sexta-feira, 17 de março de 2006

A conquista do ar (Santos Dumont)


O feito de Alberto Santos Dumont, contornando a Torre Eiffel em seu balão n° 6, no dia 19.10.1901, inspirou diversas composições, entre as quais a marcha "A Conquista do Ar", sucesso de 1902. Uma criação de Eduardo das Neves, a canção glorifica o inventor da aviação em versos desbragadamente ufanistas, que o público da época adorou ("A Europa curvou-se ante o Brasil / e clamou parabéns em meigo tom / brilhou lá no céu mais uma estrela / apareceu Santos Dumont").

Palhaço de circo, poeta, compositor e principalmente cantor, Eduardo das Neves foi o nosso artista negro mais popular no início do século. Pai do também compositor Cândido das Neves, deixou modinhas, lundus, cançonetas, sendo de sua autoria os versos em homenagem ao encouraçado Minas Gerais, feitos sobre a melodia da valsa "Vieni sul Mar", do folclore veneziano.

Aliás, ainda sobre a mesma melodia, o radialista Paulo Roberto escreveria, em 1945, nova letra exaltando o estado mineiro ("Lindos campos batidos de sol / ondulando num verde sem fim..."), mantendo o refrão popular ("Ó Minas Gerais / ó Minas Gerais / quem te conhece não esquece jamais...").

No auge da carreira, Dudu das Neves apresentava-se nos palcos de smoking azul e chapéu de seda (Figura: partitura de canção feita por Eduardo das Neves, em homenagem a Santos Dumont).

A conquista do ar (marcha, 1902) - Letra e música do cantor Eduardo das Neves) - Interpretação: Bahiano


A Europa curvou-se ante o Brasil / E clamou “parabéns” em meio tom. / Brilhou lá no céu mais uma estrela: / Apareceu Santos Dumont.

Salve, Estrela da América do Sul, / Terra, amada do índio audaz, guerreiro! / Santos Dumont, um brasileiro!

A conquista do ar que aspirava / A velha Europa, poderosa e viril, / Quem ganhou foi o Brasil!

Por isso, o Brasil, tão majestoso, / Do século tem a glória principal: / Gerou no seu seio o grande herói / Que hoje tem um renome universal.

Assinalou para sempre o século vinte / O herói que assombrou o mundo inteiro: / Mais alto que as nuvens. / Quase Deus, Santos Dumont – um brasileiro.

4 comentários:

Anônimo disse...

essa musica e uma droga preciso fazer um trabalho da escola e nao vou mais,e a feira de ciencias eu nao vou dançar essa musica,muito retro e nao da pra entender nada

Anônimo disse...

anonimo, vc nasceu na època que musica sò serve pra dançar, eu tambem, mas eu sei que a musica antiga e "retro" era muito mais que alguem requebrando o quadril, ela registrava historia, isso é o tesouro da musica... um dia vc cresce e entende

Fernanda Sleiman, Jornalista e pesquisadora de Musica Popular Brasilera

Everaldo J dos Santos disse...

Afinal de contas já tem mais de 100 anos essa gravação... muitos chiados... mas a letra e a interpretação já compensa isso:

Dudu das Neves, o palhaço-cantor, canta um brasileiro que foi o primeiro a voar (irmãos Wright dos EUA uma ova!) e que a Europa se curvou... um orgulho para nós do Brasil, terra de Santos Dumont!

Do que nos orgulhamos hoje em dia em nosso país?

Tudo bem! Eu acredito nesse país aqui... a reserva de riqueza material quanto humana é incomensurável!!!

Anônimo disse...

Nessa época não existia disco, e muito menos DJ! As noites eram todas ao som de bandas. E não um mp3 player qualquer. O que é melhor?

Postar um comentário