quinta-feira, 20 de abril de 2006

Palco

Gilberto Gil confessa no livro Todas as letras: “Eu estava havia três dias pensando em parar de cantar; em deixar a seqüência profissional de discos e shows. (...) Minha sensação era de fastio.” Então, achou que deveria comunicar essa decisão ao seu público e que a comunicação só poderia ser feita por meio de uma canção. Assim nasceu “Palco”, uma composição a respeito do que o ato de cantar representava para ele e de toda a sua “relação com a música”: “Subo neste palco / minha alma cheira a talco / como bumbum de bebê, de bebê / minha aura clara / só quem é clarividente pode ver / pode ver...”

Musicalmente, “Palco” se estrutura sobre uma introdução muito atraente, talvez composta depois de a música pronta, que aos poucos se tornaria o toque de preparação para o segmento dançante no final dos shows do Gil. Seguem-se uma rimeira parte repetida (A), a segunda (B) (“Fogo eterno para afugentar...”) e um arremate (C) (“Lalaiá...”), ou seja, quatro idéias melódicas encadeadas, numa demonstração de fartura de temas, o que só pode ocorrer a um compositor prolífico como Gilberto Gil.

Sua gravação no elepê Luar, de março de 81 — que, aliás, seria recebido friamente pela crítica — não foi a primeira de “Palco”. Um ano antes, o grupo A Cor do Som (Mu, Dadi, Ari, Gustavo e Armandinho) já a havia gravado no disco Transe total, sem a introdução mencionada (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Palco (1981) - Gilberto Gil - Intérprete: Gilberto Gil

LP Luar / Título da música: Palco / Gilberto Gil (Compositor) / Gilberto Gil (Intérprete) / Gravadora: WEA / Ano: 1981 / Nº Álbum: BR 36.180 / Lado A / Faixa 2 / Gênero musical: MPB.

Intr.: E7+ Bm7 E7/9 A7+ Am7 D7/9

 E7+          F#m7         G#m7            A7+
Subo nesse palco, minha alma cheira a talco
      B7/4/9        C#m7  G#7/5+    A7+
Como bumbum de bebê,       de      bebê
 E7+          F#m7          G#m7        A7+          B7
Minha aura clara, só quem é clarividente pode ver
C#m7    B7
Pode ver
  E7+           F#m7            G#m7           A7+
Trago a minha banda, só quem sabe onde é Luanda
    B7/4/9           C#m7  G#7/5+    A7+
Saberá lhe dar valor,      dar valor
 E7+          F#m7           G#m7            A7+      B7
Vale quanto pesa prá quem preza o louco bumbum do tambor
C#m7    B7
Do tambor

:C#m7        G#7/5+
:Fogo eterno prá afugentar
:A7+            B7/4/9
:O inferno prá outro lugar
:C#m7        G#7/5+
:Fogo eterno prá consumir
:A7+          B7/4/9
:O inferno, fora daqui
C#m7    G#7/5+   A7+        B7/4/9     
 La laia, laia, laia laia laia             Fora daqui
   
 E7+         F#m7            G#m7            A7+
Venho para a festa, sei que muitos têm na testa
        B7/4/9         C#m7 G#7/5+   A7+
O deus-sol como um sinal,   um sinal
E7+         F#m7           G#m7           A7+         B7
Eu como devoto trago um cesto de alegrias de quintal
C#m7    B7
De quintal
 E7+           F#m7           G#m7           A7+
Há também um cântaro, quem manda é Deus a música
   B7/4/9         C#m7  G#7/5+    A7+
Pedindo prá deixar,     prá deixar
 E7+         F#m7        G#m7           A7+          B7
Derramar o bálsamo, fazer o canto, cantar o cantar
C#m7     B7
Lá, lá, iá

Postar um comentário