sexta-feira, 28 de abril de 2006

Curare

"Curare" é o segundo sucesso de Alberto de Castro Simoens da Silva, o afamado boêmio carioca Bororó, violonista e compositor nas horas vagas, cuja obra praticamente se resume a duas músicas, ambas clássicos.

Bororó foi o padrinho da carreira artística de Orlando Silva, que em 1939 ficou enciumado por não ter gravado "Da cor do pecado", o outro clássico, lançado por Sílvio Caldas. Então o compositor deu-lhe "Curare", como compensação.

Além da letra brejeira, a construção harmônica da segunda parte, especialmente a frase final, uma seqüência avançada para época, tornam este samba atraente para intérpretes, como João Gilberto, interessados em músicas de concepção mais elaborada.

Curare (samba, 1940) - Bororó

Disco 78 rpm / Título: Curare / Autoria: Bororó, 1898-1986 (Compositor) / Silva, Orlando (Intérprete) / Orquestra (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Victor, 1940 / Nº Álbum 34667 / Lado A / Gênero: Samba choro /
(A7)          D
Você tem buniteza,
Fo       Em    A7         Dm7   A7
E a natureza, foi quem agiu...
                   D
Com estes óio de índia,
  E7        A                 E7       A7    E7
Curare no corpo,  que é bem Brasil.

     A7      D
Tu é toda Bahia
     Fo         Em
É a fulô do mucambo,
    A7          Gb6  B7
Da gente de cô
                 Em      A7
Faz do amô confusão,
         D      B7        E7    A7
Nesta misturação bem banzeira,
     D    G7       Gb7         Bm    A7
Insoneira, que tem raça e tradição

                       D
Quebra, machuca minha dô
         A7             D
Nêga, neguinha tudo-tudinho
         A7
Meu amôzinho, com esta boquinha
       D
Vermelhinha, rasgadinha
 Gb      Db7          Gb       A7
Qui tem veneno, cumo que...

                     D                   
Conta tristeza e alegria
         A7                     D    B7
Pru seu bem, que tudo vive a dizê
       E7   A7   D    G       D
Que você é diferente desta gente
     A7       D
Que finge querê !


Fonte: A Canção no Tempo - Vol. 1 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Editora 34.

Um comentário: