sábado, 18 de setembro de 2010

O colono

Teixeirinha

O Colono
Tom: E
Intro: E B7 E
E              B7 
Não ri seu moço daquele colono
A E
agricultor que ali vai passando
B7
Admirado com o movimento
E
desconfiado lá vai tropeçando
B7
Ele não veio aqui te pedir nada
A E
são ferramentas que ele anda comprando
B7
Ele é digno de nosso respeito
E
de sol a sol vive trabalhando
B7
Não toque flauta não chame de grosso
A G#m F#m E
pra te alimentar na roça está lutando
Intro.
B7
Se o terno dele não está na moda
A E
não há motivo pra dar gargalhada
B7
Este colono que ali vai passando
E
é um brasileiro da mão calejada
B7
Se o seu chapéu a da aba comprida
A E
ele comprou e não te deve nada
B7
É um roceiro que orgulha a pátria
E
e colhe o fruto da terra lavrada
B7
E se não fosse esse colono forte
A G#m F#m E
tu ias ter que pegar na enxada
Int.
B7
E se tivesse que pegar na inchada
A E
queria ver-te mocinho moderno
B7
Pegar num coice de um arado nobre
E
e um machado pra cortar o cerno
B7
E enfrentar doze horas de sol
A E
num verão forte tu suava o terno
B7
Tirar o leite e arrancar mandioca
E
no mês de julho no forte do inverno
B7
Tuas mãozinhas, finas, delicadas
A G#m F#m E
criavam calos viravam um inferno
Int.
B7
Esse colono enfrenta tudo isso
A E
e muito mais eu não disse a metade
B7
Planta e colhe com o suor do rosto
E
pra sustentar nós aqui na cidade
B7
Não ri seu moço mais desse colono
A E
vai estudar numa faculdade
B7
Tire o VR e chegue lá na roça
E
repare lá quanta dificuldade
B7
Faça algo por nossos colonos
A G#m F#m E
e que Deus lhe pague por tanta vontade
Intro.
Postar um comentário