sexta-feira, 2 de junho de 2006

Onde a dor não tem razão

Paulinho da Viola

Introdução: ( F#7  B7  E6  C#7  F#7  F#m  B7  E6  B7 ) 

E6                          F#7/C# F7/C  E6  B7  
Canto  pra dizer que no meu coração  
E6               C#7                 F#m7        C#7  
Já não mais se agitam as ondas de uma paixão  
F#m           G#7                  C#m  
Ele não é mais abrigo de amores perdidos  
                 F#7    
É um lago mais tranquilo  
                 F#m   B7  
Onde a dor não tem razão  
F#m                  B7    E6/G#     
Nele a semente de um novo amor nasceu  
F#m           B7          G#m7(b5) C#7  
Livre de todo o rancor em flor se abriu  
F#m     Am/C   B7               E6    C#7  
Venho  reabrir as janelas da vida  
                     Am/C  
E cantar como jamais cantei  
      F#7   B7       E6  
Essa felicidade ainda  
F#m          B7              E6/G#       C#7  
Quem esperou como eu por um novo carinho  
         F#m        B7               E6  
E viveu tão sozinho tem que agradecer  
D#7                               G#m  
Quando consegue do peito tirar um espinho  
                   F#7    
É que a velha esperança  
    F#m         B7  
Já não pode morrer

Sei lá Mangueira

Hermínio B. de Carvalho
Este samba nasceu de uma visita, talvez a primeira, de Hermínio Bello de Carvalho ao ponto mais alto do Morro da Mangueira, ciceroneado por Cartola e Carlos Cachaça. Ao ver lá de cima e em tão ilustre companhia o belo panorama o poeta emocionou-se e compôs este canto de amor à sua escola: “Vista assim do alto / mais parece o céu no chão / sei lá / em Mangueira a poesia / feito um mar que se alastrou / e a beleza do lugar / pra se entender / tem que se achar / (... / sei lá, não sei / sei lá, não sei não / a Mangueira é tão grande / que nem cabe explicação...”

Mais tarde, em casa, Hermínio concluía o poema, quando chegou Paulinho da Viola, que achou os versos ótimos e fez a melodia na hora. O que Paulinho, portelense ferrenho, não gostou foi da inscrição de “Sei Lá Mangueira” no IV Festival da MPB da TV Record, feita pelo parceiro em atenção a um pedido do jornalista Flávio Porto, irmão de Sérgio Porto. Mas, no final deu tudo certo, pos a música. Embora não tenha alcançado boa classificação, acabou indiretamente causando a feitura de outra obra-prima, o samba “Foi um Rio que Passou em Minha Vida” (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Sei Lá Mangueira (samba, 1968) - Paulinho da Viola e Hermínio Bello de Carvalho - Interpretação: Elizeth Cardoso

LP A Bossa Eterna De Elizeth E Cyro - Vol. 2 - Elizeth Cardoso e Cyro Monteiro / Título da música: Sei Lá Mangueira / Paulinho da Viola (Compositor) / Hermínio Bello de Carvalho (Compositor) / Elizeth Cardoso (Intérprete) / Caçulinha e Seu Conjunto (Part.) / Gravadora: Copacabana / Ano: 1969 / Nº Álbum: CLP 11559 / Lado B / Faixa 2 / Gênero musical: Samba / MPB.

A7M               E7           A7M 
 (Mangueira teu cenário é uma beleza  
         F#7         Bm7  
 Que a Natureza criou)  
  A7M  
 Vista assim do alto  
       F#7             Bm7  
 Mais parece um céu no chão 
 Sei lá  
 Em Mangueira a poesia  
          F#7       Bm7 
 Feito um mar se alastrou  
      E7         A7M  
 E a beleza do lugar  
 Prá se entender  
                Bm7  
 Tem que se achar 
                    E7 
 Que a vida não é só isso que se vê  
               A7M  
 É um pouco mais 
                              
 Bm7                E7          A7M       
 Que os olhos não conseguem perceber 
      Bm7  
 E as mãos não ousam tocar  
      
            E7        A7M  
 E os pés recusam pisar 
  A7M  
 Sei lá, não sei  
    Bm7  
 Sei  lá, não sei não  
 Não sei se toda a beleza  
 De que lhes falo  
         E7                A7M  
 Sai tão somente do meu coração 
 Em Mangueira a poesia  
                 
                F#7       Bm7  
 Num sobe-desce constante 
                    E7  
 Anda descalça ensinando 
                          A7M  
 Um novo jeito da gente viver 
 De pensar , de sonhar , de sofrer  
 Sei lá, não sei  
    F#7  
 Sei lá, não sei não  
                       Bm7  
 A Mangueira é tão grande 
  E7                 A7M 
 Que nem cabe explicação

Timoneiro

Paulinho da Viola
(intro) Bm B7 Em F#

(refrão)
       Bm             F#                      Bm
Não sou eu quem me navega  quem me navega e o mar   (2x)
  Bm           C#m7(b5)        F#       Bm
E ele quem me carrega  como se fosse levar   (2x)

                        Bm
E quanto mais remo mais rezo
   B7                 Em
Pra nunca mais se acabar
                A7                  D
Essa viagem que faz o mar em torno mar
                   F#
Meu velho um dia falou
                   Bm
Com seu jeito de avisar
                      C#m7(b5)
Olha, o mar não tem cabelos
             F#      Bm
Que a gente possa agarrar

                     B7                   Em
Timoneiro nunca fui que eu não sou de velejar
                 A7                       D
O leme da minha vida Deus e quem faz governar
F#                                             Bm
E quando alguém me pergunta como se faz pra nadar
D7                   C#7            F#       Bm
Explico que eu não navego quem me navega e o mar

                        B7                 Em
A rede do meu destino parece a de um pescador
                A7                     D
Quando retorna vazia vem carregada de dor
F#                                      Bm
Vivo num redemoinho Deus bem sabe o que faz
              C#m7(b5)     F#
A onda que me carrega ela mesma
            Bm
E quem me traz

Quem sabe (P. da Viola)

Paulinho da Viola
Tom: A

 Introdução: B7/9 E7 C#m7 F#m7 B7/9 Dm6/9 A7+ E7 
 
    A7+  F#m7  D#o
Sem nada
       E5+            A7+  F#m7  D#o
Nem no peito qualquer mágoa
E5+                 Em7  A7  Em7
Sem rancor e sem saudade
 A7              D6
Venho agora te dizer adeus
     D#o   E7
Quem sabe
                  C#m7     A7  D7+
Não encontro pela madrugada
              Bm7
Uma esperança vaga
               C#m7
Nos olhos de alguém
                 D7+
Que também despertou
      E7             A7+  A7
De um sonho igual ao meu
    D#m7/5-  E7
Quem sabe
                    C#m7  A7  D
Retomando a velha estrada
                      Bm7
Eu encontro em outros braços
          C#m7               B7
Aquela ternura que um dia perdi
E7               A7+
Dentro dos olhos teus
Bm7               E7     A7+
Toda ilusão se desfez em mágoas
    Dm7
Mas eu não chorei
       G7               C7+
Quando nosso romance acabou
F7/13             E7    Am
É tão difícil a felicidade
 C                   F7/13
Mas eu me sinto à vontade
          Dm7/9                  Bm7/9  E7/5+
Pra recomeçar no caminho do meu amor

Sentimentos

Paulinho da Viola
F7M                 G#º Gm7
Sentimentos em meu peito eu tenho demais
                             Cm7 F7 Cm7
A alegria que eu tinha nunca mais
 F7            Bb7M C/Bb             F7M
Depois daquele dia em que eu fui sabedor
  D7                       G7
Que a mulher que eu mais amava
          C7   F7M
Nunca me teve amor

         Gm7               C7  F7M
Hoje ela pensa que estou apaixonado
         Gm7                C7     Cm7 F7
Mas é mentira está dando o golpe errado
 Bb7M            C/Bb
Agora estou resolvido
       F7M             D7
A não amar a mais ninguém
    G7           C7         F7M
Porque sem ser amado não convém

Pra fugir da saudade

Paulinho da Viola
(intro)
C7M  Dm7  Em7  Am7  Fm7  Fm/D#  Dm7(b5)
Dm7  Em7  A7(13)  Dm7  G7(13)  

C7M  Dm7  Em7 
Saudade
     Am7          Fm7  Fm/D#  Dm7(b5)
Você fez da minha vida
    Dm7      Em7  Am7 
Uma rua sem saída 
    C                G4/B    A7
Por onde andou minha solidão
  Dm7
E hoje
Dm7(b5)              Em7
Quando tudo é esquecimento
Am7                   D7(9)
Uma flor sobrevive ao tempo
Fm7(9)              Bb7(13)  Eb7M
E se desfolha em meu co – ração
      D#/C#        Cdim  G7  Cm7(9)
Para aliviar o meu sofrimento
Fm7                 Bb7(9)         Eb7M(9)
Rompe o silêncio meu canto de felicidade  
Dm7(b5)                  G7(b13)           Gm7(b5)  C7(b13)
Dentro de um samba eu desfaço o que ela me fez
Fm7               Dm7(b5)
Quero abrigar no entanto
Cm7                 Cm/Bb
Mais uma flor que renasce
Ab7                                  Dm7(9)  Db7(9)   
Para fugir da saudade e sorrir outra vez

Pecado capital

Pecado capital (1976) - Paulinho da Viola
Tom: Dm
Dm                    E7    A7
Dinheiro na mão é vendaval
        Dm
É vendaval
                  Am     D7
Na vida de um sonhador
            Gm
De um sonhador
 C7            F     Dm
Quanta gente aí se engana
           Em7                A7        Dm    D7
E cai da cama com toda a ilusão que sonhou
         Gm         Dm                     Bb7   A7
E a grandeza se desfaz quando a solidão é mais
             Dm   A7
Alguém já falou
D        A7     D6
Mas é preciso viver
       F#m7  Fº       Em7   F#7
E  viver não é brincadeira, não
                      Bm                   F#m7
Quando o jeito é se virar cada um trata de si
   C#7              F#m7
Irmão desconhece irmão
  Em7
E aí
             A7         D
Dinheiro na mão é vendaval
             B7        E7  A7       D   Em7
Dinheiro na mão é solução    é solidão
             A7         D
Dinheiro na mão é vendaval
             B7        E7  A7       D  Em7  D6
Dinheiro na mão é solução    é solidão

O ideal é competir

Paulinho da Viola
Tom: C
C        G7         C
Quando a Portela chegou
     G7     C       A7  Dm
A platéia vibrou de emoção
        A7       Dm
Suas pastoras vaidosas 
A7            Dm
Defendiam orgulhosas
  G7       C    G7
O seu pavilhão
   C    A7
Portela
              Dm    
A luta é teu ideal
           A7      Dm
O que se passou, passou
A7             Dm
Não te podem deter
G7              C        G7
Teu destino é lutar e vencer
    C   G7    C
Óh, minha Portela
A7                 Dm   G7
Por ti darei minha vida
               C      G7
Óh, Portela querida   
    C   G7    C
Óh, minha Portela
A7                 Dm   G7
Por ti darei minha vida
                  G7
Óh, Portela querida   
           A7         Dm     G7
És tu quem levas a alegria
                  C    G7
Para milhares de fãs
C         A7           Dm
És considerada, sem vaidade
Na cidade
     G7                    C    G7
Como super campeã das campeãs
      A7        Dm
Eu quisera ter agora
A7               Dm
A juventude de outrora
  G7               C    G7
Idade de encantos mil
                                                                        
C              A7           Dm
Pra trilhar contigo passo a passo
A7                  Dm
No sucesso ou no fracasso
               G7           C
Pela glória do samba do Brasil
            G7
(Quando chegou)

Nova ilusão

Paulinho da Viola
Tom: Bm
Bm                    C#m7/5-
É dos teus olhos a luz
Bm
Que ilumina e conduz
F#7/9          Bm
Minha nova ilusão
F#                  D#m7
É nos teus olhos que eu vejo
G#7(9/13)   C#7/13
O amor e o desejo
C#7(9/11+)   F#7(5+/9-)
Do meu coração...
Bm                C#m7/5-
És um poema na terra
F#7      Bm
Uma estrela no céu
G6/5-    F#7(9/13)
Um tesouro no mar
Cº B7/5+       Em
És tanta felicidade
Bm
Que nem a metade
F#7             Bm
Eu consigo exaltar...
B                        Dº
Se um beija-flor descobrisse
C#m         F#7
A doçura e a meiguice
B
Que teus lábios tem
D#m7/5-        G#7(9/13)         C#m
Jamais roçaria, as asas   brejeiras
                 Gº
Por entre roseiras
F#7(5+/9-)  B
Que são de  ninguém...

Óh, dona do sonho,
Fº
Ilusão concebida
C#m/E
Surpresa que a vida,
F#7/9        A7(9/13) G#7(9/13)
Me fez das mulhe......res,
E        Fº      B/F#
Há no meu coração
G7+/5+    C#m/G#
Uma flor em botão,
F#7                  Bm
Que abrirá, se quiseres!

No pagode do Vavá

Paulinho da Viola
Refrão  

   C       A7             Dm  
Domingo, lá na casa do Vavá  
                  G7/13               G7        C   G7/5+  
teve um tremendo pagode que você não pode imaginar  
    C               Am          Dm  
provei do famoso feijão da Vicentina  
                G7/13                G7        C       G7/5+  
só quem é da Portela que sabe que a coisa é divina (provei)  
    C               Am          Dm  
provei do famoso feijão da Vicentina  
                G7/13                G7        C  
só quem é da Portela que sabe que a coisa é divina  
       A7             Dm       G7         C  
tinha gente de todo lugar no pagode do Vavá  
  
 A7             Dm               G7                 C  
nego tirava o sapato, ficava à vontade, comia com a mão  
              Gm               C7                F 
uma batida gostosa que tinha o nome de Doce Ilusão  
                 Fm             Bb7             Em  
vi muita nega bonita fazer partideiro ficar esquecido  
A7             Dm  
mas apesar do ciúme   
            G7                 C       G7/5+  
nenhuma mulher ficou sem o marido (domingo)  
   
Refrão  
  
A7             Dm               G7                 C 
um assobio de bala cortou o espaço e ninguém mais ficou  
              Gm               C7                F 
muito malandro corria quando Élton Medeiros chegou  
                           Fm              
minha gente não fique apressada   
             Bb7                Em  
que não há motivos pra ter correria  
       A7                  Dm 
foi um nego que fez treze pontos   
          G7/13              C     G7/5+  
e ficou maluco de tanta alegria (domingo)  

Refrão

Na linha do mar

Na linha do mar (1979) - Paulinho da Viola
G7
Galo cantou
         C       A7          Dm
Galo cantou as quatro da manhã
        G7              C C7 F
Céu azulou na linha do mar
          Bb7/9      C           A7
Vou me embora desse mundo de ilusão
               Dm                 
Quem me vê sorrir                       
     G7              C  G7
Não há de me ver chorar
             C    G7
Flexas sorrateiras 
             C
Cheias de veneno
            Gm    C7      F
Querem atingir o meu coração
            Bb7/9
Mas o meu amor
              C   A7
Sempre tão sereno
            D7
Serve de escudo
                     G7
Pra qualquer ingratidão

Miudinho

Paulinho da Viola
C  Eb°  Dm  G7 
Ô devagar miudinho,  devagarinho      
Ô devagar miudinho,  devagarinho                      2X 
Ô devagar, ô devagar, ô devagar , ô devagar 
 
(Paulinho) 
Se você quer dinheiro    eu não tenho não  
Se você quer carinho     eu tô de prontidão  
Se você quer carinho     eu tô de prontidão 
 
 C  Eb°  Dm  G7 (9X ) 
 
Ô devagar miudinho,  devagarinho      
Ô devagar miudinho,  devagarinho                      2X 
Ô devagar, ô devagar, ô devagar , ô devagar  
 
(Monarco) 
Se eu soubesse eu tinha me preparado 
penteava meu cabelo , tinha meu quarto arrumado  
penteava meu cabelo , tinha meu quarto arrumado (devagar... )     
 
 C  Eb°  Dm  G7 (10X ) 
 
Ô devagar miudinho,  devagarinho      
Ô devagar miudinho,  devagarinho                      2X 
Ô devagar, ô devagar, ô devagar , ô devagar 
 
(Leuci) 
Você meu bem esse se rebolando  
Dessa maneira está me tentando 
Dessa maneira está me matando  (ô devagar... )           
 
  C  Eb°  Dm  G7 (8X) 
 
Ô devagar miudinho,  devagarinho      
Ô devagar miudinho,  devagarinho                      2X 
Ô devagar, ô devagar, ô devagar , ô devagar 
 
(Raul) 
Eu canto samba má não por valentia 
É uma prova de amizade que eu tenho pela orgia   
É uma prova de amizade que eu tenho pela orgia   (devagar... )

Mente ao meu coração

Paulinho da Viola
[Intro:] G Em Am D#º G7M G#º Am7 D7(9)

G7M   Bbº Am7
Mente ao meu coração
    D#º G/D
Que cansado de sofrer
         C#º Am7
Só deseja adormecer
  G/B           Am7 Am7/G F#m7(b5)
Na palma da tua mão
    B7 Em
Conta ao meu coração
      A7(13)
Estória das crianças
      A7(b13)
Para que ele reviva
      Am7(b5) D7
As velhas esperanças

Am7    D7 G7M
Mente ao meu coração
      
Mentiras cor-de-rosa
Que as mentiras de amor
  Bm7(b5)     E7
Não deixam cicatrizes
Am7 Cm7 Bm7     E7 Am7
E tu és a mentira mais gostosa
  D7          G7M
De todas as mentiras que tu dizes

Guardei minha viola

Paulinho da Viola
[Intro:] E

             F#m7 B7
Minha viola vai pro fundo do baú
        E
Não haverá mais ilusão
              F#m7
Quero esquecer ela não deixa
    B7        E
Alguém que só me fez ingratidão

       F#m7 B7   E
No carnaval quero afastar
   F#m7            B7  E
As mágoas que meu samba não desfaz
 G#m7               C#7
Pra facilitar o meu desejo
    F#m7        B7       E
Guardei meu violão, não toco mais

Eu canto samba

Paulinho da Viola
Tom: D
D  
Eu canto samba  
                             Em  
Porque só assim eu me sinto contente  
          A7  
Em vou ao samba 
                                 D       A7  
Porque longe dele eu não posso viver  
            D  
Com ele eu tenho de fato  
   B7           Em  
Uma velha intimidade  
         A7  
Se fico sozinho  
               D       A7  
Ele vem me socorrer  
          D  
   :   Há muito tempo eu escuto esse papo furado  
b :      Em  
i  :   Dizendo que o samba acabou  
s  :       A7                       D  
   :    Só se foi quando o dia clareou  
        Em           A7  
O samba é alegria  
            D  
Falando de coisas da gente  
         D7  
Se você anda tristonho  
         G  
No samba fica contente  
           Gm7  
Segura o choro criança  
          D             B7
Vou te fazer um carinho  
            E7  
levando um samba de leve  
      A7               D       A7  
Nas cordas do meu cavaquinho

Foi um rio que passou em minha vida

A história de “Foi um Rio que Passou em Minha Vida” tem muito a ver com a de outro samba famoso, “Sei Lá Mangueira”, musicado por Paulinho da Viola que, para amaciar corações portelenses magoados com a sua homenagem à escola rival, compôs este canto de amor e fidelidade à sua querida Portela: “Ah, minha Portela / quando vi você passar / senti meu coração apressado / todo o meu corpo tomado / minha alegria voltar / não posso definir aquele azul / não era do céu / não era do mar / foi um rio que passou em minha vida / e o meu coração se deixou levar.”

Um dos mais talentosos integrantes da geração de sambistas revelada, como foi dito, nos anos sessenta, Paulinho da Viola recebeu influências diretas de compositores tradicionais, como Cartola, que desenvolve à sua maneira, modernizando-as sem desfigurá-las. Isso pode ser observado em composições como “Foi um Rio que Passou em Minha Vida”, o samba que consolidou o seu prestígio de cantor e compositor (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Foi Um Rio Que Passou Em Minha Vida (samba, 1970) - Paulinho da Viola - Intérprete: Paulinho da Viola

LP / Título da música: Foi Um Rio Que Passou Em Minha Vida / Paulinho da Viola (Compositor) / Paulinho da Viola (Intérprete) / Gravadora: / Ano: / Nº Álbum: / Lado A / Faixa 6 / Gênero musical: Samba / MPB.

Tom: G
G                    E7              Am
Se um dia  /  Meu coração for consultado
          D7           Am        D7            G   D7
Para saber se andou errado/    Será difícil negar
  G         D7              G
Meu coração tem manias de amor
            E7          Am7   C                Cm
Amor não é fácil de achar/ A marca dos meus desenganos
 Bm      E7       Am7      D7          G7
Ficou, ficou /      Só um amor pode apagar
       C              Cm         Bm     E7
As marcas dos meus desenganos / Ficou, ficou
 Am7     D7        G     D7
Só um amor pode apagar
   G   D7    G           D7        G
Porém, ai porém / Há um caso diferente
      B7              Em             Am
Que marcou um breve tempo / Meu coração para sempre
D7             G      
Era dia de carnaval / Carregava uma tristeza
                                     Bm7
Não pensava em novo amor / Quando alguém
       E7             Am7
Que não me lembro anunciou : Portela, Portela
        D7                                    G     D7
O samba trazendo alvorada/ Meu coração conquistou
G     E7       Am        D7           G     D7
Ai, minha Portela / Quando vi você passar
    G                  E7                        Am7  D7
Senti meu coração apressado/ Todo o meu corpo tomado
                G    D7         G          
Minha alegria voltar    / Não posso definir aquele azul
            E7               Am7
Não era do céu / Nem era do mar
C       Cm        G             E7
Foi um rio que passou em minha vida
  Am       D7            G7     C         Cm         G     
E meu coração se deixou levar /   Foi um rio que passou
          E7     Am         D7            G
Em minha vida /  E meu coração se deixou levar
  C    Cm     G  E7  Am  D7    E7       C       Cm
Laiá       laiá      laiá lalalá     laiá     laiá    
           G      E7     Am       D7     G
        laiá   laiá   laiá   lalalá  laiá

Duas horas da manhã

Paulinho da Viola
F#m7             Bº
Duas horas da manhã, 
F#m/C#        F#m   A     G#º C#m7.5- G F#
Contrariado espero pelo meu amor
         Eº          Bm       Bm7.5- E
Vou subindo o morro sem alegria,
E/G#              A        G#º  G
Esperando que amanheça o dia
F#m7 A         G#º Fm6.5+ 
Qual será o paradeiro 
F#m7        A         G#º   C#7.9- C#m7.5- G F#
daquela que até agora não voltou?
Bbº               Bm7                      
Eu não sei se voltará, 
               Ebº C#7  F#m7 A
ou se ela me abandonou
  Bm7                        A
A minha esperança está morrendo
              G#º             C#7.9-           
E a saudade no meu peito vai crescendo
             Bm7       G#º    A
Parece até que o coração me diz
      EbºD7    C#7 F#m7
Sem ela, eu não serei feliz...

Dança da solidão



A dança da solidão (samba, 1972) - Paulinho da Viola
[Intro:] Am

              A7          Dm
Solidão é lava que cobre tudo
     E7            Am
Amargura em minha boca, 
         B7                 E7
     sorri seus dentes de chumbo
    Am  A7        Dm
Solidão palavra cavada no coração
      Am         E7             Am
Resignado e mudo no compasso da desilusão

       Dm E7      A7
Desilusão, desilusão
                  Dm
Danço eu dança você
                 E7 Am
Na dança da solidão

                 E7               Am
Caméllia ficou viúva, Joana se apaixonou
                A7                       Dm
Maria tentou a morte, por causa do seu amor
                   Bm7(b5)    E7            Am
Meu pai sempre me dizia, meu filho tome cuidado
                      E7                    Am
Quando eu penso no futuro, não esqueço o meu passado

Quando vem a madrugada, meu pensamento vagueia
Corro os dedos na viola, contemplando a lua cheia
Apesar de tudo existe, uma fonte de água pura
Quem beber daquela água, não terá mais amargura



Coração leviano

Paulinho da Viola
E                   E
Trama em segredo teus planos
G#m7      C#7(b9) F#m7 C#7(b9) C#7
Parte sem dizer adeus
    F#m7      D7M/F#      B7
Nem lembra dos meus desenganos
F#7       F#m7     B7
Fere quem tudo perdeu

A7M    A#º    E/B
Ah!Coração leviano
    C#7        F#7 B7 G#m7 Gm7
Não sabe o que fez do meu
F#m7        E/G#
Ah!Coração leviano
    C#7        F#7 B7  E F#m7
Não sabe o que fez do meu

      B7        E
Este pobre navegante
           F#m7 Gm7 G#m7 A7
Meu coração amante
                  G#7
Enfrentou a tempestade
   C#m7       B7          E
No mar da paixão e da loucura
 C#7               F#7
Fruto da minha aventura
                  F#m7 B7
Em busca da felicidade

A7M    A#º       E/B A7
Ah!Coração teu engano
       D7(9)  C#7(b9) C#7
Foi esperar por um bem
  F#m7    Am7    G#m7
De um coração leviano
    C#7    F#m7 B7     E
Que nunca será de ninguém

Coração da gente

Paulinho da Viola
Intro.:  D B7 Em A7 D B7 Em A7 D

   B7         Em
Cadê aquela cuíca
      A7      D
Que gemia devagar
  B7           Em
Cadê aquele pandeiro
                A7              D
Machucando, batucando sem atravessar
       B7      Em
Quando a rapaziada 
                 A7               D
Se juntava prá fazer um samba diferente
    B7         Em
O pagode não parava
               A7                D
Enchendo de alegria o coração da gente
      B7          Em
Quase sempre aparecia
      A7        D
Um partido de momento
     B7           Em
Partideiro improvisava, camarada,
       A7          D
Prá mostrar conhecimento
       D7           G
Alguém sempre se lembrava
        A7        D
De um pagode do passado
   B7            Em
Cantando a felicidade
       A7        D
De um amor apaixonado
   B7              Em
Às vezes formava a roda
     A7         D
Só havia um cavaquinho
     B7          Em
Todo mundo se chegava
               A7             D
Batuqueiro batucava bem devagarinho
         D7       G
Quando o sol aparecia
        A7           D
Ninguém perguntava a hora
  B7              Em
Viola é que anunciava
 A7                   D
Adeus que eu já vou embora. 

Comprimido

Paulinho da Viola
Intro.: A

A                   E7             A
Deixou a marca dos dentes dela no braço
              A#°           E7
Pra depois mostrar pro delegado
     A                 G#        C#m       F#
Se acaso ela for se queixar da surra que levou
 Bm                           F#m E7
Por causa de um ciúme incontrolado
 Am            E7                    Am
Ele andava tristonho guardando um segredo
                           A7          Dm
Chegava e saia, comer não comia e só bebia
Cadê a paz
 G
Tanto que deu pra pensar
              C          Am
Que poderia haver outro amor
            D7              G
Na vida do nego pra desassossego
         C   E7
E nada mais
     A                   A
Seu delegado ouviu e dispensou
              C#m            Bm  F#
Ninguém pode julgar coisas de amor
   Bm              E7            A   C#7 F#m
O povo ficou inteirado do acontecido
     B7                 E7
Cada um dando a sua opinião
 Bm                E7
Ela acendeu muita vela
           A      G       F#
Pediu proteção, o tempo passou
       Bm
E ninguém descobriu
      E7                    A   E7
Como foi que ele se transformou
     Am              E7
Uma noite, noite de samba
        Am
Noite comum de novela
        Em5-/7              A7
Ele chegou pedindo um copo d'água
                   Dm
Pra um comprimido
    G                                     C   E7
Depois cambaleando foi pro quarto e se deitou
Am           F                   E7
Era tarde demais quando ela percebeu
                 Am  E7
Que ele se envenenou
      A                      A
Seu delegado ouviu e mandou anotar
  C#m                                  Bm
Sabendo que há coisas que ele não pode julgar
              C#7
Só ficou intrigado quando ela falou
                F#
Que ele tinha mania de ouvir sem parar
              Bm                E7            Am
Um samba do Chico falando das coisas do dia a dia

Coisas do mundo, minha nega


Coisas do Mundo, Minha Nega (samba, 1968) - Paulinho da Viola - Intérprete: Paulinho da Viola

LP Paulinho Da Viola / Título da música: Coisas Do Mundo, Minha Nega / Paulinho da Viola (Compositor) / Paulinho da Viola (Intérprete) / Gravadora: Odeon / Nº Álbum: MOFB 3560 / Ano: 1968 / Lado A / Faixa 6 / Gênero musical: Samba / MPB.


Tom: A
Intro.: A

        F#5+/7      B7/9  E7                 A
Hoje eu vim, minha nega como veio quando posso
 F#m                   Bm7  E7                A
Na boca as mesmas palavras, no peito o mesmo remorso
F#7               Bm7            E7       A
Nas mãos a mesma viola onde gravei o teu nome

A F#7              Bm7        E7            A
Venho do samba há tempo, nega, vim parando por aí
 F#7                 Bm7  E7                C#m7
Primeiro achei Zé Fuleiro que me falou de doença
F#7                   Bm7              C#7          F#m
Que a sorte nunca lhe chega, está sem amor e sem dinheiro
                       B7                         Bm7
Perguntou se eu não dispunha de algum que pudesse dar
E7              Bm7  E7                   C#m7
Puxei então da viola, cantei um samba pra ele
                D#7           G#7        C#m7
Foi um samba sincopado que zombou do seu azar


        F#5+/7      B7/9  E7                 A
Hoje eu vim, minha nega, andar contigo no espaço
 F#m                   Bm7  E7                A
Tentar fazer em seus braços um samba puro de amor
F#7               Bm7            E7       A
Sem melodia ou palavra pra não perder o valor  (2x)


F#7                   Bm7         E7                   C#m7
Depois encontrei seu Bento, nega, que bebeu a noite inteira
 F#7             Bm7  E7                  A
Estirou-se na calçada sem ter vontade qualquer
 F#7               Bm7        C#7           F#m
Esqueceu do compromisso que assumiu com a mulher
                   B7                       Bm7
Não chegar de madrugada, e não beber mais cachaça
 E7            Bm7     E7            C#m7
Ela fez até promessa, pagou e se arrependeu
F#7                Bm7         E7           A
Cantei um samba pra ele, que sorriu e adormeceu


       F#5+/7       B7/9   E7              C#7
Hoje eu vim, minha nega, querendo aquele sorriso
  F#7               Bm7   E7                       A
Que tu entregas pro céu quando te aperto em meus braços
F#7               Bm7       E7            A
Guarda bem minha viola, meu amor e meu cansaço  (2x)


            F#7      Bm7             E7        C#m7
Por fim eu achei um corpo, nega, iluminado ao redor
   F#7              Bm7         E7        A
Disseram que foi bobagem, um queria ser melhor
                    Bm7       C#7         F#7
Não foi amor nem dinheiro a causa da discussão
                 B7                         Bm7
Foi apenas um pandeiro que depois ficou no chão
 E7              Bm7    E7                     C#m7
Não tirei minha viola, parei, olhei e vim-me embora
  F#7            Bm7      E7             A
Ninguém compreenderia um samba naquela hora


      F#5+/7        B7/9  E7                A
Hoje eu vim, minha nega, sem saber nada da vida
            F#7      Bm7     E7           A
Querendo aprender contigo a forma de se viver
F#7                B7/9                E7     C#m7 (F6)
As coisas estão no mundo só que eu preciso aprender (2x)

Caso encerrado

Paulinho da Viola
F            Am    Cm    D7
Quanto tempo não sei dizer
 Gm             D7     Gm    C7
Tanta mágoa não sei contar
Cm             D7       Gm
Só me lembro da so....lidão que passei
 Bbm           C7     F       C7
Quando vi meu castelo desmoronar
   F             Am     Cm                  D7
Muito embora eu esteja  com saudades de um beijo
 Gm             C7    Cm      F7
Minha vida é melhor assim
Bb             Bbm     Am          D7
Esperando o momento   de viver novamente
Gm          C7        F
O amor que restou em mim
     Gm        C7               F
Você disse que não voltaria jamais
     E7                   Am       F7
E pra não esperar seu perdão
 Bb          A7           Dm
Hoje tenho razões pra duvidar
Gm                 C7    Cm        F7
Das promessas que você  faz
  Bb           Bbm       Am               D7
Pra não ser enganado    trago o peito fechado
   Gm          C7      Cm       F7
Quero apenas viver em paz
 Bb              Bbm
Nosso amor é passado
 Am               D7
Logo é caso encerrado
 Gm              C7     F
Que não dá pra voltar atrás

Amor a natureza

Paulinho da Viola
D          A         D           B7/9 
Reliquia do folclore nacional,joia rara que apresento 
                      Gm  A  E            A7 
Nesta paisagem que me vejo,no centro da paixao, 
          D 
  e do tormento 
       A7       D    D7                G 
Sem nenhuma ilusao,neste cenario de tristeza 
     E/G#                   F#m 
Relembro momentos de real bravura   
 B7/9                 Em   A7                 D7 
Dos que lutaram com ardor,em nome do amor a natureza 
   D        A7        D        A            D 
Cinzentas nuvens de fumaca,umedecendo meus olhos 
E/G#               A7     F#m    C#7         Em 
De aflicao e de cansaco,imensos blocos de concretos 
                  Gm   A7    D    B7/13    Em 
Ocupando todos os espacos,daquela que ja foi a mais  
    A7        D      D7                   G 
   bela das cidade que o mundo inteiro consagrou 
  C                   F#m    B7/9-     E         A7 
Com suas praias tao lindas,cheias de graca,de sonhos 
     D  A     D      A7      D           A7 
   de amor,flutua no ar o desprezo,desconsiderando  
     D   C#m   Bm7           F#7     Bm7 
    a razao,que o homem nao sabe se vai  
               E7                       A7 
Encontrar um jeito de dar um jeito na situacao 
  D     B7     E          A7         D 
 Uma semente atirada num solo,mais fertil 
       D7     G7 
   nao deve morrer 
 
  G           Gm      F#m 
E sempre uma nova esperanca 
     B7        E           A7    D 
Que a gente alimenta de cobreviver

14 anos

Paulinho da Viola
(intro) G

  G    E     A7 
Tinha eu 14 anos de idade 
        D7            G7+  D7 G7+
 quando meu pai me chamou
                     Dm7               G7
Perguntou-me se eu queria estudar filosofia
                  C
Medicina ou engenharia
 D7                 G    B7  Em
Tinha eu que ser doutor
        B7       Em        D7        G
Mas a minha aspiração era ter um violão
                   Go
Para me tornar sambista
Am7   D7         G7+
Ele então me aconselhou:
      B7            Em                     A7
"Sambista não tem valor, nesta terra de doutor"
        Am7        D7           G   B7  Em
E seu doutor, o meu pai tinha razão

                     F#7         B7         Em
Vejo um samba ser vendido, o sambista esquecido
   C               B7
O seu verdadeiro autor
      D7          G                       F#7
Eu estou necessitado, mas meu samba encabulado
                  Bm  D7
Eu não vendo não senhor!

Argumento

Argumento (1975) - Paulinho da Viola
(intro) (G G#º C#7/G# F#m7 B7 Em A7 D D7)
          (G G#º C#7/G# F#m7 B7 Em A7 D)

      A7
Tá legal!
      D  
Tá legal, 
      A7    D    A7 (A B C# D E F# E D C# B A)
 eu aceito o argumento
      D      B7         Em  B7  (B agudo A G F# E B)
Mas não me altere o samba tanto assim
Em         A7       D    B7
Olha que a rapaziada está sentindo a falta
  Em             A7             D
De um cavaco, de um pandeiro ou de um tamborim

    Em       A7        D
Sem preconceito ou mania de passado
                     Am7   D7        G
Sem querer ficar do lado de quem não quer navegar
G              G#º   C#7/G#  F#m7
Faça como um velho marinheiro
       B7  Em      A7          D   D7
Que durante o nevoeiro leva o barco devagar

Agora quem parte sou eu

Paulo Sérgio
Tom: D#
  

 Introdução: ( Cm ) 
 
    Cm 
 Eu já estou cansado de ouvir 
 Você dizer que não me quer 
                         G7 
 Que está zangada e que vai partir 
 Eu já estou cansado de olhar 
 Você pegar o que é seu 
                        Cm        G#7 G7 
 E quando é noite ver você voltar 
    Cm 
 Eu já estou cansado de pensar 
 Que a minha vida vai mudar 
                            G7 
 E a mesma história vem se repetir 
 Eu vou deixar de lado a ilusão 
 Você não vai acreditar 
                          Cm     C7 
 Eu vou cuidar desse meu coração 
   Fm        Cm 
 Agora quem parte sou eu 
     G7                Cm 
 Eu tenho que ir, não posso ficar 
   Fm        Cm 
 Agora quem parte sou eu 
     G7               Cm 
 Eu tenho que ir... Adeus 
 Eu hoje resolvi pensar em mim 
 Não posso mais viver assim 
                      G7 
 Eu decidi gostar de mim também 
 Você fez um brinquedo desse amor 
 Que já não tem nenhum valor 
                      Cm           G#7 G7 
 E é preciso a gente ser de alguém 
    Cm 
 Eu já estou cansado de pensar 
 Que a minha vida vai mudar 
                            G7 
 E a mesma história vem se repetir 
 Eu vou deixar de lado a ilusão 
 Você não vai acreditar 
                          Cm     C7 
 Eu vou cuidar desse meu coração 
   Fm        Cm 
 Agora quem parte sou eu 
     G7                Cm 
 Eu tenho que ir, não posso ficar 
   Fm        Cm 
 Agora quem parte sou eu 
     G7               Cm 
 Eu tenho que ir... Adeus.

Doce ilusão

Paulo Sérgio
Introdução: C Am F G7

C        Am
Eu hoje acordei
F          G7
Tão triste a chorar
C             Am
Pois o que sonhei
F          G7
Terminou ao acordar
C         Am
Eu vi o meu amor
F                G7
Voltando aos braços meus
C         Am
Sentindo o calor
F            G7
Daqueles beijos seus
F            G7
Mas foi um sonho
Em          Am
Que chegou logo ao fim
F           Em
E uma tristeza

       D7            G7
Eu senti dentro de mim
C               Am
É triste saber que foi
F            G7
Um sonho que passou
C           Am
Pois o meu amor
F               G7
Para mim não mais voltou
C   Am      F
Ou, ou, ou, ou, ou
G7      C  G7
Não mais voltou, ou, ou

Solo: C Am F G7 C Am F G7

Benzinho

Paulo Sérgio
Int.: A F#m Bm E7  A 
 
   F#m    Bm 
BENZINHO 
      E7             A    F#m Bm E7  A 
POR QUE DEIXOU-ME ASSIM 
  F#m    Bm 
SOZINHO  
    E7             A   A7 
E TRISTE E A RECORDAR 
       D       
O SEU BEIJO, SEU CARINHO  
       A 
O SEU MODO  
         A7 
DE FALAR 
        D 
NÃO CONSIGO VIVER ASSIM  
    B           E     A 
BENZINHO TENHA DÓ DE MIM 
   F#m   Bm 
BENZINHO  
     E7           A   F#m Bm E7  A 
NÃO SEI QUAL A RAZÃO 
   F#m    Bm 
BENZINHO            
   E7          A   A7 
É SEU MEU CORAÇÃO 
        D 
NÃO CONSIGO TE ESQUECER  
         A 
SEM SEU BEIJO  
              A7 
NÃO SEI VIVER 
       D 
NÃO RESISTO À TANTA DOR 
     B7                          E         E7    A 
NÃO SEI PORQUE VOCÊ NÃO QUER ME DÁ O SEU AMOR OH OH 
   F#m   Bm 
BENZINHO  
      E7             A  F#m Bm E7  A 
POR QUE DEIXOU-ME ASSIM 
 
F#m Bm E7  A 

Falta alguém em nossa vida

Paulo Sérgio
Introdução: ( Em ) 
 
 Em 
 Eu te peço há tanto tempo 
                    B7 
 Mas você finge não me ouvir 
                        Am 
 Já não sei mais o que vou fazer 
 B7                   Em 
   Pra você poder se decidir 
 Já cansei de tanto explicar 
                     B7 
 Que sem ele eu não posso viver 
                        Am 
 E o amor que eu sinto por você 
                    B7 
 Pouco a pouco pode se perder 
                       Em     E7 
 Não quero ver tudo se acabar 
     Am               Em 
 Preciso tanto de um filho seu 
      B7 
 Pra conservar o amor 
      Em 
 Que ainda não morreu 
     Am               Em 
 Preciso tanto de um filho seu 
      B7 
 Pra conservar o amor 
      Em              B7 
 Que ainda não morreu 
 Em 
   Mas você finge não entender 
                   B7 
 De assunto logo quer mudar 
                     Am 
 Mas não deve se esquecer que eu 
 B7                       Em 
   Posso um dia não mais reclamar 
 E então você poderá pensar 
                         B7 
 Que o amor que eu tinha se acabou 
                          Am 
 Mas eu não vou mais lhe revelar 
                       B7 
 Que por dentro vivo a esperar 
                  Em              E7 
 Alguém mais pra completar o amor 
     Am               Em 
 Preciso tanto de um filho seu 
      B7 
 Pra conservar o amor 
      Em 
 Que ainda não morreu 
     Am               Em 
 Preciso tanto de um filho seu 
      B7 
 Pra conservar o amor 
      Em              B7 
 Que ainda não morreu 
 
  Solo: Em  B7  Am  B7  Em  E7 
 
     Am               Em 
 Preciso tanto de um filho seu 
      B7 
 Pra conservar o amor 
      Em 
 Que ainda não morreu 
     Am               Em 
 Preciso tanto de um filho seu 
      B7 
 Pra conservar o amor 
      Em 
 Que ainda não morreu. 

Gosto muito de você

Paulo Sérgio
Introdução: Am   E7   Am   E7   Am 
 
  Am           E7        Am   E7 
 Gosto, gosto muito de você 
  Am           E7        Am  A7 
 Gosto, gosto muito de você 
    Dm                  G7 
 Embora não queira aceitar 
      C    E7        Am 
 O carinho  que lhe dou 
    Dm                 G7 
 Embora não queira me dar 
       F          E7 
 A ternura que jurou 
                     Am 
 Mas mesmo assim eu gosto 
        E7        Am   E7 
 Gosto muito de você 
  Am           E7        Am  A7 
 Gosto, gosto muito de você 
   Dm                   G7 
 Você só faz zombar de mim 
         C    E7      Am 
 Do princípio  até o fim 
       Dm                 G7 
 Não quer me dar seu coração 
         F                E7 
 E seu choro, você ri de mim 
                     Am 
 Mas mesmo assim eu gosto 
        E7        Am   E7 
 Gosto muito de você 
  Am           E7        Am  A7 
 Gosto, gosto muito de você 
  Dm              G7 
 Até a última ilusão 
       C         E7        Am 
 Você teve o prazer de acabar 
      Dm                      G7 
 Por mim com outro alguém passou 
        F                 E7 
 Só pra me ferir e maltratar 
                     Am 
 Mas mesmo assim eu gosto 
        E7        Am   E7 
 Gosto muito de você 
  Am           E7        Am 
 Gosto, gosto muito de você 
           E7        Am 
 Eu gosto muito de você 
           E7        Am 
 Eu gosto muito de você. 

Pra esquecer que você existe

Paulo Sérgio
G       A       F#m 
FUJO DE MIM PROCURANDO 
       Bm    E        A 
ESQUECER QUE VOCÊ EXISTE 
 
D                           Em 
AS RODAS DO MEU CARRO NO ASFALTO A DESLIZAR 
A7                            D                  
AS MINHAS MÃOS TREMENDO NO VOLANTE A VACILAR 
   Bm                      Em 
O VENTO BATE FORTE NO MEU ROSTO E FAZ LEMBRAR 
            E7                    A 
QUE EU PROMETI QUE UM DIA AINDA IRIA LHE ENCONTRAR 
   D                        Em 
CASAIS DE NAMORADOS QUE SE BEIJAM NO PORTÃO 
    A7                      D 
ALGUÉM CANTAROLANDO A MINHA ÚLTIMA CANÇÃO 
   G            F#m           E             A 
A PORTA DE UM CINEMA FAZ LEMBRAR QUE VOCÊ EXISTE 
 
G        A 
FUJO DE MIM... 
 
D                           Em 
E O SEU ANIVERSÁRIO O CALENDÁRIO VEM FALAR 
A7                          D 
UM NÚMERO QUALQUER SEU TELEFONE FAZ LEMBRAR 
   Bm               Em 
A MINHA BOCA TANTO TEMPO JÁ SEM LHE BEIJAR 
                E7          A 
TRADUZ UMA AMARGURA QUE DISPENSA ATÉ FALAR 
    D                        Em 
E QUANDO VOU PRA LONGE PROCURANDO ME ESCONDER 
   A7                        D 
E PENSO NUM INSTANTE QUE JÁ POSSO LHE ESQUECER 
   G                F#m      E             A 
O RÁDIO DIZ NUMA CANÇÃO DE AMOR QUE VOCÊ EXISTE 
 
G        A 
FUJO DE MIM...

Por tudo que há de mais sagrado

Paulo Sérgio
Tom: Cm
Introdução: Cm  Fm  G7  Cm


      Cm                     Fm
Por tudo que há de mais sagrado
G7                   Cm
Eu peço que acredite em mim
Fm                   Cm
Eu tenho amor sincero e puro
G7
É verdade eu juro
Cm
Pra que vou mentir
Fm
Eu não aguento esta distância
G7             Cm
Que me separa de você
Fm                Cm
Viver assim desta maneira
G7
Viver só chorando
C
Vou enlouquecer
G7
Eu prometo mais que antes lhe amar
C
E o carinho que guardei, nem vai chegar
C7
Aprendi e nunca mais
F
Vou lhe deixar
Fm       C          G7          C   G7  Cm
Nunca mais vou fazer você chorar

Eu quero ver você viver sem mim

Paulo Sérgio
Intro: E G#m Gm F#m B7 E G#m Gm F#m B7 E

E     G#m Gm F#m B7
Eu só que-ro ver ê
E  G#m  Gm F#m
É você vi-ver
B7         E     G#m Gm F#m B7
É você viver sem mim
E      G#m Gm F#m B7
Eu só que-ro ver ê
E  G#m  Gm F#m
É você vi-ver
B7         E      E7
É você viver sem mim
A         G#m     C#m
Você vai ficar chorando
F#m         B7    E    E7
Eu já estou sabendo
A           B   G#m       C#m
Sinto lhe dizer, mas aconteceu
F#m           B7     E
Que o nosso amor morreu

Solo: E G#m Gm F#m B7 E
G#m Gm F#m B7 E E7
A G#m C#m F#m B7 E7
A B G#m C#m F#m B7
E G#m Gm F#m B7 E E7

Falando: Boa noite, meu bem,
eu vou embora. Quando a saudade
apertar e eu não estiver mais a
seu lado, com quem? Com quem
você vai falar? Hoje eu lhe digo
com a voz cheia de tristeza que
tudo teve fim. Mas sei que você
vai pensar em mim muito mais do
que sempre pensou. Eu vou embora
porque você quis assim, mas eu
quero ver, eu quero ver você
viver sem mim.

A         G#m     C#m
Você vai ficar chorando
F#m         B7    E    E7
Eu já estou sabendo
A           B   G#m       C#m
Sinto lhe dizer, mas aconteceu
F#m           B7     E
Que o nosso amor morreu.

No dia em que parti

Paulo Sérgio

No dia em que parti - Carlos Roberto
Introdução: ( F )

     F                        C7
 No dia em que parti você chorou

 Quase morreu
                            F
 Jurou que seu amor era só meu

 Era só meu
                         C7
 Acreditei no que ouvi você falar

 Até pensei que seu amor
      F           F7
 Não fosse acabar
   A#                  F
 Agora percebi que seu amor
         Dm          Gm
 Para comigo não passou
         C7      F  F7
 De uma mera ilusão
     A#                     F
 Porque estou sentindo que você
            Dm         Gm
 Já tem alguém no coração
          C7        F   C7
 E só me deu desilusão
     F                        C7
 Eu sempre acreditei no que você falou
                        F
 E agora você me desiludiu, me enganou
                               C7
 No dia em que eu voltar você verá

 Quanto sofri
                              F
 E de arrependimento, meu perdão
                    F7
 Sei que vai pedir
    A#                   F
 Então assim direi para você
        Dm            Gm
 Acreditei muito em você
           C7              F   F7
 E meu perdão não vou lhe dar
    A#                   F
 Então assim direi para você 
        Dm            Gm
 Acreditei muito em você
           C7              F
 E meu perdão não vou lhe dar
        Dm            Gm
 Acreditei muito em você
           C7              F
 E meu perdão não vou lhe dar
        Dm            Gm
 Acreditei muito em você
           C7                F
 E meu perdão...Não vou lhe dar.

Última canção


Última Canção (1968) - Carlos Roberto - Intérprete: Paulo Sérgio

LP Paulo Sérgio / Título da música: Última Canção / Carlos Roberto (Compositor) / Paulo Sérgio (Intérprete) / Gravadora: Caravelle Ano: 1968 / Nº Álbum: LP-NF 6.009 / Lado B / Faixa 2 / Gênero musical: Canção / Jovem Guarda.


Tom: Em
Em             Am 
 esta é a última canção
      D7          Em  Dm E7 
 que eu faço pra? você 
        Am              D7                    G  Em 
 já cansei de viver iludido só pensando em você 
        Am                D7 
 se amanhã você me encontrar 
            G                 Em 
 de braços dados com outro alguém 
         Am 
 faça de conta 
            B7             Em   Am B7 
 que pra? você não sou ninguém 
       Em             Am          D7           Em  Dm E7 
 mas você deve sempre lembrar que já me fez chorar 
          Am                D7                      G  Em 
 e que a chance que você perdeu nunca mais vou lhe dar 
         Am                   D7 
 e as canções tão lindas de amor 
                 G         Em 
 que eu fiz ao luar para você 
    Am 
 confesso 
          B7                 Em   Am B7 
 iguais àquelas não mais ouvirá 
       Am                 D7           G               Em 
 e amanhã sei que esta canção você ouvirá no rádio a tocar 
       Am                    D7   
 lembrará que seu orgulho maldito 
              G                 Em 
 já me fez chorar por muito lhe amar 
           Am 
 peço não chore 
                B7               Em   Am B7 
 mas sinta por dentro a dor do amor 
      E                 F#m            B7 
 e então você verá o valor que tem o amor 
    E                      F#m           B7 
 e muito vai chorar ao lembrar o que passou

Mulher que não dá samba

Mulher que não dá samba (samba) - Paulo Vanzolini
Intro:  F#m  G7  Cm  Cm/A#  F#m  G7  Cm  G#7  G7  
 
   Cm          G7            Cm 
Parece que vai tudo em santa paz 
   G7             Cm 
Na base do mais ou menos 
              C7            F#m 
Um pouco mais menos do que mais 
        G7 
Tão regular, sem reclamar 
           Cm     Cm/A# 
Porém não satisfaz 
         D7/A           G#7          G7 
Mas francamente, de que serve tanta paz 
 
 Cm            G7          Cm 
Ainda se fosse brava porém competente 
     C7                            F#m 
Se atrás da bronca viesse a roupa limpa, o café quente 
      G7                  Cm                 Cm/A#                  
Ou se fosse ignorante no claro e ardente no escuro 
           D7/A 
Eu lhe asseguro 
      G#7         G7 
Não faria falta a paz 
 
   F#m            G7           Cm         Cm/A# 
Mulher que não dá samba eu não quero mais 
   F#m            G7           Cm              
Mulher que não dá samba eu não quero mais 

Quando eu for, eu vou sem pena

Quando eu for, eu vou sem pena - Paulo Vanzolini
Bm                       Em
Quando eu for, eu vou sem pena
F7 Bm
Pena vai ter quem ficar

B7 Em
Morena tão desamada e tão precisada de amar
F7 Bm
Açucena delicada sem a mão lhe cuidar
G7 F7
Curva de rio de sereno sem proa pra navegar
Em F7 Bm
E tanta beira de estrada sem um moço pra pousar

Em
O que eu fiz é muito pouco
F7 Bm
Mas é meu e vai comigo
B7
Deixo muito inimigo
Em
Porque sempre andei direito
F7 Bm
Agasalhei neste peito muita cabeça chorando
G7 F7
Morena minha até quando você de mim vai lembrar

Em
Quando eu for, eu vou sem pena
F7 Bm
Pena vai ter quem ficar

Bandeira de guerra

Bandeira de guerra - Paulo Vanzolini
Intro: Em   Bm  G   F#  Bm

Bm Em
Foi numa esquina da vida
F#7 Bm
Uma mulher em hora perdida
G7 F#7 C7
Um homem em ponto morto
B7 Em A
Nessa base do tropeço e mau começo
A7 F#m Em
Foi nascer contra a vontade esse amor torto
F#7 Bm G
Me admira ter vingado, quem diria
F#7 C7 B7 Em
Que fosse loucura pra mais do que um dia
F#7 Bm Bm/A G7M
Na verdade quem diria
F#7 Bm A
Que enxergasse a luz do dia

A7 F#m
Mas vingou e é coisa feita
A#°
Torto sim eu ostento
C7 B7
E ninguém me endireita
Em Bm Bm/A
Mulher, já que Deus quer vamos em frente
G7
Minha bandeira de guerra

Meu pé de briga na terra
F#7 Bm
Meu direito de ser gente

Em F#
Minha bandeira de guerra
Em
Meu pé de briga na terra
F# Bm
Meu direito de ser gente

Capoeira do Arnaldo

Capoeira do Arnaldo - Paulo Vanzolini

Quando eu vim da minha terra / Passei na enchente nadando
Passei frio, passei fome / Passei dez dias chorando
Por saber que de tua vida / Pra sempre estava passando
Nos passo desse calvário / Tinha ninguém me ajudando
Tava como um passarinho / Perdido fora do bando


Vamo-nos embora, ê ê
Vamo-nos embora, camará
Presse mundo afora, ê ê
Presse mundo afora, camará

Quando eu vim da minha terra / Veja o que eu deixei pra trás
Cinco noivas sem marido / Sete crianças sem pai
Doze santos sem milagre / Quinze suspiros sem ai
Trinta marido contente / Me perguntando "já vai?"
E o padre dizendo às beata / "Milagre custa, mas sai"

Vamo-nos embora, ê ê (...)

Quando eu vim da minha terra / Num sabia o que é sobrosso
Sabença de burro velho / Coragem de tigre moço
Oração de fechar corpo / Pendurada no pescoço
Rifle do papo-amarelo / Peixeira de cabo de osso
Medalha de Padre Ciço / E rosário de caroço
Pra me alisar pêlo fino / E arrepiar pêlo grosso
Que eu saí da minha terra / Sem cisma
Susto ou sobrosso

Vamo-nos embora, ê ê (...)

Quando eu vim da minha terra / Vim fazendo tropelia
Nos lugar onde eu passava / Estrada ficava vazia
Quem vinha vindo, voltava / Quem ia indo, não ia
Quem tinha negócio urgente / Deixava pro outro dia
Padre largava da missa / Onça largava da cria
E os pai de moça donzela / Mudava de freguesia
Mas tinha que fazer força / Porque as moça num queria

Vamo-nos embora, ê ê (...)

Eu sai da minha terra / Por ter sina viageira
Cum dois meses de viagem / Eu vivi uma vida inteira
Sai bravo, cheguei manso / Macho da mesma maneira
Estrada foi boa mestra / Me deu lição verdadeira
Coragem num tá no grito / E nem riqueza na algibeira
E os pecado de domingo / Quem paga é segunda-feira

Vamo-nos embora, ê ê (...)

Na boca da noite

Na boca da noite (samba) - Paulo Vanzolini e Toquinho
G                    A/G    G           Dm7
Cheguei na boca da noite, parti de madrugada
C          Em  Gm/Bb               F/A
Eu não disse que ficava nem você perguntou nada
Em              F     G4/7  G7         C
Na hora que eu ia indo, dormia tão descansada,
G7           C       C7         F6
Respiração tão macia, morena nem parecia
E7             A
Que a fronha estava molhada 

         A7        D       A7                D
Vi um rosto na janela, parei na beira da estrada
G7        C/A#     F7 A#/G# Em A     D
Cheguei na boca da noite, saí de madrugada 
G                A/G         G            Dm7
Gente da nossa estampa não pede juras nem faz,
C            Em        Gm/Bb       F/A
Ama e passa, e não demonstra sua guerra, sua paz
Em        F       G4/7  G7             C
Quando o galo me chamou, eu parti sem olhar pra trás
G7               C         C7            F6
Porque, morena, eu sabia, se olhasse, não conseguia
E7              A
Sair dali nunca mais 
...
G                    A/G       G           Dm7 G7
O vento vai pra onde quer, a água corre pro mar
C              Em    Gm/Bb             F/A
Nuvem alta em mão de vento é o jeito da água voltar
Em                 F     G4/7    G7     C
Morena, se acaso um dia tempestade te apanhar
G7         C          C7         F6
Não foge da ventania, da chuva que rodopia,
E7          A
Sou eu mesmo a te abraçar

Samba erudito

Samba Erudito (samba) - Paulo Vanzolini

Andei sobre as águas / Como São Pedro
Como Santos Dumont / Fui aos ares sem medo
Fui ao fundo do mar / Como o velho Picard
Só pra me exibir / Só pra te impressionar

Fiz uma poesia / Como Olavo Bilac
Soltei filipeta / Pra ter dar um Cadillac
Mas você nem ligou / Para tanta proeza
Põe um preço tão alto / Na sua beleza


E então, como Churchill / Eu tentei outra vez
Você foi demais / Pra paciência do inglês
Aí, me curvei / Ante a força dos fatos
Lavei minhas mãos / Como Pôncio Pilatos

Andei sobre as águas (...)

Praça Clóvis

Praça Clóvis (samba) - Paulo Vanzolini
Dm                       A7           Dm
Na Praça Clóvis minha carteira foi batida
D7 Gm
Tinha vinte e cinco cruzeiros e o seu retrato
A7 Dm
Vinte e cinco, francamente, achei barato
E7 A7
Pra me livrarem do meu atraso de vida
Gm A7 Dm
Eu já devia ter rasgado e não podia
D7 Gm
Esse retrato, cujo olhar me maltratava e perseguia
Dm
Um dia veio o lanceiro naquele aperto da praça
E7 A7 Dm D7
Vinte e cinco francamente foi de graça
Gm Dm
Um dia veio o lanceiro naquele aperto da praça
E7 A7 Dm
Vinte e cinco francamente foi de graça

Amor de trapo e farrapo

Paulo Vanzolini
Amor de trapo e farrapo (samba) - 1967 - Paulo Vanzolini

Amor de trapo e farrapo...
Tudo errado é tão gostoso...
De dar arrepio na espinha...
Amor de galo de rinha...
Amor de arranca toco...
Amor de louco contra louca...
Cíume fogo nos olhos...
Beijo fogo na boca...

E o coração, incendio, pleno amor
Amor sereno, pirraça
Amor veneno, amor cachaça
Amor de baixo d'água
Amor no meio do inferno
Amor de meter susto ao Padre Eterno, já se vê...
Só pode ser o amor de eu e você...

Volta por cima

Paulo Vanzolini
Não é verdade que “Volta por Cima” tenha alguma coisa a ver com a morte do filho do autor ocorrida anos depois de sua criação. A letra deste samba é isto sim, “uma questão de filosofia de vida, como eu gostaria de ser”, afirma o Dr. Paulo Vanzolini mestre em Zoologia pela Universidade de Harvard, diretor do Museu de Zoologia da USP e um dos mais festejados componentes do reduzido grupo de compositores paulistas de sucesso nacional.

Muito original e primorosamente elaborada num período de seis meses, diz a composição “Chorei / não procurei esconder / todos viram / fingiram / pena de mim não precisava / ali onde chorei qualquer um chorava / dar a volta por cima que eu dei / quero ver quem dava...”. E adiante, num arremate em alto astral: “Levanta, sacode a Poeira e dá a volta por cima.” Esses versos ajudariam a popularização da expressão “dar a volta por cima”, citada no dicionário Aurélio como o ato de superar resolver uma situação difícil, desagradável, problemática.

Oferecido a alguns cantores, “Volta por Cima” acabou gravada pelo mineiro Noite Ilustrada, numa ocasião em que Vanzolini estava em viagem na Amazônia. Noite Ilustrada atuava na boate Moleque, onde os frequentadores costumavam fazer coro sempre que ele interpretava a composição. Então, atendendo à pretensão do sambista, o produtor Alfredo Borba autorizou a gravação, que teve um arranjo bem simples do clarinetista Portinho. Quando Vanzolini retornou a São Paulo, foi surpreendido com o seu samba tocando nas rádios e disputando as primeiras colocações nas paradas, para logo se fixar como o maior sucesso de Noite Ilustrada.

A propósito, este apelido pitoresco foi dado ao cantor (que se chama Mário de Souza Marques Filho) em 1951, quando ele participava de um show comandado por Zé Trindade na cidade mineira de Além Paraíba. No momento da apresentação, o comediante esqueceu o seu nome e, vendo-lhe num bolso um exemplar da revista Noite Ilustrada, não se apertou: “E agora com vocês a grande revelação... Noite Ilustrada.” Daí em diante o apelido pegou de tal forma que até Denise, mulher do cantor, o chama de o Noite (A Canção no Tempo - Vol. 2 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Editora 34).

Volta por cima (samba, 1962) - Paulo Vanzolini - Intérprete: Noite Ilustrada

Disco 78 rpm / Título da música: Volta por cima / Vanzolini, Paulo, 1924-2013 (Compositor) / Noite Ilustrada, 1928-2003 (Intérprete) / Coro (Acompanhante) / Orquestra (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Philips, 1962 / Nº Álbum 61143 / Gênero musical: Samba.

Am7                                     Em7
Lá, laia, laia, laia, laia, laia, laia, laia, laia, laia, 
laia, laia,
  C7                B7                    Em7     E7
Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima

Em7              B7/D#              
Chorei, ah eu chorei,
                  Em7
não procurei esconder 
      E7        Bm7/5- 
Todos viram, Fingiram 
        E7           Am7 
Pena de mim não precisava 
D7 
Ali onde eu chorei 
         G7+        C7+ 
Qualquer um chorava 
      F#m7/5-               B7 
Dar a volta por cima que eu dei 
               Em7 
Quero ver quem dava 
   F#m7/5-         B7          Em7 
Um homem de moral  não fica no chão 
    Bm7/5-     E7 
Nem quer que mulher 
    Am7           
Lhe venha dar a mão 

Em/D        Am7     Bbº     Em7 
Reconhece a queda e não desanima 
  C7                B7 
Levanta, sacode a poeira  
                 Em7 
E dá a volta por cima (2x)