sábado, 19 de janeiro de 2008

Embrulho que eu carrego

Embrulho que eu carrego - Alvaiade e Djalma Mafra

Enquanto você não for eu não sossego
Você é um embrulho que eu carrego
Darei doces a Cosme e velas a Nossa Senhora
Se amanhã você me disser que vai embora

Na sua vida eu sempre fui a tábua de salvação
E você finge não entender a situação
Vai na paz, minha escurinha
Infelizmente você não pode ser minha
Postar um comentário