sábado, 17 de abril de 2010

Carmen Déa

Carmen Déa (Carmen Déa Santos Braga), cantora, nasceu em Vitória-ES em 01/09/1934. Desde pequena cantava em festas familiares incentivada pela família. Aos cinco anos, já cantava em programas infantis na Rádio Canaan, de Vitória. Seu repertório incluía músicas de Ary Barroso. Mudou-se com a família para o Rio de Janeiro aos 13 anos.

Participou de vários programas de calouros na Rádio Nacional e Cruzeiro do Sul, no Rio de Janeiro. No início da carreira, formou dupla com sua irmã, que ficou conhecida como Irmãs Braga.

Aos 18 anos, passou a atuar como crooner do Conjunto Bandeirantes. Em 1950, passou a integrar o conjunto vocal As Três Marias, substituindo Regina Célia, com o qual gravou uma série de LPs só de baiões (Musidisc). Com As Três Marias, trabalhou na Rádio Tupi. Excursionou pelo Brasil com a orquestra de Ary Barroso na década de 1950.

Em 1952, participou com o grupo do filme Era uma vez um vagabundo, de Luís de Barros. Em 1953, saiu do grupo e seguiu carreira solo. Foi convidada por Sivan Castelo Neto para gravar vários jingles e assinou contrato, por um ano, com a Rádio Tupi.

Gravou o primeiro disco pela etiqueta Mocambo em 1955, com os sambas canção Não importa, de Raimundo Froler e Só resta a esperança, de Braga Júnior. No mesmo ano, gravou mais quatro discos pela Mocambo interpretando, entre outras músicas, o samba-fox Agora? e o samba-canção A carne, ambas do compositor potiguar Hianto de Almeida e o samba Você se enganou, de Erasmo Silva e Jorge de Castro.

Em 1956, gravou pela Polydor o samba Pra que falar, de Nazareno de Brito e Fernando César e o fox Zuque zuque, de José Maria de Abreu e Luiz Peixoto. No mesmo ano, deixou ainda registrados na Mocambo mais três discos interpretando, entre outras, o beguine Horas esquecidas, de Fernando César e Nazareno de Brito, o samba Camaleão, de Ary Barroso e a polquinha , de Hianto de Almeida e Sebastião Barros.

Em 1957, gravou, ainda na Polydor, o fox-trot Viver é bom, de Haroldo Eiras e Bruno Marnet e o samba-canção Noite escura, de V. de Andrade.

Gravou mais de dez discos, na Mocambo e Polydor e um LP solo intitulado Eu, você e mais ninguém, pela Polydor, no fim da década de 1950.

Postar um comentário