quarta-feira, 19 de julho de 2006

Noturno

Faixa de abertura do elepê Beleza, o sexto do cearense Fagner, “Noturno” foi uma das canções que marcaram 1980, aparecendo como tema principal da telenovela “Coração Alado”. Aliás, o próprio título da novela seria tirado de um de seus versos, que acabaria também por identificar a composição: “Ai, coração alado / desfolharei meus olhos neste escuro véu / não acredito mais / no fogo ingênuo das paixões / são tantas ilusões / perdidas na lembrança...”

Parecendo feita sob medida para o estilo Fagner, “Noturno” é uma canção amarga que ele interpreta de forma arrebatada, com sua voz rascante, sustentada por um belo arranjo seu e de João Donato (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Noturno (1980) - Graco e Caio Sílvio - Intérprete: Fagner

LP Beleza / Título da música: Noturno / Graco (Compositor) / Caio Sílvio (Compositor) / Fagner (Intérprete) / Gravadora: CBS / Ano: 1979 / Nº Álbum: 138164 / Lado A / Faixa 1 / Gênero musical: Canção.


Intro: E  D  Dm  A  B7  Dm  A  E7  
  
A          E7  
 O aço dos meus olhos  
C#7                     F#m         
 E o fel das minhas palavras  
D                    Bm         
Acalmaram meu silencio   
      E7           A      E7           
Mas deixaram suas marcas  
A         E7                    
 Se hoje sou deserto  
C#7                F#m 
 É que eu não sabia  
      D              A     
Que as flores com o tempo  
          Bm  
Perdem a força  
E7            D            
 E a ventania vem mais forte.  

2x II Parte (até o final)  
A               E7              
  Hoje só acredito  
       D              A  
No pulsar das minhas veias   
C#7                   F#m  
  E aquela luz que havia  
          B7              
Em cada ponto de partida  
          E7               
Há muito  me deixou       
D          E7    F#m  E7  
 Há muito me deixou     
    
Refrão (até o final)  
A   C#7          F#m  
Ai,     Coração alado  
C#7       A              
 Desfolharei meus olhos  
B7              E7  
  Nesse escuro véu       
D  E7       A            
   Não acredito mais     
   B7            E7       
no fogo ingênuo  da paixão  
D    E7      A               
 São tantas ilusões         
   B7           E7          
Perdidas na lembrança       
D  E7       A              
  Nessa estrada            
        B7          E7     
Só quem pode me seguir sou eu  
     D       C#7    F#m   E7       
Sou eu, sou eu, sou eu          

Repete: Segunda parte uma vez  
Repete: Refrão  
Postar um comentário