sábado, 3 de março de 2007

Marion Duarte

Nascida em 18 de março de 1938, no bairro carioca de Bento Ribeiro, Marion Pereira de Carvalho Gonçalves, ou simplesmente Marion Duarte, se tornou popular nos idos de 1950, mais precisamente em junho de 1957, quando começou sua carreira pela Rádio Solimões de Nova Iguaçu, no programa Valores Novos comandado por Marcos Alexandre.

Daí seguiu se apresentando em vários outros programas da Rádio Nacional e Rádio Mayrink Veiga, entre os quais o Programa César de Alencar, Programa Paulo Gracindo e Programa Raymundo Nobre de Almeida (onde recebeu a faixa de Favorita da Associação de Cabos e Soldados do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro).

Participou também da Caravana da Alegria, comandada pelo então comunicador da Rádio Globo, Luiz de Carvalho. Posteriormente foi contratada pelas Emissoras Associadas (Rádio e TV Tupi de todo o Brasil) e pelo Dancing Avenida, tendo sido capa de várias revistas populares da época como Revista Rouxinol, em Porto Alegre, Canta, Moçada e Moda e Penteado, no Rio de Janeiro e, entre outras, ao lado do “Velho Guerreiro” na Revista Radiolândia, recebendo também, nesse período áureo, vários troféus, medalhas e prêmios tais como o "Troféu Revelação"(1958), da Revista do Rádio-RJ; “Troféu Zé da Zilda"(1962), do Programa A Discoteca do Chacrinha; “Troféu Sua Majestade o Cartaz"(1963), da TV Jornal do Comércio- Recife-PE; “Troféu Sete Dias em Destaque”(1964), da TV Marajoara, Belém-PA, etc.

No mundo discográfico, Marion, entre os idos de 50 e 60, gravou seus Compactos e 78 Rpms pelos selos Copacabana Discos, Continental, Sondomar e Hot, obtendo êxito, entre outras canções, com a toada Quando Corre Uma Estrela (H. Simões/L. Lemos/A. Correia), o samba Triste Palhaço (A. Cruz/C. Silva) e o tango Milagre (Umberto Silva/Barbosa da Silva), onde fez dupla com o grande cantor Albertinho Fortuna.

Seu último sucesso desta fase foi a canção Preciso de Você Urgentemente (Luiz Araújo/Oldemar Magalhães), já no final da década de 60.

Após 12 anos afastada do mundo do disco, em 1979, Marion é convidada para defender o samba Praia de Amaralina, de Tião do Pandeiro e Orlando Coto Dominguez, no Primeiro Festival de Música da Associação Atlética do Banco do Brasil (a AABB do Rio de Janeiro). A música obtém a quinta colocação e Marion, o direito de participar do LP Só pra Começar que reuniu as finalistas.

A seguir, grava um compacto simples com as faixas Em Nome do Povo e Galera do Mengão, recebendo por esta gravação, o "Troféu Pererê", do Clube de Regatas do Flamengo, ao lado de Nana Caymmi e Elisete Cardoso que, na mesma ocasião, também receberam o troféu.

Em 1985, grava mais um compacto, desta vez duplo, Mulher de Verdade (G. Martins/Walter Coragem/Verinha) e, no ano seguinte, assina contrato com a gravadora Top-Tape para fazer seu primeiro LP Marion Duarte, obtendo grande êxito com o samba Sou Pagodeira (Silas de Andrade/Café). Nesta segunda fase de sua carreira, a artista também recebeu várias honrarias, tais como o “Diploma de Homenagem do G.R.E.S Estação Primeira de Mangueira” e o “Diploma de Melhor do Ano”, do Programa Recordar é Viver, da Rádio Capibaribe, Recife-PE.

Atualmente, continua fazendo suas gravações, mas já na era dos trabalhos independentes, tendo lançado os cds Doce Amor (1999) e Fonte de Energia (2003), seu mais recente trabalho.

Também foi grande a ligação da cantora com o saudoso Collid Filho (do Salão Grenat), do qual foi parceira em algumas composições, destacando-se a canção Doce Amor, onde ouvimos a declamação do comunicador que, em várias ocasiões, afirmou ser Marion sua intérprete preferida.

Oscar Castro-Neves


Oscar Castro-Neves, arranjador, instrumentista e compositor, nasceu em 15/5/1940 no Rio de Janeiro RJ. Com seis anos de idade já tocava violão e cavaquinho. Em 1954 formou um conjunto com os irmãos Mano (piano) Leo (bateria) e Ico (contrabaixo), apresentando se na Rádio Difusora de Petrópolis RJ.

No Rio de Janeiro continuou os estudos e integrou se ao movimento musical que então surgia, a bossa nova. Em setembro de 1959 apresentou-se no Festival do Samba Moderno, na Faculdade de Arquitetura, e no ano seguinte Carlos Lyra gravou sua composição Chora tua tristeza (com Luverci Fiorini), em seu primeiro LP gravado para a Philips.

Com novo grupo, do qual participavam seus irmãos Ico e Leo, apresentou-se no Festival Nacional da Bossa Nova, no Teatro Record, em São Paulo SP, e no show Noite do sambalanço, na PUC, de São Paulo.

Em 1960, o conjunto acompanhou diversos cantores no disco Bossa nova mesmo, lançado pela Philips, que incluía duas músicas suas, Menina feia, cantada por Lúcio Alves, e Chora tua tristeza, tocada pelo conjunto.

Em 1962, formando um quarteto com Ico, Henry Percy Wilcox (guitarra) e Roberto Ponte (bateria), em que tocava piano e violão, seguiu para New York, EUA, e se apresentou no Festival da Bossa Nova, no Carnegie HalI, gravando depois com Milton Banana o LP O ritmo e o som da bossa nova, pela Audio Fidelity, com Bossa-nova blues e Não faz assim (de sua autoria).

Em 1964 participou, com Vinícius de Moraes, Dorival Caymmi e o Quarteto em Cy, do show da boate Zum Zum, Rio de Janeiro, produzido por Aluisio de Oliveira e lançado em disco pela Elenco. No mesmo ano, Alaíde Costa apresentou no show O fino da bossa, no Teatro Paramount, de São Paulo, a composição Onde está você?, que foi o grande êxito do compositor.

No ano seguinte, o conjunto apareceu em algumas faixas de LPs gravados ao vivo, como A bossa nova no Paramount e O fino da bossa, lançados pela RGE, e ainda Bossa nova no CarnegieHall, lançado pela Audio Fidelity.

Fez os arranjos e a direção musical da trilha sonora da peça Liberdade, liberdade, de Millor Fernandes e Flavio Rangel, e compôs a musica do filme Toda donzela tem um pai que é uma fera, dirigido por Roberto Farias.

Em 1966 participou da gravação do LP Tom Jobim apresenta, com a composição Morrer de amor (com Luverci Fiorini). Nesse mesmo ano seguiu para os EUA, onde trabalhou para Sérgio Mendes ate 1981, participando demais de quinze. Também fez arranjos para discos de Quincy Jones, Laurindo de Almeida, Flora Purim e outros.

Em 1973 gravou para a Odeon o LP Alaíde Costa & Oscar Castro-Neves, incluindo Companheira da manhã (com Werneck) e Retrato em branco e preto (Chico Buarque e Tom Jobim).

Em 1975 colaborou na trilha sonora da novela Gabriela, da TV Globo, fazendo também, em 1982, os arranjos e a direção musical do filme Gabriela, cravo e canela, de Bruno Barreto.

Vive em Los Angeles, EUA, compõe músicas para as emissoras de TV NBC e KVEA, participa, como orquestrador, de filmes de Hollywood e promove, desde 1992, noites de música brasileira no Hollywood Bowl. Produz também discos de jazz e já lançou cinco álbuns solo. É proprietário da produtora Kennis Enterprises.

Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora