segunda-feira, 8 de maio de 2006

Acho-te uma graça

César de Alencar
Acho-te uma graça (marcha/carnaval, 1952) - Benedito Lacerda, Haroldo Lobo e Carvalhinho / Interpretação: César de Alencar e Heleninha Costa




Chora palhaço
Chora que passa
Pimenta nos olhos dos outros, é refresco
Acho-te uma graça (bis)

Querias fazer eu sofrer
E até ver a minha desgraça
Mas é que eu não durmo com os olhos dos outros
Acho-te uma graça
Postar um comentário