quarta-feira, 9 de agosto de 2006

Tarzan (O filho do alfaiate)

Vadico
Este samba satiriza a moda dos paletós com enchimentos, que faziam aumentar a musculatura de qualquer fracote... Incluída no filme "Cidade-mulher", de Humberto Mauro, "Tarzan, o filho do alfaiate" (o subtítulo é uma réplica a "O filho das selvas") foi gravado na Victor por Almirante em 4 de agosto de 1936, com lançamento em setembro seguinte (34086-A, matriz 80189), tendo no verso "Maria Fumaça", samba de Noel sem parceria (Fonte: Samuel Machado Filho, no Youtube).

Tarzan (O filho do alfaiate) (samba, 1936) - Noel Rosa e Vadico

Disco 78 rpm / Título da música: Tarzan (O filho do alfaiate) / Autoria: Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Vadico (Compositor) / Almirante, 1908-1980 (Intérprete) / Regional RCA Victor (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Victor, 1936 / Nº Álbum 34086 / Lado A / Gênero musical: Samba /
Intr.: F Ab C/G A7 Dm G7 C Fm/C C G7

C             G/B        Gm6/Bb
Quem foi que disse que eu era forte?
A7          Dm           G7        C
Nunca pratiquei esporte, nem conheço futebol...
E7                      Am
O meu parceiro sempre foi o travesseiro
D7                       G7
E eu passo o ano inteiro sem ver um raio de sol
C           G/B     Gm6/Bb
A minha força bruta reside
A7         Dm          G7        C
Em um clássico cabide, já cansado de sofrer
E7                 Am
Minha armadura é de casimira dura
F#°       C/G           G7           C
Que me dá musculatura, mas que pesa e faz doer

C7          C#°                     Dm
Eu poso pros fotógrafos, e destribuo autógrafos
F/Eb         F7         Bb
A todas as pequenas lá da praia de manhã
D7                       Gm
Um argentino disse, me vendo em Copacabana:
Db             F/C        C7            F
'No hay fuerza sobre-humana que detenga este Tarzan'
 
G7   C           G/B      Gm6/Bb
De lutas não entendo abacate
A7              Dm          G7           C
Pois o meu grande alfaiate não faz roupa pra brigar
E7                     Am
Sou incapaz de machucar uma formiga
D7                       G7
Não há homem que consiga nos meus músculos pegar
C           G/B      Gm6/Bb
Cheguei até a ser contratado
A7          Dm            G7          C
Pra subir em um tablado, pra vencer um campeão
E7                       Am
Mas a empresa, pra evitar assassinato
F#°           C/G          G7            C
Rasgou logo o meu contrato quando me viu sem roupão

C7          C#°                     Dm
Eu poso pros fotógrafos, e destribuo autógrafos
F/Eb         F7         Bb
A todas as pequenas lá da praia de manhã
D7                       Gm
Um argentino disse, me vendo em Copacabana:
Db             F/C        C7            F
'No hay fuerza sobre-humana que detenga este Tarzan' 

     C             G/B        Gm6/Bb
Quem foi que disse que eu era forte?
A7          Dm           G7        C
Nunca pratiquei esporte, nem conheço futebol...
E7                      Am
O meu parceiro sempre foi o travesseiro
D7                       G7
E eu passo o ano inteiro sem ver um raio de sol
C           G/B     Gm6/Bb
A minha força bruta reside
A7         Dm          G7        C
Em um clássico cabide, já cansado de sofrer
E7                 Am
Minha armadura é de casimira dura
F#°       C/G           G7           C
Que me dá musculatura, mas que pesa e faz doer
Postar um comentário