sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Louvação

Gilberto Gil
Louvação (canção, 1966) - Gilberto Gil e Torquato Neto

Vou fazer a louvação - louvação, louvação
Do que deve ser louvado - ser louvado, ser louvado
Meu povo, preste atenção - atenção, atenção
Repare se estou errado
Louvando o que bem merece
Deixo o que é ruim de lado

E louvo, pra começar
Da vida o que é bem maior
Louvo a esperança da gente
Na vida, pra ser melhor
Quem espera sempre alcança
Três vezes salve a esperança!

Louvo quem espera sabendo
Que pra melhor esperar
Procede bem quem não pára
De sempre mais trabalhar
Que só espera sentado
Quem se acha conformado

Vou fazendo a louvação - louvação, louvação
Do que deve ser louvado - ser louvado, ser louvado
Quem 'tiver me escutando - atenção, atenção
Que me escute com cuidado
Louvando o que bem merece
Deixo o que é ruim de lado

Louvo agora e louvo sempre
O que grande sempre é
Louvo a força do homem
E a beleza da mulher
Louvo a paz pra haver na terra
Louvo o amor que espanta a guerra

Louvo a amizade do amigo
Que comigo há de morrer
Louvo a vida merecida
De quem morre pra viver
Louvo a luta repetida
Da vida pra não morrer

Vou fazendo a louvação - louvação, louvação
Do que deve ser louvado - ser louvado, ser louvado
De todos peço atenção - atenção, atenção
Falo de peito lavado
Louvando o que bem merece
Deixo o que é ruim de lado

Louvo a casa onde se mora
De junto da companheira
Louvo o jardim que se planta
Pra ver crescer a roseira
Louvo a canção que se canta
Pra chamar a primavera

Louvo quem canta e não canta
Porque não sabe cantar
Mas que cantará na certa
Quando enfim se apresentar
O dia certo e preciso
De toda a gente cantar

E assim fiz a louvação - louvação, louvação
Do que vi pra ser louvado - ser louvado, ser louvado
Se me ouviram com atenção - atenção, atenção
Saberão se estive errado
Louvando o que bem merece
Deixando o ruim de lado

Guarânia da saudade

Guarânia da saudade (guarânia, 1966) - Luís Vieira

Tom: A  

Intro: A  E  D  A  E  D

 A                     E          A
Esta saudade que é de ti me alucina
       D                         A
Me desespera esta saudade me tortura
      E                D          A
Silenciosa a ausência tua me ensina
                        E                A
A ler no livro desta solidão minha amargura
                          E          A
Quero que voltes como voltas a primavera
              D
E nos teus olhos tragas todos os encantos
          A
Que são teus
            E                               A
Quando voltares, não digas nada, e vai entrando
                             E
Que te esperando estarão também
                  A A7
Todos os beijos meus

                   D                  A
Mas não demores muito, não demores nada
             E                A
Venhas ligeirinho, sejas camarada

Eu te agradeço

Eu te agradeço (canção, 1966) - Sílvio César

Eu te agradeço
Pelos teus olhos
Por tuas mãos
Por tudo em ti.

Eu te agradeço
Porque nascestes
Da solidão
Em que vivi.

Eu te agradeço
Por tudo enfim
Porque exististes
E és assim

E se deixares
Que eu te ame
Eu te darei, tudo de mim...

E se deixares
Que eu te ame
Eu te darei, tudo de mim...