terça-feira, 28 de março de 2006

Alberto Marino

Alberto Marino, regente, compositor, instrumentista e professor, nasceu em São Paulo SP, em 23/3/1902, e faleceu em 11/2/1967. Descendente de imigrantes italianos, nasceu no bairro do Brás, revelando desde cedo gosto pela música.

Aos 15 anos fazia serenatas com seus companheiros do bairro e, numa dessas noites de boêmia, compôs Rapaziada do Brás, valsa que o tornaria famoso, gravada pela primeira vez em 1927 na fábrica Brasilphone de São Paulo, por seu Sexteto Bertorino Alma. Este pseudônimo, Bertorino Alma, é um anagrama de seu nome.

Foi um dos fundadores, em 1925, da Rádio Educadora Paulista (depois Gazeta), onde trabalhou como radialista. Regeu muitas vezes a orquestra do hoje extinto Teatro Colombo, no Largo da Concórdia, sendo autor de várias músicas, principalmente valsas.

Entre suas principais composições estão Luar de São Paulo (com letra posterior de Alberto Júnior), Senhoritas do Brás, O amor que faz viver (letra de Judas Isgorogota), Meigo olhar, Amarga serenata (com Jorge Amaral) e Tudo passa (letra de Marcino Marelo).

Em 1931-1932, enquanto durou a gravadora Arte-fone de São Paulo, na Mooca, cujo concessionário era Pedro Giordan, foi seu diretor-artístico. Diplomado em violino pelo Instituto Musical de São Paulo, em 1941, e em composição e regência pelo Conservatório Musical Osvaldo Cruz, de São Paulo, em 1957, passou a dedicar-se às funções de inspetor do Conservatório Musical Santa Cecília e professor do Conservatório Dramático e Musical de São Paulo. Foi maestro da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo.

Em 1960 seu filho, Alberto Marino Júnior compôs uma letra para Rapaziada do Brás, gravada no mesmo ano por Carlos Galhardo.

Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora - PubliFolha.
Postar um comentário