quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Quero lhe dizer cantando

Quero lhe dizer cantando (1968) - Reinaldo Rayol e Renato Correia - Intérprete: Agnaldo Rayol

Quero lhe dizer cantando
Tudo o que eu estou sofrendo
Quero lhe dizer chorando
Que aos poucos vou morrendo

Pois sem você não sou ninguém
E eu canto pra esquecer
O que sinto por você, meu bem

Vou dizer que eu choro
E o seu amor eu não imploro
Quero lhe dizer sorrindo
Sabendo que eu estou mentindo

Pois sem você não sou ninguém
E eu canto pra esquecer
O que sinto por você, meu bem

Meu coração está chorando
Pporque não tenho você
Pra disfarçar vou cantando
Sabendo que jamais vou lhe esquecer

Pressentimento

Pressentimento (samba, 1968) - Elton Medeiros e Hermínio Bello de Carvalho - Intérprete: Marília Medalha

Ai! ardido peito
quem irá entender o teu segredo?
quem ira pousar em teu destino?
e depois morrer do teu amor?

Ai! mas quem virá?
me pergunto a toda hora
e a resposta é o silêncio
que atravessa a madrugada

Vem meu novo amor
vou deixar a casa aberta
já escuto os teus passos
procurando meu abrigo

Vem, que o sol raiou
os jardins estão florindo
tudo faz pressentimento
que este é o tempo ansiado
de se ter felicidade.

Perto dos olhos, longe do coração

Dori Edson
Perto dos olhos, longe do coração (1968) - Dori Edson e Marcos Roberto
Introdução: D7  G  C  B7  Em  Am  B7 
 
     Em                      Am 
 Porque que toda vez que eu falo com você 
 D7                            Em 
 Você parece que não quer prestar nem atenção 
                               Am 
 Porque você meu bem não aprendeu ainda a ver 
 D7                                       Em 
 Que em meus olhos tenho amor e muita emoção 
 B7            Em 
 Ah! Muita emoção 
 D           G 
  Então eu choro 
 D          G 
  Esta solidão 
 B7                    Em 
  Você perto dos meus olhos 
        C        B7      Em 
 E tão longe do meu coração 
 D           G 
  Então eu choro 
 D          G 
  Esta solidão 
 B7                    Em 
  Você perto dos meus olhos 
        C        B7      Em   B7 
 E tão longe do meu coração 
     Em                      Am 
 Eu hei de conseguir o seu amor por toda vida 
 D7                       Em 
 Só que o caminho eu não sei, minha querida 
                               Am 
 Eu tenho que fingir que é amizade pra te ver 
 D7                                       Em 
 Embora às vezes sinta que você vai perceber 
 B7               Em 
   Você vai perceber 
 D           G 
  Então eu choro 
 D          G 
  Esta solidão 
 B7                    Em 
  Você perto dos meus olhos 
        C        B7      Em 
 E tão longe do meu coração 
 D           G 
  Então eu choro 
 D          G 
  Esta solidão 
 B7                    Em 
  Você perto dos meus olhos 
        C        B7      Em  B7 
 E tão longe do meu coração 
 
   Solo: Em  Am  D7  Em  Am  D7  Em  B7  Em  B7 
 
     Em                      Am 
 Eu hei de conseguir o seu amor por toda vida 
 D7                       Em 
 Só que o caminho eu não sei, minha querida 
                               Am 
 Eu tenho que fingir que é amizade pra te ver 
                                          Em 
 Embora às vezes sinta que você vai perceber 
 B7               Em 
   Você vai perceber 
 D           G    
  Então eu choro 
 D          G 
  Esta solidão 
 B7                    Em 
  Você perto dos meus olhos 
        C        B7      Em 
 E tão longe do meu coração 
 D           G 
  Então eu choro 
 D          G 
  Esta solidão 
 B7                    Em 
  Você perto dos meus olhos 
        C        B7      Em 
 E tão longe do meu coração 
        C        B7      Em 
 E tão longe do meu coração 
        C        B7      Em 
 E tão longe do meu coração 
        C        B7      Em 
 E tão longe do meu coração. 

Parabéns, querida

Parabéns, querida (1968) - Roberto Correia e Sílvio Son - Interpretação: Roberto Livi
Introdução: E

E             B7
Parabéns pra você
Em
Nesta data... Querida
Em                               Am
Está fazendo um ano que nos separamos
B7
E até hoje eu nem sei por que brigamos
Em  C B7
Só sei que este amor me traz tanta saudade
Em                                         Am
Querida, eu já fiz tudo pra esquecer aquele dia
B7
Pois nunca mais eu consegui ter alegria
Em
Que me trouxesse um pouco de felicidade
Am              Em
Um ano se passou, você nem se lembrou
B7                          Em
Que o nosso amor foi grande até demais
Am                        Em
Não devo mais pensar, mas não posso evitar
F#7       B7            Em  B7
Eu longe de você não tenho paz
E             Em
Parabéns pra você
Em
Nesta data... Querida

Solo: Em Am B7 Em C B7

Em                                          Am
Querida, eu já fiz tudo pra esquecer aquele dia...

Nem vem que não tem

Nem vem que não tem (1968) - Carlos Imperial

Ahahahahahaha!
-"Vamos voltar a pilantragem.
Xá comigo, uma musiquinha
Prá machucar os corações"

Nem vem que não tem
Nem vem de garfo
Que hoje é dia de sopa
Esquenta o ferro
Passa a minha roupa
Eu nesse embalo
Vou botar prá quebrar
Sacudim, sacundá
Sacundim, gundim, gundá!...

Nem vem que não tem
Nem vem de escada
Que o incêndio é no porão
Tira o tamanco
Tem sinteco no chão
Eu nesse embalo
Vou botar prá quebrar
Sacudim, sacundá
Sacundim, gundim, gundá!...

Nem vem!
Numa casa de caboclo
Já disseram um é pouco
Dois é bom, três é demais
Nem vem!
Guarda teu lugar na fila
Todo homem que vacila

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Lindonéia

Lindonéia (1968) - Caetano Veloso

Na frente do espelho
Sem que ninguém a visse
Miss
Linda, feia
Lindonéia desaparecida

Despedaçados
Atropelados
Cachorros mortos nas ruas
Policiais vigiando
O sol batendo nas frutas
Sangrando
Oh, meu amor
A solidão vai me matar de dor

Lindonéia, cor parda
Fruta na feira
Lindonéia solteira
Lindonéia, domingo
Segunda-feira

Lindonéia desaparecida
Na igreja, no andor
Lindonéia desaparecida
Na preguiça, no progresso
Lindonéia desaparecida
Nas paradas de sucesso
Ah, meu amor
A solidão vai me matar de dor

No avesso do espelho
Mas desaparecida
Ela aparece na fotografia
Do outro lado da vida
Despedaçados, atropelados
Cachorros mortos nas ruas
Policiais vigiando
O sol batendo nas frutas
Sangrando

Oh, meu amor
A solidão vai me matar de dor
Vai me matar
Vai me matar de dor

Eu tenho um amor melhor que o seu

Antonio Marcos
Eu tenho um amor melhor que o seu (1968) - Roberto Carlos

Todo o amor que eu lhe dei você nem ligou,
Todo o bem que eu lhe fiz você se esqueceu!
Você não vai ter alguém melhor do que eu
E eu já tenho um amor melhor que o seu!

Eu nem quero lembrar que você existe,
Quando penso em você até fico triste!
Você um dia eu amei, mas não sei porque,
Agora tenho um amor melhor que você!

Você não soube querer o quanto eu lhe quis
E agindo assim você só me fez infeliz!
Um grande amor não soube compreender,
Porém meu bem resolvi deixar de sofrer!

Você não soube querer o quanto eu lhe quis
E agindo assim você só me fez infeliz!
Um grande amor não soube compreender,
Porém meu bem resolvi deixar de sofrer!

Eu nem quero lembrar o quanto eu lhe amei,
Pois assim eu me lembro do que eu passei!
Você não vai ter alguém melhor do que eu
E eu já tenho um amor melhor que o seu!

E eu já tenho um amor melhor que o seu!
E eu já tenho um amor melhor que o seu!

domingo, 18 de janeiro de 2009

Até quarta-feira

Até quarta-feira (marcha/carnaval, 1968) - Paulo Sette e H. Silva

Lá, lá, lá, lá, la, lá,
Lá, lá, lá, lá, la, lá,
Lá, lá, lá, lá, la, lá, lá, la, lá.
(bis)

Este não ano vai ser,
Igual aquele que passou,
Eu não brinquei,
Você também não brincou,
Aquela fantasia,
Que eu comprei ficou guardada,
E a sua também, ficou pendurada

Mas este ano está combinado,
Nós vamos brincar separados.
(bis)

Se acaso meu bloco,
Encontrar o seu,
Não tem problema,
Ninguém morreu,
São três dias de folia e brincadeira,
Você pra lá e eu pra cá,
Até quarta feira.

Lá, lá, lá, lá, la, lá,
Lá, lá, lá, lá, la, lá,
Lá, lá, lá, lá, la, lá, lá, la, lá.

Amor de carnaval

Amor de carnaval (samba/carnaval, 1968) - Zé Keti

Vamos brincar
Oba, oba, oba, meu bem
Não quero o teu beijo agora, meu amor
Se nos teus olhos tu me vês qual uma flor
Consola teu coração

Oba, oba, oba, meu bem, me dê a mão
Vamos pro meio do salão
A lua lá no céu é artificial
Porque é carnaval
Papai, mamãe não quer que eu namore pra casar
Ainda é cedo
Amor de carnaval desaparece na fumaça
Saudade é coisa que dá e passa

Oba, oba, oba, meu bem
Não quero o teu beijo agora, meu amor
Se nos teus olhos tu me vês qual uma flor
Consola o teu coração

Oba, oba, oba, meu bem, me dê a mão
Vamos pro meio do salão
A lua lá no céu é artificial
Porque é carnaval
Porque é carnaval.

A rã

A rã (The Frog, 1968) - João Donato e Caetano Veloso
       Dm7
Coro de cor
G7/D
Sombra de som de cor  
Dm7
De mal me quer
G7/D
De mal me quer  
Dm7
De bem de bem me diz 
G7/D
De me dizendo assim  
Dm7
Serei feliz
G7/D
Serei feliz de flor   
Dm7
De flor em flor   
G7/D
De samba em samba em som 
Dm7
De vai e vem
G7/D
De verde verde ver
Fm7
Pé de capim
Bb7(9)                 E7
Bico de pena   pio   de bem-te-vi               
A7           F7M
Amanhecendo sim perto de mim          
Fm7             E7
Perto da claridade da manhã
A7                  D7
A grama a lama  tudo é minha irmã
G7/D                 A7M
A rama o sapo o salto de uma rã

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Pára Pedro

José Mendes
Pára Pedro (rancheira, 1967) - João Mendes e José Portela Delavy
Int.E B7 E 
 
                    B7                    E 
Era um baile lá na serra na fazenda da ramada 
                          B7                      E 
Foi por lá que um tal de Pedro se chegou de madrugada 
                   B7                   E 
Só escutei um zum-zum mas não sabia de nada 
                      B7                       E 
Só ouvia a mulher gritando este Pedro é uma parada 
 
                    B7                       E 
(Pára Pedro, Pedro pára, pára, Pedro, Pedro pára 
                  B7                      E 
Pedro para, para Pedro pára Pedro, Pedro pára) 
                    B7                      E 
Era o Pedro lá num canto beliscando as namorada 
 
Int. 
                     B7                           E 
Quando foi lá pelas tantas que a farra estava animada 
                B7                     E 
Apagaram o lampião e a bagunça foi formada 
                  B7                     E 
As véias se revoltaram Pedroca não é de nada 
                         B7                       E 
E o Pedro brigou com as véias e deu uma peleia danada 
 
( ) 
                 B7                     E 
Fazia cosca nas véia e as véia davam risada 
 
( )Int. 
                      B7                      E 
Pedro foi dançar um chote com uma véia apaixonada 
                   B7                       E 
Surgiu o velho da véia e a coisa foi complicada 
                    B7                           E 
Pedro correu pelos fundos e entrou numa porta errada 
                       B7                      E 
E as moças levaram um susto e gritavam desesperadas 
 
( ) 
                  B7                     
Velha grudada no Pedro e velho no Pedro agarrado 
 
( )Int. 

Palmas no portão

Elza Soares
Palmas no portão (samba, 1967) - Valter Dionísio e D’Acri Luís

Ôôôôô
Há mais de uma semana
Que eu não vejo meu amor
Há mais de uma semana
Que eu não vejo meu amor

De madrugada, bateram palmas no portão
Não era o dono do meu pobre coração
Por isso é que eu chorei
Sentindo a mesma dor
Há mais de uma semana
Que eu não vejo o meu amor

Ôôôôô
Há mais de uma semana
Que eu não vejo meu amor
Há mais de uma semana
Que eu não vejo meu amor

Não presto mas eu te amo

Não presto mas eu te amo (jovem guarda, 1967) - Roberto Carlos
Introdução: E  B7  E  B7

E              A                 E
Se você brigar novamente eu vou me embora
B7                 Em
Mas ouça bem o que eu digo agora:
Am              Em
Eu não presto, mas eu te amo
B7               E   B7  E  B7
Eu não presto, mas eu te amo
E                 A               E
Minha vida foi sempre assim, mas pode mudar
B7            Em
Se você quiser vou modificar
Am              Em
Eu não presto, mas eu te amo
B7               E   B7  E  B7
Eu não presto, mas eu te amo
E             A              E
No meu carro fujo de tudo sempre correndo
B7             Em
Só vou parar você me querendo
Am              Em
Eu não presto, mas eu te amo
B7               E   B7  E  B7
Eu não presto, mas eu te amo

Solo: E  A  E  B7  Em  Am  Em  B7  E  B7  E  B7 

E                A               E
Todo mundo diz que eu tenho a vida agitada
B7              Em
Que eu sou playboy e não valho nada
Am              Em
Eu não presto, mas eu te amo
B7               E   B7  E  B7
Eu não presto, mas eu te amo
E             A                 E
Que eu não sou capaz de amar ninguém de verdade
B7                Em
E que eu só penso em minha vaidade
Am              Em
Eu não presto, mas eu te amo
B7               E   B7  E  B7
Eu não presto, mas eu te amo
E                A              E
Eles vão meu bem condenar-me em cada gesto
B7                     Em
E vão falar também que eu não presto
Am              Em
Eu não presto, mas eu te amo
B7               E   B7  E  B7
Eu não presto, mas eu te amo
E              A                E
Acontece que já não é o que estão falando
B7                 Em
Pois ninguém sabe que eu estou amando
Am              Em
Eu não presto, mas eu te amo
B7               E   B7  
Eu não presto, mas eu te amo
E   B7
Mas eu te amo
E   B7
Mas eu te amo
E
Mas eu te amo.

Mancada

Mancada (1967) - Gilberto Gil
Tom: G7+
Intro: G D/F# Em9 A7 D7 G D5+/F# D/F# Am4/7 Ab5-/7 G7+

G7+                      C#m5-/7
O dinheiro que eu lhe dei
F#5+/7    Bm7
Pro tamborim
E7/9-     Am7          D7/9-         G7+
Não vá gastar depois jogar a culpa em mim
C#m5-/7
O dinheiro que eu lhe dei
F#5+/7     Bm7
Não é meu não
E7/9-   Am7         D7/9-        G7+ (Am4/7 Ab5-/7 G7+)
É da escola por favor não mete a mão
Dm
Você lembra muito bem
G6/9-     C#m5-/7
No outro carnaval
F#5+/7    Bm7                   F#m5-/7
Você chorou porque não pode desfilar
B7      Em          Em7+          Em7
A fantasia que eu mandei você comprar
Em7+        A7     G/B      Ab/C
Não ficou pronta porque o dinheiro
A/C#       C/D           F/G
Que eu lhe dei pra costurar
G7/9-
Você, hum, hum
C7+/9
Eu nem vou dizer
G7+
Pra não lhe envergonhar

Lunik 9

Lunik 9 (1967) - Gilberto Gil
 D7+        Em7         F#m7      D5+/7
Poetas, seresteiros, namorados, correi
Gm7         C7       F7+       A#7+
É chegada a hora de escrever e cantar
Em7       A5+/7     Dm7
Talvez as derradeiras noites de luar
D#m7
Momento histórico, simples resultado
do desenvolvimento da ciência viva
F7+                    
Afirmação do homem normal,
G                        Dm7
gradativa sobre o universo natural
Cm7 F7/9-
Sei lá que mais
A#7+      Am7      D7 
Ah, sim! Os místicos também
Gm7
profetizando em tudo o fim do mundo
C7
E em tudo o início dos tempos do além
Cm7         F7/9
Em cada consciência, em todos os confins
A#7+                      Fm7  A#m Fm7
Da nova guerra ouvem-se os clarins
A#m                 Fm7    A#m  
Guerra diferente das tradicionais,
C7                      F7/9
guerra de astronautas nos espaços siderais
G#                      C#     
E tudo isso em meio às discussões,
A#                    D#
muitos palpites, mil opiniões
F7           G7
Um fato só já existe que ninguém pode negar,
7, 6, 5, 4, 3, 2, 1, já!
C7+            Gm7      C7+              Gm7    C7+
E lá se foi o homem conquistar os mundos lá se foi
Gm7         C7+          Gm7       C7 F
Lá se foi buscando a esperança que aqui já se foi
Fm7       Em7   
Nos jornais, manchetes, sensação,
D#7+     Dm7
reportagens, fotos, conclusão:
G7/9-              C7+         Am7
A lua foi alcançada afinal, muito bem,
Dm7         G7/9-           C7
confesso que estou contente também
F#º                     Em7          D#7+
A mim me resta disso tudo uma tristeza só
Dm7         G7/9-     Em7           A7   Dm7
Talvez não tenha mais luar pra clarear minha canção
G7/9      Em7  A7
O que será do verso sem luar?
Am7          D7      G7/9       Gm7  C6/7
O que será do mar, da flor, do violão?
F#º          Fm7           Em7 D#7+
Tenho pensado tanto, mas nem sei
D7+        Em7         F#m7      D5+/7
Poetas, seresteiros, namorados, correi
Gm7        C7        F7+      A#7+
É chegada a hora de escrever e cantar
Em7        A7       G   Dm7
Talvez as derradeiras noites de luar

Linda mascarada

J. Roberto Kelly
Linda mascarada (marcha-rancho, 1967) - João Roberto Kelly e David Nasser

Vem, ó linda mascarada
Vem teus olhos são de minha amada
Vem, ó linda mascarada
Vem teus olhos são de minha amada.


Vem, faz de conta que o teu amor
Tem a vida exata de uma flor
Vem, faz eterna a madrugada
Com um só minuto do teu beijo
Vem, já é mais noite em nossas noites
Quero amanhecer entre os teus braços...


Vem, ó minha linda mascarada
Que uma noite não é nada.

domingo, 11 de janeiro de 2009

Não posso controlar meu pensamento

Não posso controlar meu pensamento (jovem guarda, 1967) - Cláudio Fontana e Robert Livi
Introdução: ( Em )

Em            Am             Em
É triste compreender que não te posso amar
Am           Em
Existe uma aliança a nos separar
G             C               B7
E esta insistência em meu olhar
Em
É um tormento
C           B7           Em
Mas não posso controlar meu pensamento
Am           Em
Não devo alimentar mais esta ilusão
Am          Em
De um dia ser o dono do teu coração
G                C                B7
E toda vez que penso em te esquecer
Em
É um tormento
C           B7           Em
Não posso controlar meu pensamento
Am          D7             G          Em
Me afastarei de ti, meu bem, eu prometo
Am         B7                  Em
Meu coração te faz este juramento
C           B7           Em
Mas não posso controlar meu pensamento
C           B7           Em
Não posso controlar meu pensamento
C           B7           Em
Mas não posso controlar meu pensamento.

Adeus ingrata

Adeus ingrata (jovem guarda, 1970) - Geraldo Nunes
Intro: D  A  E7  A  D  A  D  E7  A

A                 Bm
Hoje à noite partirei
E7                   A
Pretendo nunca mais lhe ver
Bm
Desde o dia em que lhe encontrei
E7                  A
Minha vida é um eterno sofrer
D       A      E7      A
Adeus ingrata, adeus ingrata
D       A
Adeus ingrata
D           E7    A
Não é preciso nem lhe escrever
A                       Bm
Amanhã estarei longe daqui
E7              A
Outras garotas irei conhecer
Bm
Um novo sol há de brilhar pra mim
D7                    A
Não quero nem lembrar de você
D       A      E7      A
Adeus ingrata, adeus ingrata
D       A
Adeus ingrata
D           E7    A
Não é preciso nem lhe escrever

sábado, 10 de janeiro de 2009

Fábio Júnior


Fábio Júnior (Flávio Airosa Correia Galvão), cantor, compositor e ator, nasceu em 21/11/1953 em São Paulo, SP. Oriundo do bairro do Brooklin, sua mãe era professora de piano e seu pai, motorista de taxi. Ainda adolescente, começou a trabalhar, junto com os irmãos, numa banca de jornal que o pai, então tinha, para ajudar a família. Nessa época, entregava revistas e jornais na casa dos fregueses.

Seu primeiro emprego, depois da banca do pai, foi numa loja de departamentos na seção de crediários e depois fez transporte escolar. Esses empregos serviam somente para seu sustento, mas o sonho de se tornar cantor sempre o acompanhou e nada lhe dava mais prazer do que as conversas na cozinha com o “véio” Galva, como se refere a seu pai, e os acordes que eles tocavam no primeiro violão, presente do pai. A música sempre foi sua grande paixão.

Nos anos 1960, junto com os irmãos formou um conjunto que tocava no programa do Ed Carlos, a Mini-Guarda, no auge da Jovem Guarda. O nome do grupo era “Os Namorados”, depois passou a se chamar Bossa 4 e finalmente Arco-Íris. Com o grupo chegou a se apresentar no programa do Chacrinha como calouros. Com o fim da Mini-Guarda, começou a se descobrir ator. Aos 13 anos passou a fazer teleteatro ao lado de Cacilda Becker e na TV Cultura, atuou no episódio “Um pássaro em meu ombro”, ao lado de Etty Frazer e Paulo Autran. Porém, eram pequenos papéis e por isso mesmo Fábio nunca deixou de cantar e compor.

No início da década de 70, apresentou-se como cantor mirim no programa “Mini-guarda”, da TV Bandeirantes de São Paulo, cantando sucessos da Jovem Guarda. Participou, também, do programa Hallelluyah, ao lado de Sílvio Brito, na TV Tupi da capital paulista. Nos anos de 1974 e 1975, passou a gravar discos em inglês com o nome artístico de Mark Davis.

Tendo começado como cantor, estourou como ator, inicialmente em discretas participações em novelas na TV Globo, como “O feijão e o sonho”, de 1969 (aos 16 anos), depois em 1976, já com o pseudônimo de Fábio Jr., para não ser confundido com o ator Flávio Correia, passou a atuar como ator em novelas como “Pai Herói, de 1976, “Nina”, de 1977, até tornar-se sucesso nacional com o seriado “Ciranda, cirandinha”, de 1978 e a novela “Cabocla”, de 1979.

Nesse ano marcou presença no cinema nacional com sua interpretação no filme “Bye Bye Brasil”, de Cacá Diegues. Seu primeiro sucesso foi Pai, composição própria, gravada no LP de 1979 e incluída na trilha sonora da novela “Pai Herói”.

Em 1980, obteria o seu segundo êxito como cantor e compositor com a música Vinte e poucos anos. Firmado como cantor romântico, fez sucesso também com Eu me rendo, de sua autoria e lançada em 1981, e O que é que há, em parceria com Sérgio Sá, lançada no ano seguinte. Por essa época, gravou o clipe Busca, com Roberto Carlos e apresentou-se no programa do Chacrinha cantando Seu melhor amigo. Fiel ao seu estilo romântico manteve-se em atuação ao longo da década de 1990, sempre com sucesso.

Em 1995, consagrou o sucesso Alma gêmea, de Peninha, emocionando o público ao cantá-lo no programa de fim de ano da TV Globo, comandado por Roberto Carlos. Em 1996, no programa de fim de ano do apresentador Fausto Silva, o Faustão, voltou a emocionar a platéia com esse sucesso.

Em 1997, seu CD Ao vivo, traria nova gravação para Alma gêmea e Pai, também regravou, com êxito Esses moços (Pobres moços), de Lupicínio Rodrigues, e, em 1998, Café da manhã, da dupla Roberto Carlos e Erasmo Carlos.

Em 1999, lançou um CD especial de natal, intitulado Contador de estrelas, cujas músicas, na sua maioria, são parcerias suas com Marinho Marcos, irmão do falecido cantor Antonio Marcos. No ano seguinte, teve o seu sucesso Vinte e poucos anos, regravado pelo grupo de rock Raimundos. Além da Som Livre gravou também na CBS e na BMG. Por essa época, manteve um programa semanal de variedades, na TV Record de São Paulo.

Em 2001, a Som Livre relançou em CD três de seus discos do final dos anos 1970 e início dos anos 1980, trazendo sucessos como Pai herói, Quero colo, Vinte e poucos anos e O que é que há?.

Em 2002 gravou seu primeiro trabalho acústico, no qual interpretou, entre outras, a clássica Pai, além de inéditas como Em cada amanhecer, Minha outra metade, Coração dividido e Seu melhor amigo. Na ocasião, correu o país apresentando o repertório do disco. Em 2002, recebeu o Prêmio Tim como melhor cantor popular.

Na primeira metade de 2003, lançou seu 21º disco Fábio Jr. Ao Vivo, CD duplo ao vivo, com releituras de seus maiores sucessos em versões voz e violão, em que se destacam Coração dividido, Enrosca e a consagrada Pai. O disco foi apresentado em show no ATL Hall, no Rio de Janeiro. Nesse período, participou do programa “Ensaio geral”, apresentado no canal Multishow, falando de sua vida e carreira. Nesse mesmo ano, lançou seu primeiro DVD, com destaque para Minha outra metade.

Em 2004, o artista, entre diversos shows e apresentações na TV, apresentou show, com casa lotada no Claro Hall. Em 2005, voltou ao topo das paradas de sucesso com a música Alma gêmea, de Peninha, tema da novela homônima da TV Globo, de grande audiência. Em novembro do mesmo ano, a Sony&BMG lançou a caixa Mais de vinte e poucos anos, incluindo um DVD de um show do cantor em 2003 e 5 CDs do cantor, 3 de sucessos, um de raridades e um em espanhol.

Em menos de três meses, a gravadora comemorou a marca de oito mil caixas vendidas, tendo em vista que o luxuoso pacote não saiu a um preço popular. Na caixa, a presença de sucessos notórios da carreira de Fábio, passando por inéditas e raridades como gravações da época em que ele usava o pseudônimo de Mark Davis e de quando cantava em grupos como o Uncle Jack ou Os Namorados.

Em fevereiro de 2006, o cantor estreou o show Mais de 20 e poucos anos, com 2 noites de casa lotada no Claro Hall, (RJ), num total de cerca de seis mil pessoas.

Fábio Júnior é pai da também atriz Cleo Pires, fruto do casamento de Glória Pires. É também pai de Krizia, Tainá e Filipe Galvão, frutos do seu casamento com Cristina Karthalian. Teve um casamento relâmpago com a atriz Patrícia de Sabrit que só durou 3 meses.

Casou-se pela sexta vez no dia 1 de setembro de 2007 com a modelo Mari Alexandre.

Alma gêmea

Alma gêmea (canção, 1995) - Peninha - Intérprete: Fábio Júnior
Intro: C Am F Dm Fm7 G7
C7+                         
Por você eu tenho feito 
e faço tudo que eu puder
F7+          C/E                            Dm7    Dm/C
Pra que a vida seja mais alegre do que era antes
G7               G#o   
Tem algumas coisas que acontecem
Am7
que é você quem tem que resolver
F                         Dm7  
Acho graça quando às vezes, louca,
G7
você perde a pose e diz foi sem querer
C7+               
Quantas vezes no seu canto em silêncio
você busca o meu olhar
F7+          C/E                  Dm7    
E me fala sem palavras que me ama tudo bem,
Dm/C           
tá tudo certo
G7                
De repente você põe a mão
G#o       Am7                 F
por dentro e arranca o mal pela raiz
C    Am7   Dm7    G7  C  G7
Você sabe como me fazer feliz
C                   Dm7        
Carne e unha, alma gêmea, bate coração,
G7
as metades da laranja
C                       Gm7
Dois amantes, dois irmãos duas
C7      F
forças que se atraem sonho lindo
Ab            C  Am7   Dm7     G7   C   G7
De viver, estou morrendo de vontade de você
Solo: C Am7 F Dm7 Em7 F7 G7 Am7 F Ab G7

Seu melhor amigo

Seu melhor amigo (canção, 1983) - Fábio Júnior
Intro: 
E  F#/E  A/E  E  B/D#  C#m  
C#m/B F#/A#  F#  A  A/G  E

E       F#/E  A/E                E  B/D#
Olha menina   mostra o seu pensamento    
     C#m            F#
   dentro dessa cabeça
A7+       F#m    B7
eu sei que tem um universo
E        F#/E  A/E            E   B/D# C#m   C#m/B   F#/A#
Sinta menina   tudo que eu ofereço     uma canção  bonita e
Am7  D7/9   E    
o meu amor sincero 

B       A/B         E         C#m  G#m       A         E
Não prometo e nem peço nada mais   quero é ter você comigo
E4  E  B     A/B           E     B/D#   C#4/7  C#7 
Seu sorriso nosso amor e nossa  paz
F#m        B     A        C#m  A7+    F#m    A/B    E     
Serei seu melhor amigo      Serei seu melhor amigo 

SOLO: E  F#/E  A/E  E  B/D#  C#m  C#m/B  F#/A#  F#  A  A/G E

E      F#/E   A/E             E   B/D#    C#m            F#
Venha menina  vamos viver um sonho    eu quero o seu sorriso
A7+               F#m  B7 
brilhando o tempo todo
E      F#/E  A/E              E    B/D#  C#m  C#m/B   F#/A#
Você é linda como uma flor do campo      minha      menina
Am7  D7/9  E
eu     te    amo

REPETE REFRÃO

A7     F#m    A/B    E
Serei seu melhor amigo

O que é que há

O que é que há (canção, 1983) - Fábio Júnior e Sérgio Sá
Tom: C  

Intro: C Bm Am C/D

G               C/G
  O que é que há
                 G      G/B
  O que é que está se passando com
            C    F   C
      essa cabeça
G 
  O que é que há
                         G/B
  O que é que está me faltando
                   C
  Pra que eu te conheça melhor
                  Am             D
  Pra que eu te receba sem choque
                   Am
  Pra que eu te perceba
                    D
  No toque das mãos   em teu
                 G  C  D  C  
            coração
G
  O que é que há, por que é que há
                  G/B
            tanto tempo você não
                C             F  C
            procura meu ombro
   G
  Porque será, porque será que este
             G/B
            fogo
                    C
  Não queima o que tem pra
 
            queimar
                   Am
  Que a gente não ama
                        D
  O que tem pra se amar
                   Am
  Que o sol tá se pondo
                 D
  E a gente não larga
                      G  F/G
  Esta angústia do olhar
C
       Telefona
       D
  Não deixa que eu fuja
      Em
  Me ocupa os espaços vazios
C                       D
  Me arranca desta ansiedade
                 Em
  Me acolhe, me acalma
                           C
            em teus braços   macios
     G
  O que é que há
                        G/B
  O que é que "tá" se passando
                C   F  C
  Com a minha cabeça
 G
      O que é que há

(solo) (G G/B C Am C/D D F/G)

Eu me rendo

Eu me rendo (canção, 1981) - Fábio Júnior e Sérgio Sá
Intro: Dm7 G7 Bb7 A7

Dm7             G7   
Onde é que foi parar aquela menina
Dm7            F7
que me cantava  quase toda noite
Bb7                             G7
Jogando aos ventos palavras, olhares sorrisos e pernas
Bb7              
Telefonemas de duplo sentido,
Bo                            F   Dm7
que me deixaram com calo no ouvido
G7                   
E aquele jeito assim de respirar
A7    
a fim de me afogar de paixão e desejo
Dm7                   G7   
Fiz o possível pra não dar bandeira,
Dm7                 F7
até pensei que não era comigo
Bb7           
Mas você foi mais e mais
G7
se chegando e apertando o cerco
Bb7                      Bo           C7
Usando todas as armas que sabe usar uma mulher
F       A7                 Dm7    F7
Pois então vem, completa agora seu feitiço

Bb           Dm7                  G7
Vem, não faz essa cara de quem não tem nada com isso

C7                     F                Bb
Vem, para com esse papo: o que é que eu fiz?
F                       C7                  F  Bb7
Faça o que quiser eu me rendo mas me faça feliz
F                       Bb13           C13
Faço o que quiser eu me rendo mas me faça

(Introdução) Dm7 G7 Dm7 F7 Bb7 G7 Bb7 Bo  F Dm7 G7  A7

Vinte e poucos anos

Vinte e pouco anos (canção, 1980) - Fábio Júnior
Intro: G G/B C C/D G G/B C C/D

G         D          C 
Você já sabe me conhece muito bem,
G             D              C
eu sou capaz de ir vou muito mais além
G   D   C  C/D
Do que você imagina
G               D        C        
Eu não desisto assim tão fácil meu amor,
G       D     
das coisas que eu quero fazer
C
e ainda não fiz
G          B7      Em    Em/D
Na vida tudo tem seu preço seu valor
C         D7           G
e eu só quero dessa vida é ser feliz
G7/B
Eu não abro mão
C            D    
Nem por você, nem por ninguém,
G                B7
eu me desfaço dos meus planos
C        
Quero saber bem mais
D7                  G        G7
que os meus vinte e poucos anos
C            D7    
Nem por você nem por ninguém,
G             B7
eu me desfaço dos meus planos
C                    D7                  Em    Em/D
Quero saber bem mais que os meus vinte e poucos anos
G          D            C 
Tem gente ainda me esperando pra contar,
G             D          C
as novidades que eu já canso de saber
G                 B7     Em  Em/D
Eu sei também que tem gente me enganando ,
C             D        G
mas que bobagem já é tempo pra crescer
G7/B
Eu não abro mão

Refrão

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Saveiros


Saveiros (canção, 1966) - Dori Caymmi e Nelson Mota - Interpretação: Elis Regina

LP Festival Dos Festivais - II Festival Da Música Popular Brasileira / Título da música: Saveiros / Dori Caymmi (Compositor) / Nelson Motta (Compositor) / Elis Regina (Intérprete) / Gravadora: Philips / Ano: 1966 / Álbum: P-765.000-P / Lado A / Faixa 1 / Gênero musical: Canção.



Nem bem a noite terminou
Vão os saveiros para o mar
Levam no dia que amanhece
As mesmas esperanças
Do dia que passou.

Quantos partiram de manhã
Quem sabe quantos vão voltar
Só quando o sol descansar
E se os ventos deixarem
Os barcos vão chegar
Quantas histórias pra contar

Em cada vela que aparece
Um canto de alegria
De quem venceu o mar

Roda


Roda (1966) - Gilberto Gil e João Augusto - Interpretação: Elis Regina

LP Elis / Título da música: Roda / Gilberto Gil (Compositor) / João Augusto (Compositor) / Elis Regina (Intérprete) / Gravadora: Philips / Ano: 1966 / Álbum: P-765.001-L / Lado A / Faixa 1 / Gênero musical: Canção.


Bm7     Em7 Amaj7       Bm7       Em7
Meu povo preste atencão na roda que eu te fiz
A7       Dmaj7 G7     Cmaj7 Fmaj7  Bm7     E  Amaj7
Quero mostrar  a quem vem   aquilo que o povo diz

Bm7  Em7     Amaj7          Bm7        Em7
Posso falar pois eu sei eu tiro os outros por mim
A7       Dmaj7 G7  Cmaj7   Fmaj7  Bm7  E  Amaj7
Quando almoço não janto e quando canto é assim

Em7     Am6        G7      C6(9)
Agora vou divertir agora vou começar
Bm7 E  Am7                Bm7 E  Am7
Quero ver quem vai sa- ir quero ver quem vai fi- car
Dm7    G7   Cmaj7    Fmaj7  Bm7   E  Amaj7
Não é obrigado a me ouvir quem não quiser escu- tar
Bm7   Em7 Amaj7             Bm7      Em7
Quem tem dinheiro no mundo quando mais tem quer ganhar
A7    Dmaj7 G7       Cmaj7 Fmaj7  Bm7
E a gente que    não tem nada   fica pior do que está

Bm7  Em7    Amaj7        Bm7
Seu moço tenha vergonha acabe a descaração
A7    Dmaj7 G7 Cmaj7   Fmaj7 Bm7   E Amaj7
Deixe o dinhero do pobre e roube outro ladrão

Em7       Am6       G7        C6(9)
Agora vou divertir agora vou prosseguir
Bm7 E  Am7                Bm7  E  Am7
Quero ver quem vai fi- car quero ver quem vai sa- ir
Dm7    G7 Cmaj7    Fmaj7   Bm7    E   Amaj7
Não é obrigado a escutar quem não quiser me ou- vir
Bm7  E    Amaj7          Bm7
Se morre o rico e o pobre enterre o rico
Em7 A7       Dmaj7 G7    Cmaj7 Fmaj7  Bm7  E  Amaj7
E eu quero ver quem que separa o pó do  rico do meu
Bm7 Em7  Amaj7          Bm7        Em7
Se lá embaixo há  igualdade aqui em cima há de haver
A7      Dmaj7 G7     Cmaj7 Fmaj7 Bm7 E  Amaj7
Quem quer ser mais  do que é um dia há de sofrer

Em7     Am6       G7        C6(9)
Agora vou divertir agora vou prosseguir
Bm7  E  Am7                 Bm7 E  Am7
Quero ver quem vai fi- car quero ver quem vai sa- ir
Dm7    G7 Cmaj7    Fmaj7   Bm7    E   Amaj7
Não é obrigado a escutar quem não quiser me ou- vir

Bm7 Em7  Amaj7         Bm7   Em7
Seu moço tenha cuidado com sua exploração
A7     Dmaj7  G7    Cmaj7  Fmaj7 Bm7  E  Amaj7
Se não lhe dou   de presente a sua   cova no chão
Bm7 Em7   Amaj7         Bm7         Em7
Quero ver quem vai dizer quero ver quem vai mentir
Dmaj7 G7  Cmaj7 Fmaj7 Bm7     E
Quero ver quem vai negar aquilo que eu disse aqui

Em7      Am6       G7       C6(9)
Agora vou divertir agora vou terminar
Bm7  E  Am7               Bm7  E  Am7
Quero ver quem vai sa- ir quero ver quem vai fi- car
Dm7   G7   Cmaj7    Fmaj7  Bm7   E   Amaj7
Não é obrigado a me ouvir quem não quiser escu- tar

Bm7 Em7  Amaj7     Bm7     Em7
Agora vou  terminar agora vou discorrer
A7   Dmaj7  G7  Cmaj7 Fmaj7   Bm7  E  Amaj7
Quem sabe tudo e diz logo fica sem nada di- zer
Bm7 Em7    Amaj7         Bm7        Em7
Quero ver quem vai voltar quero ver quem vai fugir
A7      Dmaj7 G7    Cmaj7  Fmaj7   Bm7  E  Amaj7
Quero ver quem   vai ficar quero ver quem vai trair
Bm7  Em7  Amaj7        Bm7       Em7
Por isso eu fecho essa roda a roda que eu te fiz
A7    Bm7  G7    Cmaj7 Fmaj7    Bm7  E   Amaj7
A roda que   é do povo,  onde se diz o que diz ...

Porta estandarte


Porta estandarte (samba, 1966) - Geraldo Vandré e Fernando Lona - Interpretação: Dalva de Oliveira

LP A Cantora do Brasil / Título da música: Porta estandarte / Geraldo Vandré (Compositor) / Fernando Lona (Compositor) / Gravadora: Odeon / Ano: 1967 / Álbum: MOFB 3484 / Lado B / Faixa 1.


Intro: Em7/9 C#m5-/7

Em                                         Am     D
Olha que a vida tão linda se perde em tristezas assim
Am                                        F        Em
Desce o teu rancho cantando essa tua esperança sem fim
Am       D
Deixa que a tua certeza se faça do povo a canção
Am
Pra que teu povo cantando teu canto
F          Em
Ele não seja em vão
C    B7  E7
Eu vou levando a minha vida enfim
Am   D   G    B7
Cantando e canto sim
Em           C      B7  E7
E não cantava se não fosse assim
Am    D    G        E7
Levando pra quem me ouvir
Am          B7          Em
Certezas e esperanças pra trocar
Bm5-/7     E7             Am
Por dores e tristezas que bem sei
Bm5-/7 E7 Am
Um dia ainda vão findar
A#°
Um dia que vem vindo
Em
E que eu vivo pra cantar
C                   B7
Na avenida girando, estandarte na mão
Em
Pra anunciar

Pede passagem

Sidney Miller
Pede passagem (samba, 1966) - Sidney Miller - Intérprete: Nara Leão

LP Nara Pede Passagem / Título da música: Pede passagem / Sidney Miller (Compositor) / Nara Leão (Intérprete) / Gravadora: Philips / Ano: 1966 Álbum: P-632.787-L / Lado A / Faixa 1 / Gênero musical: Samba.


Chegou a hora da escola de samba sair
Deixar morrendo no asfalto uma dor que não quis
Quem não soube o que é ter alegria na vida
Tem toda avenida pra ser muito feliz

Vai, arrasta a felicidade pela rua
Esquece a quarta-feira e continua
Vivendo, chegando
Traz unido o povo, cantando com vontade
Levante em teu estandarte uma verdade
Seu coração

Vai, balança a bandeira colorida
Pede passagem pra viver a vida

domingo, 4 de janeiro de 2009

O cavaleiro


O cavaleiro (canção, 1966) Geraldo Vandré e Tuca (Valeniza Zagni da Silva) - Intérprete: Tuca

Compacto simples / Título da música: O cavaleiro / Tuca (Compositora) / Geraldo Vandré (Compositor) / Tuca (Intérprete) / Gravadora: Chantecler / Ano: 1966 / Álbum: C-33.6241 / Lado A / Gênero musical: Canção.



Bem no fundo do coração
Guardo há tempos um cavaleiro
Que ainda vou mandar pro norte
Vestido de boiadeiro

A caatinga é o seu lugar
Sua andança pra voltar
Esperança suas armas
Injustiças pra guerrear

Mas meu cavaleiro
Não vai se descuidar
Quem sai de uma seca brava
No mar pode se afogar

E há um mundo inteiro
Que espera ouvir falar
De um bravo cavaleiro
Que bem soube se guardar

Para um dia lá no sertão
E no mar e em teu coração
Sertanejo ou jangadeiro
Trazer paz para o Norte inteiro

O carango


O carango (jovem guarda, 1966) - Nonato Buzar e Carlos Imperial - Interpretação: Erasmo Carlos

LP Você Me Acende / Título da música: O carango / Nonato Buzar (Compositor) / Carlos Imperial (Compositor) / Erasmo Carlos (Intérprete) / Gravadora: RGE / Ano: 1966 / Álbum: XRLP 5297 / Lado A / Faixa 2 / Gênero musical: Jovem Guarda.


Copacabana carro vai zarpar
Todo lubrificado
Pra não enguiçar
Roda talalarga genial
Botando minha banca
Muito natural
S´imbora!...1, 2, 3

Camisa verde claro
Calça Saint-Tropez
E combinando com o carango
Todo mundo vê
Ninguém sabo o duro que dei

Pra ter fon fon
Trabalhei, trabalhei (2x)

Depois das seis
tem que acender farol
Garota de menor
Não pode ser sem sol
Ah!
Barra da Tijuca já mixou
A onda agora é
Deixar cair no Le Bateau
Simbora!...1, 2, 3

Garota saia curta
Essa onda é bem
E todo mundo no carango,
Não sobrou ninguém
Ninguém sabe o duro que dei

Prá ter fon fon
Trabalhei, trabalhei (2x)

Mas em São Paulo
Eu boto pra quebrar
Ah! Eu pego o meu carango
e vou pro Guarujá
Paro o carro em frente pro mar
Barra limpa bonequinha,
chega mais prá cá
Simbora!...1, 2, 3

Capota levantada
Pra ninguém nos ver
Um abraço e um beijinho
Isso é que é viver
Ninguém sabe o duro que dei

Prá ter fon fon
Trabalhei, trabalhei (5x)

sábado, 3 de janeiro de 2009

Destaques de Janeiro/2009

Fábio Jr.
10/01/09 - Fábio Júnior - Flávio Airosa Correia Galvão, cantor, compositor e ator, nasceu em 21/11/1953 em São Paulo, SP. Oriundo do bairro do Brooklin, sua mãe era professora de piano e seu pai, motorista de taxi. Ainda adolescente, começou a trabalhar, junto com os irmãos, numa banca de jornal que o pai, então tinha, para ajudar a família....

Miúcha
03/01/09 - Miúcha - Heloísa Maria Buarque de Hollanda, cantora, nasceu no Rio de Janeiro em 30/11/1937 e mudou-se para São Paulo aos oito anos de idade, com a família. O pai, Sergio Buarque de Hollanda, era amigo de músicos e gostava de promover saraus e noitadas musicais. Dorival Caymmi e Vinícius de Moraes eram alguns que apareciam com freqüência. Miúcha começou a ....
Dalton
03/01/09 - Dalton Vogeler - Dalton Vogeler Gomes, instrumentista e compositor, nasceu no Rio de Janeiro em 12/1/1926 e faleceu na mesma cidade em 8/12/2008. Iniciou-se na música com o avô, o maestro e compositor Henrique Vogeler, e como pai, o violinista e violista Carlos Vogeler Gomes. Estudou ainda com Romeu Malta, Davi Paiva e ...

Torquato Neto
01/01/09 - Torquato Neto - Torquato Neto nasceu em Teresina, Piauí, em 1944. Mudou-se para Salvador, Bahia, aos 16 anos, onde conheceu Gilberto Gil , Caetano Veloso e foi assistente no filme Barravento, de Glauber Rocha. Mudou-se mais tarde para o Rio de Janeiro. Conheceu os poetas Décio Pignatari e Augusto de Campos, o...

Nadinho da Ilha
01/01/09 - Nadinho da Ilha - Aguinaldo Caldeira, nascido em 11/06/34, é um homenzarrão de 1,90m de altura e um intérprete da linhagem dos cantores negros de voz encorpada, como Jamelão, Abílio Martins e Monsueto Menezes, com quem, aliás, já foi diversas vezes comparado, graças à impressionante semelhança física. Cantor e compositor...

João Penca
01/01/09 - João Penca e seus Miquinhos Amestrados - João Penca é um trio vocal e os Miquinhos são os músicos que acompanham o trio, de formação variada, um dos mais importantes na retomada do rockabilly, o rock-and-roll mais básico e dançante, anos de 1980, e também um dos pioneiros da renovação deste mesmo...

Leo Jaime
01/01/09 - Leo Jaime - Leonardo Jaime, cantor, nasceu em Goiânia (GO), em 23 de abril de 1960. Iniciou a carreira em 1981, cantando no irreverente conjunto carioca de rock João Penca e seus Miquinhos Amestrados. Ainda com o conjunto, participou do LP Cantando no Banheiro, de Eduardo Dusek, cujo maior sucesso foi sua composição Rock ...

Índio do Cavaquinho
01/01/09 - Índio do Cavaquinho - Edinaldo Vieira Lima, instrumentista, nasceu na cidade de Mata Grande, Alagoas, no dia 20 de junho de 1924. Aos oito anos de idade ganhou um cavaquinho de seu pai e iniciou os estudos como autodidata. Na sua adolescência atuou profissionalmente como músico de banda e integrante de grupos vocais. Em ...

Esterzinha de Souza
01/01/09 - Esterzinha de Souza - Maria de Souza Pereira, cantora, nasceu em 29/1/1930, em São Paulo, SP. No dia 26 de janeiro de 1950 ganhou um concurso no programa de calouros, produzido por Rebello Júnior e apresentado por Aloísio Silva Araújo, na Rádio Bandeirantes. Foi contratada por seis meses na emissora. No mesmo ano ...

Canário e Passarinho
01/01/09 - Canário e Passarinho - A dupla sertaneja era formada pelos irmãos Antônio Bérgamo, o Canário (Altinópolis SP 1934-) e Pedro Bérgamo, o Passarinho (Altinópolis SP 1936-). Trabalharam inicialmente na lavoura, cantando em festas na escola. Em 1959, com o nome de Canário e Canarinho, participaram das eliminatórias do segundo...

Francisco Mignone
01/01/09 - Francisco Mignone - Maestro e instrumentista, nasceu em São Paulo, em 3 de setembro de 1897. Filho do flautista italiano Alferio Mignone, professor de música e integrante da Orquestra do Teatro Municipal, iniciou com ele seus estudos musicais. Aos dez anos começou a estudar piano com Sílvio Motto. Nesta época, usando ...

Artur Budd
01/01/09 - Artur Castro Budd - (Circa 1880 Salvador, BA - circa 1930 Rio de Janeiro, RJ), cantor, era filho de um dentista inglês que se casou com uma moça da família Castro Cafezeiro. Tinha uma irmã também cantora, que parece não ter deixado qualquer registro fonográfico. Apresentava-se ao público como Artur Castro e também como ...

propaganda de lança-perfume da época
27/12/08 - O Carnaval de 1910 - Eram três dias bem desagradáveis. Sujeitos precavidos fechavam-se, olhavam suspeitosos a rua, mas isto não os livrava de pesares: se se distraíam, inundavam-nos jatos de água suja. Iam mudar a roupa, furiosos. Avizinhavam-se depois das janelas, atentos aos moleques armados de bisnagas enormes de bambu ....

dialeto do malandro
27/12/08 - Dialeto do malandro - O dialeto da "Boca": Ali, gansos, loques e laranjas eram engomados. Adoniran e Isaura Garcia: "O que foi que nóis fez?". "Durante a ditadura estado-novista (Getúlio Vargas), particularmente de 1940 em diante, piscaram os sinais de alerta para os malandros e os que cultuavam a malandragem. Desencadeou-se uma cruzada ...

Ana Lucia
13/12/08 - Ana Lúcia - Cantora catarinense revelada em São Paulo na era da bossa nova, Ana Lúcia era puro romantismo e balanço cool no seu primeiro Lp, gravado na extinta Chantecler em 1959. Em sua carreira que foi mais constante até 1964, quando abandonou tudo para casar-se, gravou apenas três Lps, deixando para sempre sua ...

Marchinhas
13/12/08 - O Rio revive nas marchinhas - Havia uma garota, em 1942, cujo beijo era uma bomba de Stuka. Havia uma outra, em 1937, a Sebastiana, que, debaixo de um abraço, só se sentia carne, não se sentia osso. Só não havia pelo menos em 1955, uma Miss Brasil crioula do Morro da Favela - porque, se houvesse seu Joaquim apoiava ela....

Samba
13/12/08 - Falando de samba - Muitos dos nossos musicólogos e folcloristas, quando falam do samba carioca, música que, queiram ou não, é a mais difundida, mais amada e mais bela do Brasil, perdem-se numa desconcertante série de afirmativas não se sabe onde encontradas, tirando delas conclusões as mais levianas. Raras as exceções. De origem africana... 

Baianinho
02/12/08 - Baianinho - Eládio Gomes dos Santos, compositor, nasceu em Salvador, Bahia, em 03 de setembro de 1936. Começou em 1952 na banda de música da escola municipal, onde estudou, tocando clarineta e requinta. Em 1956 mudou-se para o Rio de Janeiro, indo morar no bairro de Cavalcanti. Juntamente com outros músicos, fundou...

Manuel Bandeira
02/12/08 - Manuel Bandeira - Manuel Carneiro de Souza Bandeira Filho nasceu no Recife - PE no dia 19 de abril de 1886, na Rua da Ventura, atual Joaquim Nabuco, filho de Manuel Carneiro de Souza Bandeira e Francelina Ribeiro de Souza Bandeira. Em 1890 a família se transfere para o Rio de Janeiro e a seguir para Santos - SP e, novamente...

Barnabé
02/12/08 - Barnabé - João Ferreira de Melo, cantor e compositor (Botelhos MG, 08/12/1932 - São Paulo SP, 13/09/1968), criado no Paraná, trabalhou na roça e na construção de estradas. Ainda adolescente, juntou-se aos artistas de um parque de diversões, apresentando-se em circos e cinemas como Nhô Peroba, que tocava violão ...

Giane
02/12/08 - Giane - Georgina Morozinde dos Santos, cantora, nasceu em Ribeirão Preto, São Paulo, e pode ser considerada uma das precursoras da jovem guarda. Iniciou a carreira em meados da década de 1960, durante o início da Jovem Guarda. Seu maior êxito, como cantora profissional, foi ter ganho o Festival de San Remo, realizado...

Germano Mathias
02/12/08 - Germano Mathias - Cantor, nasceu em São Paulo-SP em 2 de junho de 1934. Sambista nascido no bairro da Barra Funda, foi contratado pela Rádio Tupi em 1955, depois de se apresentar em um programa de calouros da emissora cantando um samba. No ano seguinte lançou o primeiro disco, com a música Minha nega na janela ...