sábado, 3 de junho de 2006

Bandolins

“Bandolins” foi um presente de aniversário que Osvaldo Montenegro ofereceu a uma amiga bailarina. A intenção era reanimá-la, pois na ocasião a moça estava inconformada por seu namorado ter viajado para a França, enquanto ela, menor de idade, fora impedida de acompanhá-lo.

Daí o imaginário pas de deux narrado na letra, que ela dança sozinha: “Como se fosse um par / que nessa valsa triste se desenvolvesse / ao som dos bandolins / e como não e por que não dizer / (...) / ela valsando só na madrugada / se julgando amada / ao som dos bandolins...”

Por essa época, Osvaldo já havia gravado o elepê Poeta maldito... moleque vadio, que apesar da produção caprichada fôra um fracasso, pondo em risco sua permanência na gravadora. Em conseqüência, a Warner havia lhe proposto, para continuar, apenas a metade de um compacto simples, que teria na outra face música de um compositor novo, o nada animador João Boa Morte.

Osvaldo estava mesmo a ponto de desistir da carreira, quando surgiu a oportunidade de inscrever “Bandolins” no Festival 79 de Música Popular da TV Tupi. Na realidade, ele não se sentia muito esperançoso de um bom resultado, expectativa que só piorou quando notou uma tendência de parte do público em favor da emergente vanguarda paulistana de Arrigo Barnabé e Itamar Assumpção. Os mais radicais haviam chegado a vaiar Caetano Veloso, que defendia “Dona Culpa Ficou Solteira”, de Jorge Ben.

Foi nesse estado emocional que Osvaldo pisou o palco do Anhembi, em São Paulo, para mostrar sua valsa, ao lado do amigo José Alexandre. Mas, para sua surpresa, a reação da platéia ao ouvir “Bandolins” foi altamente positiva, tendo a canção conquistado o terceiro lugar e projetado Osvaldo bem mais até do que os dois concorrentes que chegaram à sua frente. Então, além de um compacto inteiro, a Warner deu- lhe o segundo elepê e sua carreira deslanchou.

A propósito, esse festival temporão da Tupi — coordenado por Solano Ribeiro, que dirigira festivais na Excelsior e Record — acabou dando visibilidade a artistas em ascensão como Alceu Valença (com “Coração Bobo”), Elba Ramalho (com “América”) e a dupla Kleiton e Kledir (com “Maria Fumaça”) (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Bandolins (1980) - Oswaldo Montenegro
Intro: Fm Fm/Eb Dm5-/7 Fm/C# Bb F D7

 
Gm            Gm/F
Como fosse um par que 
            Em5-/7            Cm/Eb
Nessa valsa triste e se desenvolvesse 
                Gm     
Ao som dos bandolins 
       Gm/F 
E como não e porque 
     Cm
Não dizer que o mundo 
           F
Respirava mais se ela 
         Bb
Apertava assim 
    Bb7+  Dm  Am
Seu colo como se
    D7         Eb
Não fosse um tempo
           Cm      D7                 Gm
Em que já fosse impróprio se dançar assim 
       Gm/F             Em5-/7          Cm/Eb
Ela teimou e enfrentou o mundo se rodopiando
             Gm      Gm/F Em5-/7 Cm/Eb F
Ao som dos bandolins

Gm                Gm/F
Como se fosse um lar 
                   Em5-/7
Seu corpo a valsa triste 
                Cm/Eb
Iluminava  e a noite 
           Gm    
Caminhava assim
          Gm/F
E como um par 
                Cm                 F
O vento e a madrugada iluminavam a fada 
            Bb
Do meu botequim
    Bb7+  Dm    Am
Valsando como valsa 
D7       Eb        Cm    D7
Uma criança que entra na roda 
               Gm
A noite tá no fim 
       Gm/F            Em5-/7
Ela valsando só na madrugada 
              Cm/Eb
Se julgando amada 
            Gm
Ao som dos bandolins 


Postar um comentário