quinta-feira, 28 de setembro de 2006

Miguel Matamoros

Miguel Matamoros, compositor, violonista e diretor, nasceu em Santiago de Cuba, Cuba, em oito de maio de 1894 e faleceu em 15 de abril de 1971. De origem humilde, teve que trabalhar em diversas profissões para ajudar sua mãe, Nieve Matamoros.

Em Santiago, no início do século XX, foi carpinteiro, pintor de paredes e chofer. Seu pai Marcelino Verdecia, com que teve pouca relação, era marinheiro e aficionado em cantar "reginas" ou quartetos sonoros. Aprendeu violão e trabalhou em festas e serenatas por toda a cidade.

Em 1912 realizou sua primeira atuação profissional no Teatro Heredia de Santiago de Cuba. Em 1920 já era um compositor e cantor conhecido em toda a cidade. Em uma de suas festas de aniversário, em oito de maio de 1925, formou com Siro Rodríguez e Rafael Cueto, o Trío Matamoros.

Em 1928 fez suas primeiras gravações em Nova York para a etiqueta Victor, que tiveram um sucesso sem precedentes. Fez turnês por diferentes países da América e Europa, em uma intensa atividade que duraram 35 anos. Sua viagem ao México com o conjunto Matamoros em 1945 serviu de plataforma para o lançamento de Beny Moré.

Retirou-se da vida musical em 1960 e residiu por uns tempos em Regla, junto a sua única filha Seve Matamoros e sua esposa Juana María Casas, "La Mariposa" da qual se divorciou e foi residir em Santiago de Cuba com um antigo amor de juventude, Mercedes, "la santiaguera de mi amor", casado com ela até sua morte.

Em seu vasto catálogo de obras, destacam-se boleros e sons como Juramento, Lágrimas negras, Olvido, El que siembra su maíz, Reclamo místico, Mariposita de primavera, Mientes, Mamá, son de la loma, Que te están mirando, Alegre conga, El paralítico, ¿Quién tiró la bomba?, Tu boca e outros temas inesquecíveis.


Acesse aqui a relação de compositores e intérpretes de bolero

Bolero: Letras, Cifras e Músicas

Saiba sobre as origens do bolero


Fonte: SonCubano. Tradução: Everaldo J Santos.
Postar um comentário