colorida, Belchior
Você não passa de uma mulher, Martinho da Vila
Você vai ficar na saudade, Benito Di Paula
Xica da Silva, Jorge Ben Jor

Músicas estrangeiras de sucesso no Brasil:

All by Myself, Eric Carmen
Dolannes Melodie, Paul de Senneville e Olivier Toussaint
Don’t Go Breaking My Heart, Elton John e Bernie Taupin
Fly Robin Fly, Sylvester Levay e Stephen Praguer
Fox on the Run, B. Connolly, S. Priest, Andrew Scott e Michael Tucker
Gracias a la Vida, Violeta Parra
Happy, Michel Legrand e Smokey Robinson
Hey You, Randy Bachman
I Need to Be Your Love, John Bettis, Albert Hammond e Richard Carpenter
Love Hurts, Boudleaux Bryant
Love to Love You Baby, Jennie Springs
More, More, More, Gregg Diamond
Sailing, Gavin Sutherland
Silly Love Songs, Paul McCartney e Linda McCartney
Tu t’en Vas (Não Se Vá)”, Alain Barrière

Cronologia:

05.01: Morre em São Paulo (SP) o cantor Paraguassu (Roque Ricciardi).

24.03: Os militares argentinos derrubam o governo de Maria Estela Perón, dissolvem o senado, a câmara, as assembléias provinciais e voltam ao poder, assumindo o governo.

22.04: Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor/pianista Frutuoso Viana.

03.06: Morre no Rio de Janeiro (RJ) o cantor Risadinha (Francisco Ferraz Neto).

07: Realizam-se em Montreal (Canadá) os XXI Jogos Olímpicos da Era Moderna.

22.07: Desce em Marte, após um ano de viagem, a sonda espacial americana Viking I.

22.08: Morre em desastre de automóvel na rodovia Presidente Dutra, à altura de Resende (RJ), o ex-presidente Juscelino Kubitschek.

29.08: Morre no Rio de Janeiro (RJ) o compositor Osvaldo Santiago.

10: A Academia Brasileira de Letras passa a aceitar as mulheres em seus quadros.

20.10: O espetáculo “Falso Brilhante”, de Elis Regina, completa duzentas representações, com recorde de público. Considerado “o show do ano”, ainda permaneceria em cartaz nos quatro meses seguintes.

29.10: Morre no Rio de Janeiro (RJ) a cantora Araci Costa.

26.12: Morre em Recife (PE) o compositor/instrumentista/arranjador Nelson Ferreira.