quinta-feira, 20 de abril de 2006

Marina

Destacam-se na obra de Dorival Caymmi três vertentes: as canções praieiras e os sambas de roda, em que predomina a Bahia, e os sambas urbanos de inspiração carioca. É ao terceiro grupo que pertence "Marina". De melodia e letra muito bem trabalhadas em sua simplicidade aparente, este samba conta a zanga de um homem ciumento, que não gosta de ver sua mulher pintada.

Uma curiosidade: Caymmi começou a canção pelo final, repetindo uma frase do filho Dori (então com três anos) que, ao ser contrariado, reagia dizendo: "Tô de mal com você, tô de mal com você...". Um dos grandes sucessos caymmianos, "Marina" já começou sendo gravada por quatro cantores - Dick Farney, Francisco Alves, Nelson Gonçalves e o próprio Caymmi -, derrubando um tabu adotado por nossas gravadoras na época, que não admitiam o lançamento de uma composição por mais de um intérprete.

Mas a gravação de maior sucesso foi a de Dick Farney que, pode-se dizer, fez de "Marina" peça obrigatória dos shows de boates, ambiente em que ele reinou por longos anos.

Marina (samba-canção, 1947) - Dorival Caymmi

Disco 78 rpm / Título da música: Marina / Autoria: Caymmi, Dorival, 1914-2008 (Compositor) / Caymmi, Dorival, 1914-2008 (Intérprete) / Regional (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: RCA Victor, 1947 / Nº Álbum 800536 / Lado A / Gênero musical: Samba canção

   D7M        F#7/C#     Bm7       D7(9)    G6  F#m7(b5)  B7(b9) 
Ma-rina,   mo-rena,   Ma-rina,  vo-cê   se pin-tou 
   Em(add9)           A7/4(9)            D7M(9) C#m7(b5) F#7(b13) 
Ma-rina,   você fa-ça tudo  mas, faça  um favor: 
    Bm         Bm(7M)         Bm7 
Não pinte esse rosto  que que gosto, 
       Bm6               F#m  F#m(7M)  F#m7  F#m6 
Que eu gosto, e que é só meu 
   A7M        A#°         Bm7         E7(9)        A7/4  A7(#5) 
Ma-ri---na  você  já é bo-nita  com o que  Deus lhe deu 
   D7M      F#7/C#        Bm7         D7(9)   G6  F#m7(b5)  B7(9) 
Me abor--re-ci,    me zan-guei,  já não posso falar 
  Em(add9)               A7/4(9)    A/G        F#m7(b5)  B7(b9) 
E quando eu me zango, Ma-rina,  não sei per--do-ar 
   Em7                   Gm7 
Eu já  desculpei mui--ta coi--sa 
   F#7(13)         C7(9)          B7/4(9)  B7(b9) 
Vo-cê     não arranjava  ou-tro i-gual 
    Em7(9)             A7/4(9)   A7(b9)      D6/9  A7(#5) 
Des-culpe   Marina, mo-rena, mas eu   tô  de mal 
 
D7M      F#7/C#        Bm7           D7(9)  G6  F#m7(b5) B7(9) 
Me abor--re-ci,    me zan-guei,  já não posso falar 
  Em(add9)               A7/4(9)    A/G        F#m7(b5) B7(b9) 
E quando eu me zango, Ma-rina,  não sei per--do-ar 
   Em7                   Gm7 
Eu já  desculpei mui--ta coi--sa 
   F#7(13)         C7(9)          B7/4(9)  B7(b9) 
Vo-cê     não arranjava  ou-tro i-gual 
    Em7(9)             A7/4(9)   A7(b9)      D6/9  Gm6 
Des-culpe   Marina, mo-rena, mas eu   tô  de mal 
              D7M  C7M                  D7M 
De mal com vo-cê,       De mal com   vo-cê


Fonte: A Canção no Tempo - Vol. 1 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Editora 34.
Postar um comentário