quinta-feira, 20 de abril de 2006

Aquele Abraço

Gilberto Gil
Em dezembro de 68, no auge da repressão desencadeada pelo AI-5, Caetano Veloso e Gilberto Gil foram presos e recolhidos a um quartel do Exército no subúrbio de Deodoro, no Rio de Janeiro. Meses depois, confinados na Bahia, os dois tiveram permissão da ditadura para exilar-se em Londres.

Desse episódio ficou “Aquele Abraço”, uma composição em que Gil despede-se do Rio e do povo brasileiro, em versos bem humorados cantados em ritmo de samba: “O Rio de Janeiro continua lindo / O Rio de Janeiro continua sendo / o Rio de Janeiro, fevereiro e março / alô, alô, Realengo, aquele abraço / alô torcida do Flamengo, aquele abraço...”

No livro Todas as letras, o compositor conta que começou a fazer a canção em casa de Mariah Costa, mãe de Gal, numa visita ao Rio, quando negociava a liberação para o exílio. No avião, de volta para Salvador, ele a completou sobre uma melodia fácil a fim de não esquecê-la.

Quanto ao mote “aquele abraço”, esclarece: “era assim que os soldados me saudavam no quartel”. O que Gil desconhecia era o fato de a expressão ter sido popularizada pelo comediante Lilico, que a usava como bordão num programa de televisão. “Aquele Abraço” permaneceu durante dois meses em primeiro lugar nas paradas de sucesso e é a composição mais executada de Gilberto Gil (A Canção no Tempo – Vol. 2 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Aquele abraço (1969) - Gilberto Gil


Intro:(E7/9 A7/6)

E7/9              A7/6
Este samba vai para Dorival Caymmi
João Gilberto e Caetano Veloso
E7/9            A7/6      E7/9  A7/6
O Rio de Janeiro continua lindo
E7/9             A7/6       E7/9   A7/6
O Rio de Janeiro continua sendo
E7/9              A7/6         C#m7
O Rio de Janeiro, fevereiro e março
           F#7
Alô, Alô Realengo
        C#m7
Aquele abraço
                  F#7
Alô torcida do flamengo
         C#m7  
Aquele abraço
            F#7 
Alô, Alô Realengo
         C#m7    
Aquele abraço
                   F#7
Alô torcida do flamengo
         C#m7  B7
Aquele abraço
 (Olha o breque)
E7/9          A7/6                 E7/9  A7/6   
Chacrinha continua    Balançando a pança
E7/9                A7/6            E7/9  A7/6    
E buzinando a moça  E comandando a massa
E7/9           A7/6              C#m7 
E continua dando as ordens no terreiro
                F#7               C#m7   
Alô, Alô seu Chacrinha Velho Guerreiro
           F#7              C#m7
Alô, Alô Terezinha  Rio de Janeiro
                 F#7          C#m7    
Alô, Alô seu Chacrinha Velho palhaço
            F#7            B7
Alô, Alô Terezinha Aquele abraço 
        E7        A6           E 
Alô moça da favela Aquele abraço
                 A6            E 
Todo mundo da Portela Aquele abraço
              A6                E
Todo mês de fevereiro  Aquele passo
              A6    G#       C#m7
Alô Banda de Ipanema Aquele abraço
                 F#7            C#m7   
Meu caminho pelo mundo Eu mesmo traço
              F#7               C#m7
A Bahia já me deu    Régua e compasso
                     F#7            C#m7   
Quem sabe de mim sou eu     Aquele abraço
                     F#7/B7      E   
Pra você que me esqueceu  Aquele abraço
             A6    G#       C#m7     
Alô Rio de Janeiro  Aquele abraço  
                 F#7            B7  
Todo o povo brasileiro  Aquele abraço             

      (olha o breque)
E7/9     A7/6              E7/9  A7/6
O Rio de Janeiro continua lindo
E7/9         A7/6            E7/9   A7/6
O Rio de Janeiro continua sendo
E7/9          A7/6            C#m7
O Rio de Janeiro, fevereiro e março
             F#7
Alô, Alô Realengo
        C#m7
Aquele abraço
                   F#7
Alô torcida do flamengo
         C#m7  
Aquele abraço
            F#7           C#m7
Alô, Alô Realengo Aquele abraço
                   F#7
Alô torcida do flamengo
        B7  
Aquele abraço  Alo moça da Favela....

Final
              A6                   E
A todo povo brasileiro  Aquele abraço
               A6                 E
Todo mês de fevereiro  Aquele passo
             A6                E
Alô moça da favela  aquele abraço 
                A6             (E    A6)
Todo mundo da Portela e do salgueiro
E da mangueira E todo Rio de Janeiro
 E todo mês de fevereiro  E todo povo brasileiro
Alô minha nega Sandra
Postar um comentário