quarta-feira, 27 de setembro de 2006

Lorenzo Barcelata

Lorenzo Barcelata (Lorenzo Barcelata Castro), compositor e ator, nasceu em 30 de julho de 1898 em Tlalixcoyan, Veracruz, México. Morreu na Cidade do México em 13 de julho de 1943. Desde muito pequeno se viu atraído pela música e assim iniciou seus estudos com o violão. Aos 14 anos compôs a canção “Arroyito”, mas a canção que lhe deu fama foi “Lirio azul de la montana”, com letra de Luis Rosado Vega em 1925.

Em 1926 com Manuel Esperón e Ernesto Cortázar, formou o grupo Tlalixcoyano. Trabalhou ao lado de Augusto Medina, Víctor Monreal e Andrés Cortés Castillo, com quem formou um quarteto que em 1926 se chamou “Los ruiseñores tampiqueños. Posteriormente, o grupo trocou de nome e de integrantes, e se fizeram chamar “Los trovadores Tamaulipecos”, formado, então por Barcelata, Ernesto Cortázar, Alberto Caballero, Antonio García Planes e Andrés Cortés Castillo. Juntos tiveram enorme sucesso nas cidades de Veracruz, Tamaulipas, Yucatán, em Cuba e nos EUA.

Em 1930, foi designado como diretor da Rádio XETA e posteriormente da XEFO, do Partido Nacional Revolucionário. Nessa época sua canção María Elena alcançou fama internacional, que foi tema musical do filme homônimo dirigida por Raphael J. Sevilla em 1935. Seu sucesso lhe permitiu realizar uma turnê por todo o continente americano. De regresso à Cidade do México, assinou um contrato com a emissora Rádio Mil, onde desenvolveu novos valores para a música mexicana.

A maioria de suas composições se encontra em discos de gravadoras tanto mexicanas como estrangeiras, principalmente dos EUA e algumas de suas canções são María Elena, Por ti aprendí a querer, La bamba, El coconito, El cuerudo, La palomita, El toro coquito e Jalisco nunca pierde.

Em 1938, Ernesto Cortázar e Lorenzo Barcelata criaram a Companhia Produtora de Cine Produções Barcelata-Cortázar, com o que gravaram La reina del rio.

O trabalho de Barcelata no cinema aparece em filmes como La zandunga (Fernando de Fuentes, 1937), Jalisco nunca pierde (Chano Urueta, 1937), Allá en el rancho grande (Fernando de Fuentes, 1936), María Elena (Raphael J. Sevilla, 1935), Bajo el cielo de México (Fernando de Fuentes, 1937), Almas encontradas (Raphael J. Sevilla, 1933), Enemigos (Chano Urueta 1933), Tiburón (Ramón Peón, 1933) e Una vida por otra (John H. Auer / Fernando de Fuentes, 1932).

Foi ator em alguns filmes antes mencionados e em Tierra brava (René Cardona, 1938), ¡Ora Ponciano! (Gabriel Soria, 1936) e Mano a mano (Dir. Arcady Boytler / Ramón Peón, 1932).


Postar um comentário