sábado, 3 de junho de 2006

Rasura

Oswaldo Montenegro
C
Me desculpe o mesmo gesto 
                       F
Meu constante gesto insano 
                           G
Que por mais que a mente negue
                   C
Teu coração ele marcou
                   E
Como a lógica dos fatos 
                      A
Que eu traí a todo instante
                    E
Rasurando nosso branco
                      A
Com a mistura que eu sou
                   C
Me desculpe o gesto louco
                   F
A aspereza da loucura
                      G
'Inda queima no meu calmo
                 C
Doido e calmo coração
                           E
Mas por que, se a gente é tanto
                    A
Nosso amor sofreu rasura?
                     E
Nosso inconfundível gesto
                  A
eu desfiz na minha mão
D
Me desculpe, ou melhor, não
                 G
Me abrace e comemore
                      A
Que a rasura que foi feita
                     D
Foi perfeita na sua hora
                      F#
E mais que o mais perfeito
               B
Rasurar valeu a pena
                F#              B
Como esteve rasurado o primeiro original
                E
Do mais lindo poema.
Postar um comentário