quinta-feira, 20 de abril de 2006

Só quero um xodó

Gilberto Gil - 1973
Na retomada da carreira, após o exílio londrino, Gilberto Gil incluiria em seu repertório algumas músicas de autores nordestinos cultuados pelo gosto popular. Gravaria assim o excelente “Só Quero um Xodó”, de Dominguinhos e Anastácia, xote que o traria de volta aos primeiros postos das paradas de sucesso, depois de quatro anos.

Esta composição nasceu em plena Rua Amaral Gurgel em São Paulo, quando, caminhando com a sua então mulher Anastácia Dominguinhos começou a assoviar uma melodia que lhe veio à cabeça. Ao chegarem em casa, só estava faltando a letra que Anastácia escreveu em poucos minutos: “Que falta eu sinto de um bem / que falta me faz um xodó / mas como eu não tenho ninguém / eu levo a vida assim tão só...”

Então, “Só Quero um Xodó” foi gravado pela cantora nordestina Marinês, com a introdução definitiva, composta no estúdio, mas com o andamento apressado de um arrasta-pé. Descoberto por Gil nos ensaios para o show do Midem, em Cannes, em que cantou com Gal e Dominguinhos, “Só Quero um Xodó” seria por ele relançado num ritmo de xote, mais lento, com sua voz cantando na introdução, junto à sanfona, sílabas semelhantes a sons de idiomas africanos (asá-cá-rá-iê...). As repetições dessa introdução como um interlúdio, após cada volta, produziram um efeito original e atraente, valorizado pelas melodiosas intervenções da sanfona de Dominguinhos.

Na verdade, Gil fez render ao máximo a simplicidade rústica da composição, com sua habitual competência para entender e enriquecer músicas alheias (do que também é exemplo “Não Chore Mais {No Woman, No Cry}”, em 1979).

Editado num compacto (Philips, álbum 6069072), juntamente com o samba “Meio-de-Campo”, dedicado ao jogador Afonsinho, “Só Quero um Xodó” alcançaria o sucesso três meses depois, quando passou a ser a “música de trabalho” nas emissoras de rádio. No mesmo clima, Gilberto Gil gravaria “Tenho Sede” (Dominguinhos e Anastácia) e “Lamento Sertanejo” (letra sua sobre melodia de Dominguinhos feita em 1967), faixas do álbum Refazenda, em 1975 (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jaime Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Só quero um xodó (1973) - Dominguinhos e Anastácia - Intérprete: Gilberto Gil


D              Bm    F#m
Que falta eu sinto de um bem
    G            A7   D    A7
Que falta me faz um xodó
    D           Bm       F#m
Mas como eu não tenho ninguém
   G             A7      D
Eu levo a vida assim tão só

      Am7       D7
Eu só quero um amor
     Am7          E
Que acabe o meu sofrer
     Bm     Em         Bm      Em
Um xodó prá mim do meu jeito assim
     G     F#m   Em   A7  D
Que alegre o     meu    viver
Postar um comentário