quinta-feira, 25 de maio de 2006

Negro gato

Getúlio Côrtes conheceu a turma de Roberto e Erasmo Carlos em um programa de rádio em 1961. Embora roqueiro de primeira hora, fã de Elvis Presley e Little Richard, ele gostava de outros gêneros, tanto assim que dublava na ocasião uma gravação de Sammy Davis Jr.

De sua convivência com aquele pessoal, que logo estaria liderando a Jovem Guarda, surgiu a oportunidade de ele se profissionalizar, a princípio como assistente de produção do grupo Renato e seus Blue Caps — no qual Erasmo atuou como crooner e depois como compositor, um dos preferidos de Roberto Carlos nos primeiros anos de sua carreira.

Foi assim que, entrando em seu elepê de 66, “Negro Gato” tornou-se um grande sucesso. “Ele tinha me pedido uma música e entreguei ‘O Gênio”, esclarece Getúlio em entrevista ao jornalista Antônio Carlos Miguel em 1998. “Mas Erasmo e Evandro Ribeiro, diretor artístico da CBS, também sugeriram que ele gravasse ‘Negro Gato’.”

Um clássico da Jovem Guarda, este rock é representativo do estilo brincalhão de Getúlio, um bem-humorado carioca de Madureira: “Eu sou um negro gato de arrepiar / e esta minha vida é mesmo de amargar! (...) / um dia lá no morro, pobre de mim / queriam minha pele para tamborim / apavorado, desapareci no mato! eu sou um negro gato...”

Com o final da Jovem Guarda, Getúlio praticamente deixou de compor, sendo porém relembrado em regravações de seus antigos sucessos, como é o caso de “Negro Gato”, revivido em versões de Marisa Monte e Luiz Melodia, que acabou recebendo dos amigos o apelido de “Negro Gato”. Para os que vêem nesta canção uma conotação de protesto identificada com a causa negra, informa o compositor, um dos raros artistas negros ligados à Jovem Guarda: “perto de minha casa havia um maldito gato que não me deixava dormir. Um dia, durante uma madrugada, tive a idéia para a música.” (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).



Negro gato (jovem guarda, 1966) - Getúlio Côrtes
Bb7     A7   Dm
Negro  gato...
Bb7    A7     Dm
Negro gato...
Dm
Eu sou o negro gato de arrepiar
E essa minha vida é mesmo de amargar
Só mesmo de um telhado , aos outros desacato,
         Bb7 A7   Dm    Bb7  A7  Dm
Eu sou o negro gato,  negro gato
Dm
Minha triste história, vou lhes contar
E depois de ouvi-la, sei que vão chorar
Há tempos  eu não sei o que é um bom prato
         Bb7  A7  Dm   Bb7  A7  Dm
Eu sou o negro gato, negro gato
Dm
Sete vidas tenho pra viver
Sete chances tenho para  vencer
Mas se não comer acabo num buraco
      Bb7  A7  Dm   Bb7  A7 Dm
Sou o negro gato, negro gato
Dm
Um dia lá no morro, pobre de mim
Queriam minha pele para tamborim
Apavorado desapareci no mato
         Bb7 A7   Dm   Bb7  A7  Dm
Eu sou o negro gato, negro gato


Nenhum comentário: