quarta-feira, 26 de abril de 2006

Caprichos do destino

Orlando Silva
Caprichos do destino (valsa, 1938) - Pedro Caetano e Claudionor Cruz

Disco 78 rpm / Título da música: Caprichos do destino / Autoria: Cruz, Claudionor (Compositor) / Caetano, Pedro (Compositor) / Orlando Silva (Intérprete) / Orquestra Victor Brasileira (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Victor, 30/07/1937 / Nº Álbum 34805 / Lado A / Lançamento: Março/1938 / Gênero musical: Valsa


Am -----------Dm------------ E7------------------- Am
Se Deus um dia olhasse a terra e visse o meu estado
-----------------------E7------------------------- Am------ E7
Na certa compreenderia o meu trilhar desesperado
Am -------Dm----------- E7 -----------------Am
E tendo Ele em suas mãos o leme dos destinos
-------------------------Em------- B7------- Dm----- E7
Não deixar-me-ia assim / A cometer desatinos
--------Dm -----------E7-------------- Am

É doloroso mas infelizmente é a verdade
-------------------------E7------------------------ A7
Eu não devia nem sequer / Pensar numa felicidade que não posso ter
---------Dm -------------------------------Am
Mas sinto uma revolta dentro do meu peito
-------------------------------B7 ----E7 -------Am----- E7
É muito triste não se ter direito / Nem de viver
----A --------------------Gb7-------------- Bm
Jamais consegui um sonho ver concretizado
--------------------------E7-------------- Eb°----- A
Por mais modesto e banal, sempre me foi negado
(E) -----A----------------- Gbm -----(B7) -----E -----Db7
---Assim meu Deus francamente devo desistir
-----------------------------Gb7---- B7------------------- E7
Contra os caprichos da sorte ----/---- E não devo insistir
-----(E)----- A--------- Gb7 --------------------B7
Eu quero fugir ao suplício a que estou condenado
--------E7 ---------------------------Eb° -----A
Eu quero deixar esta vida onde fui derrotado
A7
Sou um covarde bem sei
--------------------D ----------------Eb°
Que o direito é levar a cruz até o fim
--------------A-------- (Gb7-- Bm- (E7)- A
Mas não posso é pesada demais para mim.
Postar um comentário