sábado, 3 de junho de 2006

Banal (O blue do travesti)

Oswaldo Montenegro
E
Quero que se dane a estrutura, a coerência
                               E7
Que o homem construiu nesse planeta
                 A
Olha meu Deus, é banal
                      E
Todo o pensamento é banal
             B
Quero que a lógica se dane
      A                          E
Olha, princesa, o pensamento é banal
E
Lógica é sempre o menor pedaço do que o homem
                                    E7
Construiu nesse planeta o resto se perdeu
              A
Meu Deus, é banal
                   E
Todo pensamento é banal
               B
Quero que a lógica se dane
        A                      E
Olha, princesa, o pensamento é banal
E
Olha o matemático, andarilho o carroceiro
                      E7
Seu amigo, mago da intuição
                           A
Não pense, o pensamento é banal
                   E
Todo pensamento é banal
                      B
Quero que a lógica se dane
        A                        E
Olha, princesa, o pensamento é banal
E
Da cartesiana sensação de coerência
                         E7
Em que a prudência vale mais 
                                  A
Que andar na corda bamba solta e total
                   E
Eu tenho horror é banal 
             B
Quero que a lógica se dane
         A                      E
Olha, princesa, o pensamento é banal.
Postar um comentário