quinta-feira, 10 de agosto de 2006

O nome dela não digo

Sílvio Caldas
O nome dela não digo (valsa, 1936) - Orestes Barbosa e Sílvio Caldas

A mágoa não me abandona
Uma mulher telefona
Há de ser para indagar

Que grande paixão é esta
Que fez de um viver de festa
Esta tragédia sem par

A culpa foi do ciúme
A causa foi um perfume
Um beijo frio e depois

As discussões repetidas
Um drama de duas vidas
A culpa foi de nos dois

O nome dela eu não digo
O nome eu guardo comigo
Na urna do coração

Meu coração um bandido
Que até a mim tem traído
Na febre desta ilusão
E agora vivo mentindo

Como quem cresça não acha
Como que passa a borracha
Num lindo trecho que errou

Nenhum comentário: