sexta-feira, 12 de maio de 2006

Peba na pimenta

João do Vale
Peba na pimenta (xote, 1957) - João do Vale, José Batista e A. Rivera - Interpretação: Marinês (LP "Marinês – Vamos xaxar", 1957 – Sinter). Peba (péba) ou tatu-peba, também conhecido como "papa-defunto" (Wikipédia), é um tatu comum em grande parte do Brasil.



(D Bm G A)
Seu Malaquias preparou cinco pebas na pimenta,
Só do povo de Campinas convidou mais de sessenta
Entre todos convidados convidou Maria Benta

Benta foi logo dizendo: Se arder não quero não!
Seu Malaquias disse então: Pode comer sem susto, esse pimentão,
Não arde não!

Benta danou-se a comer a pimenta era da "braba"
E danou-se a arder, ela chorava e se mal-dizia:
Ai se eu soubesse dessa peba não comia!

Depois houve o arrasta-pé o forró 'tava esquentando
O sanfoneiro então me disse tem gente aí dançando
Procurei pra ver quem era...
Mas era a Benta reclamando:

(D G A G A D)
Ai, ai seu Malaquias a pimenta que 'cê deu só ardia!
Tá ardendo eu sei que tá! Tá me dando uma agonia!
Postar um comentário