quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Não tive intenção

Wilson Miranda

G          Bm
Não, não tive intenção
Am7
Não vê que eu estou
D7
Te pedindo perdão

G Bm
Não, não vá me deixar
Am7
Não vê que com isso
D7
Sou capaz de chorar

G
Meu erro foi
B7
Foi te amar demais
Em
Ciúmes veio então
C Am7 D7
Pra me tirar a paz

G
Não sei porque
B7
Eu fiz você chorar
Em
Mas mesmo assim você
C Am7 D7
Não pode me deixar

G
Não...
Bm
Não vá me deixar
Am7 D7
Não vê que eu estou
G
Começando a chorar,
C Am7 D7 G
A c -h-o-r-a-r

Alguém é bobo de alguém

Wilson Miranda

Tom: A
      A                         D
O que eu chorei por ti dá um oceano
E A
De lágrimas perdido em solidão
D
Se acreditei em ti foi um engano
A E A
Porque te ofereci meu coração
D
Alguém é sempre bobo de alguém
E A
Se amor não há entre os dois
D
Um dia me passaste para trás
A E A
Não quero mais ser bobo meu bem
D
Talvez fosse melhor se eu te esquecesse
E A
Se estou longe de ti quero voltar
D
Seria bem melhor se eu pudesse
A E A
Fugir do amor que só me faz chorar
D
Alguém é sempre bobo de alguém
E A
Se amor não há entre os dois
D
Um dia me passaste para trás
A E A
Não quero mais ser bobo meu bem

A estrada e o violeiro

A estrada e o violeiro - Sidney Miller

Tom: A

A                 E      A                      G       A
Sou violeiro caminhando só, por uma estrada caminhando só
G      A                    C Bm A
Sou uma estrada procurando só levar o povo pra cidade só
B           E        A
Parece um cordão sem ponta, pelo chão desenrolado
B         E             A
Rasgando tudo que encontra, a terra de lado a lado
F#m               C#m           F#m           C#m
Estrada de Sul a Norte, eu que passo, penso e peço
F#m               A        A7                D
Notícias de toda sorte, de dias que eu não alcanço
B                E                               A
De noites que eu desconheço, de amor, de vida e de morte
B       E               A
Eu que já corri o mundo cavalgando a terra nua
B             E              A
Tenho o peito mais profundo e a visão maior que a sua
F#m          C#m        F#m           C#m
Muitas coisas tenho visto nos lugares onde eu passo
F#m           A             A7           D
Mas cantando agora insisto neste aviso que ora faço
B              E                           A   G A
Não existe um só compasso pra contar o que eu assisto
E   A                     G     A
Trago comigo uma viola só, para dizer uma palavra só
G     A                      C Bm   A
Para cantar o meu caminho só, porque sozinho vou à pé e pó
B                 E           A
Guarde sempre na lembrança que esta estrada não é sua
B            E       A
Sua vista pouco alcança, mas a terra continua
F#m      C#m               F#m       C#m
Segue em frente, violeiro, que eu lhe dou a garantia
F#m            A         A7          D
De que alguém passou primeiro na procura da alegria
B                E                            A
Pois quem anda noite e dia sempre encontra um companheiro
B              E           A
Minha estrada, meu caminho, me responda de repente
B              E              A
Se eu aqui não vou sozinho, quem vai lá na minha frente?
F#m         C#m          F#m           C#m
Tanta gente, tão ligeira, que eu até perdi a conta
F#m       A            A7                  D
Mas lhe afirmo, violeiro, fora a dor que a dor não conta
B              E                             A
Fora a morte quando encontra, vai na frente um povo inteiro
E    A                      G    A
Sou uma estrada procurando só levar o povo pra cidade só
G    A
Se meu destino é ter um rumo só,
C   Bm  A
choro em meu pranto é pau, é pedra, é pó
B           E            A
Se esse rumo assim foi feito, sem aprumo e sem destino
B       E          A
Saio fora desse leito, desafio e desafino
F#m         C#m           F#m          C#m
Mudo a sorte do meu canto, mudo o Norte dessa estrada
F#m          A             A7            D
Em meu povo não há santo, não há força, não há forte
B             E                       A
Não há morte, não há nada que me faça sofrer tanto
B         E               A
Vai, violeiro, me leva pra outro lugar
B       E          A
Eu também quero um dia poder levar
F#m         C#m F#m C#m
Toda gente que virá
F#m   A   A7      D
Caminhando, procurando
B      E          A
Na certeza de encontrar

Circo

Sidney Miller

Tom: Dm

Intro: A D
Dm          C7           C
Vai, vai, vai começar a brincadeira
A7                      D
Tem charanga tocando a noite inteira
B7               Em
Vem, vem, vem ver o circo de verdade
Dm    G7             C
Tem, tem, tem picadeiro de qualidade
C                        G7
Corre, corre, minha gente que é preciso ser esperto
C
Quem quiser que vá na frente, vê melhor quem vê de perto
A7                      Dm
Mas no meio da folia, noite alta, céu aberto
E7                          Am
Sopra o vento que protesta, cai no teto, rompe a lona
Dm           G7          C
Pra que a lua de carona também possa ver a festa
...
C                        G7
Bem me lembro o trapezista que mortal era seu salto
C
Balançando lá no alto parecia de brinquedo
A7                      Dm
Mas fazia tanto medo que o Zezinho do Trombone
E7                          Am
De renome consagrado esquecia o próprio nome
Dm          G7          C
E abraçava o microfone pra tocar o seu dobrado
...
C                        G7
Faço versos pro palhaço que na vida já foi tudo
C
Foi soldado, carpinteiro, seresteiro e vagabundo
A7                     Dm
Sem juízo e sem juízo fez feliz a todo mundo
E7                     Am
Mas no fundo não sabia que em seu rosto coloria
Dm             G7         C
Todo encanto do sorriso que seu povo não sorria
...
C                        G7
De chicote e cara feia domador fica mais forte
C
Meia volta, volta e meia, meia vida, meia morte
A7                       Dm
Terminando seu batente de repente a fera some
E7                     Am
Domador que era valente noutras feras se consome
Dm          G7         C
Seu amor indiferente, sua vida e sua fome
...
C                        G7
Fala o fole da sanfona, fala a flauta pequenina
C
Que o melhor vai vir agora que desponta a bailarina
A7                         Dm
Que o seu corpo é de senhora, que seu rosto é de menina
E7                     Am
Quem chorava já não chora, quem cantava desafina
Dm               G7         C
Porque a dança só termina quando a noite for embora
Dm      G7           C
Vai, vai, vai terminar a brincadeira
A7                    D
Que a charanga tocou a noite inteira
B7   
Morre o circo, renasce na lembrança
Dm      G7                    C   Dm G7 C
Foi-se embora e eu ainda era criança