quarta-feira, 24 de maio de 2006

Caminhoneiro

O intrépido automobilista que em 1970 percorria as curvas da estrada de Santos a 120, 150, 200 quilômetros por hora transforma-se, quinze anos depois, num pacato “Caminhoneiro” que roda pelos caminhos do país, com o nome da amada pintado no pára-choque. Na verdade, “Caminhoneiro” é uma canção sertaneja, ou mais especificamente, “breganeja”, que ensejou a Roberto e Erasmo Carlos a oportunidade de aproveitarem a onda de popularidade desse tipo de música nos anos oitenta.

Aliás, aproveitaram muito bem, pois “Caminhoneiro” foi um sucesso: “Eu sei / todo dia nessa estrada / no volante eu penso nela / já pintei no pára-choque / um coração com o nome dela...” Com uma melodia que lembra a canção “Gentle On My Mind” (John Hartford), do repertório de Elvis Presley, “Caminhoneiro” foi gravado por Roberto nos Estados Unidos, com o acompanhamento de doze violinos, quatro violas, quatro cellos, dois baixos e uma harpa, soando bem menos sertanejo do que se poderia esperar.

Em atividade desde o início dos anos sessenta, Roberto Carlos e Erasmo Carlos são recordistas de sucessos no período 1963/1985, tendo Roberto 75 composições relacionadas neste livro (70 em parceria com Erasmo), das quais treze são comentadas como destaques. Uma particularidade no trabalho da dupla: há uma participação maior de Roberto na criação das canções mais românticas e de Erasmo nas mais roqueiras (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Caminhoneiro (1984) - Roberto Carlos e Erasmo Carlos
D           D7M             D             D7M          D
Todo dia quando eu pego a estrada quase sempre é madrugada
                   Em                  A7        
E o amor aumenta mais porque eu penso nela no caminho
                                            D
Imagino o seu carinho e todo o bem que ela me faz
A          D7M              D        D7M 
A saudade então aperta o peito ligo o rádio
           D                     Em
e dou um jeito de espantar a solidão
A7                                       
Se é de dia eu ando mais veloz
                                             D
e a noite todos os faróis iluminando a escuridão
      G                                      D
Eu sei hei hei,hei tô correndo ao encontro dela,
                Em
coração tá disparado
                A7                         D    D7
Mas eu ando com cuidado não me arrisco na banguela
   G                                  D    
Eu sei hei hei hei todo dia nessa estrada
                     Em
no volante eu penso nela
                    A7                       D
Já pintei no parachoque um coração e o nome dela
           D7M        D                     D7M 
Já rodei o meu país inteiro como bom caminhoneiro
         D          Em
peguei chuva e serração
A7                            
Quando chove o limpador desliza vai e vem no pára-brisa
D
e bate igual e o meu coração
Doido pelo doce do seu beijo
                                         Em
olho cheio de desejo o seu retrato no painel
A7                                              
Ela acostamento dos seus braços
que eu deslizo no cansaço
                     D
e me abasteço desse mel

Repetir 2
Eb                               
Todo dia quando eu pego a estrada
quase sempre é madrugada e o meu amor
         Fm
aumenta mais
Bb7                               
Olho no horizonte e vou em frente
tô com Deus e tô contente, meu caminho
            Eb
eu sigo em paz
Postar um comentário