domingo, 5 de novembro de 2006

Sérgio Porto

Stanislaw Ponte Preta
Sérgio Porto (Sérgio Marcus Rangel Porto), cronista, radialista e compositor, conhecido também como Stanislaw Ponte Preta, nasceu no Rio de Janeiro (RJ) em 11/1/1923 e faleceu na mesma cidade em 30/9/1968.

Iniciou carreira jornalística escrevendo para a revista Sombra, em 1949. Dois anos depois estava no jornal Diário Carioca, em 1953 na Tribuna de Imprensa e em 1954 na Última Hora, do Rio de Janeiro, onde, sob o pseudônimo de Stanislaw Ponte Preta, deu início às crônicas satíricas que lhe deram fama.

Escreveu em 1953 a Pequena história do jazz e no ano seguinte foi colaborador da Revista de Música Popular, fundada por seu tio Lúcio Rangel e Pérsio de Morais. Com Lúcio Rangel e o pintor Santa Rosa fundou a revista O Mundo Ilustrado.

Em 1956 escreveu com Nestor de Holanda TV para crer, e com Luís Iglésias, no ano seguinte, Quem comeu foi pai Adão, revistas teatrais encenadas com êxito. Escreveu shows musicais para boates, entre os quais o levado em 1964 na boate Zum-Zum, do Rio de Janeiro, com Araci de Almeida e Billy Blanco e apresentação dele próprio.

Como compositor destacou-se com o Samba do crioulo doido, gravado pelo Quarteto em Cy no LP Em Cy maior, em 1968, pela Elenco. O samba glosa a dificuldade dos compositores de escolas de samba quando obrigados a estudar a História do Brasil para compor os enredos dos desfiles.

Suas crônicas começaram a ser reunidas em livro a partir de 1961, com Tia Zulmira e eu, culminando em 1966 com o Febeapá, festival de besteira que assola o país. Foi em certo momento, pela linguagem, estilo, temas e críticas, a encarnação da “alma carioca”.

Sivan Castelo Neto

O compositor e instrumentista Sivan Castelo Neto (Ulisses Lelot Filho) nasceu em Campinas (SP) em 27/5/1904 e faleceu no Rio de Janeiro (RJ) em 28/2/1984. Em São Paulo, em 1920, iniciou-se musicalmente com seu primo o professor Emílio Vautier. Com Savino de Benedictis teve as primeiras lições de harmonia, aperfeiçoando-se ao violino com Torquato Amore.

Autodidata em piano e orquestração, em 1930 teve sua canção Eu e você gravada por Max Cardoso, na Victor. Como violinista, atuou na Rádio São Paulo em 1924, formando um trio com o pianista Alberto Soles e o flautista Vicente Lima. No ano seguinte integrou como segundo violino, a orquestra do Teatro Santana, regida pelo maestro Giamarusti.

Sempre atuando em São Paulo, participou de orquestras de vários cinemas entre os quais o Odeon e o Royal. Foi diretor artístico da Rádio Educadora Paulista (hoje Gazeta) e da Rádio Bandeirantes. Como compositor, teve obras interpretadas por Jorge Fernandes, Orlando Silva e Leny Eversong, entre outros, alcançando grande sucesso como a valsa Se ela perguntar, gravada em 1931 por Gastão Formenti.

Em 1953 sua Valsa de Natal (com Hilton Gomes), obteve o primeiro lugar no concurso de músicas natalinas promovido pela Rádio Globo. De 1950 a 1963 manteve um estúdio de publicidade tendo escrito e gravado centenas de jingles. Fez várias versões. Usava também o pseudônimo de Navis.

Obras: O amor é assim, valsa, 1940; Eu e você, canção, 1930; Eu, o luar e você, bolero, 1959, Foi o vento.., foi a vida (c/Correia Júnior), canção, 1933; Foi tudo um sonho, valsa, 1931; Nem a saudade ficou, valsa, 1934; Se ela perguntar, valsa, 1931, Tema do boneco de palha (c/Vera Brasil), samba, 1961; Valsa dos noivos (C/José Roberto Medeiros), valsa, 1954.

Severino Araújo e a Orquestra Tabajara

Severino Araújo nasceu em Limoeiro (PE) em 23/4/1917 e dirige a Orquestra Tabajara até hoje. O pai de Severino era mestre de banda em Limoeiro, e foi quem deu as primeiras noções de música. Ainda criança, adotou a clarineta como instrumento favorito.

Na década de 30 mudou-se para João Pessoa (PB), onde foi clarinetista da banda da polícia. Em 1936 escreveu o choro Espinha de bacalhau , uma de suas composições mais famosas. Ainda na Paraíba, foi regente da orquestra da Rádio Tabajara, e com alguns integrantes dela partiu para o Rio de Janeiro no final dos anos 30.

Apenas em 1945 a Orquestra adotou oficialmente o Rio de Janeiro como sua sede. Inspirada nas big bands norte-americanas, a Orquestra anima bailes, festas e gafieiras desde os anos 40 até hoje, totalizando mais de 13 mil apresentações. Além de atuar em bailes e festas, a Orquestra Tabajara trabalhava em emissoras de rádio.

Com grande popularidade, a Orquestra gravou mais de 100 discos de 78 rpm, batendo recordes de longevidade, além de alicerçar o trabalho de cantores como Jamelão, com quem gravou dois discos-tributos a Lupicínio Rodrigues .

Durante a existência do Circo Voador, no Rio de Janeiro, a Tabajara era a atração tradicional dos domingos, com a Domingueira Voadora. O repertório é composto tanto de clássicos do jazz e da canção norte-americana quanto de temas da música brasileira. Severino Araújo, que foi aluno de Koellreuter, é autor de várias músicas executadas pela Orquestra, e comemorou seus 80 anos ainda à frente do grupo, regendo e ensaiando.

Vou tirar você desse lugar

Vou Tirar Você Desse Lugar (1972) - Odair José - Intérprete: Odair José

Compacto simples (7") / Título da música: Vou Tirar Você Desse Lugar / Odair José (Compositor) / Odair José (Intérprete) / Gravadora: CBS / Ano: 1972 / Nº Álbum: 33747 / Lado A / Gênero musical: Canção.


 D                        Bm
Olha, a primeira vez que eu estive aqui
B7
Foi só pra me distrair
Em
Eu vim em busca do amor
G    A7                      F#m
Olha,  foi então que eu lhe conheci
Bm                G
Naquela noite fria
Em                     A7
Em seus braços meus problemas esqueci
D                       Bm
Olha, a segunda vez que eu estive aqui
B7
Já não foi pra distrair
Em
Eu senti saudade de você
G    A7                    F#m
Olha,  eu precisei do seu carinho
Bm                   G
Pois eu me sentia tão sozinho
Em             A7
Já não podia mais lhe esquecer
G    A7          F#m
Eu vou tirar você desse lugar
Bm             G
Eu vou levar você pra ficar comigo
Em                    A7
E não interessa o que os outros vão pensar
G    A7          F#m
Eu vou tirar você desse lugar
Bm             G
Eu vou levar você pra ficar comigo
Em                    A7
E não interessa o que os outros vão pensar
D                Bm
Eu sei que você tem medo de não dar certo
B7
Pensa que o passado vai estar sempre perto
Em
E que um dia eu posso me arrepender
G  A7                    F#m       
Eu quero  que você não pense nada triste
Bm                     G
Pois quando o amor existe
Em                 A7
Não existe tempo pra sofrer
G    A7          F#m
Eu vou tirar você desse lugar
Bm             G
Eu vou levar você pra ficar comigo
Em                    A7
E não interessa o que os outros vão pensar
G    A7          F#m
Eu vou tirar você desse lugar...

Vou morar com ela

Odair José
Introdução: A  E7  A  E7 
         A
O meu amor
E7
Foi aumentando
D
Cresceu demais
E7
E uma hora por dia
A
Já não resolve mais
E7
E uma hora por dia
A E7 A E7
Já não resolve mais
A
Quando fico sozinho
E7
Me desligo de tudo
D
Não sei o que faço
E7
Só me sinto feliz
A
Quando estou em seus braços
E7
Só me sinto feliz
A
Quando estou em seus braços
D
Não suporto mais viver longe dela
E7 A
Não agüento mais, eu vou morar com ela
D
Não suporto mais viver longe dela
E7 A
Não agüento mais, eu vou morar com ela
D
Não suporto mais viver longe dela
E7 A
Não agüento mais, eu vou morar com ela
D
Não suporto mais viver longe dela
E7 A
Não agüento mais, eu vou morar com ela
C#m F#m
Todo mundo acha que eu não devo ir
C#m B7
Minha família pensa até que eu enlouqueci
E7
Que eu enlouqueci
A
Mas agora eu sei
E7
Que mais nada adianta
D
Estou muito na dela
E7
E por mais que me esforce
A
Eu não vivo sem ela
E7
E por mais que me esforce
A
Eu não vivo sem ela
D
Não suporto mais viver longe dela
E7 A
Não agüento mais, eu vou morar com ela
D
Não suporto mais viver longe dela
E7 A
Não agüento mais, eu vou morar com ela
D
Não suporto mais viver longe dela
E7 A
Não agüento mais, eu vou morar com ela
D
Não suporto mais viver longe dela
E7 A
Não agüento mais, eu vou morar com ela.

Vou acabar esquecendo você

Odair José
G                Bm
Gosto demais de você
C                Cm
Por isso ainda não lhe deixei
G          Em
Porque mil motivos
Am  D7
Você já me deu
G
Pra lhe deixar
G                    Bm
Ouça o que vou lhe dizer
C
Para o bem de você
Cm
Para o bem de nós dois
G          Em   
Se você não mudar
Am  D7
Eu vou acabar
G
Esquecendo você
Em                 Bm
Quem ama quer carinho
Em               Bm
Eu vivo tão sozinho
C           D7           G
E fico tantos dias sem lhe ver
Em                    Bm
Não podemos mais ficar assim
Em                   Bm
Você tem que escolher, enfim
C               D7
Ou eu ou o nosso amor
G   D7
Vai acabar
G                    Bm
Dou mais uma oportunidade
C
Pois você já tem idade
Cm
Pra saber o que quer
G           Em
Se você não mudar
Am      D7
Eu vou acabar
G           Em
Esquecendo você
Am        D7
Eu vou acabar
             G
Esquecendo você.

Uma vida só (Pare de tomar a pílula)

O goiano de Morrinhos Odair José (de Araújo) chegou ao Rio em 1968, para logo se tornar um dos mais bem-sucedidos cantores-compositores do setor brega-romântico. Misturando em suas composições um sentimentalismo simplório com tiradas que surpreendem pelo insólito das situações, ele atingiria o auge da popularidade com “Uma Vida Só”, canção mais conhecida pelo subtítulo “Pare de Tomar a Pílula”:

“Você diz que me adora / que nessa vida sou eu / então eu quero ver você / esperando um filho meu / pare de tomar a pílula / (...) / pare de tomar a pílula / porque ela não deixa o nosso filho nascer...”

Mas Odair tem outros trunfos em seu repertório como “A Nossa Primeira Vez” (“Vai ser demais / a nossa primeira vez / por isso já comprei / camisinhas pra mais de um mês...”), “Deixe Essa Vergonha de Lado” (“Por você simples empregada / não vai modificar o nosso amor...”) e “Vou Tirar Você desse Lugar (“E não interessa o que os Outros vão pensar...”), cujos versos dispensam qualquer comentário. A propósito, em 1973 Caetano Veloso gravaria “Vou Tirar Você Desse Lugar”, em dueto com Odair (Phono/73) (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jaime Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Uma Vida Só (Pare de Tomar a Pílula) (1973) - Odair José e Ana Maria - Intérprete: Odair José

LP Odair José / Título da música: Uma Vida Só (Pare de Tomar a Pílula) / Odair José (Compositor) / Ana Maria (Compositora) / Odair José (Intérprete) / Gravadora: Polydor / Ano: 1973 / Nº Álbum: 2451 034 / Lado A / Faixa 6 / Gênero musical: Canção.

Tom: A  

 A
 Já nem sei há quanto tempo

 Nossa vida é uma vida só
    Bm   E7  Bm  E7
 E nada mais
         Bm          E7
 Nossos dias vão passando
     Bm            E7
 E você sempre deixando
             A
 Tudo pra depois

 Todo dia a gente ama

 Mas você não quer deixar nascer
          Bm     E7  Bm  E7
 O fruto desse amor
        Bm             E7
 Não entende que é preciso
         Bm           E7
 Ter alguém em nossa vida
            A   A7
 Seja como for
  D                C#m
 Você diz que me adora
      E7                 A
 Que tudo nessa vida sou eu
    D                 A
 Então eu quero ver você
 E7                  A
 Esperando um filho meu
    D                 A
 Então eu quero ver você
  E7                  A  E7
 Esperando um filho meu

Refrão:
 A               Bm
 Pare de tomar a pílula
  E7              A
 Pare de tomar a pílula
                  D
 Pare de tomar a pílula
     A
 Porque!
          E7
 Ela não deixa
                 A  E7
 Nosso filho nascer
  A               Bm
 Pare de tomar a pílula
  E7              A
 Pare de tomar a pílula
                  D
 Pare de tomar a pílula
     A
 Porque!
          E7
 Ela não deixa
                 A
 Nosso filho nascer.

Uma lágrima

Odair José
Introdução: E  G#m  F#m  B7  E  G#m  F#m  B7 
      E      G#m  F#m
Uma lágrima
B7      E  G#m  F#m
Eu deveria ser
B7          E
Somente pra dizer
G#m  F#m        B7                E  G#m  F#m  B7
Nasci      de um amor que em mim nasceu
E      G#m  F#m
Uma lágrima
B7        E    G#m  F#m
Caída pelo rosto
B7          E
Sentida de bom gosto
G#m  F#m        B7         E   E7
E beijar      quem a mim a vida deu
A         B7          G#m          C#m
Se eu fosse uma lágrima, eu não lhe deixaria
A          B7      G#m     C#m
Ficaria em seus olhos, como poesia
A            B7      G#m         C#m
E todo amor do mundo seria pra nós dois
F#m         B7          E   G#m  F#m  B7
Palavras de carinho pra depois
E      G#m  F#m
Uma lágrima
B7      E  G#m  F#m
Eu deveria ser
B7          E
Somente pra dizer
G#m  F#m        B7                E
Nasci      de um amor que em mim nasceu
G#m F#m      B7         E
Ah! Ah! Uma lágrima nasceu
G#m F#m      B7         E
Ah! Ah! Uma lágrima nasceu.

Planta sem raiz

Odair José

Tom: C
  

 Introdução: C G7 F G7 C G7 
 
       C 
 Não chore, não pense 
       G7 
 Eu estou aqui 
 E daqui não saio 
       C 
 Sem você 
  F 
 Hoje eu sei 
        Fm 
 O que ontem passei 
  C            Am 
 Longe sem te ver 
 F            G7 
 Só agora eu fui 
          C  C7 
 Compreender 
           F   G7 
 Que sem você 
                 Em 
 Sou planta sem raiz 
 Am               Dm 
   Veja que a saudade 
                  G7 
 Superou toda maldade 
                   C  C7 
 Vem comigo ser feliz 
            F  G7 
 E pra começar 
             Em 
 Eu já terminei 
 Am               Dm 
   De pensar nos dias 
                 G7 
 De tristeza e agonia 
                    C 
 Dessa vida que passei. 

Meu grande amor

Odair José
Introdução: C Em Dm G7 C Em Dm G7 
 C           Em                Dm              G7
És tudo enfim que existe em mim meu grande amor
C Em Dm G7
Já não suporto tantas lágrimas de dor
C Em Dm G7
Tudo é tão lindo em teu olhar, tudo é tão belo
C Em Dm G7
E todo amor que te dedico é sincero
C Em Dm G7
E tudo agora que eu tenho a dizer
C Em Dm G7
Sem teu calor, meu grande amor, não sei viver
C Em Dm G7
Tudo eu te dou até o céu e o infinito
C Em G#7 G7
Não tem mais som, não tem mais eco o meu grito
C Em G#7 G7 F G7
Não tem mais som, não tem mais eco o meu grito
    Solo: C  Em  Dm  G7  C  Em  Dm  G7 
 C            Em             Dm              G7
Tudo é tão lindo em teu olhar, tudo é tão belo
C Em Dm G7
E todo amor que eu te dedico é sincero
C Em Dm G7
E tudo agora que eu tenho a dizer
C Em Dm G7
Sem teu calor, meu grande amor, não sei viver
C Em Dm G7
Tudo eu te dou, até o céu e o infinito
C Em G#7 G7
Não tem mais som, não tem mais eco o meu grito
C Em G#7 G7
Não tem mais som, não tem mais eco o meu grito.

Meu coração ainda é seu

Odair José
Introdução: F  G7  Em  Am  Dm  G7  C  G7 
       C
Não choro
Porque tenho a esperança
G7
Que você irá voltar
Embora
Com você longe de mim
Vou sofrendo e mesmo assim
C   G7
Eu estou a lhe esperar
C
Relembro
Os momentos de ternura
Nosso amor foi uma jura
G7
Que jamais irei pagar
F         G7
Depende de você
Em     Am
O passado esquecer
Dm        G7
Sem rancor, para mim
C   C7
Regressar
F          G7              Em   Am
Eu tento esquecer, mas não consigo
F            G7           C   Am
Pois esse amor é bem maior que eu
F             G7          Em   Am
Viver sozinho assim é um castigo
F            G7          C   Am
Meu bem, meu coração ainda é seu
F            G7          C   Am
Meu bem, meu coração ainda é seu
F            G7          C
Meu bem, meu coração ainda é seu

Mande nem que seja um telegrama

Odair José
Introdução: A  A4  A  A4  A 
 A
já faz muito tempo
Já faz mais de um ano
E7
Que você foi embora
Mas eu ainda espero
Seu amor ainda quero
A
Minha alma ainda chora
Tudo está tão triste
A7
Para mim mais nada existe
D
Penso em você o dia inteiro
A
Sentindo solidão
E7
Eu fico no portão
A
Esperando o carteiro
D             E7           C#m
Mande nem que seja um telegrama
F#m         Bm
Dizendo que me ama
E7         A   A7
E que um dia vai voltar
D          E7        C#m
Basta escrever uma palavra
F#m          Bm
Fazendo uma promessa
E7            A
Pra que eu possa lhe esperar
F#m          Bm
Fazendo uma promessa
E7            A
Pra que eu possa lhe esperar
F#m          Bm
Fazendo uma promessa
E7            A
Pra que eu possa lhe esperar.

Eu, você e a praça


Eu, Você e a Praça (1973) - Odair José - Intérprete: Odair José

LP Odair José / Título da música: Eu, Você e a Praça / Odair José (Compositor) / Odair José (Intérprete) / Gravadora: Polydor / Ano: 1973 / Nº Álbum: 2451 034 / Lado A / Faixa 3 / Gênero musical: Canção.


Tom: F
Tom-Dm

   Dm                      Gm                   
 Encostei o meu carro na praça 
       C7               
 E você, um tanto sem graça, 
     F           A7               
 Sorriu pra mim 
         Dm                    Gm                            
 Sem querer eu olhei em seus olhos 
         C7        
 Sem saber segurei suas mãos 
         F        
 E começou assim 
      Gm7    C7           F                      
 Um longo silêncio entre nós 
    Dm      Gm     C7        F                       
 A tua presença calou minha voz 
  Gm             C7        F   Dm    
 Tanta coisa eu tinha guardado 
            Bb 
 Pra lhe dizer 
                A 
 Mas não disse nada 
      Dm                  Gm
 Encostei o meu corpo no seu 
       C7 
 E um novo desejo nasceu 
     F          A7      
 Entre nós dois 
         Dm                 Gm
 Seus carinhos me deixavam louco 
        C7 
 Nosso tempo era curto e tão pouco 
             F 
 E deixamos pra depois 
      Gm      C7           F 
 Um longo silêncio entre nós 
    Dm      Gm     C7        F 
 A tua presença calou minha voz 
  Gm        C7             F   Dm
 Tanta coisa eu tinha guardado 
            Bb 
 Pra lhe dizer 
                A   Bb B C 
 Mas não disse nada 
      F     Dm  
 Preciso rever, 
         Gm                  C7 
 Seu sorriso um tanto sem graça 
     F       Dm 
 Preciso voltar 
          Gm                   C7  A7 
 Mas uma vez com você lá na praça 
        Dm                   D7 
 Pra falar mais um pouco de mim 
       Gm                     C7 
 Encostar o meu corpo em seu corpo 
                F   A7 
 E adormecer assim 
 
  Solo:Dm Gm C7 F  A Bb B C  
      
 
     F      Dm 
 Preciso rever 
         Gm                  C7  
Seu sorriso um tanto sem graça...(Refrão)               
C                 Dm 
  E adormecer assim  
C                Dm 
 E adormecer assim (final)

Eu tenho

Odair José
Introdução: (E) 
     E
Eu tenho
F#m
Um quadro todo moderninho
B7
Que foi pintado com carinho
E
Presente de um amigo meu
Eu tenho
F#m
Uma jaqueta tão surrada
B7
Que há tanto tempo está guardada
E
Mas hoje à noite vou usar
A B7 G#m
Eu tenho, a solidão maior do mundo
C#m F#m
Uma saudade que me adora
B7 E
E não me deixa sossegar
A B7 G#m
Eu tenho, tanta vontade de chorar
C#m F#m
Uma tristeza permanente
B7 E
Eu tenho tanto amor pra dar
Eu tenho
F#m
O meu diário tão amigo
B7
Pois ele sempre está comigo
E
Lembrando tudo o que passou
Eu tenho
F#m
Uma lembrança de tão longe
B7
Foi quando conheci um monge
E
E um talismã ele me deu
A B7 G#m
Eu tenho, a solidão maior do mundo
C#m F#m
Uma saudade que me adora
B7 E
E não me deixa sossegar
A B7 G#m
Eu tenho, tanta vontade de chorar
C#m F#m
Uma tristeza permanente
B7 E
Eu tenho tanto amor pra dar.

Esta noite você vai ter que ser minha

Odair José
   A                                    E7
Quero ver no seu rosto o meu sorriso alegre
A
Quero esquecer da vida pra viver o amor
A7 D
Lá fora a chuva está caindo e não vai parar
A E7
Minha vida pode ter fim
A E7
Quando o dia chegar
A E7
Não precisa dizer nada pra não se arrepender
A
Tem certos momentos na vida que o silêncio é melhor
A7 D
Esqueca que a chuva lá fora ainda não parou
A E7
Peça pra que o dia não chegue
A
Pois você me encontrou
E7
Esta noite você vai ter que ser minha
A A7
Esta noite vai ser feita pra nós dois
D A
Nem que seja dessa vez e nunca mais
E7 A E7
Só não quero deixar nada pra depois
A E7
Esta noite você vai ter que ser minha
A A7
Esta noite vai ser feita pra nós dois
D A
Nem que seja dessa vez e nunca mais
E7 A
Só não quero deixar nada pra depois
E7 A
Só não quero deixar nada pra depois
E7 A
Só não quero deixar nada pra depois.

É imenso o meu amor por você

Odair José
Introdução: A  E7  D  A  E7 
   A               E7
Agora não vou chorar
A
Só porque você voltou
E7
Eu juro nunca mais brigar
A
É imenso o meu amor
E7 A
É imenso o meu amor
D A
É imenso o meu amor por você
E7 A
Bem maior que tudo que existe
D A
Quero apenas lhe dizer o porque
B7 E7
Eu fiquei assim tão triste
A E7
Foi a solidão e a dor
A
Que me fez compreender
E7
Para mim não tem valor
A
A minha vida sem você
E7 A
A minha vida sem você
D A
A minha vida sem você é vazia
E7 A
Só existe pranto e saudade
D A
Agora que você voltou, que alegria
B7 E7
Encontrei a felicidade.

Cadê você


Cadê Você (1974) - Odair José - Intérprete: Odair José

LP Odair José / Título da música: Cadê Você / Odair José (Compositor) / Odair José (Intérprete) / Gravadora: Polydor / Ano: 1973 / Nº Álbum: 2451 034 / Lado B / Faixa 5 / Gênero musical: Canção.


Introdução: E  B7  E  B7  E  B7  E  B7

 E         B7
O tempo vai
          E
O tempo vem
          B7
A vida passa
               E       E7
E eu sem ninguém 

        A
Cadê Você?
                          E
Que nunca mais apareceu aqui
                               B7
Que não voltou pra me fazer sorrir
           E        E7
Que nem ligou

         A
Cadê você?
                         E
Que nunca mais apareceu aqui
                               B7
Que não voltou pra me fazer sorrir
               E
Então, cadê? você. 

 E             B7
Mas não faz mal
            E
Pois eu me calo
          B7
Tá tudo bem
             E       E7
Eu sempre falo

        A
Cadê você?
                           E
Que nunca mais apareceu aqui
                               B7
Que não voltou pra me fazer sorrir
           E        E7
Que nem ligou
         A
Cadê você?

Que nunca mais...

A Noite Mais Linda Do Mundo (A Felicidade)


A Noite Mais Linda do Mundo (A Felicidade) (1974) - Donizette - Intérprete: Odair José

LP Lembranças / Título da música: A Noite Mais Linda do Mundo (A Felicidade) / Donizette (Compositor) / Odair José (Intérprete) / Gravadora: Polydor / Ano: 1974 / Nº Álbum: 2451 046 / Lado B / Faixa 6 / Gênero musical: Canção.


Introdução: C#m F#m C#m F#m Bm E7 A
           A G F E A G F E 

  A                 Bm
Vamos fazer dessa noite
E7                  A
A noite mais linda do mundo
Bm
Vamos viver nessa noite
E7                 A
A vida inteira num segundo
D     C#m
Felicidade
D    C#m
Não existe
D       C#m      Bm
O que existe na vida
E7       A   G F E A G F E
São momentos felizes 

  A                 Bm
Vamos fazer dessa noite
E7                  A
A noite mais linda do mundo
Bm
Vamos viver nessa noite
E7                 A
A vida inteira num segundo
D     C#m
Felicidade
D    C#m
Não existe
D       C#m      Bm
O que existe na vida
E7       A
São momentos felizes 

 F#m         B7         F#m
A gente pode ser feliz
B7          D
Viver a vida sem sofrer
C#m               E   C#7
É não pensar no que vai ser, Oh!
F#m            B7          F#m
Não me pergunte se amanhã
B7          D
O nosso amor vai existir
C#m
Não me pergunte
E  C#m F#m C#m F#m Bm E7 A
Pois não sei.

Odair José

O compositor e cantor Odair José (Odair José de Araújo) nasceu em Morrinhos-GO em 16/8/1948. Começou a se interessar por música aos dez anos, aprendendo a tocar piano, gaita e violão de ouvido. Aos 12 anos foi para Goiânia-GO e aos 18 para o Rio de Janeiro-RJ, onde trabalhou em boates e circos de subúrbio.

Sua primeira composição, Vou tirar você desse lugar, data de 1970, ano em que teve sua primeira música gravada, Chato e atrevido, por Denise Barreto, na Odeon. Levado para a gravadora CBS por Rossini Pinto, um ano depois lançou um compacto simples com as músicas de sua autoria Minhas coisas e Meu céu é você.

Em 1973, fez dupla com Caetano Veloso no show Phono 73, cantando seu grande sucesso Pare de tomar a pílula . Gravou cinco LPs, na Phonogram.

Obras principais: Pare de tomar a pílula, 1973; Vou tirar você deste lugar, 1970.

Algumas músicas cifradas: