quarta-feira, 23 de junho de 2010

Sorria, sorria

Sorria, sorria (1973) - Evaldo Braga e Carmen Lúcia
Intro:  F  E  F  E

Am                Dm
Sorria meu   bem, sorria
        Am     E7
Da infelicidade
               Am  E7
Que você procurou
Am               Dm
Sorria meu bem, sorria
            Am
Você hoje chora
      E7                  Am     F E
Por alguém que nunca lhe amou
Am              Dm
Sorria meu bem, sorria
                Am
Eu sempre lhe dizia
             E7         Am      E7
Quem ri por ultimo ri melhor
Am                Dm
Chorar pra que chorar?
           Am
Você deve sorrir
         E7             Am      A7
Que outro dia será bem melhor
D                             Em
Querida o seu erro você vai pagar
   A                                  D
Entenda que eu não posso mais te aconselhar
  D7                                G
Confesso que você foi o meu grande amor
        D              A              D      G
Sempre sorria, sempre sorria sim como estou
            D          A             D        G    (bis)
Sempre sorria, sempre sorria sim meu amor

Orgulho de um sambista

Orgulho de um sambista (1973) - Gilson de Souza - Intérprete: Jair Rodrigues
Am
Você falou
                              B7
Que junto de mim não mais desfilava
       Dm             E7
Se a minha escola perdesse
           Am B7 E7
Você nem ligava
   Am                    C
Ensaiei, fiz meu samba-enredo
            Dm
Pra minha escola ganhar
                     G7
E na ala de porta-bandeira
           C        E7
Você não quis desfilar
        Am
O meu povo inteiro chorou
   Dm
E você sorria
       G7
Pois trocou nossa escola de tempos
          C               E7
Por um simples amor de três dias
    Dm                 A7
Sufoquei minha dor em sorrisos
     Dm
Pra não chorar
                         E7      Am  B7 E7
Tudo isso ajudou minha escola a ganhar
       Am
Esse orgulho vou levar comigo
       B7
Pro resto da vida
      Dm                E7
Me contaram que você chorou
            Am         E7
Quando eu passei na avenida
      Am                 C
Viu outra de porta-bandeira
     Dm
Desfilando em seu lugar
                     G7
Comissão julgadora presente
           C             E7
Falou que meu samba ia ganhar
     A      Bm    Dbm Gb7
Meu bem, o azar foi seu
             Bm
Ganhei o carnaval
     E7      A      Bm       E7
E você me perdeu, e me perdeu 

O homem de Nazaré

Antonio Marcos
O homem de Nazaré (1973) - Cláudio Fontana

Intro: D - G - D - G - E


A          D             A
Ei! está chegando o ano dois mil
D               A
Tanto tempo faz que ele morreu
D          A         D                G     E
O mundo se modificou, mas ninguém jamais o esqueceu
A         D               A
E eu sou ligado no que ele falou
D               A
Sou parado no que ele deixou
D           A          D             G      E
O mundo só será feliz, se a gente cultivar o amor
A             D             A       D       A
Ei, irmão, vamos seguir com fé, tudo o que ensinou
D            G
O Homem de Nazareth
E  A          D            A
Reis e rainhas que este mundo viu
D            A
Todo povo sempre dirigiu
D                  A      D       G  E
Caminhando em busca de uma luz, sob o símbolo de sua cruz
E  Bm               E                C#m
Ele era o rei mas foi humilde o tempo inteiro
F#m7                 B      E7
Ele foi filho de carpinteiro e nasceu em uma manjedoura
Bm                E             C#m
Não saiu jamais muito longe de sua cidade
F#m7          B              B7/D#    E4       E
Não cursou nenhuma faculdade, mas na vida Ele foi doutor
D       E                   A
Ele modificou o mundo inteiro  (3x)
D             E               A
Ele revolucionou o mundo inteiro
F  A#      D#/A#         A#  D#/A#             A#
Ei irmão, vamos seguir com fé, tudo o que ensinou    
D#/A#        G#        
O Homem de Nazareth     
F  A#        D#            A#  D#           A#     |
Ei irmão, vamos seguir com fé, tudo o que ensinou  |
D#             G#        |bis
O Homem de Nazareth         |
F  A#
Ei, irmão!!!! 

Nunca mais, nunca mais

Nunca mais, nunca mais (1973) - Evaldo Braga e César Saraiva da Silva

Nunca mais
Eu irei te procurar
Nunca mais
Não consigo nem te olhar
Meu Deus do céu
Eu prefiro até morrer
Pra você não volto mais
Nunca mais, nunca mais
Eu sofri tanto
Quando lhe dava meu amor
Você não quis
Entender a minha dor
Me abandonou
Quando eu mais precisava de você
Agora quer voltar pra mim
Nunca mais, nunca mais
Pois nunca mais em minha vida
Eu vou lhe dar o meu perdão
Pode chorar se você quiser
Só lhe digo não
E nunca mais você terá
O meu sincero e grande amor
De mim você nada mais terá
Nunca mais, nunca mais
Lá-lá-lá-lá-lá-lá-lá-lá...

Ninguém tasca

Ninguém tasca (1973, samba/carnaval) - Marinho da Muda e João Quadrado

(Coro)
Essa Nêga é minha
Essa não
Essa Nêga é minha
Essa não

Vou dar bolacha em que mexer com a minha Nêga
Já dei colher demais, agora chega
Há dez mulheres para cada um no Rio de Janeiro
A Nêga é minha, ninguém tasca, eu vi primeiro, ôooi
A Nêga é minha, ninguém tasca eu vi primeiro

Diz!

(Coro)
A Nêga é minha, ninguém tasca, eu vi primeiro, ôooi
A Nêga é minha, ninguém tasca eu vi primeiro

Quando ela estava naquela
Vida aí, bate e passa e a gosto
Não havia nenhum matusquela
Querendo olhar pro seu rosto
Hoje ela anda bonita
E vive no meu barracão

(Coro)
Um, dois, três
Fica assim de gavião, ôooi
No meu barraco, fica assim de gavião............