quarta-feira, 14 de junho de 2006

Você não passa de uma mulher


Você Não Passa de Uma Mulher (1976) - Martinho da Vila - Intérprete: Martinho da Vila

LP Maravilha De Cenário / Título da música: Você Não Passa de Uma Mulher / Martinho da Vila (Compositor) / Martinho da Vila (Intérprete) / Gravadora: RCA Victor / Ano: 1975 / Nº Álbum: 110.0008 / Lado A / Faixa 2 / Gênero musical: Samba.


A
Mulher preguiçosa
                       Bm
Mulher tão dengosa, mulher
        E7                 A
Você não passa de uma mulher
Mulher tão bacana
                     Bm
E cheia de grana, mulher
        E7               A
Você não passa de uma mulher
                    Bm
Olha que moça tão bonita
             E7               A
Olhando pra moça mimosa e faceira
           F#m                 Bm
Olhar dispersivo, anquinhas maneiras
           E7                    A
Um prato feitinho pra garfo e colher
                 Bm
Eu lhe entendo menina
         E7                      A
Buscando carinho de um modo qualquer
          F#m                    Bm
Porém lhe afirmo que apesar de tudo
       E7                A
Você não passa de uma mulher
                Bm
Olha moça inteligente
            E7         
Que tem no batente
             A
Um trabalho mental
     F#m               Bm
Q.I. elevado e pós graduado
       E7              A
Psicanalizada, intelectual
                      Bm
Vive à procura de um mito
             E7                   A
Pois não se adapta a um tipo qualquer
            F#m                  Bm
Já fiz seu retrato, apesar do estudo
         E7             A
Você não passa de uma mulher
       F#m
Ah! Mulher...

Disritimia

Disritmia (samba, 1974) - Martinho da Vila - Intérprete: Martinho da Vila

LP Canta Canta, Minha Gente / Título da música: Disritmia / Martinho da Vila (Compositor) / Martinho da Vila (Intérprete) / Gravadora: RCA Victor / Ano: 1974 / Nº Álbum: 103.0110 / Lado A / Faixa 2 / Gênero musical: Samba.


Am                    Am7
Eu quero me esconder debaixo
  Am6                    Am7
Dessa sua saia prá fugir do mundo
Em5-/7          A7          Em5-/7
Pretendo também me embrenhar
A7      Em5-/7        A7     Dm7
No emaranhado desses seus cabelos
       E7
Preciso transfundir meu sangue
            E7/9-         Am7 
Pro meu coração que é tão vagabundo
Dm7                 Am7
Me deixa te trazer um dengo
             E7           Am7
Prá num cafuné fazer os meus apelos


Am               Am7
Eu quero ser exorcisado
     Am6                    Am7
Pela água benta desse olhar infindo
Em5-/7      A7       Em5-/7
Que bom é ser fotografado
A7        Em5-/7           A7      Dm7
Mas pelas retinas desses olhos lindos
      E7
Me deixe hipnotizado
       E7/9-          Am7    
Prá acabar de vez com essa disritmia
    Dm7                 Am7
Vem logo, vem curar seu nêgo
            E7           Am7
Que chegou de porre lá da boêmia 

O pequeno burguês

Reformulador do samba-enredo, ao qual deu maior dinâmica, Martinho José Ferreira, o Martinho da Vila, foi se consagrar como estilizador de um outro tipo de samba, o partido-alto. “O que fiz foi pegar o partido-alto — que não era usado nem nas escolas, ficando apenas nos grupos e rodinhas — e dar uma forma, armando uma historinha com versos e refrão muito característico”, esclareceu o sambista em entrevista a Tárik de Souza, nos anos oitenta (História da música popular brasileira).

Esse esquema ele usou em seu primeiro grande sucesso, “O Pequeno Burguês”, e noutros sambas lançados na ocasião. “O Pequeno Burguês” narra a luta de um personagem sem recursos, que dá duro para se formar numa faculdade particular e receber o seu “canudo de papel”: “Felicidade, passei no vestibular / mas a faculdade é particular / particular, ela é particular / (...) / mas felizmente / eu consegui me formar / mas da minha formatura / não cheguei a participar”.

Além de vitorioso nas carreiras de cantor e compositor, Martinho tornou-se um batalhador pela valorização e difusão da cultura negra (A Canção no Tempo – Vol. 2 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

O Pequeno Burguês (samba, 1969) - Martinho da Vila - Intérprete: Martinho da Vila

LP Martinho Da Vila / Título da música: O Pequeno Burguês / Martinho da Vila (Compositor) / Martinho da Vila (Intérprete) / Gravadora: RCA Victor / Ano: 1969 / Nº Álbum: BBL 1488 / Lado A / Faixa 3 / Gênero musical: Samba / MPB.

C                      Dm
Felicidade, passei no vestibular
           G7             C
Mas a faculdade, é particular
                         Dm
Particular, ela é particular
      G7                 C
Particular, ela é particular
Livros tão caros
                Dm
Tanta taxa pra pagar
                   G7
Meu dinheiro muito raro
                       C
Alguém teve que emprestar
                                     Dm
Meu dinheiro alguém teve que emprestar
           G7                        C
Meu dinheiro alguém teve que emprestar
 C
Morei no subúrbio
                Dm
Andei de trem atrasado
                   G7
Do trabalho ia pra aula
                     C
Sem jantar e bem cansado
Mas lá em casa à meia-noite
                     Dm
Tinha sempre a me esperar
                  G7
Um punhado de problemas
                C
E crianças pra criar
                              Dm
Para criar, só crianças pra criar
      G7                     C
Para criar, só crianças pra criar
Mas felizmente
                 Dm
Eu consegui me formar
                   G7
Mas da minha formatura
                     C
Nem cheguei a participar
Faltou dinheiro pra beca
                  Dm
E também pro meu anel
                G7
Nem o diretor careca
                 C
Entregou o meu papel
                             Dm
O meu papel, meu canudo de papel
        G7                   C
O meu papel, meu canudo de papel
E depois de tantos anos
                   Dm
Só decepções, desenganos
                  G7
Dizem que sou burguês
              C
Muito privilegiado
                    Dm
Mas burgueses são vocês
                  G7         C
Eu não passo de um pobre coitado
                      Dm
E quem quiser ser como eu
            G7          C
Vai ter que penar um bocado
        Dm
Um bom bocado
     G7            C
Vai penar um bom bocado
        Dm
Um bom bocado 
     G7            C
Vai penar um bom bocado

Aquarela brasileira

Silas de Oliveira
Aquarela brasileira (samba-enredo/carnaval, 1964) - Silas de Oliveira - Interpretação: Carmen Silvana.

LP O Rouxinol do Império - Carmen Silvana com a Escola de Samba Império Serrano / Título da música: Aquarela brasileira / Silas de Oliveira (Compositor) / Carmen Silvana (Intérprete) / Gravadora: Discobrás / Ano: 1964 / Álbum: DLP 2014 / Lado A / Faixa 2 / Gênero musical: Samba-enredo.

Am            Dm            Am
Vejam esta maravilha de cenário
   Bm5-/7  E7      Am
É um episódio delicário
         F7                E7
Que um Artista num sinho genial
    F7          E7       Am
Escolheu para esse carnaval
       G7            C
E o asfalto como passarela
           E7      Bm5-/7    E7    Am      E7
 Será  a tela do Brasil em forma de  aquarela
  Am               Dm            Am
Passeando pelas  cercanias do Amazonas
  Bm5-/7   E7         Am
Conheci vastos seringais
       G7                 C
e  no Pará , a ilha de  Marajó
             F#m5-/7 B7   E7
E a  velha cabana do Timbó
     A7                     D7
Caminhando ainda um pouco mais
  B7/4       Bb7          E7
Deparei com lindos Coquerais
   Dm       E7   Dm G7          C
Estava no Ceará,  terra de Iatapuã
      Bm5-/7  E7  Am
De Iracema    e    Tupã
  Dm      E7         Am
Fiquei radiante de alegria
          Em5-/7  A7      Dm
Quando cheguei    na   Bahia
  G7
Bahia de  Castro Alves
 C
Do Acarajé
F#m5-/7         B7        E7  A7
Das noites de magia do Candomblé
  Dm           E7                Am
Depois de Atravessar as matas do ipú
              B7               E7            Am   E7
Assisti em Permbuco a festa do frevo e do maracatu
 A              Bm    A  Bm"Cm"D#m 
Brasília tem o seu destaque    na   
                  Cm               Bm   F#7
   arte    na   Beleza   e arquitetura
 Bm         Bm5+       Bbm6  Bm5+
Feitiço de garoa apela serra
  Bm          C°             A
São paulo engrandece a nossa terra
      Em               F#7           Bm          F#7  Bm  F#7
do leste por todo centro-este Tudo é belo e tem lindo matiz
  Bm                   E7       
E o Rio dos Sambas e batucadas 
                                        A    F#7
 dos malandros e mulatas de requebros febris
  A            Bm           C#m
Brasil estas nossas verdes matas
    D            C#m
Cachoeiras e  cascatas
      F#7    Bm  F#7
Do colorido sutil
     Bm     E7          A
E este lindo céu azul de  anil
     F7           E7         Am  E7
Emoldura em aquarela o meu Brasil
  Am  Dm   Am   Bm5-/7  E7  Am
lalalalaiá ......la la lalaiá

Tá delicia, tá gostoso

Tá Delícia, Tá Gostoso (samba, 1995) - Zé Catimba e Alceu Maia - Intérprete: Martinho da Vila

CD Tá Delícia, Tá Gostoso / Título da música: Tá Delícia, Tá Gostoso / Zé Catimba (Compositor) / Alceu Maia (Compositor) / Martinho da Vila (Intérprete) / Gravadora: Sony Music / Ano: 1995 / Nº Álbum: 850257/2 - 479164 / Faixa 5 / Gênero musical: Samba.


Tom: Bm
Introdução: Bm7 Bm/A G C#m5-/7 F#7 Bm7 

Bm7                Em7
Assim como adolescente
A7           D7+
O cupido me pegou
Bm7               C#m5-/7
Me apaixonei por seu beijo
F#7         Bm7
Sem você eu nada sou
Bm/A               C#m7
Me apaixonei por seu beijo
F#7         B7+
Sem você eu nada sou
F#7                  B7+
Vem me salvar boca a boca
D#m7       C#m7
Tô morrendo de amar
Vem fazer amor bonito
F#7      B7+
Vem pra se deliciar
Bm7             Em
Você é fêmea no cio
F#7               Bm7
Deixa seu macho dengoso
Bm/A       C#m5-/7
Quando diz no meu ouvido
F#7                Bm7
Tá delícia, tá gostoso
Bm/A    C#m5-/7
Tá,       tá, tá
F#7         Bm                            
Tá delícia, tá gostoso
F#7         Bm7
É amor, é paixão
C#m5-/7      F#7       Bm7
É você a dona do meu coração
F#7       Bm7
É amor, é paixão
C#m5-/7      F#7       Bm7
É você a dona do meu coração

F#7               B7+
Vem me salvar boca a boca
D#m7      C#m7
Tô morrendo de amar
Vem fazer amor bonito
F#7    B7+
Vem pra se deliciar
Bm           Em
Você é femea no cio
F#7              Bm7
Deixa seu macho dengoso
Bm/A         C#5-/7
Quando diz no meu ouvido
F#7             Bm7
Tá delícia, tá gostoso
Bm/A     C#m5-/7
Tá,      tá, tá
F#7         Bm                   
Tá delícia, tá gostoso

F#7                Bm7
É amor, é amor, é paixão,
C#m5-/7      F#7       Bm7
E voce a dona do meu coração

Samba da cabrocha bamba

Samba da Cabrocha Bamba (samba, 1970) - Martinho da Vila - Intérprete: Martinho da Vila

LP Meu Laiáraiá / Título da música: Samba da Cabrocha Bamba / Martinho da Vila (Compositor) / Martinho da Vila (Intérprete) / Gravadora: RCA Victor / Ano: 1970 / Nº Álbum: BBL 1533 / Lado B / Faixa 1 / Gênero musical: Samba.


Tom: Am

Am           F     Am  
Samba da cabrocha bamba 
Dm             E7  
Que sambando sonha
Am        Dm 
Com um lar na rua 
   E7      Am
Morro do malandro triste
Dm    E7          Am
A canção que existe / Em noite de lua

Dm               E7         Am
Eu fui num samba / De terreiro iluminado
E7       Dm             Am
Vi um caboclo inspirado/ Levando samba de amor
Dm      E7      Am               Dm
E eu sambei, sambei, sambei / Cantei, cantei
E7           Am  A7      Dm     E7     Am
E afugentei a minha dor / E eu sambei sambei sambei
Dm       E7            Am
Cantei, cantei / Afugentei a minha dor

Cuca maluca

Cuca Maluca (samba, 1995) - Gracia do Salgueiro - Intérprete: Martinho da Vila

CD Tá Delícia, Tá Gostoso / Título da música: Cuca Maluca / Gracia do Salgueiro (Compositor) / Martinho da Vila (Intérprete) / Gravadora: Sony Music / Ano: 1995 / Nº Álbum: 850257/2 - 479164 / Faixa 3 / Gênero musical: Samba.


Introdução:  D D D D Em Em D D Em Em D A7 A7 

D
Quando
             Bm              Em
Minha cuca maluca computa você
 
É um tal do meu peito doer
      D
É um tal do meu peito doer
     Em
É um tal do meu peito doer
      D               A7
É um tal do meu peito doer doer doer
D
É que nele mora um coração
                   A7
Que já sofreu por amor
    D7              G
E tem medo da solidão
                          C7/9  
Entre quatro paredes com portas 
                            F#m7
  e janelas fechadas na escuridão
B7               Em
Eu apanhei da saudade
           A7                  D
Fiquei com trauma na minha emoção
     Em       
É um tal do meu peito doer
      D
É um tal do meu peito doer
     Em
É um tal do meu peito doer
      D
É um tal do meu peito doer 
        D             Bm       Em
Até provar que sapo não é jacaré
  A7              D 
Vou ser escravo dessa mulher
        D             Bm       Em
Até provar que sapo não é jacaré
  A7              D 
Vou ser escravo dessa mulher
     Em       
É um tal do meu peito doer
      D
É um tal do meu peito doer
     Em
É um tal do meu peito doer
      D
É um tal do meu peito doer doer doer

Renascer das cinzas

Renascer das Cinzas (samba, 1974) - Martinho da Vila - Intérprete: Martinho da Vila

LP Canta Canta, Minha Gente / Título da música: Renascer das Cinzas / Martinho da Vila (Compositor) / Martinho da Vila (Intérprete) / Gravadora: RCA Victor / Ano: 1974 / Nº Álbum: 103.0110 / Lado A / Faixa 6 / Gênero musical: Samba.


Am          A7       Dm
Vamos renascer das cinzas
E7                Am    E7
Plantar de novo o arvoredo
Am             A7    Dm
Bom calor nas mãos unidas
E7                    Am    E7
Na cabeça um grande enredo
Am          A7   Dm
Ala dos compositores
E7                  Am     E7
Mandando o samba no terreiro
Am               A7
Cabrocha sambando, cuíca roncando,
Dm
viola e pandeiro
E7              
No meio da quadra, pela madrugada,
Am     E7
um senhor partideiro
Am             A7                 Dm
Sambar na avenida de azul e branco é o nosso papel
E7
Mostrando pro povo
Am
que o berço do samba é em Vila Isabel
E7
(Tão bonita)
Am A7   Dm
Tão   bonita é nossa escola
E7    Am           E7
E é tão bom cantarolar
Am  A7       Dm
Lá, lá, laiá, laralaiá
E7    Am
Lá, laiá

Pra que dinheiro

Pra Que Dinheiro (samba, 1969) - Martinho da Vila - Intérprete: Martinho da Vila

LP Martinho Da Vila / Título da música: Pra Que Dinheiro / Martinho da Vila (Compositor) / Martinho da Vila (Intérprete) / Gravadora: RCA Victor / Ano: 1969 / Nº Álbum: BBL 1488 / Lado B / Faixa 4 / Gênero musical: Samba / MPB.


A                  Bm
Dinheiro pra que dinheiro
      (E7)      A             
Se ela não me dá bola
               Bm
Em casa de batuqueiro
            (E7)     A
Só quem fala alto é viola

A                             Bm
Venha depressa, correndo pro samba
          (E7)          A
Porque o samba já vai terminar
                 Bm
Afina logo a sua viola
        (E7)             A
E canta samba até o sol raiar


Mas, dinheiro pra que dinheiro...

A                        Bm
Eu era um cara muito solitário
         (E7)           A
Não tinha mina pra me namorar
                          Bm
Depois que eu comprei uma viola
        (E7)              A
Arranjo nega de qualquer lugar


Dinheiro pra que dinheiro...

A                              Bm
Eu tinha grana, Me levaram a grana
         (E7)                 A
Fiquei quietinho, Nem quis reclamar
                         Bm
Mas, se levarem A minha viola
         (E7)               A
Não me segura porque eu vou brigar


Dinheiro pra que dinheiro ...

A                       Bm
Pára depressa com essa viola
         (E7)          A
Porque o samba já vai terminar
                             Bm
Eu vou depressa correndo pra casa
        (E7)                 A
Pegar a marmita para ir trabalhar

Dinheiro pra que dinheiro...

Namoradeira

Namoradeira (samba, 1995) - Roque Ferreira e Grazielle - Intérprete: Martinho da Vila

CD Tá Delícia, Tá Gostoso / Título da música: Namoradeira / Roque Ferreira (Compositor) / Grazielle (Compositora) / Martinho da Vila (Intérprete) / Gravadora: Sony Music / Ano: 1995 / Nº Álbum: 850257/2 - 479164 / Faixa 3 / Gênero musical: Samba.


  A7              D 
Quando entrei na roda 
    A7             D
a baiana olhou pra mim
A7              D
Quando entrei na roda 
     A7             D
a baiana olhou pra mim
Em  A7  D Bm
Ôh baiana
Em  A7  D
Ôh baiana
A7          D
Namoradeira que é que você está querendo
A7          D     A7  D
Namoradeira que é que você está querendo
A7
Com os olhos de manteiga
D     A7  D
ôh baiana se derretendo
G
Você é muito formosa
A7           D
Mas não sambo do seu lado
B7        Em
Porque é muito fogosa
A7        D
E já tem três namorados
D7         G
O primeiro é polícia
D
O segundo é traficante
A7              Em  A7           D  B7
O terceiro é valentão, é mau, é valentão
Em  A7           D  B7
É valentão, é mau, é valentão
A7          Em
Vou-me embora desse samba
A7         D
Que eu não quero confusão
D7           G
A barra da sua saia
A7   D
Ôh baiana
D7            G
É que nem mamão papaia
A7   D
Ôh baiana
D7             G
Seu cheiro é de manacá
A7   D
Ôh baiana
D7               G
Seu beijo é que nem ingá
A7   D
Ôh baiana
A7    D7+      D6
Mas eu só olho de banda
D7+       D6
Não sambo na sua beira
D             E7/9
Não quero zanga ôh baiana
A7           D
Por mulher namoradeira

Mulheres

Mulheres (samba, 1995) - Toninho Geraes - Intérprete: Martinho da Vila

CD Tá Delícia, Tá Gostoso / Título da música: Mulheres / Toninho Geraes (Compositor) / Martinho da Vila (Intérprete) / Gravadora: Sony Music / Ano: 1995 / Nº Álbum: 850257/2 - 479164 / Faixa 1 / Gênero musical: Samba.

br>
Tom : Am
Intro:   F  Em  Dm  E  Am  Am7

Dm                           G
Já tive mulheres de todas as cores
C7+              Am7
De várias idades de muitos amores
Dm               E
Com umas até certo tempo fiquei
Am                Am7
Pra outras apenas um pouco me dei
Dm                 G
Já tive mulheres do tipo atrevida
C7+               Am7
Do tipo acanhada, do tipo vivida
Dm                E
Casada carente, solteira feliz
Am              Am7
Já tive donzela e até meretriz
Bm7(b5)               E7
Mulheres cabeças e desequilibradas
Am                   Am7
Mulheres confusas de guerra e de paz
F                  E
Mas nenhuma delas me fez tão feliz
Am   Am7
Quanto você me faz

Bm7(b5)                 E              Am
Procurei em todas as mulheres a felicidade
Am7                 Dm
Mas eu não encontrei e fiquei na saudade
E                 Am    Am7
Foi começando bem mas tudo teve fim
Bm7(b5)                E                Am
Você é o Sol da minha vida, a minha vontade
Am7             Dm
Você não é mentira, você é verdade
E                 Am   Am7
É tudo que um dia eu sonhei pra mim

Devagar, devagarinho

Devagar, Devagarinho (samba, 1995) - Eraldo Divagar - Intérprete: Martinho da Vila

CD Tá Delícia, Tá Gostoso / Título da música: Devagar, Devagarinho / Eraldo Divagar (Compositor) / Martinho da Vila (Intérprete) / Gravadora: Sony Music / Ano: 1995 / Nº Álbum: 850257/2 - 479164 / Faixa 4 / Gênero musical: Samba.


D
É devagar, é devagar, 
é devagar, é devagar
     Em
Devagarinho
                 A
É devagar, é devagar,
é devagar, é devagar       
Devagarinho

D
Devagarinho 
É que a gente chega lá 
Se você não acredita 
                Em
Você pode tropeçar 
E tropeçando 
O seu dedo se arrebenta 
                     D
Com certeza não se agüenta 
   A      D
E vai me xingar 

D
É devagar, é devagar, é devagar, é devagar
     Em
Devagarinho
                 A
É devagar, é devagar, é devagar, é devagar       
Devagarinho

D
Eu conheci um cara 
                       Em
Que queria o mundo abarcar 
Mas de repente 
Deu com a cara no asfalto 
                    D
Se virou, olhou pro alto 
        A       D
Com vontade de chorar 

D
É devagar, é devagar, é devagar, é devagar
     Em
Devagarinho
                 A
É devagar, é devagar, é devagar, é devagar       
Devagarinho

D
Sempre me deram a fama 
                 Em
De ser muito devagar 
E desse jeito 
Vou driblando os espinhos 
                      D
Vou seguindo o meu caminho 
       A       D   
Sei aonde vou chegar 

D
É devagar, é devagar, é devagar, é devagar
     Em
Devagarinho
                 A
É devagar, é devagar, é devagar, é devagar       
Devagarinho

Madalena do Jucu

Madalena do Jucu (samba, 1989) - Tradicional - Adaptação: Martinho da Vila - Interpretação: Martinho da Vila

LP O Canto Das Lavadeiras / Título da música: Madalena do Jucu / Tradicional (Compositor) / Martinho da Vila (Adaptação) / Martinho da Vila (Intérprete) / Gravadora: Sony Music / Ano: 1989 / Nº Álbum: 177.196/1 - 464120 / Lado A / Faixa 2 / Gênero musical: Samba.


G   D7         G
Madalena, Madalena
G7           C
Você é meu bem querer
D             G
Eu vou falar pra todo mundo
E7            Am
Vou falar pra todo mundo
D         G    G7    C
Que eu só quero é você


G     D7                   G
Minha mãe não quer que eu vá
G7        C
Na casa do meu amor
D            G  
Eu vou perguntar a ela
E7          Am
Eu vou perguntar a ela
D        G    G7       C
Se ele nunca namorou


Madalena...

G             D7           G
O meu pai não quer que eu case
G7            C
Mas me quer namorador
D            G
Eu vou perguntar a ele
E7          Am
Eu vou perguntar a ele
D        G         G7    C
Porque ele se casou


Madalena...

G      D7           G
Eu fui lá pra Vila Velha
G7            C
Direto do Grajau
D         G
Só pra ver a Madalena
E7           Am
E ouvir tambor de congo
D          G       G7     C
Lá na Barra do Jacú 

Dancei


Dancei (samba, 1989) - Argemiro da Portela - Intérprete: Martinho da Vila

LP O Canto Das Lavadeiras / Título da música: Dancei / Argemiro da Portela (Compositor) / Martinho da Vila (Intérprete) / Gravadora: Sony Music / Ano: 1989 / Nº Álbum: 177.196/1 - 464120 / Lado A / Faixa 4 / Gênero musical: Samba.


(E7)                   A
Quem tem seu amor não dorme
F#m Bm
Eu sei
                     E7
Por causa desses conformes
    A
Dancei
E7/A  E7/B       A7/C#
Igual pipoca no fogo
   D
Pulei
             E7    A F#m  
Depois da casa arrombada
Bm E7 A
Acordei 

               A/F#  
Aviso ao bicho homem
F#m               Bm
Cuidado com a mulher
                    E7
Com carinho nos consome
                      A 
E se faz tudo que ela quer
                      A7
Os mais velhos me falaram
                D
E eu não acreditei
E7          A   F#m 
O resultado agora
Bm E7 A
Dancei 

Casa de bamba


Casa de Bamba (samba, 1969) - Martinho da Vila - Intérprete: Martinho da Vila

LP Martinho Da Vila / Título da música: Casa de Bamba / Martinho da Vila (Compositor) / Martinho da Vila (Intérprete) / Gravadora: RCA Victor / Ano: 1969 / Nº Álbum: BBL 1488 / Lado A / Faixa 5 / Gênero musical: Samba,


G                            Am
Na minha casa todo mundo é bamba
            D7               G
Todo mundo bebe todo mundo samba 

G                     E7 Am
Na minha casa não tem bola pra vizinha
                 D7                       G
Não se fala do alheio, nem se liga pra Candinha

G                     E7        Am
Na minha casa ninguém liga pra intriga
             D7                G    
Todo mundo xinga, todo mundo briga

G                 Am 
Macumba lá minha casa 
             D7                 G
Tem galinha preta, azeite de dendê

G                      Am 
Mas ladainha lá minha casa 
              D7                      G
Tem reza bonitinha e canjiquinha pra comer

G               Am
Se tem alguém aflito
            D7                G  
Todo mundo chora, todo mundo sofre

G                        Am 
Mas logo reza pra São Benedito
              D7                G
Pra Nossa Senhora e pra Santo Onofre

G              Am
Mas se tem alguém cantando
            D7                 G
Todo mundo canta, todo mundo dança
            E7                 Am
Todo mundo samba e ninguém se cansa
            D7              G  
Pois minha casa é casa de bamba

Canta canta, minha gente


Canta, Canta Minha Gente (samba, 1974) - Martinho da Vila - Intérprete: Martinho da Vila

LP Canta Canta, Minha Gente / Título da música: Canta, Canta Minha Gente / Martinho da Vila (Compositor) / Martinho da Vila (Intérprete) / Gravadora: RCA Victor / Ano: 1974 / Nº Álbum: 103.0110 / Lado A / Faixa 1 / Gênero musical: Samba.

br>
A
Canta, canta minha gente
                     Bm
Deixa a tristeza pra lá
                     E7
Canta forte, canta alto
                     A 
Que a vida vai melhorar


A
Cantem o samba de roda
                            Bm 
O samba-canção e o samba rasgado
                    E7
Cantem o samba de breque
                              A       
O samba moderno e o samba quadrado

Cantem ciranda e frevo
                           Bm
O coco, maxixe, baião e xaxado
                            E7
Mas não cantem essa moça bonita
                                A  
Porque ela está com o marido do lado

Canta, canta minha gente...

A
Quem canta seus males espanta
                                     Bm
Lá em cima do morro ou sambando no asfalto 
                   E7
Eu canto o samba-enredo
                                 A
Um sambinha lento ou um partido alto
 
Há muito tempo não ouço
                    Bm
O tal do samba sincopado
                       E7
Só não dá pra cantar mesmo
                          A
É vendo o sol nascer quadrado

Diplomacia


Diplomacia (1958) - Maysa - Intérprete: Maysa

LP Convite Para Ouvir Maysa Nº 2 / Título da música: Diplomacia / Maysa (Compositora) / Maysa (Intérprete) / Gravadora: RGE / Ano: 1958 / Nº Álbum: XRLP 5013 / Lado B / Faixa 6 / Gênero musical: Samba-canção.



Pouco importa a razão da verdade
Que impede a felicidade
De morar no meu coração
Pouco importa se tudo hoje em dia
Se baseia na diplomacia
Que semeia a desunião

Se é preciso ouvir toda gente
Que só diz aquilo que não sente
Que faz pouco da minha aflição
Pouco importa a razão da verdade
Que impede a felicidade
De morar no meu coração

Se é preciso ouvir toda gente
Que só diz aquilo que não sente
Que faz pouco da minha aflição
Pouco importa a razão da verdade
Que impede a felicidade
De morar no meu coração

Resposta


Resposta (1956) - Maysa - Intérprete: Maysa

LP 10' Convite Para Ouvir Maysa / Título da música: Resposta / Maysa (Compositora / Maysa (Intérprete) / Gravadora: RGE / Ano: 1956 / Nº Álbum: RLP 013 / Lado B / Faixa 2 / Gênero musical: Samba-canção.



Ninguém pode calar dentro em mim
Esta chama que não vai passar
É mais forte que eu
E não quero dela me afastar

Eu não posso explicar quando foi
E nem quando ela veio
E só digo o que penso, só faço o que gosto
E aquilo que creio

Se alguém não quiser entender
E falar, pois que fale
Eu não vou me importar com a maldade
De quem nada sabe
E se alguém interessa saber
Sou bem feliz assim
Muito mais do que quem já falou
Ou vai falar de mim

Se alguém não quiser entender
E falar, pois que fale
Eu não vou me importar com a maldade
De quem nada sabe
E se alguém interessa saber
Sou bem feliz assim
Muito mais do que quem vai falar
Ou já falou de mim

Felicidade infeliz


Felicidade Infeliz (1958) - Maysa - Intérprete: Maysa

LP Convite Para Ouvir Maysa Nº 2 / Título da música: Felicidade Infeliz / Maysa (Compositora) / Maysa (Intérprete) / Gravadora: RGE / Ano: 1958 / Nº Álbum: XRLP 5013 / Lado A / Faixa 6 / Gênero musical: Samba-canção.



Felicidade, deves ser bem infeliz
Andas sempre tão sozinha
Nunca perto de ninguém
Felicidade, vamos fazer um trato
Mande ao menos teu retrato
Pra que eu veja como és

Esteja bem certa porém
Que o destino bem cedo fará
Com que teu rosto eu
Eu vá esquecer
Felicidade não chore
Que às vezes é bom
A gente sofrer

Esteja bem certa porém
Que o destino bem cedo fará
Com que teu rosto eu
Eu vá esquecer
Felicidade não chore
Que às vezes é bom
A gente sofrer

O que?


O Que? (1957) - Maysa - Intérprete: Maysa

LP 10' Maysa / Título da música: O Que / Maysa (Compositora) / Maysa (Intérprete) / Rafael Puglielli (Acomp.) / Orquestra RGE (Acomp.) / Gravadora: RGE / Ano: 1957 / Nº Álbum: RLP 015 / Lado B / Faixa 1 / Gênero musical: Samba-canção.



O que que eu estou procurando
No vago aflita olhando?
De canto em canto buscando
O que?


De noite a lua assiste
Que eu fico ainda mais triste
E saio pra rua andando
Procurando mas o que?


Talvez se um dia eu achasse
O mundo depressa tirasse
E eu não conseguisse nem ver
Mas o que?


Que eu estou procurando
No vago aflita olhando
De canto em canto buscando
O que?

Tarde triste

"Convite Para Ouvir Maysa" foi o primeiro álbum gravado pela cantora Maysa. Tudo começou em 1956, quando Alcebíades Monjardim, pai de Maysa, convidou Zezinho e Côrte Real, após uma noitada na boate Oásis, para passar em sua casa e escutar sua filha cantar. Admirado com o talento da moça, Côrte Real, que havia apresentado o cantor Roberto Carlos mais tarde ao Brasil, a propôs a gravar um disco. 

Esse álbum que seria gravado após o nascimento do filho de Maysa, por exigência de André Matarazzo, seu marido, não apresentaria na capa a foto dela. No lugar apareciam orquídeas orvalhadas sobre um cartão com o “Convite Para Ouvir Maysa”. Outra exigência de André era que Maysa não se apresentasse como cantora profissional e que todos os lucros que o álbum rendesse fossem doados ao Hospital do Câncer. Tudo isso por que naquela época cantoras de rádio não eram bem vistas pela sociedade e André não queria macular o nome da sua família.

O disco traz oito sambas-canções, todos compostos por Maysa. “Adeus”, inclusive, foi composta quando ela tinha apenas 12 anos de idade. “Marcada”, a primeira música do álbum, introduz o pessimismo, uma característica que aparece com frequência em canções de toda a sua carreira. “Tarde Triste” e a autobiográfica “Resposta” tornaram-se sucessos da cantora. (Fonte: Wikipédia)

Tarde Triste (1956) - Maysa - Intérprete: Maysa

LP 10' Convite Para Ouvir Maysa / Título da música: Tarde Triste / Maysa (Compositora / Maysa (Intérprete) / Gravadora: RGE / Ano: 1956 / Nº Álbum: RLP 013 / Lado B / Faixa 1 / Gênero musical: Samba-canção.



Tarde triste me recorda outros tempos
Que saudade... Que saudade...
Vivo só num turbilhão de pensamentos
De saudade... De saudade...

Por onde andará quem amei
Será que também vive assim
Sofrendo como só eu sei
Pensando um pouquinho em mim

Tarde triste, noite vem, já está descendo
E eu sozinha, sofrendo

Por onde andará quem amei
Será que também vive assim
Sofrendo como só eu sei
Pensando um pouquinho em mim

Tarde triste, noite vem, já está descendo
E eu sozinha, sofrendo

A mesma rosa amarela

Carlos Pena Filho
“O poeta Carlos Pena Filho me deu uma letra para eu usá-la num frevo” — relembrava Capiba —, “mas achei a letra bonita demais para música de carnaval, que é passageira. Então, preferi usá-la num samba.” Deu certo, pois com aqueles versos (“Você tem quase tudo dela / o mesmo perfume, a mesma cor / a mesma rosa amarela / só não tem o meu amor”), Capiba fez um samba moderno, estilo bossa nova, que seria sucesso nacional.

Infelizmente, Carlos Pena Filho não conheceu este sucesso. Em 27 de junho de 1960, um carro em que viajava em companhia do político Moura Cavalcanti foi violentamente abalroado numa rua de Recife por um ônibus dirigido por um bêbado. Atingido na cabeça, Carlos entrou em coma, morrendo quatro dias depois, aos 31 anos de idade (A Canção no Tempo - Vol. 2 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Editora 34).

A mesma rosa amarela (samba, 1962) - Capiba e Carlos Pena Filho - Intérprete: Maysa

LP Canção do Amor mais Triste / Título da música: A mesma rosa amarela / Carlos Pena Filho (Compositor) / Capiba (Compositor) / Maysa (Intérprete) / Gravadora: RGE / Ano: 1962 / Álbum: XRLP 5180 / Gênero musical: Samba.

Tom: A#  

     Gm
Você tem quase tudo dela
 Cm
O mesmo perfume
         Ab7+      Am5-/7 D7 Gm
A mesma cor, a mesma rosa amarela
 C          Eb        Am5-/7 D7/9+
Só não tem o meu amor
                   Cm
Mas nestes dias de carnaval
            D7          Gm
Para mim você vai ser ela
        Am5-/7   D7       Gm
O mesmo perfume, a mesma cor
 Eb             Am5-/7 D7
A mesma rosa amarela
                  Gm
Mas não sei o que será
Cm                 F7
Quando chegar a lembrança dela
        Bb7+     Eb
E de você apenas restar
  Gm      Eb       C
A mesma rosa amarela
  Eb       D7     Gm
A mesma rosa amarela

Dindi

Sylvia Telles
Comuns na música americana, especialmente em shows da Broadway, as canções que apresentam um recitativo (verse, em inglês) precedendo a primeira parte são raras na música brasileira. Incluem-se nessa categoria alguns sambas-exaltação, valsas e sambas-canção como “Ponto Final”, sucesso de Dick Farney.

Curiosamente, o esquema é utilizado por compositores da bossa nova como Carlos Lyra (“Maria Ninguém”, “Sabe Você”) e Tom Jobim (“Se Todos Fossem Iguais a Você”, “Desafinado”, “Dindi”), embora em algumas dessas canções o prólogo seja desprezado pela maioria dos intérpretes — “Desafinado”, por exemplo, poucas vezes foi gravado na íntegra, constituindo exceções os registros de Jobim nos álbuns Terra brasilis e Tom Jobim inédito.

Em “Dindi”, porém, o recitativo cantado ad libitum, como convém, está presente em quase todas as gravações: “Céu, tão grande é o céu / e bandos de nuvens que passam ligeiras / para onde elas vão / (...) / contando as histórias que são de ninguém / mas que são minhas / e de você também..” Seguem-se o estribilho (“Ai, Dindi / se soubesses do bem que eu te quero.”) e a estrofe (“E as águas deste Rio / onde vão, eu não sei / a minha vida inteira / esperei... esperei...”). Geralmente, os recitativos são compostos no modo menor, abrindo para a relativa maior no estribilho, como ocorre em “Dindi” lá menor, dó maior e mi menor são, respectivamente, as tonalidades do recitativo, do estribilho e da estrofe.

Sylvia Telles, a própria “Dindi” da canção cuja letra é assinada por seu futuro marido, Aloysio de Oliveira, foi a lançadora, responsável pelo sucesso inicial da canção. Esta gravação, realizada para o elepê Amor de gente moça (outubro de 59), tem preciosa orquestração de Lindolfo Gaya, com a harpa sugerindo “as nuvens que passam” e a trompa “o vento que fala nas folhas”.

Fervorosa, envolvente, ela não seria igualada nem pela mesma Silvinha nas três vezes em que a regravou: nos elepês Amor em hi-fi (1960), Reencontro, com o Tamba Trio (1966) e, finalmente, um mês antes de sua morte num acidente automobilístico, no disco gravado ao vivo, em Berlim, com o acompanhamento da violonista Rosinha de Valença. (A Canção no Tempo - Vol.2 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Editora 34).

Dindi (samba-canção, 1959) - Aloysio de Oliveira e Tom Jobim - Intérprete: Sylvia Telles

LP Amor de gente moça / Título da música: Dindi / Oliveira, Aloysio de (Compositor) / Tom Jobim (Compositor) / Telles, Sylvia (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1959 / Nº Álbum MOFB 3084 / Lado A / Faixa 1 / Gênero musical: Samba-canção.



Intro: C7+

C7M                 Bb7M
Céu, tão grande é o céu
             C7M                 Bb7M 
E bandos de nuvens que passam ligeiras
    A7M       C#m7  F#m        Bm7     E7/5+
Prá onde elas vão,   ah, eu não sei, não sei
    C7M                Bb7M
E o vento que fala das folhas
                C7M                  Bb7M
Contando as histórias que são de ninguém
A7M          C#m7  F#m       Bm7    E7/5+
Mas que são minhas   e de você também
C7M   Bb7M
Ai, Dindí
      C7M                      Gm7
Se soubesses o bem que eu te quero
  F#7/5-    F7M   F#º Bb7/9      C7M         Bb7M
O mundo seria, Dindí, tudo, Dindí, lindo, Dindí
C7M   Bb7M
Ai, Dindí
       C7M   Am7   G#m7  Gm7     F#7/5-   F7M     F#º 
Se um dia você    for   embora me leva contigo, Dindí
Bb7/9      C7M      Am7   F#m7/5-   B7
Olha, Dindí, fica, Dindí
   Em             F#m7/5-  B7
E as águas desse rio
      Em/G  F#m7/5-  B7      Em   A7
Onde vão,            eu não sei
Dm7           A/G       Dm/F        Dm7  G7  C7M    Bb7M
A minha vida inteira, esperei, esperei por   vo...cê, Dindí
        C7M                  Gm7
Que é a coisa mais linda que existe
    F#7/5-    F7M     F#º
É você não existe, Dindí
Bb7/9         C7M           Dm7    Bb7M
Olha, Dindí, adivinha, Dindí

Tristeza

Último samba de estilo tradicional a vencer no carnaval, “Tristeza” foi também o último sucesso, aliás póstumo, de Haroldo Lobo (morto em julho de 65), um dos mais férteis e premiados compositores carnavalescos. Originalmente um extenso samba do então iniciante Niltinho (Nilton de Souza), “Tristeza” seria remontado por Haroldo, que lhe deu o toque profissional, reduzindo-lhe o tamanho e enxertando-lhe alguns compassos de uma antiga melodia de sua autoria.

Daí resultou um belo samba, ao mesmo tempo vibrante e sentimental, que o povo consagrou: “Tristeza / por favor vai embora / minha alma que chora / está vendo o meu fim...” Lançado por Ari Cordovil, teria a sua gravação marcante na interpretação registrada ao vivo por Jair Rodrigues, no já citado programa “O Fino da Bossa”. Essa gravação antecederia dezenas de outras, inclusive no exterior, onde “Tristeza” ganhou uma versão em inglês, de Norman Gimbel, com o título de “Goodbye Sadness”. Seu sucesso foi tão grande que Niltinho passou a ser chamado de Niltinho Tristeza (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Tristeza (samba, 1966) - Niltinho e Haroldo Lobo - Intérprete: Jair Rodrigues.

LP Dois Na Bossa Número 2 - Elis Regina e Jair Rodrigues / Título da música: Tristeza / Haroldo Lobo (Compositor) / Niltinho Tristeza (Compositor) / Jair Rodrigues (Intérprete) / Gravadora: Philips / Ano: 1966 / Álbum: P-632.792-L / Lado A / Faixa 3 / Gênero musical: Samba.


Introd.:  A6  D7+  Dm6  C#m7
                 F#7/9  B7/13  E7/9  A6

    A7+     A6
Tristeza
      A#°       Bm7
Por favor vai embora
             C#m7   Bm7
Minha alma que chora
     E7/9        A7+  A6
Está vendo o meu fim
A7                      D7+
   Fez do meu coração a sua moradia
Dm6       G7/9         C#7/13  C#5+/7
   Já é demais o meu penar
F#7/9        F#7/b9     B7/13      B5+/7
    Quero voltar aquela vida de alegria
E7/9     E7/b9   A7+  A6
Quero de novo cantar
        D7+
Lá, rá, lá, rá
Dm6                    C#m7
   Lá, rá, lá, rá, lá, rá, rá
F#7/9                  B7/13
   Lá, rá, lá, rá, lá, rá, rá
E7/9                A6
   Quero de novo cantar

Ne me quitte pas

Ne Me Quitte Pas (1961) - Jacques Brel - Intérprete: Maysa

LP Maysa / Título da música: Ne Me Quitte Pas / Jacques Brel (Compositor) / Maysa (Intérprete) / Gravadora: RCA Victor / Ano: 1966 / Nº Álbum: BBL 1363 / Lado B / Faixa 1.


              Em            Em/D
Ne me quitte pas il faut oublier
              C7+                 Am7
Tout peut s'oublier qui s'enfuit déjà
           C/D               D7
Oublier le temps des malentendus
        G7+
Et le temps perdu à savoir comment
              C7+                    B7
Oublier ces heures qui tuaient parfois
                Em                 Em/D
A coups de pourquoi le coeur du bonheur
       B7/11             B7
Ne me quitte pas, ne me quitte pas
        Em      B7 Em
Ne me quitte pas
             E/D                   C7+
Moi je t'offrirai des perles de pluies
          B7                  Em
Venues du pay où il ne pleut pas

Je creuserai la terre jusqu'après
     C7+
Ma mort
                   D                 G7+
Pour couvrir ton corps d'or el de lumière
               Em                    F
Je ferai un domaine où l'amour sera roi
                 B7               Em
Où l'amour sera loi où tu seras reine
              G                 Am9
Ne me quitte pas, ne me quitte pas
              B7/11 B7 Em
Ne me quitte pas
             Em              Em/D
Ne me quitte pas je t'inventerai
             C7+                Am7
Des mots insensés que tu comprendras
          C/D                D7
Je te parlerai de ces amants là
                 G7+
Qui ont vu deux fois leur coeur s'embraser
            C7+                   B7
Je te racontrai l'histoire de ce roi
                Em
Mort de n'avoir pas pu te rencontrer
B7/11        B7
Ne me quitte pas, ne me quitte pas
Em             B7 Em
Ne me quitte pas
           E/D                C7+
On a vu souvent rejaillir le feu
               B7                       Em
D'un ancien volcan qu'on croyat trop vieux
                                C7+
Il est parait-il des terres brulées
                 D                   G7+
Donnant plus de blé qu'un meilleur avril
                   Em                       F
Et quand vient le soir pour qu'un ciel flamboie
                B7                    Em
Le rouge et le noir ne s'épousent-ils pas
             B7/11 B7 Em
Ne me quitte pas, ne me quitte pas
                    Em/D                   C7+
Je ne vais plus pleurer, Je ne vais plus parler
                Am7         C/D               D7
Je me cachereai là a te regarder danser et sourire
          G7+
Et à t'écouter chanter, écouter rire
               C7+                 B7
Laisse moi devenir l'ombre de ton ombre
               Em                    E/D
L'ombre de ta main, l'ombre de ton chien
       B7/11               B7
Ne me quitte pas, ne me quitte pas
        Em
Ne me quitte pas

Meditação

João Gilberto
Antecedendo em alguns meses a versão de João Gilberto, que imprimiu à canção sua marca definitiva, “Meditação” seria gravada com sucesso por Isaura Garcia. Embora acompanhada pelo conjunto do marido, Walter Wanderley, um músico avançado que participaria em 61 do terceiro elepê do João, não havia na interpretação de Isaurinha a menor conotação de bossa nova. Era, isto sim, totalmente coerente com a personalidade da cantora (o álbum chamava-se Sempre personalíssima) de sotaque ítalo-paulistano, mas, que, em compensação, exibia um extraordinário senso de divisão, incomum para quem nascera no Brás. Além do mais era passional ao extremo, o que até justifica o “ai-ai-ai” que ela comete depois do verso “e tanto que seu pranto já secou...”.

Assim se entende por que sua interpretação seria praticamente o oposto da do João, a partir do andamento, mais rápido. Com um acompanhamento de cordas, um piano discreto, um trombone — na introdução que se tornaria clássica — e uma flauta — apenas na segunda parte e no final —, a versão do cantor dá bem um exemplo da economia que caracterizou a bossa nova em vários aspectos, da 0rquestraçao à duração da faixa.

Com a participação de Tom e Newton tanto na letra como na música, conforme era próprio da parceria, “Meditação” tem a estrutura A1 - A1 - B - A2, com 16 compassos em A e oito em B. O que ressalta na composição são as sofisticadas alterações diatônicas em sílabas como “di” (“quem a-cre-ditou”), “no” (“no amor”), “a” (“e perdeu a paz”), “so” (“o amor, o sor-ri-so”) e “sa” (“se transformam de-pres-sa demais”).

Já a letra, que lançou a expressão “o amor, o sorriso e a flor” — logo vinculada à bossa nova, a princípio positivamente, mais tarde, pejorativamente —, percorre as etapas de uma tradicional história de amor: o sonho inicial, a perda, a solidão, a privação e, por fim, o reencontro como amor verdadeiro.

O enfoque de João Gilberto e o arranjo de Tom Jobim exerceram forte influência no padrão da maioria das gravações que se seguiram, fazendo de “Meditação” (“Meditation”, na versão em inglês) a terceira composição em popularidade na pequena, mas importante, obra da dupla Jobim-Mendonça (A Canção no Tempo - Vol. 2 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Ed. 34).

Meditação (samba bossa, 1960) - Newton Mendonça e Tom Jobim - Interpretação: João Gilberto

LP O Amor Sorriso e a Flor / Título da música: Corcovado / Jobim, Tom (Compositor) / Gilberto, João (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1960 / Nº Álbum MOFB 3151 / Lado B / Faixa 1 / Gênero musical: Samba.

A6           A6
Quem acreditou    no amor  no sorriso na flor
C#m7            F#7(-13)
Então sonhou sonhou
Bm7  Dm7
E perdeu a paz
  C#m7               F#7(-13)
O amor o sorriso e a flor
           Bm7        E5+
Se transformam depressa demais

A6     
Quem no coração
  A6
Abrigou a tristeza de ver
    C#m7      F#7(-13)
Tudo isso se perder
  Bm7    Dm7
E na solidão
     C#m7              F#7(-13)
Procurou a caminho a seguir
       Bm7         E5+
Já descrente de um dia feliz

D7+     Dm7
Quem chorou chorou
C#m7                      Bm7    E5+
E tanto que o seu pranto já secou

  A6  
Quem depois voltou
    A6
Ao amor ao sorriso e a flor
C#m7           F#7(b13)
Então tudo encontrou
Bm7      Dm7
Pois a própria dor
C#m7       F#7(-13)     Bm7     E7(9b)     Am7
Revelou o caminho do amor e a tristeza acabou

Voltei

"Voltei", lançado em 1960, é o sétimo álbum de Maysa já influenciado pela bossa nova em algumas faixas como "Meditação" e "Cheiro de Saudade" e os clássicos sambas-canções. A capa traz uma combinação do antigo (uma foto em preto e branco da cantora) e do novo (o nome do álbum grafado em letras modernas para a época).

O título do álbum está relacionado com a volta da cantora à vida normal, após um tratamento à base de antidepressivos e uma desintoxicação alcoólica. Foi uma temporada de um mês no hospital, por causa de uma crise de pressão baixa, causada pela ingestão de uísque combinada com comprimidos para dormir. Maysa voltava agora mais bela, magra e sentindo-se bem.

Duas canções neste disco eram assinadas por ela: o samba-canção "Voltei" e o sambinha positivo "Vem Comigo", escrito enquanto estava no hospital. Um dos maiores sucessos do álbum foi o bolero "Cantiga de Quem Está Só", que se manteve nas paradas por três meses. Três discos 78 rpm do mesmo ano continham canções do álbum: o primeiro traz “Voltei” e “Vem Comigo”, o segundo “Solidão” e “Cheiro de Saudade” e o terceiro “Alguém Me Disse” e “Meditação”. O compacto duplo "Com Carinho de Maysa" contém “Cheiro de Saudade” e Meditação” no lado A e “Solidão” e “Dindi” no lado B (Fonte: Wikipédia).

Voltei (1960) - Maysa e Enrico Simonetti - Intérprete: Maysa

LP Voltei / Título da música: Voltei / Maysa (Compositora) / Enrico Simonetti (Compositor) / Maysa (Intérprete) / Simonetti (Acomp.) / Orquestra RGE (Acomp.) / Gravadora: RGE / Ano: 1960 / Nº Álbum: XRLP 5078 / Lado A / Faixa 4 / Gênero musical: Samba-canção.



Meu verso sempre tão triste
Volta pedindo desculpas
Pelo triste que causou
Meus olhos tantas vezes decantados
Inda mais desencantados
Voltam triste ao que deixou

E tudo recomeça novamente
Eu me entrego docemente
E a tristeza eu me dou
Voltei, com meus olhos
Com meu verso e a todos eu peço
Que me aceitem como sou
Com meu verso sempre triste
Com meus olhos desencantados
Sendo sempre como sou

Voltei, com meus olhos
Com meu verso e a todos eu peço
Que me aceitem como sou
Com meu verso sempre triste
Com meus olhos desencantados
Sendo sempre como sou

Meu verso sempre tão triste
Volta pedindo desculpas
Pelo triste que causou

Estou pensando em ti

Anísio Silva
Estou pensando em ti (Bolero, 1960) - Raul Sampaio e Benil Santos - Interpretação: Anísio Silva

Disco 78 rpm / Título da música: Estou pensando em ti / Sampaio, Raul (Compositor) / Santos, Benil (Compositor) / Silva, Anísio (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1960 / Nº Álbum 14637 / Lado A / Gênero musical: Bolero.



G                  Gº    G 
Estou pensando em ti chorando 
                         G#º 
E num lamento lá fora o vento 
        Am7  E7 
Chora comigo 
   Am7                   D 
Estou pensando em ti chorando 
                           D 
Anjo divino, que o meu destino 
       G   Em  Am  D 
Modificou 
 
   G               Gº    G 
Estou pensando em ti chorando 
          Dm             G7 
Abro a janela a noite é bela 
              C     C#º 
Mas que me importa 
   C              C#º          G     Em 
Estou pensando em ti chorando tanto 
           Am 
Onde te encontras 
           D                   G 
Hás de sentir a mágoa do meu pranto 
 
   G               Gº    G 
Estou pensando em ti chorando 
          Dm             G7 
Abro a janela a noite é bela 
              C      C#º 
Mas que me importa 
   C              C#º          G     Em 
Estou pensando em ti chorando tanto 
           Am 
Onde te encontras 
           D                   G 
Hás de sentir a mágoa do meu pranto 
 
   C      Cm       G     G7M/6 
Estou pensando em ti ...... 

Adeus (Maysa)


Adeus (1956) - Maysa - Intérprete: Maysa canta, de sua autoria, a música ''Adeus" em seu primeiro LP "Convite Para Ouvir Maysa" de 1956.

LP 10' Convite Para Ouvir Maysa / Título da música: Adeus / Maysa (Compositora) / Maysa (Intérprete) / Gravadora: RGE / Ano: 1956 / Nº Álbum: RLP 013 / Lado B / Faixa 4 / Gênero musical: Samba-canção.



Adeus palavra tão corriqueira
Que diz-se a semana inteira
A alguém que se conhece


Adeus logo mais eu telefono
Eu agora estou com sono
Vou dormir pois amanhece

Adeus uma amiga diz à outra
Vou trocar a minha roupa
Logo mais eu vou voltar

Mas quando
Este adeus tem outro gosto
Que só nos causa desgosto
Este adeus você não dá

Um girassol da cor de seu cabelo

Um Girassol da Cor de Seu Cabelo (1972) - Lô Borges e Márcio Borges - Intérprete: Milton Nascimento

LP Clube Da Esquina / Título da música: Um Girassol da Cor de Seu Cabelo / Lô Borges (Compositor) / Márcio Borges (Compositor) / Lô Borges (Intérprete) / Milton Nascimento (Intérprete) / Gravadora: Odeon / Ano: 1972 / Nº Álbum: MOAB 6005/6 / Disco 1 / Lado B / Faixa 2.


Tom: Am(intro) Am9 F#m7/5b Am9/G F#m7/5b

Am                   F#m7/5-
   Vento solar e estrelas do mar
          Am/G                F#m7/5-
A terra azul da cor do seu vestido
 Am               F#m7/5-
Vento solar e estrelas do mar
     Am                  F#m7/5-
Você ainda quer morar comigo?
F7+       Bb7/9          Am7    Em7    F7+
Se eu cantar, não chore não, é só poesia
         Bb7/9        Am7    Em7     F7+
Eu só preciso ter você por mais um dia
       Bb7         Am7     Em7      F7+
Ainda gosto de dançar bom dia, como vai você?
Am/G Am/9                 F#m7/5-
    Sol girassol, verde vento solar
     Am/G                F#m7/5-
Você ainda quer morar comigo?
 Am               F#m7/5-
Vento solar e estrelas do mar
       Am/G                 F#m7/5-
Um girassol da cor de seu cabelo
F7+      Bb7/9            Am7
Se eu morrer, não chore não
Em7         F7+      Bb7/9          Am7
É só a lua, é seu vestido cor de mara-
Em7         F7+      Bb7/9      Am7   Em7
-vilha nua ainda moro nesta mesma rua
     F7+
Como vai você?
F#m7/5- Am/G                  E7/G#    Am  F
Você vem, ou será que é tarde demais?
Dm  E4/7  E7    Am       F           Dm
              O meu pensamento tem a cor
         E7   Am          F             Dm
De seu vestido ou um girassol que tem a cor
       E7      Am         F           Dm
De seu cabelo? O meu pensamento tem a cor
         E7   Am     F                  Dm
De seu vestido ou um girassol que tem a cor
         E7    Am         F           Dm
De seu cabelo? O meu pensamento tem a cor
         E7   Am          F             Dm
De seu vestido ou um girassol que tem a cor
         E7   Am  F  Dm  E4/7  E7
De seu cabelo

Tudo que você podia ser

Tudo Que Você Podia Ser - Lô Borges e Márcio Borges - Intérprete: Milton Nascimento

LP Clube Da Esquina / Título da música: Tudo Que Você Podia Ser / Lô Borges (Compositor) / Márcio Borges (Compositor) / Milton Nascimento (Intérprete) / Gravadora: Odeon / Ano: 1972 / Nº Álbum: MOAB 6005/6 / Disco 1 / Lado A / Faixa 1.


Dm       Am7/9/11 Dm Am7/9/11 G#m7/9/11 G7/9/11
Com sol e chuva você sonhava 
   Gm7/9/11    Am7/9 
Que ia ser melhor depois 
       Gm7/9                Am7/9 
Você queria ser o grande herói das estradas 
Gm7/9/11  Am7/9/11   Em7/9/11   Dm 
Tudo que você queria ser 
Dm     Am7/9/11 Dm     Am7/9/11 G#m7/9/11 
Sei um segredo você tem medo 
  Gm7/9/11       Am7/9/11 
Só pensa agora em voltar 
         Gm7/9/11               Am7/9/11 
Não fala mais na bota e do anel de Zapata 
Gm7/9/11  Am7/9/11  Em7/9/11 Gm7/9/11 
Tudo que você devia ser   sem medo 
(Dm7/9/11 Gm7/9/11 Em7/9/11 Am7/9/11) 
Gm7/9/11           Am7/9/11 
E não se lembra mais de mim 
         Gm7/9/11                 Am7/9/11 
Você não quis deixar que eu falasse de tudo 
Gm7/9/11  Am7/9/11 Em7/9/11 Gm7/9/11 
Tudo que você podia ser    na estrada 
(Dm7/9/11 Gm7/9/11 Em7/9/11 Am7/9/11) 
Dm7     Am7/9/11       Dm7   Am7/9/11 
Ah! Sol e chuva na sua estrada 
   Gm7/9/11        Am7/9/11 
Mas não importa não faz mal 
     Gm7/9/11              Am7/9/11 
Você ainda pensa e é melhor do que nada 
Gm7/9    Am7/9         Em7/9  Gm7/9 
Tudo que você consegue ser    ou nada 
(Dm7/9 Gm7/9 Em7/9 Am7/9) 
Gm7/9       Am7/9 
Não importa não faz mal...

Tanto

Tanto (1978) - Beto Guedes e Ronaldo Bastos - Intérprete: Milton Nascimento - Participação: Lô Borges e Beto Guedes

LP Clube Da Esquina 2 / Título da música: Tanto / Beto Guedes (Compositor) / Ronaldo Bastos (Compositor) / Milton Nascimento (Intérprete) / Lô Borges (Partic.) / Beto Guedes (Partic.) / Gravadora: EMI-Odeon / Ano: 1978 / Nº Álbum: 164 422831/2 / Disco 2 / Lado A / Faixa 3.


Tom: Gm 

Gm 
Meu amor, não leva a mal 
Bb/F 
Chega de maltratar 
Eb/F 
Quem só quer bem 
                  Ab/Eb Ab/C Ab/Bb 
E não tem mais razão de suportar 
(Gm Dm4/7) 
Tanto 
Gm 
Sendo assim, não leva a mal 
Bb/F              Eb/F 
Pára de machucar quem sempre te amou 
              Ab/Eb   Ab/C Ab/Bb 
E já não tem razão de duvidar 
(Gm Dm4/7) 
Tanto 
A7+       B/A                      G7+ 
Sua pessoa pára, parava a tarde suspensa 
Cm7         Eb/F 
Chamo o seu nome 
 Cm7       Ab/Bb 
E logo se acende a luz 
Gm 
Sendo assim melhor parar 
Bb/F 
Cuida pra não cegar 
  Eb/F 
E nem perceber 
                  Ab/Eb  Ab/C  Ab/Bb 
Que já não tem razão pra me deixar 
(Gm Dm4/7) 
Tonto 
A7+          B/A                G7+ 
Sua presença chamava o dia mais cedo 
Cm7      Eb/F 
Tudo acendia 
 Cm7           Ab/Bb      (Gm Dm4/7) 
Ficava sempre acesa a luz 
(Am Em4/7) Am 
           Sem querer injuriar 
C/G               F/G 
Trata de se ligar você me ganhou 
            Bb/F Bb/D   D/F#  G/D 
E quem ajoelhou  tem de rezar

Solar

Solar (1982) - Milton Nascimento e Fernando Brant - Intérpretes: Gal Costa e Roupa Nova

LP Minha Voz / Título da música: Solar / Milton Nascimento (Compositor) / Fernando Brant (Compositor) / Gal Costa (Intérprete) / Roupa Nova (Intérprete) / Gravadora: Polygram / Ano: 1982 / Nº Álbum: 6328 523 / Lado A / Faixa 5.


Intr.: C  C7M  F/C  F/G 

C                     C7M 
Venho do sol, a vida inteira no sol 
     C6               C         C/D  D7 
Sou filho da terra do sol, hoje escuro 
          F            G         E7    Am 
O meu futuro é luz e calor de um novo mundo eu sou 
            Em/G           D/F#  Dm/F 
E um mundo novo será mais claro 
Dm7    E5+/7    E7      Am     D/F#      Dm/F      C/E 
Mas é no velho   que procuro o jeito mais sábio de usar 
   F        Bb        C        F        Bb    G7    C 
A força que o sol me dá, canto o que eu quero viver 
                 C/E 
É o sol, somos crianças ao sol 
        C/G                              C/D    D7 
A aprender, a viver e a sonhar, e o sonho é belo 
                   G     F/A      G/B   C  F/C   C 
Pois tudo ainda faremos, nada está no lugar 


F/A     G/B         C F/C C  F/A   G/B   G7  C  G  Am  C/D  D/E 
Tudo está por pensar,    tudo está por criar 
Am7                                      D/E 
Saí de casa para ver outro mundo, conheci 
G/A                 D7M       D4 
Fiz mil amigos nas cidades de lá

San Vicente

San Vicente (1972) - Milton Nascimento e Fernando Brant - Intérprete: Milton Nascimento

LP Clube Da Esquina / Título da música: San Vicente / Milton Nascimento (Compositor) / Fernando Brant (Compositor) / Milton Nascimento (Intérprete) / Gravadora: Odeon / Ano: 1972 / Nº Álbum: MOAB 6005/6 / Disco 1 / Lado B / Faixa 3.


Tom: A

A        D          E
Coração ame.......ricano
  D                  E
acordei de um sonho estranho
A                    D
Um gosto de vidro e corte
                C#m
Um sabor de chocolate
    D      A    E      A
No corpo e na cida.....de
     E              F#m
Um sabor de vida e morte
            B7
Coração americano
      D              A     
Com sabor de vidro e corte
A D E D A C G E 
 A       D         E
A espera na fila imensa
  D                E
E o corpo negro se esqueçeu
 A             D
Estava em San Vicente
                C#m
A cidade e suas luzes
 D        A      E      A
Estava em San Vicen.....te
      E           F#m
As mulheres e os homens
            B7
Coração americano
      D                A
Com sabor de vidro e corte
A D E D A C G E  
  A     D          E
As horas não se contavam 
        D            E
E o que era negro anoiteceu
  A             D
Enquanto se esperava
                  C#m
Eu estava em San Vicente
  D       A       E    A
Enquanto acon....tecia
 E                F#m
Eu estava em San Vicente
           B7
Coração americano
      D               A
Com sabor de vidro e corte

Saídas e Bandeiras

Saídas e Bandeiras (1972) - Milton Nascimento e Fernando Brant - Intérpretes: Beto Guedes e Milton Nascimento

LP Clube Da Esquina / Título da música: Saídas e Bandeiras / Milton Nascimento (Compositor) / Fernando Brant (Compositor) / Beto Guedes (Intérprete) / Milton Nascimento (Intérprete) / Gravadora: Odeon / Ano: 1972 / Nº Álbum: MOAB 6005/6 / Disco 1 / Lado A / Faixa 4.


Tom: C  

Intro: Bm7/E

O que vocês diriam dessa coisa que não dá mais pé?
O que vocês fariam pra sair dessa maré?
           Am4/7
O que era sonho vira terra
                 Bm7/E
Quem vai ser o primeiro a me responder?
Sair dessa cidade, ter a vida onde ela é
Subir novas montanhas, diamantes procurar
             Am4/7
No fim da estrada e da poeira
                  Bm7/E            Am4/7
Um rio com seus frutos me alimentar
Bm7/E
O que vocês diriam dessa coisa que não dá mais pé?
O que vocês fariam pra sair dessa maré?
           Am4/7
O que era terra vira pedra
                  Bm7/E
Quem vai ser o segundo a me responder?
Beber minha cerveja numa ilha com minha mulher
Tirar todas as roupas e esperar o sol nascer
              Am4/7
Respirar as formas da pureza
                Bm7/E                 Am4/7
Aos ventos e às águas quero me entregar
Bm7/E
O que vocês diriam dessa coisa que não dá mais pé?
O que vocês fariam pra sair dessa maré?
            Am4/7
O que era pedra vira corpo
                 Bm7/E
Quem vai ser o terceiro a me responder?
Andar por avenidas enfrentando o que não dá mais pé?
Juntar todas as forças pra vencer essa maré
            Am4/7
O que era pedra vira homem
                    Bm7/E
E um homem é mais sólido que a maré

Roupa nova

Roupa Nova - Fernando Brant e Milton Nascimento - Interpretação: Milton Nascimento

LP Sentinela / Título da música: Roupa Nova / Fernando Brant (Compositor) / Milton Nascimento (Compositor) / Milton Nascimento (Intérprete) / Gravadora: Ariola / Ano: 1980 / Nº Álbum: 201 610 / Lado A / Faixa 6.


Tom: Em
Intro: (E E7/9)

(E E7/9 E)
Todos os dias, toda manhã
Sorriso aberto e roupa nova
(A A7 A)
Passarinho preto de terno branco
(E E7/9 E)
Pinduca vai esperar o trem
Todos os dias, toda manhã
Ele sozinho na plataforma
(A A7 A)
Ouve o apito, sente a fumaça
(E E7/9 E)
E vê chegar o amigo trem
 B4/7           B/C#
Que acontece que nunca parou
A7+              B7+
Nesta cidade de fim de mundo
A7+              Ab7+
E quem viaja pra capital
G7+                   B7
Não tem olhar para o braço que acenou
(E E7/9 E)
O gesto humano fica no ar
O abandono fica maior
(A A7 A)                  (E E7/9 E)
E lá na curva desaparece a sua fé
 B4/7
Homem que é homem não perde a esperança, não
B/C#
Ele vai parar
B4/7
Quem é teimoso não sonha outro sonho, não
F#m7           Bm7
Qualquer dia ele para
(E E7/9 E)
Assim Pinduca toda manhã
Sorriso aberto e roupa nova
(A A7 A)
Passarinho preto de terno branco
(E E7/9 E)      B4/7
Vem a renovar a sua fé

Resposta

Resposta (1999) - Samuel Rosa e Nando Reis - Intérprete: Milton Nascimento - Participação: Lô Borges

CD Crooner / Título da música: Resposta / Samuel Rosa (Compositor) / Nando Reis (Compositor) / Milton Nascimento (Intérprete) / Lô Borges (Partic.) / Gravadora: Warner Music / Ano: 1999 / Nº Álbum: 398425913-2 / Faixa 7.


Tom: A

A                A5+ 
Bem mais que o tempo que nós 
          D 
Perdemos ficou pra trás 
          F 
Também o que nos juntou 
A               A5+ 
Ainda me lembro que eu estava lendo 
D                 F 
Só pra saber o que você achou 
        F#m         F#m7+ 
Dos versos que eu fiz e 
D6              A      D  A 
Ainda espero resposta
 
(solo) A D 
A                   A5+ 
Desfaz o vento o que há por dentro 
D                          F 
Desse lugar que ninguém mais pisou 
A                       A5+ 
Você está vendo o que está acontecendo 
D                        F 
Nesse caderno sei que ainda estão 
F#m         F#m7+     D6 
Os versos seus, tão meus que peço 
F#m          F#m7+     D6 
Nos versos meus, tão seus que esperem 
Que os aceite 

A          Bm 
Em paz eu digo que eu sou 
     D                A 
o antigo do que vai adiante 
             Bm 
Sem mais eu fico onde estou 
D                     A 
Prefiro continuar distante 
(solo) A D A D
A                      A5+ 
Bem mais que o tempo que nós perdemos 
D 
Ficou pra trás 
          F 
Também o que nos juntou 
A                   A5+ 
Ainda me lembro que eu estava lendo 
D                      F 
Só pra saber o que você achou 
F#m            F#m7+  D6 
Dos versos seus, tão meus que peço 
F#m          F#m7+    D6 
Dos versos meus tão seus que esperem 
             
Que os aceite 
A          Bm 
Em paz eu digo que eu sou 
     D                A 
o antigo do que vai adiante 
             Bm 
Sem mais eu fico onde estou 
D                     A 
Prefiro continuar distante