segunda-feira, 12 de junho de 2006

Vira virou

Depois de um giro de dois meses pela Europa, encerrado em Portugal, Kleiton, o mais velho dos irmãos Ramil (sendo os demais Kledir e Vitor), compôs um fado, a pedido de uma cantora portuguesa. A composição, na concepção de Kleiton, era na verdade algo assim “que mais se aproximava de um fado”. Ou “um fado brasileiro”, como o classificou tempos depois o cantor luso Carlos do Carmo.

Criada a espinha dorsal da música, Kleiton procurou injetar na letra uma dose positiva da fraternidade que tanto o sensibilizara no contato com os portugueses. Prometia ainda, em retribuição a esse sentimento, levar a Portugal um pouco de terra do Brasil: “Vou voltar na primavera / e era tudo o que eu queria / levo terra nova daqui / quero ver o passaredo / pelos portos de Lisboa //! Voa, voa que eu chego já...”

Na melodia em compasso ternário, sintomático da origem gaúcha do autor, ele utiliza notas longas, harmonizadas com acordes diferentes: “Ah! Vira virou / meu coração navegado-o-o-or / Ah! Gira girou / essa gale-e-e-era...”

Em razão do processo de abertura, que começava a ser vivido no Brasil, esse refrão acabou ganhando uma conotação político-libertária, reforçada pela interpretação do MPB 4, o primeiro a gravá-lo. Além da canção e do disco, houve um show homônimo do quarteto, que incluiu a participação de Kleiton e Kledir. Assim, depois de “Vira Virou”, a dupla gaúcha foi ganhando espaço no meio musical, logrando vários sucessos como “Paixão”, “Deu pra Ti” e “Tô que Tô”, este na voz de Simone.

Nenhum porém mais expressivo do que “Vira Virou”, que é muito cantado no exterior, principalmente por corais, tendo gravações de Mercedes Sosa e Eugênia Mello e Castro, a cantora portuguesa que pedira um fado a Kleiton Ramil (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Vira virou (1980) - Kleiton Ramil

Tom: G
(intro)  Em  C  D  G  B7  C  D  G  Em  C  B7  C7+  B7  C  D  G

Em                      C
     Vou voltar na primavera
 D                        G
     e  era tudo que eu queria
B7        C      D     G
     Levo  terra  nova daqui
Em                  C
     Quero ver o passaredo
D                      G
     pelos portos de Lisboa
B7       C          D          G
     Voa,  voa que   eu chego   já
Em                          C
     Ai, se alguém segura o  leme
B7                    Em
     Dessa  nave incandescente
B7/D#                    C
     Que incendeia a minha   vida
D                     G
     Que era viajante lenta
Em                    C
     Tão faminta da alegria
B7                     C7
     Hoje é porto de partida.
G        D       Em    Em/D   A/C#   C     D
     Ah!  Vira, virou   meu coração  navegador
C7    B7         Em  Em/D      D G
     Ah!  gira,  girou     essa  galera
Postar um comentário