quinta-feira, 27 de abril de 2006

Na Baixa do Sapateiro

Baixa do Sapateiro - anos 1940
Ary Barroso conheceu a Bahia em janeiro de 1929, quando integrava como pianista a orquestra de Napoleão Tavares. Conheceu e por ela se apaixonou imediatamente, conforme confessou em entrevista à Manchete em 1962: "Eu me descobri na Bahia. Os seus ritmos, seus candomblés, suas capoeiras, sua gente (...) foram uma revelação para mim. Fiquei de tal modo impressionado que o jeito foi exteriorizar a minha admiração através da música".

E exteriorizou muito bem, exaltando os encantos da Bahia em várias canções como "No Tabuleiro da Baiana", "Faixa de Cetim" e o clássico "Na Baixa do Sapateiro", sua segunda composição mais gravada. Uma velha rua de Salvador, de nome pitoresco (aliás, o nome certo é Baixa dos Sapateiros, sendo oficialmente chamada Rua Dr. J. J. Seabra) inspirou o título do samba, além de servir de cenário a uma historinha romântica, contada na letra, na verdade mero pretexto para falar da Bahia - "Oi, Bahia, ai, ai / Bahia que não me sai do pensamento, ai, ai".

Gravado por Carmen Miranda, deveria ser por ela cantado no filme "Banana da Terra", o que não aconteceu em razão de um desentendimento do compositor com o produtor Wallace Downey. Em compensação, se tornaria sucesso internacional, com o título de "Bahia", a partir de sua inclusão em outro filme, "Você já foi à Bahia" ( "The three caballeros"), de Disney.

Uma medida desse sucesso é a cifra de mais de um milhão de execuções nos Estados Unidos em 1945. Um esclarecimento: a designação "samba-jongo", presente no disco e nas edições iniciais, nada tem a ver com as características da composição. Foi incluída somente por um capricho de Ary, que achava a palavra "instigante"...

Na Baixa do Sapateiro (samba, 1938) - Ary Barroso

Disco 78 rpm / Título da música: Na baixa do sapateiro / Autoria: Barroso, Ary (Compositor) / Sílvio Caldas (Intérprete) / Orquestra (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Victor, 1942 / Nº Álbum 34949 /
( C7/9  Gm7 )
Ai       amor  ai ai
Amor bobagem que a gente não explica ai ai
            F7M                   Bb7/9
Prova um bocadinho oi /  Fica envenenado oi
           Em7             Eo
E pro resto da vida/ É um tal de sofrer
Dm7     Db7/9
Olará  olerê

( C7/9  Gm7 )
Oi   Bahia    ai ai
Bahia que não me sai do pensamento ai ai
         F7M              Bb7/9
Faço o meu lamento oi/ Na desesperança oi
            Em7
De encontrar nesse mundo
               Eo       Dm7       Db7/9
O amor que eu perdi na Bahia/ Vou contar

C7M         Dbo          Dm7          G7
Na Baixa do Sapateiro eu encontrei um dia
C7M       A7       Dm7     G7
A morena mais frajola da Bahia
Dm7              G7         C7M
Pedi um beijo não deu / Um abraço / Sorriu
Gbm7         B7      E     G7
Pedi a mão não quis dar /  Fugiu

C7M                  Em7
Bahia   terra da felicidade
Dm7     A7      Dm7         G7          Em   A7
Morena / Ai morena / Eu ando louco de saudade
A7/5M          Dm7    Bb7/9        Em7
Meu Senhor do Bonfim / Arranje outra morena
D7/9           Db7/9     C
Igualzinha      pra     mim


Fonte: A Canção no Tempo - Vol. 1 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Editora 34.

Nenhum comentário: