quinta-feira, 25 de maio de 2006

Quero que vá tudo pro inferno

Numa tarde de domingo, de 1965, às 16h30m, entrava no ar o primeiro programa “Jovem guarda”, direto do auditório da TV Record, em São Paulo. A emissora criou o programa para competir com o prestigiado “Festival da juventude”,  da TV Excelsior   (foto: Wanderléa, Roberto e Erasmo Carlos). 
Tal como Orlando Silva, que foi o primeiro ídolo de massa criado pelo rádio no Brasil, Roberto Carlos seria o primeiro criado pela televisão. A canção que marca o início desse reinado é “Quero que Vá Tudo pro Inferno”.

Foi a partir de seu lançamento no programa “Jovem Guarda”, da TV Record, no final de 1965, seguido do disco homônimo, que Roberto Carlos se tornou o cantor-compositor pop de maior expressão na música brasileira, embora já frequentasse havia mais de três anos as paradas de sucesso. Aliás, o sucesso da canção e do programa foi tão forte que fez de Roberto, em pouquíssimo tempo, líder de audiência em televisão e campeão de vendagem de discos.

Naturalmente, para acontecer em plena década de 1960 um fenômeno desses teria que receber, como recebeu, o apoio maciço de uma poderosa agência de publicidade, no caso a Magaldi, Maia e Prosperi, que seguia padrões americanos. Mas, como o futuro mostraria Roberto Carlos — mesmo depois de deixar de ser novidade — manteria o prestígio, conquistando novos admiradores e conservando os antigos, o que é uma prova de talento e competência.

Poética e musicalmente pobre, alguns pontos abaixo do nível alcançado por canções posteriores (“De que vale o céu azul / e o sol sempre a brilhar / se você não vem / e eu estou a lhe esperar / (...) / quero que você / me aqueça neste inverno / e que tudo mais / vá pro inferno...”), “Quero que Vá Tudo pro Inferno” é emblemático do primeiro estágio das carreiras de Roberto e de seu parceiro Erasmo Carlos, quando os dois representavam os papéis de jovens e rebeldes roqueiros (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Quero que vá tudo pro inferno (jovem guarda, 1965) - Roberto Carlos e Erasmo Carlos - Interpretação: Roberto Carlos

LP Jovem Guarda / Título da música: Quero vá tudo pro inferno / Roberto Carlos (Compositor) / Erasmo Carlos (Compositor) / Roberto Carlos (Intérprete) / Gravadora: CBS / Ano: 1965 / Álbum: 37432 / Lado A / Faixa 1 / Gênero musical: Rock - Jovem Guarda.

Bm
  de que vale o céu azul
      Em               F#7
  e o sol sempre a brilhar
  Bm
  se você não vem
         Em            F#7
  e eu estou a lhe esperar
  F#m        B7    F#m         B7
  só tenho você    no meu pensamento
  F#m        B7         E           F#7
  e a sua ausência    é todo meu tormento
    E         F#7       B    D#m     G#m
  quero que você   me aqueça neste inverno
  E           F#7             B    Bm
  e que tudo mais   vá pro inferno

  de que vale a minha
      Em            F#7
  boa vida de play-boy
     Bm
  se entro no meu carro
      Em         F#7
  e a solidão me dói
  F#m              B7      F#m        B7
  onde quer que eu ande    tudo é tão triste
  F#m        B7           E           F#7
  não me interessa     o que de mais existe
    E         F#7         B   D#m     G#m
  quero que você    me aqueça neste inverno
  E           F#7              B
  e que tudo mais    vá pro inferno
  F#m          B7
  não suporto mais
  F#m           B7
  você longe de mim
  F#m           B7
  quero até morrer
      E    G#m   C#m
  do que viver assim
       E         F#7         B   D#m     G#m
  só quero que você    me aqueça neste inverno
  E           F#7              B     G#m
  e que tudo mais   vá pro’ inferno  uou uou
  E           F#7              B
  e que tudo mais   vá pro’ inferno
Postar um comentário