sexta-feira, 19 de maio de 2006

O baile da saudade

Em 1964, Francisco Petrônio (foto), quando da volta de um show para Enzo de Almeida Passos, na cidade de Bragança Paulista, com seu amigo violonista Zairo Marinoso, sem querer começou a cantarolar instintivamente o tema da música, que viria a se chamar “O Baile da Saudade”, cuja letra e as rimas iam se encaixando rapidamente, e com a participação do Zairo, que montou uma grande parte da música no caminho de volta.

Mas aconteceu aí um grande detalhe: quando chegou em casa, às três horas da madrugada, antes de dormir, Petrônio gravou música e letra, deixando-a registrada no gravador. Quando acordou às nove da manhã, não se lembrava de mais nada, apenas recordou-se da gravação e imediatamente, telefonou para a Continental, onde Palmeira tinha assumido a direção artística, e pediu a ele que terminasse a letra da música. Rapidamente gravada, ela foi um sucesso total, pois a música “O Baile da Saudade” virou empresa, e sempre realizou bailes da saudade, por todo o Brasil (Fonte: Museu da TV - Biografias).

O baile da Saudade (valsa, 1964) - Zairo Marinoso e Palmeira - Interpretação: Francisco Petrônio.

LP O Grande Baile Da Saudade / Título da música: O baile da saudade / Zairo Marinoso (Compositor) / Palmeira (Compositor) / Francisco Petrônio (Intérprete) / Gravadora: Continental / Ano: 1965 / Álbum: PPL 12186 / Lado A / Faixa 1 / Gênero musical: Valsa.



Am -------------------E7-------------------- Am
Ai que saudade eu tenho dos bailes de outrora
-----------------------A7------------------ Dm
Das valsas bem rodadas de branca e aurora
----------------------------------------Am
Das rondas e serestas nas noites de lua
---------------------E7----------------- Am
Dos jovens namorados aos pares na rua

-----------------------E7-------------------- Am
Já não se dançam mais estas valsas tão lindas
-------------------A7--------------------- Dm
A falta que me faz, que lembranças infindas
--------------------------------Am
Devotação divina da lira sonora
--------------------E7-------------- Am
Do baile da saudade dançamos agora

------------E7 ---------Am------ E7
Que saudade da retreta, espartilho bengala
----------Am ---------E7 ------------Am
E palheta / Do bondinho, de cem réis
-----------E7-------------- Am
Da varanda e dos coronéis
-------------Dm ----------Am
La, la, la, lara, lara, laiá la
-------------E7 --------------Am
La, la, la, lara laraiá laiá la la . . .

Adeus amor (Tristesse)

Adeus amor (Tristesse) - Urbano Lóes (música de F. Chopin)

Disco 78 rpm / Título da música: Adeus amor / Autoria: Chopin, Frédéric, 1810-1849 (Compositor) / Lóes, Urbano (Compositor) / Carlos Galhardo, 1913-1985 (Intérprete) / Imprenta[S.l.]: RCA Victor, 1946 / Nº Álbum 800435 / Lado A / Gravação: 22/5/1946 / Lançamento: Setembro/1946 / Gênero musical: Valsa.


-----C---------- G7----------------- C
Adeus meu amor / É hora de partir
-----------------------G7------- C -----------G7
Cantando esta canção / Eu vou me despedir
-------------C----- C7 ------F ------------D7
Adeus amor / Vou te revelar o que sentia
-------------------G7------ C ----------G7
Desejos de te beijar / Adeus meu amor
--------------------C--------------------- G7
É teu meu coração / Um dia hei de voltar
-------C --------------G7------------ C
Cantando esta canção / Adeus amor
----C7-------- F--------------- E7---------- Am
Não esquecerei / os teus carinhos meu amor
-----------D7----------- Fm------------ C----- Am
Hei de levar a tua imagem / No coração
-----------------------Em ---Am ---------------------Em---- F
Lembrando o teu perfil / ------Lembrando o teu olhar
----------------C ---Fm --------------C -----Fm
Contigo sonharei /------- Adeus amor
-------------------C
Meu grande amor

Manhãs de setembro


Manhãs de setembro (canção, 1974) - Mário Campanha e Vanusa - Intérprete: Vanusa

LP Vanusa / Título da música: Manhãs de setembro / Vanusa (Compositora) / Mário Campanha (Compositor) / Vanusa (Intérprete) / Gravadora: Continental / Ano: 1973 / Álbum: SLP 10.123 / Lado A / Faixa 1 / Gênero musical: Canção.


D                 
Fui eu que se fechou no mundo, 
                             A
            e se guardou la fora 
G              
Fui eu que num esforço 
                          D
      se guardou na indiferença
                                           A
Fui eu que numa tarde se fiz tarde de tristezas,
G                                D
Fui eu que consegui ficar e ir embora.
       F#M             G#M
E fui esquecida, fui eu
                              F#M
Fui eu que noite fria se sentia bem, e na solidão
                    G#M
sem ter ninguem fui eu
                                     D
Fui eu que primavera só não vi as flores,
   G/B          D         G/B    Gm
e o Sol, nas manhãs de setembro

        D                F#M
    Eu quero sair, eu quero falar
       G                   A
    Eu quero ensinar o vizinho a cantar
      D           G
Nas manhãs de setembro
      D           G
Nas manhãs de setembro
      D           G
Nas manhãs de setembro
        E7        G    D
Nas manhãs...

Pra nunca mais chorar


Pra nunca mais chorar (1968) - Carlos Imperial e Eduardo Araújo - Intérprete: Vanusa

Compacto simples / Título da música: Pra nunca mais chorar / Eduardo Araújo (Compositor) / Carlos Imperial (Compositor) / Vanusa (Intérprete) / Gravadora: RCA Victor / Ano: 1967 / Álbum: LC-6360 / Lado A / Gênero musical: Jovem Guarda.


Tom: A
Introdução: A  E7  A  E7

 A                               E7
Vem, vem pra bem perto dos meus olhos
                         A
Vivo tristonha a te esperar
           A7            D
Viver pra sempre junto a ti
A        E7            A   E7  A  E7
Oh! Pra nunca mais chorar
 A                                 E7
Vem, traz teus abraços pros meus braços
                      A
As tuas mãos queo beijar
           A7            D
Viver pra sempre junto a ti
A        E7            A   E7  A  E7
Oh! Pra nunca mais chorar
 A                            E7
Vem, traz tua boca pros meus beijos
                        A
Somente a ti eu quero amar
           A7            D
Viver pra sempre junto a ti
A        E7            A
Oh! Pra nunca mais chorar
         E7            A
Oh! Pra nunca mais chorar
         E7            A
Oh! Pra nunca mais chorar.

Faça alguma coisa pelo nosso amor


Faça alguma coisa pelo nosso amor - Roberto Carlos - Interpretação: Os Vips

LP Os Vips / Título da música: Faça alguma coisa pelo nosso amor / Roberto Carlos (Compositor) / Os Vips (Intérprete) / Gravadora: Continental / Ano: 1967 / Álbum: PPL 12333 / Lado A / Faixa 3 / Gênero musical: Jovem Guarda.


  E           G#m        F#m    B7
Faça alguma coisa pelo nosso amor
E          G#m      F#m    B7
Não deixe a saudade nele acontecer
E
Não deixe que nenhum
G#m
De nós venha a sofrer
F#m                    B7
Faça alguma coisa pelo nosso amor
E          G#m         F#m       B7
Não deixe de pensar nenhum minuto em mim
E              G#m         F#m   B7
E pensa que não existe outro amor assim
E
Se por acaso alguém
G#m
Tentar nos separar
F#m         B7         Em
Faça alguma coisa pelo nosso amor
Am            D7       G
Quando a distância estiver nos separando
Am            D7              G
Pensa que em você, meu bem, eu estarei pensando
Am           D7           G
Morrendo de saudade, com vontade de voltar
F#7                   B7
Não há nada pior que de você me separar
E           G#m        F#m    B7
Faça alguma coisa pelo nosso amor
E       G#m       F#m      B7
Pois ele necessita de você e de mim
E
Por isso, meu amor
G#m
Me ame sempre assim
F#m         B7         Em
Faça alguma coisa pelo nosso amor
Am          B7         E         G#m  F#m  B7
Faça alguma coisa pelo nosso amor. 

Emoção

Emoção (1965) - Erasmo Carlos e Roberto Carlos - Interpretação: Os Vips

Compacto duplo: Os Vips / Título da música: Emoção / Erasmo Carlos (Compositor) / Roberto Carlos (Compositor) / Os Vips (Intérprete) / Gravadora: Continental / Ano: 1965 / Álbum: LD-33-763 / Lado B / Faixa 1 / Gênero musical: Jovem Guarda.


E                         G#m
Eu queria pedir pra você ficar
E7                  A
Mas a voz não quis sair
Bm
Eu não pude nem falar
E                           G#m
Eu queria pedir pra você não ir
E7                 A
E ficar perto de mim
F#m B7    E  A
Eu queria lhe pedir
Am
Mas o nosso amor
Em
É grande até demais
A            F#m       B7
E vai durar até você voltar
E                      G#m
E depois quando você voltar
E7             A
Nunca vai de partir
Bm
Porque eu vou lhe pedir
A
Mas o nosso amor
E
É grande até demais
A                F#m      B7
Tudo vai durar até você voltar
E                G#m
E depois quando você voltar
E7         A
Nunca vai de partir
(C   B     E   Am E )
Porque eu vou lhe pedir
Eu vou lhe pedir
Eu vou lhe pedir

A volta


A volta (jovem guarda, 1966) - Roberto Carlos e Erasmo Carlos - Intérprete: Os Vips

LP Os Vips / Título da música: A volta / Roberto Carlos (Compositor) / Erasmo Carlos (Compositor) / Os Vips (Intérprete) / Gravadora: Continental / Ano: 1966 / Álbum: PPL 12285 / Lado A / Faixa 1 / Gênero musical: Canção / Jovem Guarda.


Am                            Em
  estou guardando o que há de bom   em mim
Am                       Em
  para lhe dar quando você   chegar
F        G7
 toda ternura
   C   Em   Am
e todo meu amor
Em                       Dm   G7
 estou guardando pra lhe dar
Am                    Em
  e toda vez que você me beijar
Am                    Em
  a minha vida quero lhe en...tregar
F          G7
 e em cada beijo
C     Em   Am
certo ficarei
Em                      Dm    G7
 que você não vai me deixar
          A                           E7
           grande demais foi sempre o nosso   amor
           A                       E7
           mas o destino quis nos se...parar
              Bm            E7          A          Am
           e agora que está perto o dia de você chegar
          Em                            Dm   G7
           o que há de bom vou lhe entregar
         Am                    Em
BIS        só vejo a hora de você   chegar
         Am                       Em
           pra' todo o meu amor poder   mostrar
          F           G7
           mas quando eu
               C    Em Am
           de perto te olhar
          Em                      Dm   G7
           não sei se vou poder falar
Am                           Em           63 60 63 60
 estou guardando o que há de bom   em mim
Am                           Em
 estou guardando o que há de bom   em mim

Prova de fogo


Prova de fogo (jovem guarda, 1967) - Erasmo Carlos - Intérprete: Wanderléa

LP Wanderlea / Título da música: Prova de fogo / Erasmo Carlos (Compositor) / Wanderléa (Intérprete) / Gravadora: CBS Ano: 1967 / Álbum: 37500 / Lado B / Faixa 5 / Gênero musical: Jovem Guarda.


Introdução: Em  B7  Em  B7

 Em
 Esta é uma prova de fogo
             B7
 Você vai dizer
              Em
 Se gosta de mim

 Sei que você não é bobo
               B7
 Porém seu reinado
                  Em   E
 Vai chegando ao fim, sim
  G
 Tanto tempo eu esperava você
  Dm            G7
 Dizia que me amava
     B7           Em
 Sorria e até cantava
     B7              Em   G G# A D
 Fingindo gostar de mim
 Em
 Esta é uma prova de fogo
             B7
 Você vai dizer
              Em
 Se gosta de mim

 Sei que você não é bobo
               B7
 Porém seu reinado
                  Em
 Vai chegando ao fim.

Pare o casamento


Pare o casamento (Stop the wedding) (1966) - Kenny Young e Arthur Resnick - Interpretação: Wanderléa

LP A Ternura De Wanderléa / Título da música: Pare o casamento (Stop the wedding) / Kenny Young (Compositor) / Arthur Resnick (Compositor) / Wanderléa (Intérprete) / Gravadora: CBS / Ano: 1966 / Álbum: 37459 / Lado B / Faixa 2 / Gênero musical: Jovem Guarda


      E     A       E       A
Por favor,    pare agora,
E   A          E     A  E A E A E A E
Senhor juiz,    pare agora

F#m              
Senhor juiz, eu quero saber,
G#m
Sem este amor o que vou fazer
A                         B          
Pois se o senhor este homem casar,
                           B7
Morta de tristeza sei que vou ficar

F#m                       
Senhor juiz, este casamento,
G#m
Será pra mim todo meu tormento
A                       B 
Não faça isso, peço por favor,
                         B7
Pois minha alegria vive neste amor

Minha namorada



Minha namorada (canção, 1973) - Roberto Corrêa e Jon Lemos - Intérprete: Wanderley Cardoso

LP Wanderley Cardoso / Título da música: Minha namorada / Jon Lemos (Compositor) / Roberto Corrêa (Compositor) / Wanderley Cardoso (Intérprete) / Gravadora: Copacabana / Ano: 1973 / Álbum: COLP 11745 / Lado A / Faixa 1 / Gênero musical: Canção.


Tom: C

  C                                  Dm
Porque este lugar me traz assim, recordação
F                 G7            C      G7
Olho em torno de mim e sinto a solidão
     C                         Dm
As flores do nosso jardim não tem mais cor
  F                     G7                 C     
Aqui tudo é triste, porque já não tenho o seu amor
  C7       F       G7        Em
Quanta saudade eu sinto de você
 Am      Dm      G7      C    
Minha namorada, minha namorada
  C7       F       G7        Em
Quanta saudade eu sinto de você
 Am      Dm             G7           C  
Minha namorada, eu não posso lhe esquecer
  C7       F       G7        Em
Quanta saudade eu sinto de você
 Am      Dm      G7      C    
Minha namorada, minha namorada
  C7       F       G7        Em
Quanta saudade eu sinto de você
 Am      Dm            G7           C
Minha namorada eu não posso lhe esquecer
                                        Dm
O cheiro do mato, a água corrente, o entardecer
    F               G7                  C        G7
No corpo o desejo e em cada beijo, eu amei você
   C                                 Dm
E todas as tardes eu volto aqui pra recordar
    F               G7                   C        
Talvez algum dia encontre você, pra não mais chorar
  C7       F       G7        Em
Quanta saudade eu sinto de você
 Am      Dm      G7      C
Minha namorada, minha namorada... 

O bom rapaz


O bom rapaz (jovem guarda, 1967) - Geraldo Nunes Pereira - Intérprete: Wanderley Cardoso

LP O Bom Rapaz / Título da música: O bom rapaz / Geraldo Nunes Pereira (Compositor) / Wanderley Cardoso (Intérprete) / Gravadora: Copacabana / Ano: 1967 / Álbum: CLP 11505 / Lado A / Faixa 2 / Gênero musical: Jovem Guarda.


A
  Parece que eu sabia

  Que hoje era o dia
                E7
  De tudo terminar

  Pois logo notei

  Quando telefonei
                       A
  Pelo seu jeito de falar

  Eu nunca pensei

  Quem eu tanto amei
                        E7
  Fosse assim me desprezar

  Mas o mundo é grande

  Vou nem sei pra onde
                    A
  Alguém há de me amar

  Já que terminamos
             A7              D
  Só resta agora, o adeus final
       Dm    C#m
  De amar demais
          F#7   Bm
  Ser um bom rapaz
      E7     A  A7  
  Foi o meu mal
  D     Dm    C#m 
   De amar demais
          F#7   Bm
  Ser um bom rapaz
      E7     A
  Foi o meu mal.

Doce de coco

Doce de coco - (1967) - Wanderley Cardoso e Cláudio Fontana

Compacto duplo Wanderley Cardoso / Título da música: Doce de coco / Cláudio Fontana (Compositor) / Wanderley Cardoso (Compositor) / Wanderley Cardoso (Intérprete) / Gravadora: Copacabana / Ano: 1967 / Álbum: 3560 / Lado B / Faixa 1 / Gênero musical: Jovem Guarda.


Introd.: A F#m Bm E7 A F#m Bm E7 A F#m Bm E7

     A            F#m       Bm
Meu bem, isto que é comparação
        E7    A  F#m  Bm  E7
Que eu vou fazer
  A         F#m          Bm
Você vai ficar muito zangada
        E7    A  F#m  Bm  E7
Mas eu vou dizer
 Bm         E7      A   F#m
Você não é doce de coco
Bm       E7       A  F#m
  Mas enjoei de você
 Bm         E7      A   F#m
Você não é doce de coco
Bm       E7      A  F#m Bm E7 A F#m Bm E7 A F#m Bm E7
 Mas enjoei de você
    A        F#m           Bm
É triste eu ter que confessar
            E7     A  F#m  Bm  E7
Que o meu amor morreu
      A        F#m           Bm
Meus olhos já nem conseguem mais
         E7     A   F#m  Bm  E7
Fitar os olhos seus
 Bm         E7      A
Você não é doce de coco
Bm       E7       A  F#m
  Mas enjoei de você
Bm            E7      A   F#m
  Você não é doce de coco
Bm       E7       A
  Mas enjoei de você.

Mote das amplidões

Mote das amplidões (1979) - Zé Ramalho

LP A Peleja Do Diabo Com O Dono Do Céu / Título da música: Mote das amplidões / Zé Ramalho (Compositor) / Zé Ramalho (Intérprete) / Gravadora: Epic/CBS / Ano: 1979 / Álbum: 235030 / Lado B / Faixa 2.


G                          Em            G   Em
montado no meu cavalo pégaso me leve além
                          Bm               G   Em
daquilo que me convém relançar pelo que falo
                         G               Em
bebendo pelo gargalo enchentes e ribeirões
        G                       Bm                   G
na terra tem tem mil vulcões no tempo só tem espaço
Em                    Bm              G      (Em G)
nada digo e tudo faço viajo nas amplidões
G                    Em                    G    Em
por entre pedras e rios planetas e hemisférios
                      Bm                     G Em
há poderes e impérios há sérios homens e fios
                              G              Em
há beijos que são macios há bocas e palavrões
G                Bm
há facas e cinturões
                   G     Em
há dor e muito cansaço
                       Bm             G  ( Em G)
nada digo e tudo faço viajo nas amplidões
 G                        Em                 G Em 
bem no tempo do estio no inverno e no verão
                       Bm               G  Em
no eixo e na rotação no plano que lhe envio
                               G         Em
nos deuses em que confio no poder das orações
G                         Bm               G
no sangue desses canhões no cabelo e no cangaço
Em                     Bm            G    (Em G)
nada digo e tudo faço viajo nas amplidões
  G                    Em                    G Em
conheço tantos caminhos retenho preso na mão
                         Bm                      G Em
as chaves da viração das aves que não têm ninhos
                               G                    Em
das uvas que não dão vinhos dos erros das intenções
 G                        Bm                  G
do fogo desses dragões do pau, do ferro e do aço
Em                   Bm              Em      (G Em)
nada digo e tudo faço viajo nas amplidões.

Mistérios da meia-noite


Mistérios da meia-noite (1985) - Zé Ramalho

LP Roque Santeiro - Trilha Sonora da Novela da Rede Globo / Título da música: Mistérios da meia-noite / Zé Ramalho (Compositor) / Zé Ramalho (Intérprete) / Gravadora: Som Livre / Ano: 1985 / Álbum: 403.6326 / Lado A / Faixa 5.


(intro) D G A G D G A G Bm Bm/A G D/F# Em   G A D

 D                 G
Mistérios da meia-noite
            D
Que voam longe
           G
Que você nunca
           Bm
Nao sabe nunca
            A
Se vão se ficam
              D
Quem vai quem foi

   D                G
Impérios de um lobisomem
              D
Que fosse um homem
          G            Bm
De uma menina tão desgarrada
       A             D
Desamparada se apaixonou
E7
Naquele mesmo tempo
A          A7/G           D
No mesmo povoado se entregou
    F#          Bm Bm/A
Ao seu amor porque
    E7                         Em7
Não quis ficar como os beatos
                          A
Nem mesmo entre Deus ou o capeta
  G             D     G A G D G A G D
Que viveu na feira

 D                 G
Mistérios da meia-noite
            D
Que voam longe
           G
Que você nunca
           Bm
Nao sabe nunca
            A
Se vão se ficam
              D
Quem vai quem foi

   D                G
Impérios de um lobisomem
              D
Que fosse um homem
          G            Bm
De uma menina tão desgarrada
       A             D
Desamparada, seu professor...

(repete tudo 4x)

Kryptônia


Kryptônia (1983) - Zé Ramalho

LP Orquídea Negra / Título da música: Kriptônia / Zé Ramalho (Compositor) / Zé Ramalho (Intérprete) / Gravadora: Epic/CBS / Ano: 1983 / Álbum: 144466 / Lado A / Faixa 3.


intro. (B A G E) (B A G E A A# B) A

 D                           F#m
    Não admito que me fale assim
D                            F#m
  Eu sou o seu décimo-sexto pai
Bm                                           F#m
  Sou primogênito do teu avô, primeiro curandeiro
Bm                                      F#m
  Alcoviteiro das mulheres que corriam sob o teu nariz

F#m G A                                   C#
        Me deves respeito, pelo menos dinheiro
D                                      A
  Ele é o cometa fulgurante que espatifou

G                  D                        B     |
  Um asteróide pequeno que todos chamam de terra  |refrão
G                  D                        B     |
  Um asteróide pequeno que todos chamam de terra  |

(B A G E) (B A G E A A# B) A

D                           F#m
    De Kryptônia desce teu olhar
D                            F#m
  E quatro elos prendem tua mão
Bm                                               F#m
  Cala-te boca, companheiro, vá embora, que má criação!
Bm                                      F#m
  De outro jeito não se dissimularia a suma criação

F#m G A                                     C#
        E foi o silêncio que habitou-se no meio
D                                      A
  Ele é o cometa fulgurante que espatifou

(repete refrão)

Jardim das Acácias

Jardim das Acácias (1979) - Zé Ramalho

LP A Peleja Do Diabo Com O Dono Do Céu / Título da música: Jardim das acácias / Zé Ramalho (Compositor) / Zé Ramalho (Intérprete) / Gravadora: Epic/CBS / Ano: 1979 / Álbum: 235030 / Lado B / Faixa 3.


Intro (C D EmC       D      Em
Nada vejo por esta cidade 
         C        D       Em 
que não passe de um lugar comum 
       C      D         Em
Mas o solo é de fertilidade 
       C          D          Em
no jardim dos animais em jejum 
      C          D       Em
Esperando alvorecer de novo 
     G          D   Am
esperando anoitecer pra ver
      G         D Am
A clareza da oitava estrela 
     G            D    Am
esperando a madrugada vir
          C           D      Em
E eu não posso com a mão retê-la 
         G        D     Am
e eu na passo de um rapaz comum
        G   D  Am
Como e corro trafego na rua
        G       D  Am
fui graveto no bico do anum
         C            D      Em
Vez em quando sou dragão da lua 
      C       D               Em
momentânea aliení..........gena
      C       D          Em
A formiga em viva carne crua 
     C             D       Em
perecendo e naufragando o mar
                        C        D        Em
Uê  oh.......oh.......oh..... naufragando no mar

(C D Em)

     C        D          Em
E a papoula na terra do fogo 
        C      D          Em
sanguessuga sedenta de calor
      C            D     Em
Desemboco o canto nesse jogo 
        C           D        Em
como a cobra se contorce de dor
     C            D     Em  
Renegando a honra da família
     G          D       Am
venerando todo ser criador
     G             D      Am 
No avesso de um espelho claro
       G          D       Am
no chicote da barriga do boi
      C           D     Em
No mugido de uma vaca mansa 
     C         D        Em 
foragido como Judas em paz
      C         D       Em
A pessoa que você mais ama 
       C            D       Em
no planeta vendo o mundo girar
               c         D       Em
Uê  oh.......oh.......oh..... vendo o mundo girar.

(C D Em)
ah ah ah.....

Garoto de aluguel

Garoto de aluguel (1979) - Zé Ramalho

LP A Peleja Do Diabo Com O Dono Do Céu / Título da música: Garoto de aluguel (Taxi boy) / Zé Ramalho (Compositor) / Zé Ramalho (Intérprete) / Gravadora: Epic/CBS / Ano: 1979 / Álbum: 235030 / Lado A / Faixa 5.


(intro) Am Em Dm E

Am                                      Em
Baby, dê-me seu dinheiro que eu quero viver
                                 Dm
Dê-me seu relógio que eu quero saber
                                 E
Quanto tempo falta para lhe esquecer
                                 Am
Quanto vale um homem para amar você
Am                          Em
Minha profissão e suja e vulgar
                              Dm
Quero um pagamento para me deitar
                               E
Junto com você estrangular meu riso
                              Am   ( Em Am )
Dê-me seu amor que dele não preciso

Am                             Em
Baby, nossa relação acaba-se assim
                                 Dm
Como um caramelo que chegasse ao fim
                              E
Na boca vermelha de uma dama louca
                                Am
Pague meu dinheiro e vista sua roupa
Am                                 Em
Deixe a porta aberta quando for saindo
                                Dm
Você vai chorando e eu fico sorrindo
                               E
Conte pras amigas que tudo foi mal
                          Am
Nada me preocupa de um marginal

(solo)  Am Em D7 E

Eternas ondas

LP Raimundo Fagner
Como vários outros compositores, Zé Ramalho também fez uma música para Roberto Carlos gravar. Então, participando de um passeio no iate Lady Laura, ele apresentou-lhe “Eternas Ondas”, uma canção inspirada no tema bíblico do dilúvio, que expõe o contraste entre a grande força da natureza e a fragilidade humana: “Quanto tempo temos / antes de voltarem aquelas ondas / que vieram como gotas em silêncio / tão furioso / derrubando homens entre outros animais...”

Mas Roberto não aproveitou a composição, talvez trágica demais para o seu estilo, que Ramalho passou para o amigo Fagner. Faixa de abertura do álbum Raimundo Fagner, lançado no final de 1980, “Eternas Ondas” recebeu do cantor cearense uma interpretação definitiva, bem ao seu jeito, intenso, emocionado (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Eternas ondas (1981) - Zé Ramalho - Intérprete: Fagner

LP Raimundo Fagner / Título da música: Eternas ondas / Zé Ramalho (Compositor) / Fagner (Intérprete) / Gravadora: CBS / Ano: 1980 / Álbum: 230040 / Lado A / Faixa 1.

Intro: E  G# D#m7/5- G# C#m

C#m   D#m7/5-                        G#            C#m
      Quanto tempo temos antes de voltarem aquelas ondas
F#m                        B7     G#     C#m
Que vieram como gotas em silêncio tão furioso;

E                              G#
Derrubando homens entre outros animais,
D#m7/5-      G#              C#m
Devastando a sede desses matagais (bis);

F#m                      G#
Devorando árvores, pensamentos seguindo
  C#m   F#m                           B7        C#m
A linha do que foi escrito pelo mesmo lábio tão furioso,

E                            G#       D#m7/5-
E se teu amigo vento não te procurar
              G#               C#m
É porque multidões ele foi arrastar (bis).

Entre a serpente e a estrela


Entre a serpente e a estrela (Amarillo by morning) (1992) - Terry Sttaford e Paul Fraser - Intérprete: Zé Ramalho

LP/CD Frevoador / Título da música: Entre a serpente e a estrela (Amarillo By Morning) / Terry Sttaford (Compositor) / Paul Fraser (Compositor) / Zé Ramalho (Intérprete) / Gravadora: Sony Music / Ano: 1992 / Álbum: 850.156/2-464266 / Faixa 5.


(intro) Bb Dm Eb F Bb Dm Eb F

 Bb                 Dm         Eb       Bb
   Há um brilho de faca onde o amor vier
Bb                 Dm       Eb        F
   E ninguém tem o mapa da alma da mulher
        Eb            F                     Bb  Dm  Eb
Ninguém sai com o coração sem sangrar ao tentar reve-la
Bb              Dm                 Eb
   Um ser maravilhoso, entre a serpente e a estrela

(Bb Dm Eb Bb Dm Eb)

Bb                     Dm             Eb           Bb
   Um grande amor no passado se transforma em aversão
Bb                  Dm       Eb         F
   E os dois lado à lado corroem o coração
     Eb            F                   Bb            Dm        Eb
Não existe saudade mais cortante que o de um grande amor ausente
Bb            Dm                 Eb
Dura feito diamante corta a ilusão da gente

(Bb Dm Eb F G)

C                  Em         F           C
   Toco a vida pra frente fingindo não sofrer
C                 Em      F              G
   Mas o peito dormente espera um bem querer
  F             G                C      Em      F
E sei que não será surpresa se o futuro me trouxer
C               Em            F               C
   O passado de volta num semblante de mulher

Chão de giz

Chão de giz (1978) - Zé Ramalho

LP Zé Ramalho / Título da música: Chão de giz / Zé Ramalho (Compositor) / Zé Ramalho (Intérprete) / Gravadora: Epic/CBS / Ano: 1978 / Álbum: 144231 / Lado A / Faixa 3.


Introdução: G D/F# Em C C D D4 D D9 (2x) 

   G                     D/F#                           Em    
Eu desço dessa solidão, espalho coisas sobre um chão de giz      
C                     D               G    G9/F#   Em                       
   Há meros devaneios tolos a me torturar                           
C                   D                   G      G9/F#  Em
   Fotografias recortadas em jornais de folhas a--mi--úde
Am                 Bm                         Am      D
   Eu vou te jogar    num pano de guardar confetes 
Am                  Bm                         Am    D D4 D D9
    Eu vou te jogar     num pano de guardar confetes
    G                       D/F#                         Em 
Disparo balas de canhão, é inútil pois existe um grão-vizir
C                     D                  G   G9/F#     Em
   Há tantas violetas velhas sem um colibri
C                    D                  G     G9/F# Em
   Queria usar quem sabe, uma camisa de força ou de vênus
Am                    Bm                    Am     D
    Mas não vão gozar    de nós apenas um cigarro
Am              Bm                        Am   D D4 D D9
Nem vou lhe beijar gastando assim o meu batom

Solo: G D/F# Em C C D D4 D D9

 G                         D/F#                     Em 
Agora pego um caminhão, na lona vou a nocaute outra vez
C                        D                 G    G9/F#    Em
   Pra sempre fui acorrentado no seu calcanhar  
C                      D                   G       G9/F#   Em
   Meus vinte anos de "boy", "that's over, baby" , Freud explica 
Am                  Bm                      Am     D
   Não vou me sujar     fumando apenas um cigarro
Am                 Bm                         Am    D
    Nem vou lhe beijar gastando assim o meu batom
Am                        Bm                       Am    D
    Quanto ao pano dos confetes já passou meu carnaval
Am                          Bm                 Am     D
    E isso explica porque o sexo é assunto popular

   Am                Bm
no mais estou indo embora
   Am                Bm
no mais estou indo embora
   Am                Bm
no mais estou indo embora
   Am      D D4 D D9
No mais...

G  D/F#  Em  C  D  D4  D  D9  G  C9  G

Canção agalopada


Canção agalopada (1981) - Zé Ramalho

LP A Terceira Lâmina / Título da música: Canção agalopada / Zé Ramalho (Compositor) / Zé Ramalho (Intérprete) / Gravadora: Epic/CBS / Ano: 1981 / Álbum: 235049 / Lado A / Faixa 1.


(intro) F#m E Bm G F#m Bm

        Bm         A        Bm
Foi um tempo que o tempo não esquece
         D           Em            Bm
Que os trovões eram roucos de se ouvir
   F#m        E          Bm
Todo céu começou a se abrir
      G       A         Bm
Numa fenda de fogo que aparece
D            Em      Bm
O  poeta inicia sua prece
   F#m        E         Bm
Pontiando em cordas e lamentos
      G          A         Bm
Escrevendo seus novos mandamentos
        G         A         Bm
Na fronteira de um mundo alucinado

   F#m           E           Bm
Cavalgando em martelo agalopado
    G           A           Bm       (bis)
E viajando com loucos pensamentos

 Bm          A          Bm
Sete botas pisaram no telhado
        D      Em       Bm
Sete léguas comeram-se assim
    F#m         E         Bm
Sete quedas de larva e marfim
     G        A          Bm
Sete copos de sangue derramado
     D        Em        Bm
Sete facas de fio amolado
     F#m   E               Bm
Sete olhos atentos em ser  rei
     G      A        Bm
Sete vezes eu me ajoelhei
       G     A         Bm
Na presença de ser iluminado

     F#m      E           Bm
Como cego fiquei tão ofuscado
     G           A          Bm       (bis)
Ante o brilho dos olhos que olhei

     Bm        A              Bm
Pode ser que ninguém me compreenda
        D        Em          Bm
Quando digo que sou  visionário
       F#m        E          Bm
Pode a bíblia ser um dicionário
     G         A       Bm
Pode tudo ser uma refazenda
      D          Em            Bm
Mas a mente talvez não me atenda
     F#m          E          Bm
Se eu quiser novamente retornar
        G        A           Bm
Para o mundo de leis me obrigar
   G           A        Bm
A lutar  pelo erro do engano

   F#m          E          Bm
Eu prefiro um galope soberano
      G        A           Bm      (bis)
A loucura  do mundo me entregar.

Beira mar

Beira mar (1979) - Zé Ramalho

LP A Peleja Do Diabo Com O Dono Do Céu / Título da música: Beira mar / Zé Ramalho (Compositor) / Zé Ramalho (Intérprete) / Gravadora: Epic/CBS / Ano: 1979 / Álbum: 235030 / Lado A / Faixa 4.


(intro) G Em

G                               Em
  Eu entendo a noite como um oceano
                                 G
Que banha de sombras o mundo de sol
C                        Am
  Aurora que luta por um arrebol
                             Bm
De cores vibrantes e ar soberano
                             Am
Um olho que mira nunca o engano
                                   Em
Durante o instante que vou contemplar
D                              Bm
Além, muito além onde quero chegar
                             G
Caindo a noite, me lanço no mundo
A                            F#7
  Além do limite do vale profundo
                               Bm
Que sempre começa na beira do mar
G                 Em    (G Em)
 É na beira do mar...

G                                        Em
  Ói, por dentro das águas há quadros e sonhos
                                 G
E coisas que sonham o mundo dos vivos
C                                  Am
  Há peixes milagrosos, insetos nocivos
                               Bm
Paisagens abertas, desertos medonhos
                                 Am
Léguas cansativas, caminhos tristonhos
                             Em
Qua fazem o homem se desenganar
D                                 Bm
  Há peixes que lutam para se salvar
                               G
Daqueles que caçam em mar revoltoso
A                                       F#7
  E outros que devoram com gênio assombroso
                               Bm
As vidas que caem na beira do mar
G                  Em    (G Em)
  É na beira do mar...

G                                Em
  E até que a morte eu sinta chegando
                                 G
Prossigo cantando, beijando o espaço
C                          Am
Além do cabelo que desembaraço
                           Bm
Invoco as águas a vir inundando
                               Am
Pessoas e coisas que vão arrastando
                              Em
Do meu pensamento já podem lavar
D                                 Bm
  No peixe de asas eu quero voar
                         G
Sair do oceano de tez poluída
A                                F#7
  Cantar um galope fechando a ferida
                              Bm
Que só cicatriza na beira do mar
G                  Em    (G Em)
  É na beira do mar...

Batendo na porta do céu

Batendo na porta do céu (Knockin' On Heaven's Door) (1997) - Zé Ramalho

CD 20 Anos - Antologia Acústica / Título da música: Batendo na porta do céu (Knockin' On Heaven's Door) / Bob Dylan (Compositor) / Zé Ramalho (Intérprete) / Gravadora: BMG Brasil / Ano: 1997 / Álbum: 7432147349-2 / Disco 2 / Faixa 10.


(intro) G D Am C

E |--------7-5~---------8-----12---10-8-7----
B |-------------------8----------------------
G |-----5/7-7----7-7/9-9--9/12--12-12-9-7----

E |----7-5-------------------------
B |--------------------------8-----
G |-5/7-7---7h9p7-7p9---7-7h9-7h9-7
D |------------------10------------

G            D          Am
Mãe tire o distintivo de mim
G            D           C
Que eu não posso mais usá-lo
G            D          Am
Está escuro demais pra ver
G             D                   C
Me sinto até batendo na porta do céu

(refrão)
G           D               Am
Bate,bate,bate na porta do céu
G           D                C       (2x)
Bate,bate,bate na porta do céu
G                   D           Am
Mãe guarde esses revólveres pra mim
G              D             C
Com eles nunca mais vou atirar
G               D             Am
A grande nuvem escura ja me envolveu

G               D                 C
Me sinto até batendo na porta do céu

(repete refrão)
G          D                Am
Bate,bate,bate na porta do céu
G          D                 C  (4x)
Bate,bate,bate na porta do céu

Banquete de signos

Banquete de signos (1982) - Zé Ramalho

LP Força Verde / Título da música: Banquete de signos / Zé Ramalho (Compositor) / Zé Ramalho (Intérprete) / ? (Intérprete que acompanha o Zé não é citada no álbum) / Gravadora: Epic/CBS / Ano: 1982 / Álbum: 144461 / Lado A / Faixa 5.


Intr.: ( Dm  C )

Dm
Discutir o cangaço com liberdade
C           Am         Dm
É saber da viola, da violência

Descobrir nos cabelos inocência
C            Am        Dm
É saber da fatal fertilidade

F              E7           Am     Am/G
Descobrir a cidade na natureza
F              G              C     E7
Descobrir a beleza dessa mulher
D                A      Bm      Bm/A
Descobrir o que der boniteza
G            F#7          B7   A7      Dm   ( Dm  C )  
Na peleja do homem que vier,   quando vier        

Dm
Descobrir o bagaço dos engenhos
C             Am             Dm
No melaço da cana mais um beijo


Descobrir os desejos que não tem cura
C            Am          Dm
Saracura do brejo na novena

F             E7           Am     Am/G
Descobrir a serena  da natureza
F              G              C     E7
Descobrir a beleza dessa mulher
D                A      Bm      Bm/A
Descobrir o que der boniteza
G            F#7          B7   A7      Dm   ( Dm  C )  
Na peleja do homem que vier,   quando vier

A terceira lâmina


A terceira lâmina ((1981) - Zé Ramalho

LP A Terceira Lâmina / Título da música: A terceira lâmina / Zé Ramalho (Compositor) / Zé Ramalho (Intérprete) / Gravadora: Epic/CBS / Ano: 1981 / Álbum: 235049 / Lado A / Faixa 3.


(intro) Bm C#m5-/7 D7+ Em Bm F#7 Bm

           C#m5-/7                   D7+
É aquela que fere, que virá mais tranqüila
              Em                   Bm
com a fome do povo, com pedaços da vida
              A                       G#°              F#7
com a dura semente, que se prende no fogo de toda multidão
                              Bm
acho bem mais do que pedras na mão
             C#m5-/7                  D7+
dos que vivem calados, pendurados no tempo
             Em                       Bm
esquecendo os momentos, na fundura do poço,
               F#7                      Bm
na garganta do fosso, na voz de um cantador

(intro)
             C#m5-/7              D7+
e virá como guerra, a terceira mensagem,
           Em                    Bm
na cabeça do homem, aflição e coragem
             A                   G#º                      F#7
afastado da terra, ele pensa na fera, que o  começa a devorar
                            Bm
acho que os anos irão se passar
               C#m5-/7           D7+
com aquela certeza, que teremos no olho
              Em                   Bm                  F#7
novamente a idéia , de sairmos do poço da garganta do fosso
                  Bm
{na voz de um cantador}(4x)

A peleja do diabo com o dono do céu

A peleja do diabo com o dono do céu (1979) - Zé Ramalho

LP A Peleja Do Diabo Com O Dono Do Céu / Título da música: A peleja do diabo com o dono do céu / Zé Ramalho (Compositor) / Zé Ramalho (Intérprete) / Gravadora: Epic/CBS / Ano: 1979 / Álbum: 235030 / Lado A / Faixa 1.


Intr.: ( B4/7(b9)  F#m7  G#m7(b9)  F#m7 ) x2

( B4/7(b9)  F#m7  G#m7(b9)  F#m7 )
Pa-la-le-le-le-le-le-le-lo-lo-lo-lo x4

B4/7(b9)             F#m7              G#m7(b9)
Mas com tanto dinheiro girando no mundo
                 F#m7            B4/7(b9)     F#m7
quem tem pede muito, quem não tem pede mais
G#m7(b9)   F#m7              B4/7(b9)
cobiçam a terra e toda a riqueza
            F#m7               G#m7(b9)     F#m7
do reino dos homens e dos animais
C#m       B                  F#m   A  
cobiçam até a planície dos sonhos
E         F#m            Abm   F#m
lugares eternos para descansar
C#m         B                F#m   A
a terra do verde que foi prometido
 E           F#m             Abm   F#m
até que se canse de tanto esperar
A                   B              F#m   Bm
que eu não vim de longe para me enganar!
A                   B              F#m   Bm
que eu não vim de longe para me enganar!
A                   B              F#m   Bm   
que eu não vim de longe para me enganar!
( B4/7(b9)  F#m7  G#m7(b9)  F#m7 ) x2

B4/7(b9)    F#m7                G#m7(b9)
o tempo do homem, a mulher, o filho,
        F#m7             B4/7(b9)    F#m7
o gado novilho urra no curral
G#m7(b9)         F#m7         B4/7(b9)
vaqueiros que tangem a humanidade
          F#m7               G#m7(b9)   F#m7
em cada cidade em cada capital
C#m      B                 F#m   A
em cada pessoa de procedimento
E         F#m               Abm   F#m
em cada lamento palavras de sal
C#m        B                 F#m   A
a nau que flutua no leito do rio
E           F#m            Abm   F#m
conduz a velhice conduz à moral
A            B          F#m   Bm
assim como Deus, parabéns o mal!
A            B          F#m   Bm
assim como Deus, parabéns o mal!
A            B          F#m   Bm   
assim como Deus, parabéns o mal!
 B4/7(b9)  F#m7  G#m7(b9)  F#m7 ) x2

B4/7(b9)       F#m             G#m7(b9)
já que tudo depende de boa vontade
          F#m               B4/7(b9)   F#m
é de caridade que eu quero falar
G#m7(b9)   F#m             B4/7(b9)
daquela esmola da cuia tremendo
                 F#m             G#m7(b9)   F#m
ou me mato ou me rendo, é lei natural
C#m         B                    F#m   A
num muro de cal espirrado de sangue
E           F#m               Abm   F#m
de lama de mangue, de rouge e baC#m           B                F#m   A
o conversa que ouço me criva
E            F#m               Abm   F#m
de setas e facas e favos de mel
A                B                F#m   Bm
é a peleja do diabo com o dono do céu!
A                B                F#m   Bm
é a peleja do diabo com o dono do céu!
A                B                F#m   Bm 
é a peleja do diabo com o dono do céu! 
 ( B4/7(b9)  F#m7  G#m7(b9)  F#m7 ) x2

Admirável gado novo


Autor de uma obra surrealista, que funde o rock com o repente nordestino, o paraibano Zé Ramalho atinge um de seus melhores momentos com “Admirável Gado Novo” que, gravado no elepê A peleja do diabo com o dono do céu, o tornou conhecido em todo o país. Inspirada no título Admirável mundo novo, de um livro de Aldous Huxley, a composição comenta a sina do povão, que se repete em cada geração, manejada pelos interesses dos poderosos.

Isso é exposto em três veementes estrofes, que são intercaladas por um refrão-aboio, seco e irônico: “Eh eh ô vida de gado / povo marcado, eh / povo feliz...”

Ramalho é o melhor intérprete de sua própria obra, com uma voz rude e cavernosa que complementa e dá convicção ao mundo contraditório, delirante e apocalíptico que a caracteriza. Dezesseis anos depois de seu lançamento, “Admirável Gado Novo” funcionaria como tema dos “sem terra”, na telenovela “O Rei do Gado”, da Rede Globo, puxando a vendagem do disco, recordista com quase dois milhões de cópias (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Admirável gado novo (1980) - Zé Ramalho

LP A Peleja Do Diabo Com O Dono Do Céu / Título da música: Admirável gado novo / Zé Ramalho (Compositor) / Zé Ramalho (Intérprete) / Gravadora: Epic/CBS / Ano: 1979 / Álbum: 235030 / Lado A / Faixa 2.

(intro) ( D  D5+  D6  D5+ )

   D            Bb5+        Bm Bb5+    
Vocês que fazem parte dessa massa 
D            Bb5+     Bm   Bb5+
que passa nos projetos do futuro
   D         Bb5+         Bm  Bb5+
É duro tanto ter que caminhar    
 D         Bb5+            Bm   Bb5+
e dar muito mais do que receber

  Em             F#7        Bm  A
E ter que demonstrar sua coragem 
   Em           F#7       Bm  A
à margem do que possa parecer
  Em           F#7        Bm  A
E ver que toda essa engrenagem 
    Em        F#7         Bm     A7
já sente a ferrugem lhe comer

(D   G)
Ê, ô ô, vida de gado, povo marcado, ê, povo feliz

   D            Bb5+       Bm Bb5+
Lá fora faz um tempo confortável, 
   D         Bb5+        Bm    Bb5+
a vigilância cuida do normal
   D          Bb5+       Bm Bb5+
Os automóveis ouvem a notícia, 
   D         Bb5+         Bm    Bb5+
os homens a publicam no jornal
  Em        F#7         Bm  A   Em      F#7           Bm  A
E correm através da madrugada a única velhice que chegou
  Em           F#7        Bm  A  Em         F#7           Bm  A
Demoram-se na beira da estrada e passam a contar o que sobrou

(D   G)
Ê, ô ô, vida de gado, povo marcado, ê, povo feliz

   D        Bb5+    Bm Bb5+
O povo foge da ignorância 
   D       Bb5+          Bm    Bb5+
apesar de viver tão perto dela
   D           Bb5+           Bm Bb5+ 
E sonham com melhores tempos idos, 
D           Bb5+      Bm    Bb5+
contemplam essa vida numa cela
  Em         F#7      Bm A    Em         F#7         Bm  A
Esperam nova possibilidade de verem esse mundo se acabar
  Em       F#7        Bm   A    Em           F#7     Bm  A
A arca de Noé, o dirigível, não voam nem se pode flutuar

(D   G)
Ê, ô ô, vida de gado, povo marcado, ê, povo feliz

Vila do Sossego

Vila do Sossego (1978) - Zé Ramalho

LP Zé Ramalho / Título da música: Vila do Sossego / Zé Ramalho (Compositor) / Zé Ramalho (Intérprete) / Gravadora: Epic/CBS / Ano: 1978 / Álbum: 144231 / Lado A / Faixa 2.


Intr.: ( G5  G7+* C7+ ) Bm Am E 
            G5                G7+        C7+ 
Oh, eu não sei se eram os antigos que diziam
            G5         G7+       C7+ 
Em seus papiros Papillon já me dizia
    Am          Am/G             D/F#
Que nas torturas toda carne se trai
     Am                 Am/G               D/F#
Que normalmente, comumente, fatalmente, felizmente,
       F                  C                   G            Am  E
Displicentemente o nervo se contrai, oh,oh,oh,oh com precisão
       G5         G7+        C7+ 
Nos aviões que vomitavam pára-quedas
       G5         G7+        C7+ 
Nas casamatas, casas vivas, caso morras
Am          Am/G             D/F#
E nos delírios meus grilos temer
    Am              Am/G                     D/F#
O casamento, o rompimento, o sacramento, o documento
       F                  C              G                 Am  E
Como um passatempo quero mais te ver, oh,oh,oh,oh,oh com aflição
        G5         G7+        C7+ 
Meu treponema não é pálido nem viscoso
        G5         G7+        C7+ 
E os meus gametas se agrupam no meu som
Am            Am/G         D/F#
E as querubinas meninas rever
     Am          Am/G                D/F#
Um compromisso submisso, rebuliço no cortiço
      F              C               
Chame o padre "Ciço" para me benzer, 
G         Am  E
oh,oh,oh,oh,oh,oh com devoção

Frevo mulher


Um dos grandes sucessos de Zé Ramalho, “Frevo Mulher” foi composto num quarto do Hotel Plaza, no Rio, na noite em que o autor iniciava o seu romance com a cantora Amelinha. Em compasso binário, o seu ritmo, alcunhado de agalopado, é produto de uma alquimia idealizada por Ramalho, que mistura frevo e forró, gêneros dominantes nas festas juninas do Nordeste.

Apesar das previsões desanimadoras de um então diretor da gravadora de Amelinha, a quem “Frevo Mulher” fora entregue, a música (“Quantos aqui ouvem / os olhos de fé / quantos elementos / amam aquela mulher / quantos homens eram inverno / outros verão...”) teve sucesso imediato, graças ao seu andamento frenético e o riff marcante do final. Essas seriam as razões que levaram “Frevo Mulher” a ser adotado em muitas academias de ginástica do Rio de Janeiro, espalhando-se o seu sucesso em seguida pelas discothèques e estações de rádio, em que era solicitado a todo o momento pelos ouvintes.

Isso obrigou a gravadora a lançar o fonograma também num compacto simples, o que acabou ajudando a consagração da canção e da intérprete. O melhor elogio a “Frevo Mulher” foi feito por Caetano Veloso ao afirmar que o carnaval da Bahia tomou novo rumo depois do seu sucesso (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Frevo mulher (1980) - Zé Ramalho - Interpretação: Amelinha

LP Frevo Mulher / Título da música: Frevo mulher / Zé Ramalho (Compositor) / Amelinha (Intérprete) / Gravadora: CBS / Ano: 1978 / Álbum: 138063 / Lado A / Faixa 1 / Gênero musical: Frevo.

(intro) Bm C

     Bm        C
E|-2--2-5-2--0---3---------|
B|-3-------3-1----5-3-1----|
G|-4---------0-------------|
D|-4---------2-------------|
A|-2---------3-------------|
E|-------------------------|

Bm              C                     Bm    C
  Quantos aqui ouvem os olhos eram de fé
 Am              Am/G              Em
  Quantos elementos amam aquela mulher
G                    D                  Em
  Quantos homens eram inverno outros verão
 F                                      Em
  Outonos caindo secos no solo da minha mão
Bm                 C                      Bm    C
  Gemeram entre as cabeças a ponta do esporão
 Am                    Am/G                Em
  A folha do não-me-toque e o medo da solidão
G                    D                   Em
  Veneno meu companheiro desata no cantador
 F                                      Em
  E desemboca no primeiro açude do meu amor
 D
  É quando o tempo sacode a cabeleira
 Em
  A trança toda vermelha
 D                 D7                 Em
  Um olho cego vagueia procurando por um

Avôhai


Avôhai (1977) - Zé Ramalho

LP Zé Ramalho / Título da música: Avôhai / Zé Ramalho (Compositor) / Zé Ramalho (Intérprete) / Patrick Moraz (Participação) / Gravadora: Epic/CBS / Ano: 1978 / Álbum: 144231 / Lado A / Faixa 1.


(intro) Em  G   D 
       D
Um velho cruza a soleira, de botas longas, 
de barbas longas de ouro o brilho do seu colar
G/B      A/C#          D               A/C#            D
Na laje fria onde quardava sua camisa e seu alforje de caçador
Em                  G        D
Oh, meu velho  invisível Avôhai
Em                  G        D
Oh, meu velho indivisível Avôhai
D                   Am           G          Am        D
Neblina turva e brilhante em meu cérebro, coágulos de sol
                            Am          G             Am        D
Amanita matutina e que transparente cortina ao meu redor
Em                              G                         D
   E se eu disser que é meio sabido você diz que é meio pior
Em                   G                        D
   E pior do que planeta quando perde o girassol
A                    G           Bm            A
   É o terço de brilhante nos dedos de minha avó
A                        G
   E nunca mais eu tive medo da porteira
                     Bm                     A
Nem também da companheira que nunca dormia só

(solo)
Em    G         D
                AVÔHAI,    avô e pai
Em  G       D
       AVÔHAI
      D
O brejo cruza a poeira, 
de fato existe um tom mais leve na palidez desse pessoal
G/B      A/C#               D               A/C#              D
Pares de olhos tão profundos que amargam as pessoas que fitar
Em                     G                              D
Mas que bebem sua vida, sua alma na altura que eu mandar
Em                    G                   D
São os olhos são as asas, cabelos de avôhai,
D                  Am             G        Am         D
Na pedra de turmalina e no terreiro da usina eu me criei
D                Am           G         Am          D
Voava de madrugada e na cratera condenada eu me calei
Em                        G                   D
Se eu calei foi de tristeza você cala por calar
Em                         G                D
E calado vai ficando só fala quando eu mandar
A                      G        Bm        A
Rebuscando a consciência com medo de viajar
A                            G                    
Até o meio da cabeça do cometa    
                Bm                    A
girando na carrapeta no jogo de improvisar
A                                       G                        
Entrecortando eu sigo dentro a linha reta 
                     Bm                       A
eu tenho a palavra certa pra "dotor" num "reclamá"
Avohai
Avohai
Avohai
Avohai