quarta-feira, 24 de maio de 2006

As curvas da estrada de Santos


Em seu elepê de 1969, Roberto Carlos lançou várias músicas do filme “Roberto Carlos e o Diamante Cor de Rosa”, o segundo que realizou sob a direção de Roberto Farias. Um dos sucessos do disco foi a canção “As Curvas da Estrada de Santos”, sobre as proezas de um automobilista que procura esquecer seus desenganos desafiando, com o pé no acelerador, as da estrada de Santos.

É, mais ou menos, uma reedição do rebelde de que “Quero que Vá Tudo pro Inferno”, com um carro mais veloz. Mas o disco também contém emoções menos arriscadas com canções como “Oh, Meu imenso Amor” e “As Flores do Jardim de Nossa Casa”, todas elas candidatas certas aos primeiros lugares das paradas radiofônicas (A Canção no Tempo – Vol. 2 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

As curvas da estrada de Santos (1969) - Roberto Carlos e Erasmo Carlos - Intérprete: Roberto Carlos.

LP Roberto Carlos / Título da música: As curvas da estrada de Santos / Roberto Carlos (Compositor) / Erasmo Carlos (Compositor) / Roberto Carlos (Intérprete) / Gravadora: CBS / Ano: 1969 / Álbum: 137645 / Lado B / Faixa 2.

G                                   D7
Se você pretende, saber quem eu sou, eu posso lhe dizer
              Em                             G7
Entre no meu carro na estrada de Santos, e você vai me conhecer
C          Cm                         G       D7 D#7 E7
Você vai pensar que eu não gosto nem mesmo de mim
       A7                                             D7
E que na minha idade só a velocidade, anda junto a mim
        G                                            D7
Só ando sozinho e no meu caminho o tempo é cada vez menor
             Em                               G7
Preciso de ajuda, por favor me acuda, eu vivo muito só
C              Cm                         G       D7 D#7 E7
E se acaso numa curva eu me lembro do meu mundo
            A7                                         D7
Eu piso mais fundo corrijo num segundo, não posso parar 
            G  
Eu prefiro as curvas, 
                                                D7
      da estrada de Santos onde eu tento me esquecer
                Em                           G7
Um amor que eu tive e vi pelo espelho na distância se perder
C                 Cm                           G    D7 D#7 E7
Mas se o amor que eu perdi eu novamente encontrar
             A7    
As curvas se acabam 
                              D7                G
      e na estrada de Santos eu não vou mais passar.
Postar um comentário