segunda-feira, 24 de julho de 2006

Flor da idade

Chico Buarque
C           Em        
A gente faz hora, 
        F         G7       C    Em
   faz fila na vila do meio-dia,
F         G7
prá ver Maria
A gente almoça e só se coça e só se vicia
C
A porta dela não tem tramela, janela é sem gelosia,
Gm/Bb     A4/7    A7
nem desconfia
F#m5-/7   B7   Em         A7    Dm7   E7     A7M    D7/9
Ai, a primeira festa, a primeira fresta, o primeiro amor
Na hora certa, a casa aberta, o pijama aberto,
a família, armadilha
A mesa posta de peixe deixa um cheirinho da sua filha
Ela vive parada no sucesso do rádio de pilha,
que maravilha
Ai, o primeiro copo, o primeiro corpo, o primeiro amor.
Vê passar ela, como dança, balança, avança e recua,
a gente sua
A roupa suja da cuja se lava no meio da rua
Despudorada, dada, a danada agrada
andar seminua e continua
Ai, a primeira dama, o primeiro drama, o primeiro amor.
Carlos amava Dora, que amava Lia, que amava Léa,
que amava Paulo
Que amava Juca, que amava Dora, que amava
Carlos amava Dora, que amava a vida, que amava Dico,
que amava Rita
Que amava Dico, que amava Rita, que amava
Carlos amava Dora, que amava Pedro,
que amava tanto, que amava a filha
Que amava Carlos, que amava Dora,
que amava toda a quadrilha.
Postar um comentário