quinta-feira, 13 de abril de 2006

Martinho da Vila

Martinho José Ferreira, compositor, cantor e sambista de Vila Isabel, nasceu em Duas Barras, interior do estado do Rio, em 12 de fevereiro de 1938. Começou sua carreira no III Festival de Música da TV Record, em 1967, concorrendo com a música "Menina Moça", e repetindo a experiência em 68 e 69.


Nesse último ano saiu o primeiro disco, "Martinho da Vila", com os explosivos partidos-altos Casa de bamba e O pequeno burguês e os sambas-enredo em estilo compactado "Iaiá do Cais Dourado" e "Carnaval de Ilusões", que alterariam o formato tradicional. Sua fama ampliou-se em 1974 com Canta canta, minha gente, disco que incluía o samba Disritimia, muito executada pelas rádios.

Com o velho sambista Donga
Em 1981, voltado para o público que busca um repertório mais romântico, gravou o disco "Sentimentos", com a faixa "Ex-amor". No ano de 1988 a Vila Isabel foi a campeã com o samba-enredo "Kizomba, Festa da Raça", escrita por Martinho. No mesmo ano lança o disco "Festa da Raça" pela CBS e no ano seguinte explode como o samba Dancei, popularizado pela novela "Tieta", da TV Globo.

Tá delícia, tá gostoso, de 1995, é um novo marco na carreira do compositor, com mais de um milhão de cópias vendidas, e os sucessos Mulheres (Toninho Gerais), Cuca maluca (Garcia do Salgueiro), Devagar, devagarinho (Eraldo Divagar) e a faixa-título.

Em 1997 abriu um bar em Vila Isabel, o Butiquim do Martinho, que se tornou ponto de encontro de sambistas. No ano seguinte o lançamento de "3.0 Turbinado Ao Vivo", pela Sony, fez uma recapitulação de sua carreira, incluindo antigos sucessos ("Quem É do Mar Não Enjoa", "Vem Chegando, Chega Mais", "Casa de Bamba", "Canta, Canta Minha Gente") e clássicos do samba (Batuque na cozinha, de João da Baiana; Pelo telefone, de Donga e Mauro de Almeida).

mv04
O arranjador Rildo Hora que dá o tom final a alguns sambas de Martinho.

Com suas enormes vendagens, Martinho quebrou o tabu dos sambistas que precisavam de vozes intermediárias para chegar à massa. Outros grandes êxitos são Assim Não É Brinquedo, Oi Compadre, Pra que dinheiro, Meu laiaraiá, Segure tudo, Balança povo, Você não passa de uma mulher, Na aba, Sonho de um Sonho, Cresci no Morro, Onde o Brasil Aprendeu a Liberdade. Em 1999 lançou o CD "O Pai da Alegria".

mv03
Uma roda de samba com os integrantes da seleção de 70.

Vida de bamba

O 12 de fevereiro de 1938 não seria diferente dos outros dias em Duas Barras, no interior do Rio de Janeiro, se não chovesse tanto - como se o mundo fosse acabar em água - e se o calendário não registrasse um frustrante e encharcado sábado de carnaval. Na sua casa simples, o meeiro Josué Ferreira ouvia a água da chuva bater no teto de zinco e, nervosamente, fumava um cigarro atrás do outro. Sua ansiedade só foi quebrada quando a parteira botou metade de sua cara escura na porta entreaberta do quarto para anunciar: "Nasceu! É um menino". Doido de felicidade, Josué jamais poderia imaginar que seu único filho homem, entre quatro mulheres, teria seu destino selado pelo som do batuque que se ouvia ao longe. Com o recém nascido nos braços, a mãe, dona Teresa, abriu-se num sorriso e, trazendo-o para bem junto do peito, não hesitou: "Vai se chamar Martinho José" (foto: ginga de sambista e música do morro sob a farda de sargento do exército).

Alegria em casa de pobre é um artigo de luxo que dura pouco e, na de Josué e Teresa, ela foi imediatamente substituída pelo desalento de que o pequeno Martinho era, na verdade, mais uma boca para dividir o minguado pão de cada dia. Convencidos de que o trabalho instável de fazenda em fazenda não dava mais para sustentar sua prole, eles decidiram embarcar no sonho de uma vida melhor. Afinal, Josué era alfabetizado e Teresa possuía mãos milagrosas quando assumia o comando de uma cozinha. Juntaram filhos, trapos, ambições e tomaram um trem de segunda classe para o Rio de Janeiro. Os Ferreira foram começar de novo num casebre da então Serra dos Pretos Forros, num lugar conhecido como Boca do Mato. Triste engano. "Foi brabo", recorda Martinho. "Na favela, a água era escassa, não tinha luz, não tinha nada."

mv05
No Clube Vegas, no Rio, Martinho divide o palco com Candeia.

Se em Duas Barras o meeiro Josué era um homem humilde, mas respeitado, na então capital da República ele e os seus conheceram a mais cruel de todas as misérias: a falta de esperança. Acossados por uma perversa realidade, cada um deles teve de se virar como pôde. Teresa e as meninas foram fazer faxina e outros afazeres domésticos em casas de família, enquanto o menino Martinho se empenhava nas mais variadas tarefas - como engraxar sapatos e limpar caixas de gordura - que lhe rendessem alguns trocados para reforçar o fraco orçamento familiar. A paisagem de miséria e desesperança, no entanto, foi construindo um fosso entre Josué Ferreira e o mundo. Um dia ele nâo agüentou mais e se matou.

mv01
Martinho brilha no desfile que consagrou a Unidos de Vila Isabel, em 1988.

Na manhã seguinte, ainda aos frangalhos, Teresa comunicou aos cinco filhos que não lhe restara outra alternativa senão a de distribuí-los pelas casas dos fiéis da Igreja Cristo Redentor, paróquia que os Ferreira freqüentavam no subúrbio de Lins de Vasconcelos. Martinho se tornou uma espécie de pajem e empregado doméstico de Dona Ida e Dona Alzira, duas professoras solteironas que lhe ensinaram as primeiras letras e o empurravam para a vida sacerdotal. Filhas de Maria, elas queriam transformá-lo em padre. Mas a músíca ia entrando no seu cotidiano por meio das ladainhas e das folias de reis das festas populares: "O meio em que eu vivia era pleno de sanfonas e foguetes", recorda o compositor.

Porém, até os 16 anos, era o mundo da bola que o fascinava. Martinho sonhava com o dia em que, envergando a camisa do Clube de Regatas Vasco da Gama, pisaria a grama verde do Maracanã para brilhar com á mesma intensidade de seu ídolo Ademir Menezes. Até que ele levava jeito defendendo as cores verde e branca do Boquense, mas, agora se convence, nunca passou de um projeto de craque. O futebol, com suas farras e excursões, fez, no entanto, desabrochar o compositor. Entre os companheiros, ele cantava paródias que compunha, colocando letras em melodias de sucesso naqueles anos 50. Ouvindo a marchinha que Martinho havia composto para a torcida de seu time, Tolito, o diretor de harmonia da recém-fundada Aprendizes da Boca do Mato, vislumbrou seu talento e o convidou para se integrar à escola de samba.

No seu segundo carnaval, Martinho já ganhou o respeito e a admiração dos mais velhos, ao escrever o samba-enredo Carlos Gomes. Entre os sambistas de renome, passou a correr a notícia de que na Aprendizes estava surgindo um menino genial, um compositor de futuro, e muitos deles foram até a Boca do Mato para conhecê-lo. Foi assim que, pela primeira vez, ele viu celebridades como Silas de Oliveira, Walter Rosa e Padeirinho e passou a ser uma presença constante na quadra de grandes escolas, como Portela, Mangueira, Império Serrano... "Eu nem sabia quem era quem", confessa ele. "Achava, por exemplo, que Cartola era uma lenda."

Nem passava por sua cabeça tornar-se um compositor profissional, embora sua pequena e aguerrida escola dependesse cada vez mais de suas criações no carnaval. Achava que samba não dava camisa, não garantia o futuro de ninguém. Por isso, fez um curso de auxiliar de químico industrial no Senai e, durante o serviço militar, conseguiu com muito esforço ser designado para trabalhar na farmácia do quartel. Botou fé na carreira militar. Foi promovido a cabo, chegou ao posto de sargento e, nas horas de folga, compunha sua história particular do Brasil para a Boca do Mato contar na avenida. Escreveu sambas-enredo sobre o escritor Machado de Assis, o almirante Tamandaré, o diplomata Rui Barbosa e contou, entre outros acontecimentos, a independência e a construção do Rio de Janeiro.

mv07
Companheiro de palco e de samba: Martinho da Vila e Paulinho da Viola.

Promovida ao primeiro grupo, em 1960, numa sofrida escalada, a Boca do Mato voltou ao fundo do poço no ano seguinte. Teve o azar de entrar na Rio Branco logo depois do Salgueiro, que naquele carnaval promovia uma revolução com o enredo "Zumbi das Palmares". Ninguém viu a Boca do Mato, ninguém ouviu o samba de Martinho.

A frustração fez que ele cedesse ao assédio da Unidos de Vila Isabel. Na época, ele já namorava Anália Mendonça, que viria ser a mãe de Martinho Antonio, Analimar e Martinália - seus filhos mais velhos. Recebido de braços abertos, chegou cantando "Boa Noite Vila Isabel", um samba de quadra: "... Boa noite, diretor de bateria/ Quero contar com a sua marcação/ Boa noite, sambistas e compositores/ Presidente e diretores/ Para a Vila eu trago toda a minha inspiração...".

Um ano depois, em 1967, acertou na mosca ao entregar à escola o antológico Carnaval de Ilusões, feito em parceria com Gemeu, samba-enredo que avalizou a presença da Vila Isabel entre as grandes agremiações. Nascia o Martinho da Vila. Em seguida, ele conheceu o sucesso nacional com "O Pequeno Burguês", e sua vida nunca mais foi a mesma.

Pediu dispensa do exército, tirou a mãe e as irmãs das casas das patroas e adquiriu imóveis, inclusive um sítio na mesma região de Duas Barras, onde os Ferreira comeram o pão que o diabo amassou. "Achava que tudo seria passageiro e tratei de aproveitar", revela ele. "Na minha casa tinha festa todo dia." Inspirado em tanta alegria, compôs "Casa de Bamba" e botou para quebrar, em 1968, no IV Festival de Música Popular Brasileira: "...Na minha casa/ Todo mundo é bamba/ Todo mundo bebe/ Todo mundo samba...".

mv08
Martinho com a saudosa Clara Nunes.

Trinta anos de carreira depois, é fácil constatar que Martinho José Ferreira conseguiu com sua ginga mas acima de tudo com sua integridade e com a força de seu canto - percorrer caminhos difíceis, superando obstáculos que acabaram com muitas outras carreiras promissoras.

Algumas músicas



Fontes: MPB Compositores - Editora Globo; Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora PubliFolha.
Postar um comentário