quinta-feira, 11 de maio de 2006

Saudosa maloca

O cunho descritivo e a reprodução perfeita dos linguajares caipira e paulistano italianado, próprios dos ambientes em que viveu Adoniran Barbosa, são as características básicas do estilo que o tornou o compositor mais popular da cidade de São Paulo. Sem dúvida, essas características já aparecem em seu primeiro sucesso nacional, o samba "Saudosa Maloca", que narra o episódio da demolição de uma "casa véia", refúgio de um grupo de desvalidos, para a construção de um "arto" edifício.

Espontâneo, espirituoso, personagem ele mesmo de alguns de seus sambas, Adoniran (que foi grande comediante de rádio, destacando-se como o personagem Charutinho, no programa "História das Malocas") é um dos melhores intérpretes de sua obra, só igualado, talvez, pelos Demônios da Garoa, que popularizaram "Saudosa Maloca". Aliás, esta composição já havia sido gravada por Adoniran, com o título de "Saudade da Maloca", quando o pessoal do conjunto a conheceu nos sets de filmagem de "O Cangaceiro". Na ocasião, Adoniran fazia uma ponta no filme, enquanto os Demônios formavam o coro dos cangaceiros.

Saudosa maloca (samba, 1955) - Adoniran Barbosa - Intérprete: Demônios da Garoa

Disco 78 rpm / Título da música: Saudosa maloca / Barbosa, Adoniran, 1910-1982 (Compositor) / Demônios da Garoa (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1955 / Nº Álbum 13855 / Gênero musical: Samba.


(intro) Dm Am B7 E7 A7 Dm Am B7 E7 Am E7
                     Am
Se o sinhô não tá lembrado
    Bm7(b5) E7(b9)  Am7(9)
Dá licença de contá
 Em7(b5)
Que aqui onde agora está
 Em7(b5)        A7
Esse edifício arto
              Em7(b5)
Era uma casa véia
    A7             Dm
Um palacete assobradado
Foi aqui seu moço,que eu
                Am
Mato Grosso eo Joca
       B7           E7
Construímos nossa maloca
        Em7(b5)
Mais um dia
          A7          Dm
Nóis nem pode se alembrá
                          Am
Veio os homes com as ferramentas
         E7       Am
O dono mandô derruba
   Bm7(b5) E7(b9)      Am
Peguemo todas nossas coisas
                    A7
E fumos pro meio da rua
               Dm
Preciá a demolição
                           Am
Que tristeza que nois sentia
                  B7
Cada tábua que caía
             E7
Duia no coração
                    Dm
Mato grosso quis gritá
    Bm5-/7         Am
Mas em cima eu falei
                 A7
Os home tá coa razão
                      Dm
Nois arranjá outro lugá
                 Bm5-/7
Só se conformemos
                 Am
Quando o Jocá falou
          B7                   E7
Deus dá o frio conforme o cobertô
                    Dm                    Am
E hoje nois peça a páia nas gramas do jardim
           B7         E7       Am
E pra esquecê nois cantemos assim

(refrão 3x)
          Dm               Am
Saudosa Maloca, maloca querida
                    B7               E7          Am
Di de donde nóis passemos os dias feliz da nossa vida

(intro)

Joque as casca pra lá...
Jogue as casca pra lá...


A Canção no Tempo - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Vol. 1 - Editora 34
Postar um comentário