sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Agustín Barrios

Agustín Pío Barrios
Agustín Pío Barrios, também conhecido como Agustín Barrios Mangoré (San Juan Bautista de las Missiones - Paraguai, 5 de Maio de 1885 - São Salvador - El Salvador, 7 de agosto de 1944) violonista e compositor, desenvolveu, quando criança, o gosto pela música e pela literatura, além de falar duas línguas, o espanhol e o guarani, áreas importantes para sua família. Aprendeu a ler em  inglês, francês e alemão.

Antes de alcançar a adolescência, Barrios começou a demonstrar interesse em instrumentos musicais, particularmente o violão. Ele foi para Assunção em 1901, aos treze anos de idade, para freqüentar a universidade (Colégio Nacional de Assunção) com bolsa em música, tornando-se assim um dos mais jovens estudantes universitários na história do Paraguai. 

Além de tornar-se um músico no Departamento de Música, Barrios-Mangoré foi também bem estimado pelos membros dos departamentos de matemática, jornalismo e literatura.

Depois de deixar o colégio, dedicou sua vida a escrever poemas e a praticar sua música. Fez arranjos para mais de 300 canções as quais ele as escrevia em poemas e depois tocava em seu violão. Fez, também, muitos amigos durante suas múltiplas viagens pela América do Sul: era conhecido por dar aos seus amigos e fãs cópias autografadas dos seus poemas. 

Por causa disto, uma grande quantidade de diferentes versões de sua obra foi espalhada pelo continente e por esta razão muitos dos seus fãs atuais advertem potenciais compradores de cópias a serem cautelosos ao comprar um poema com rumor de ter sido escrito por Barrios-Mangoré.

Barrios ficou famoso pelas suas fenomenais apresentações ao vivo e em gravações para gramofone — a primeira música clássica para violão a ser gravada em disco. Por alguns anos foi costume seu tocar em concertos com roupas paraguaias tradicionais (ele era parcialmente de origem guarani).

De forma geral sua obra era de caráter romântica, apesar de suas músicas terem sobrevivido bem no século vinte. Muitas delas são também adaptações ou são influências da música popular da América do Sul ou da América Central, e muitas das quais são de natureza virtuosa.

Inspirada em Bach, La Catedral (1921) é freqüentemente considerada a sua obra mais impressionante, até mesmo ganhando a aprovação de Andrés Segovia, que em outra época parecia ter pouca consideração por suas composições. A ascensão póstuma das críticas ao trabalho de Barrios, tanto como compositor como violonista, é visto por alguns como vindo às custas de Segovia, originalmente um ícone intocável deste instrumento.

Barrios-Mangoré ainda é reverenciado no Paraguai, onde ele ainda é visto por muitos como um dos maiores músicos de todos os tempos. Sua obra foi advogada por John Williams, entre outros, como uma das maiores no repertório de violão clássico. Williams disse sobre Barrios: "Como um violonista/compositor, Barrios é o melhor de todos, independente do ouvido. Sua música é melhor estruturada, é mais poética, é mais tudo! E é mais de todas as coisas em um modo atemporal. Assim penso eu que ele é um compositor mais significativo que Sor ou Giuliani, e um compositor mais significativo — para o violão — que Villa-Lobos."

Muitos outros violonistas gravaram a música de Barrios, incluindo Laurindo de Almeida, Manuel Barrueco, Antigoni Goni, Iakovos Kolanian, Wulfin Lieske, Angel Romero, David Russell e Enno Voorhorst.

A música popular do Paraguai (incluindo a polca paraguaia e valsa) forneceu ao jovem Barrios o seu primeiro contato com a música. Em 1898, Barrios foi formalmente apresentado ao repertório de violão clássico de Gustavo Sosa Escalada. Naquele tempo, Barrios já havia composto obras para violão e também apresentou peças estritas pelo seu primeiro professor Alias, como La Chinita e La Perezosa. Sob influência do seu novo professor, Barrios prosseguiu apresentando e estudando as obras de Tárrega, Vinas, Sor e Aguado. Sosa Escalada ficou tão impressionado com seu novo aluno que ele convenceu os pais de Barrios a deixá-lo se mudar para Assunção para dar continuidade à sua educação. Já tendo superado a habilidade técnica e de apresentação da maioria dos violonistas, Barrios começou a compor seriamente por volta de 1905.
Composições

As composições de Barrios podem ser divididas em três categorias básicas: folclórica, imitativa e religiosa. Barrios homenageou a música e o povo de sua terra natal compondo peças modeladas a partir de canções populares da América do Sul e da América Central. La Catedral pode ser visto como a imitação de Bach.

Acredita-se que La Catedral foi inspirada em uma experiência religiosa por Barrios; por isso esta peça também pode ser categorizada como religiosa. As crenças e experiências religiosas tiveram um papel importante no processo de composição de Barrios.  

Una Limosna por el Amor de Dios (Uma Esmola pelo Amor de Deus) é outro exemplo de trabalho inspirado pela religião. Dividir o trabalho de Barrios nestas três categorias ajuda o entusiasta de violão a entender a intenção musical de Barrios.

Obra

Quando veio ao Brasil  travou contato com
os chorões da época. Na foto (de 1929): João
Pernambuco, Agustín e Quincas Laranjeiras
Vários registros, que podem facilmente ser encontrados na internet, indicam que sua belíssima obra "Una limosna por el amor de Dios" recebeu este título após sua morte, por sugestão de um aluno que estava justamente ouvindo o mestre mostrar-lhe a música, ainda em fase de conclusão, quando uma anciã bateu à porta, pedindo uma esmola. Após dar-lhe algumas moedas, o mestre afirmou que iria acrescentar aqueles toques na porta à música. 

Ao morrer, cerca de um mes depois do encontro com a esmoler, o aluno sugeriu o título. Por isto, uma outra corrente de opinião acha pouco provável que a música tenha sido criada por influência religiosa. Perguntado de onde havia vindo a inspiração para compor aquela emocionante poesia musical, ele afirmou que "não foi deste mundo".

O cacique Nitsuga Mangoré: mais detalhes

Em 1910, na Argentina, começa uma brilhante carreira como concertista de violão. Aperfeiçoa sua técnica no Uruguai, com Antonio Giménez Manjón. Foi um grande improvisador, improvisando peças inclusive durante concertos. Compôs mais de 300 peças para violão. Suas composições podem ser separadas em 3 categorias: as folclóricas, as religiosas e as imitativas. Diversas composições foram feitas a partir de canções folclóricas paraguaias e de vários países da América do Sul. Assim, compôs chôros (Brasil), tangos (Argentina), cuecos (Chile) e diversas danzas paraguaias.

Foi também um mestre em imitar épocas e compositores. Un Sueño en la Floresta é uma peça romântica. Quando esteve no Brasil, em 1919, compôs Romanza en Imitación al Violoncello, Estudio de Concierto, Mazurka Apasionata e Allegro Sinfónico. Transcreveu para o violão os trabalhos de Bach, Beethoven, Chopin e Schumann, o que exerceu grande influência sobre suas composições dessa época. Tinha uma paixão pela música de Bach. Muitos de seus concertos consistiram apenas em transcrições para o violão de músicas de Bach. O Prelúdio Opus 5, nº 1 é uma homenagem a Bach, escrito em estilo barroco. La Cathedral, uma de suas composições mais executadas na atualidade, é uma imitação do contraponto de Bach, além de ser também, uma peça religiosa.

Por volta de 1917 descobriu a música de Tárrega e, a partir de então, compôs algumas de suas melhores obras. Variaciones Sobre un Tema de Tárrega explora diversas áreas da técnica de execução do violão. A religião exerceu uma grande influência em suas composições. Batizado com o nome de Agustín Pio Barrios, de 1930 até sua morte ficou conhecido como Agustin Barrios Mangoré. Era o cacique Nitsuga Mangoré, ” o mensageiro da raça guarani “, ” o Paganini do violão das selvas paraguaias “. Nitsuga é Agustin escrito ao contrário e Mangoré foi tirado da figura histórica do Chefe Mangoré, um legendário chefe guarani que lutou contra a conquista espanhola.

Durante esse período escreveu Profesion de Fé, que explica em mitologia guarani como o Chefe Nitsuga começou a tocar violão e como chegou a essa nova pessoa. Una Limosna por el Amor de Dios é outro exemplo de obra religiosa.

Fontes: Wikipédia; Agustín Barrios - Violão Brasil.

Nenhum comentário: